Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Um sistema, dois rankings: afinal, qual é o melhor hospital público do país?

  • 333

No intervalo de 24 horas, dois estudos colocam os dois grandes Centros Hospitalares do Porto no topo da pódio das boas práticas clínicas. A multinacional de benchmarketing IASIST dá a primazia ao Santo António, enquanto a Escola Nacional de Saúde Pública distingue o São João

Isabel Paulo

Isabel Paulo

Jornalista

Afinal, qual é o melhor hospital público do país? São João ou Santo António? Sollari Allegro, presidente do conselho de administração da mais antiga instituição de saúde do país em funcionamento, defende a sua dama, o Centro Hospitalar do Porto, vulgo Santo António, que repete o primeiro lugar no ranking na categoria das grandes unidades de saúde diferenciadas.

“Sem desprimor para o São João, que é um excelente hospital universitário, a questão é que a análise da Escola Nacional de Saúde Pública [ENSP], ainda provisória, não é bem um ranking global, pois avalia apenas critérios de internamento e os hospitais não têm apenas essa valência”, sustenta Sollari Allegro, satisfeito por ver o Santo António repetir o prémio de melhor hospital do país.

Outra das razões que levam Allegro a considerar que o ranking da ENSP é menos fiável prende-se com a metodologia de comparar o que não é comparável, ou seja, “é tudo ao molhe e fé em Deus, desde grandes hospitais como o São João, Santa Maria ou Santo António, e unidades pequenas e médias” .

“Por maior consideração que tenha, por exemplo, pelo Hospital de Barcelos, que é um bom pequeno hospital, não tem a mesma pressão, nem as mesmas valências de um estabelecimento de saúde central”, acrescenta o administrador, que terça-feira recebeu pelo segundo ano consecutivo a distinção de melhor hospital central e universitário (Grupo E) das mãos de Paulo Macedo, cerimónia que decorreu na Universidade Nova de Lisboa.

Sollari Allegro não nega, contudo, importância ao estudo da ENSP, que colocou no topo do desempenho dos hospitais públicos ao nível do internamento o Centro Hospitalar de São João: “É o melhor no tratamento das doenças cardíacas e vasculares, entre outras patologias, e tenho todo o interesse em saber porquê para corrigir o que se faz menos bem no Santo António”.

“Haja saúde, com mais ranking ou menos ranking”

O administrador do Centro Hospitalar do Porto, que integra o prestigiado Centro Académico Clínico Instituto de Ciências Abel Salazar (ICBAS), afirma ao Expresso que o seu orgulho deve-se, sobretudo, ao facto de o Santo António ter sido sujeito a “grande stress entre 2007 e 2011”, os anos de acolhimento de três velhos hospitais de diferentes culturas e práticas na sua estrutura, o último dos quais o Hospital Joaquim Urbano. “Quatro anos depois, todos torcemos para o mesmo lado e assiste-se a uma entrega e motivação total de todos os funcionários do hospital, do pessoal de enfermagem a médicos e diretores de serviço. Só assim se explica o nosso sucesso”, conclui Allegro.

O top 5 “Excelência dos Hospitais Portugueses” é elaborado com base nos indicadores produzidos pela Administração Central do Sistema de Saúde (ACSS), analisando o desempenho das unidades hospitalares da mesma dimensão e nível de diferenciação, a qualidade assistencial, eficiência e adequação.

Entre os parâmetros analisados contam nove indicadores que contribuem para a avaliação global: índice de mortalidade ajustado pelo risco; índice de cirurgia de ambulatório ajustado; índice de cesarianas; índice de demora média; doentes padrão por médico; doentes padrão por enfermeiro: custos operacionais por doente padrão.

Na radiografia da multinacional espanhola IASIST, o São João, hospital-escola da Faculdade de Medicina da Universidade do Porto e que tem as melhores médias de ingresso no ensino superior há oito anos consecutivos, ficou no segundo lugar do pódio.

Rivalidades à parte, Sollari Allegro diz que mais importante do que mais ranking ou menos ranking é que haja saúde no país, preferencialmente pública.