Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Papa volta a denunciar atos de padres pedófilos

  • 333

“Vão responder pelos seus atos”, garante Francisco. “Eu falei duramente”

POOL / Reuters

O Papa Francisco voltou a denunciar o comportamento das pessoas, "incluindo alguns bispos", que disse serem "culpados" de crimes de pedofilia cobertos pela Igreja. "Nós não podemos encobrir" atos de padres pedófilos e "daqueles que são culpados, incluindo alguns bispos", disse o Papa esta segunda-feira, numa conferência de imprensa no avião papal de regresso dos Estados Unidos da América.

"O abuso sexual está em toda parte: no ambiente doméstico, vizinhança, escolas, recintos desportivos. Mas quando um padre é culpado de abuso isso é muito grave, porque o seu objetivo é fazer crescer a criança, a rapariga, para o amor de Deus em direção à maturidade emocional, para o bem."

No domingo, Francisco recebeu em Filadélfia as vítimas de atos de pedofilia e disse aos bispos norte-americanos que "Deus chora pelos pecados e (que) os crimes de abuso sexual de crianças não devem continuar a ser mantidos em segredo", assinalando que as autoridades envolvidas nestes casos "vão responder pelos seus atos". "Eu falei duramente", garantiu.

Anteriormente, em Washington, o líder da Igreja Católica desencadeou a ira de organizações de vítimas de abuso sexual dentro das congregações religiosas ao ter expressado sua "compaixão" para com os bispos norte-americanos. "Eu estava a conversar com todos os bispos dos Estados Unidos e senti a necessidade de expressar a minha compaixão por uma coisa horrível: muitos deles sofreram. Eles não sabiam", explicou.

O escândalo dos padres pedófilos contribuiu grandemente para desacreditar a Igreja Católica, após a revelação de casos envolvendo dezenas de milhares de menores, ocorridos no período 1960-1980. Acresce à má imagem da igreja a recusa de dezenas de bispos em ouvir as queixas dos menores e por terem protegido os padres alegadamente envolvidos naqueles casos de abuso sexual.

O Vaticano criou no início de junho uma nova instância para julgar os bispos culpados de terem protegido os padres pedófilos.