Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

“Os bens vão chegar a quem mais precisa.” Doações dos portugueses a caminho dos refugiados na Croácia

  • 333

As mais de 50 toneladas de bens doados pelos portugueses vão ser entregues a refugiados na Croácia. Entrega pode ser acompanhada no Facebook

Carolina Reis

Carolina Reis

Texto

Jornalista

Tiago Miranda

Tiago Miranda

Fotos

Fotojornalista

Nasceu motivada pelas imagens impressionantes que chegam da Hungria. Em cinco dias, a Aylan Kurdi Caravan recolheu mais de 50 toneladas de bens e parte sábado em direção à Croácia, confirmou ao Expresso a organização. O fecho de fronteiras na Hungria obrigou a mudar a rota.

“Estamos a acompanhar as rotas de entrada de refugiados e, provavelmente, só teremos certeza do local final durante a viagem. Uma coisa é certa - os bens vão chegar a quem mais precisa”, disse esta quinta-feira de tarde ao Expresso Diário João Vasconcelos, ainda antes de estar confirmado o destino final.

A dimensão do projeto, que o Expresso noticiou em primeira mão, ultrapassou as expectativas e alcançou proporções que a organização não esperava. 150 voluntários estão, desde segunda-feira, em 30 centros regionais a receber alimentos, roupa, brinquedos e outros bens.

O nome, simbólico, é uma homenagem à criança síria cuja imagem da morte correu (e comoveu) o mundo. "Não conseguimos ficar indiferentes às imagens que vemos", disse João Vasconcelos, sábado, antes de imaginar a dimensão que o projeto teria.

Tiago Miranda

A organização está em contacto com várias embaixadas, Cruz Vermelha e ONG no terreno para conseguir, de maneira eficaz, desalfandegar e transportar os camiões que partem este sábado de manhã. É nessa altura que alguns membros da Aylan Kurdi Caravan voam até Zagreb, de forma a chegarem antes das 50 toneladas de bens recolhidos.

A Aylan Kurdi Caravan, que representa a maior iniciativa da sociedade civil para ajudar os refugiados que chegam à Europa, está consciente da responsabilidade. “O nosso compromisso é entregar os bens a quem precisa. Temos consciência do grau de responsabilidade e exigência, por isso, porque queremos que as pessoas tenham certezas, vamos publicando na página do Facebook o processo de entrega.”

Tiago Miranda