Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

É isto que eles pagam

  • 333

Maria (nome fictício) faz as contas: dos €449,45 que lhe chegam ao bolso, depois dos descontos, por mês €130 vão para os transportes e €100 para as propinas da universidade. Ainda vive em casa dos pais, por isso os €7,55 que sobram por dia ficam para gastos pessoais

José Caria

Um em cada cinco trabalhadores (20%) leva hoje para casa o ordenado mínimo: €505, menos do que o salário real de 1974 indexado à atualidade. Clarice e Maria são duas mulheres, de histórias e vidas bastante diferentes, que o recebem todos os meses. Mas enquanto Maria descobriu este ano o primeiro emprego e tem ainda poucas despesas, Clarice já recebe o mínimo há duas décadas, tem uma casa para sustentar e todos os seus dias são uma luta pela sobrevivência. Este é o 14º artigo da série “30 Retratos” que o Expresso está a publicar diariamente: são 30 temas, 30 números e 30 histórias que ilustram o que Portugal é hoje em vésperas de eleições

Maria João Bourbon

Maria João Bourbon

Texto

Jornalista

Sofia Miguel Rosa

Sofia Miguel Rosa

Infografia

Jornalista infográfica

José Caria

José Caria

Fotos

Fotojornalista

O edifício é grande. E Clarice é só mais um pequeno pontinho lá ao fundo, a aproximar-se. Vem num passo lento e marcado, com uma calma que talvez ninguém possa apressar. “A minha vida é assim, tenho que levar devagarinho, não posso desistir.” Desde que chegou a Portugal em 1994, Clarice Rocha recebe o ordenado mínimo – primeiro a trabalhar num supermercado, depois no atual emprego como empregada das limpezas.

Em São Tomé e Príncipe, a vida não estava fácil, faltava trabalho, faltava dinheiro, faltava até a juventude. Clarice nunca conseguiu ir à escola e estudar. Toda a sua vida foi trabalho, trabalho e mais trabalho. “É assim…” Di-lo como se fosse este o seu fado, uma realidade que não pode senão aceitar. “É isto que eles pagam… A gente não se pode queixar, não sei se eles conseguem pagar mais. Graças a Deus, desde que estou em Portugal emprego nunca faltou”, reconhece. A são-tomense de 58 anos já tinha sido entrevistada pelo Expresso quando o salário mínimo aumentou em 2014, para fazer contas à vida e prever que diferença €20 iriam fazer no seu orçamento familiar. Agora, um ano depois, voltámos a encontrá-la perto do edifício onde trabalha.

Sentada na paragem de autocarro, de olhos postos na empresa, Clarice vai falando. Foi aqui que nos últimos 16 anos passou a maioria dos seus dias. Diariamente percorre mais de 15 quilómetros desde a casa onde vive no Cacém até Carnide. Sai bem cedinho, às 7h30, para trabalhar das 9h às 18h – e houve tempos em que, quando não lhe doíam as costas e as ancas, ainda ia para o Campo Pequeno até às 23h amealhar mais algum. Hoje, quando regressa ao final do dia já não é para sua casa que se dirige, mas para a de um dos filhos (tem cinco, no total). “No último ano estava a pagar quase €300 de renda, mas acabei por entregar a casa porque não conseguia mais. Agora estou a viver em casa da minha filha, ela está em França à procura de trabalho.” Clarice ficou cá com o genro, que está doente.

3,5 euros por dia: “É uma questão de sobrevivência”

Fazer as contas à vida era e continua a ser o dia a dia de Clarice. Os €505 não chegam para tudo – até porque na verdade o dinheiro que lhe cai nos bolsos não atinge esse valor. Com os descontos para a Segurança Social, leva para casa quase €450 (€449,45). Depois, é só desembolsar: €295 iam para a renda da anterior casa (agora ainda não sabe quanto vai gastar) e €50 para o passe social de transportes. Sobram-lhe então €105 por mês – ou €3,5 por dia – para despesas de alimentação, gás, luz e medicamentos. “Não fico a dever. Não vou pedir. Posso pagar e ficar sem nada, o dinheiro pode não chegar para tudo, mas tenho que comprar alimentação e medicamentos para a tensão alta e dores de costas: é uma questão de sobrevivência.” E vai gastando o que pode: quando não há dinheiro, “até comprar comida é difícil”.

Clarice sabe que não é caso único em Portugal. Na verdade, um em cada cinco trabalhadores (19,6%) leva para casa o salário mínimo nacional. Bastou uma subida deste rendimento em €20 em outubro do ano passado para que o número de pessoas nesta situação aumentasse de 13% para 19,6%. Em 2011, ano da chegada da troika, 11,3% recebiam este valor e entre 2006 e 2012 o número de pessoas foi aumentando e até triplicou, atingindo 400 mil. Estas são as conclusões do Gabinete de Estudos do Ministério da Economia, que, segundo os sindicatos, pecam por defeito ao não contabilizar os cerca de 20 mil funcionários públicos.

Mas, afinal, quem são estas pessoas além dos números? “Jovens de baixa qualificação, residentes na zona norte, que trabalham essencialmente nos setores da restauração, têxtil e vestuário, comércio e retalho, construção civil.” É este o perfil da maioria dos trabalhadores que aufere o rendimento mínimo em Portugal, descreve o economista da Universidade do Minho João Cerejeira. Além disso, verifica-se uma maior incidência nas mulheres (uma em cada quatro recebe o mínimo obrigatório por lei), o que, em parte, “é um reflexo das desigualdades de género no nosso país”.

Mais baixo que em 1974

Desde que foi instituído em 1974, o salário mínimo (3.300 escudos ou €16,5) abrangia cerca de 56% da população portuguesa. Olhando para essa data pode parecer, à primeira vista, que foi tendo uma grande evolução ao longo dos anos. Mas não se o ajustarmos aos valores de 2013 – o mínimo em 1974 corresponderia nos dias de hoje a €548, mais €43 que o rendimento atual.

Ao longo dos anos, a retribuição mínima mensal garantida foi perdendo valor real. Há muito que sindicatos e alguns partidos advogavam o aumento do salário mínimo, congelado entre 2011 e 2014 – uma atitude “prudente”, defende João Cerejeira. “Quando o desemprego aumenta, nada aconselha uma subida do salário mínimo (…), porque o custo do trabalho é maior para as empresas, o que pode levar os empregadores a não contratar mais.” No entanto, o economista ressalva que se este ano existir um aumento de 1% ou 2%, associado a outras medidas como a descida da TSU (taxa social única), “as consequências não serão muito negativas”. Mas ressalva: “Uma subida para €600 como aquela que aparece nas propostas de alguns partidos é completamente impraticável”.

Dizer que o salário mínimo não deve aumentar do ponto de vista da sustentabilidade do país não é o mesmo que dizer que este é suficiente para as famílias viverem com o mínimo de dignidade. Essa é uma questão que “tem mais a ver com a dimensão da pobreza e não apenas salarial”, diz o economista. Em Portugal, “sabemos que existe um número grande de pessoas que estão no mercado de trabalho e vivem abaixo do limiar da pobreza”. Ou seja, o facto de estarem a trabalhar não é uma fuga à pobreza.

A luta diária de Clarice pela sobrevivência evidencia este problema. Já Maria (nome fictício) vive uma realidade bem diferente: praticamente licenciada (falta-lhe uma cadeira para terminar o curso) e ainda em casa dos pais, agarrou uma oportunidade de trabalho para ganhar experiência na área de contabilidade. “Resolvi procurar emprego porque já estava farta de estudar, nunca chumbei nenhum ano – ou seja, estive 14 ou 15 anos a estudar sem parar e por isso queria fazer um ano de pausa. E para não estar em casa sem fazer nada, decidi trabalhar.”

Maria (nome fictício) desembolsa mensalmente €130 no passe de transportes, para se deslocar desde a Margem Sul, onde vive, até Lisboa. Aos 21 anos, recebe o salário mínimo nacional

Maria (nome fictício) desembolsa mensalmente €130 no passe de transportes, para se deslocar desde a Margem Sul, onde vive, até Lisboa. Aos 21 anos, recebe o salário mínimo nacional

José Caria

É isso que está agora no meu coração

Quando lhe disseram que ia receber o ordenado mínimo, Maria nem hesitou. “Quem ainda mora em casa dos pais consegue perfeitamente aguentar e poupar dinheiro.” Além disso, foi para “ganhar experiência” e “algum dinheiro” (“para não ter que estar sempre a pedir aos meus pais”) que a jovem de 21 anos escolheu trabalhar antes de entrar no mestrado. E considera-se com sorte, já que alguns dos seus amigos estão a fazer estágios curriculares não remunerados, nos quais não recebem sequer subsídios de alimentação ou de transporte.

Maria recebe o mínimo e os gastos que tem ainda não são muitos: como vive na Margem Sul, perto de Setúbal, gasta no passe de transportes €123 e tem ainda que desembolsar cerca de €100 mensais para as propinas da universidade. Feitas as contas, sobram-lhe €226,45 mensais, o que corresponde a €7,55 por dia.

Ainda assim, reconhece que este ordenado não seria suficiente se vivesse sozinha. Mas vê esta oportunidade como uma rampa de lançamento para algo melhor. Pelo menos é com isso que sonha: “Espero que seja apenas o início de um futuro promissor”.

Já Clarice diz que durante muitos anos não pôde sonhar. Agora, a poucas semanas de completar 59, está a pensar numa alternativa. “Vou pedir a reforma antecipada e vou-me embora. São Tomé é um país pobre, mas se me derem €200 ou €250, já me compensa. É melhor ir para lá do que ficar cá a pagar casa, luz, transportes… E levo uma vida mais descansada”, diz, terminando assim a conversa. “Este é o meu sonho, voltar para São Tomé. É isso que está agora no meu coração.”

  • Nós, portugueses: retratos de um país que vai a eleições

    Durante o mês que antecedeu as legislativas, o Expresso publicou 30 retratos do que Portugal é hoje. Da natalidade ao envelhecimento, do desemprego jovem à criação de empresas, da pobreza ao desperdício alimentar, da agricultura às pescas, do cinema aos livros, do turismo ao ambiente, da emigração ao desporto, do talento à habitação. São 30 temas, 30 números e 30 histórias

  • “Porque hei de ir embora mais cedo para depois estar sozinho?”

    Há cerca de 70 pessoas, na sua maioria sem-abrigo, que todos os dias comem no único sítio em Lisboa que lhes dá mesas, cadeiras, talheres e copos para que pelo menos à hora das refeições tenham um sítio onde comer que não seja a rua. Os pedidos de apoio têm aumentado e é preciso um espaço maior. Atualmente, 19,5% dos portugueses estão em risco de pobreza e é preciso recuar a 2003 para encontrar uma taxa maior. Este é o primeiro artigo da série “30 Retratos” que o Expresso vai publicar diariamente. São 30 temas, 30 números e 30 histórias que ilustram o que Portugal é hoje em vésperas de eleições

  • É preciso aprender a envelhecer

    Virgínia tem 78 anos, caminha seis quilómetros por dia, viaja pelo mundo fora e ainda quer ir ao Canadá, Estados Unidos e Inglaterra. “A velhice programa-se”, diz. Em 2030, Portugal poderá ser o país mais envelhecido do mundo. Este é o segundo artigo da série “30 Retratos” que o Expresso vai publicar diariamente: são 30 temas, 30 números e 30 histórias que ilustram o que Portugal é hoje em vésperas de eleições

  • Os 44 anos de um carocha que custou 60 contos e 56 escudos

    Marcial comprou um carocha branco em 1971 que conseguiu manter até hoje. O mercado automóvel mudou nos anos 1980 e sofreu grandes perdas em 2012. Agora está a recuperar e em agosto deste ano as vendas aumentaram 24% em relação ao período homólogo. Este é o terceiro artigo da série “30 Retratos” que o Expresso vai publicar diariamente: são 30 temas, 30 números e 30 histórias que ilustram o que Portugal é hoje em vésperas de eleições

  • O “fator 30” traz mais bebés?

    Nos primeiros meses deste ano já nasceram mais bebés do que no mesmo período do ano anterior, embora ainda seja cedo para concluir que a natalidade vá aumentar em 2015, contrariando a tendência dos últimos anos. Até maio, nasceram 33.637 bebés em Portugal e Miguel Cruz é um deles. Este é o quarto artigo da série “30 Retratos” que o Expresso vai publicar diariamente: são 30 temas, 30 números e 30 histórias que ilustram o que Portugal é hoje em vésperas de eleições

  • “Não estou a fazer sapatos nem salsichas - há mais qualquer coisa nisto.” O cinema independente não está morto

    O cinema já foi dado como morto várias vezes. O número de espectadores diminuiu 30% numa década, as receitas de bilheteira caíram 12% e houve várias salas que fecharam. Mas há duas histórias paralelas a esta, a do Cinema Nimas e a do Cinema Ideal, em Lisboa, que reabriu em agosto do ano passado. Este é o quinto artigo da série “30 Retratos” que o Expresso vai publicar diariamente. São 30 temas, 30 números e 30 histórias que ilustram o que Portugal é hoje em vésperas de eleições

  • Minha querida agricultura

    António quis fugir da vida na terra que os pais e os irmãos levavam. Estudou engenharia, trabalhou como programador e aos 50 anos voltou à agricultura. Emociona-se no fim da conversa, ele que faz parte dos 6,5% de população agrícola familiar em Portugal, proporção que em 1989 era de 19,8%. Este é o sexto artigo da série “30 Retratos” que o Expresso está a publicar diariamente. São 30 temas, 30 números e 30 histórias que ilustram o que Portugal é hoje em vésperas de eleições

  • Treze mil dias de mar

    Carlos Alfaiate é pescador desde os 14 anos. Pescou na Mauritânia e em Marrocos, tem 36 anos e oito meses de mar no corpo, tirou chernes que valiam €1200. Passou décadas fora de Portugal e regressou em 2004, com arrependimentos e angústias. O sector de Carlos, que se fartou tantas vezes do mar, mudou nas últimas décadas e as 119.890 toneladas de peixe vendidas em 2014 são o valor mais baixo desde que há registos. Este é o sétimo artigo da série “30 Retratos” que o Expresso está a publicar diariamente. São 30 temas, 30 números e 30 histórias que ilustram o que Portugal é hoje em vésperas de eleições

  • O problema mais sério ainda está para chegar

    O centro de saúde de Mogadouro já teve 18 mil utentes e 13 médicos, agora tem metade. A diretora do centro lembra que será um “problema grave” quando ali se reformarem os médicos mais velhos. Portugal tem uma das maiores disparidades da UE na distribuição de médicos no território: por 1000 habitantes, há 2,2 médicos em zonas rurais e 5,1 em zonas urbanas. Este é o oitavo artigo da série “30 Retratos” que o Expresso está publicar diariamente: são 30 temas, 30 números e 30 histórias que ilustram o que Portugal é hoje em vésperas de eleições

  • Vencer o vício da prisão

    Até aos 44 anos, António passou o tempo a entrar e a sair da prisão. Mas algo foi diferente da última vez: quando chegou cá fora tinha algo a que se agarrar. Entre 2010 e 2014, o número de reclusos nas prisões aumentou 20,4% – e só no fim dos anos 1990 houve um número semelhante de presos. Este é o nono artigo da série “30 Retratos” que o Expresso está a publicar diariamente: são 30 temas, 30 números e 30 histórias que ilustram o que Portugal é hoje em vésperas de eleições

  • Uma casa para o resto da vida

    Há mais pessoas a comprar casa e o sector da construção e do imobiliário tem sentido as melhorias. Filipa Vasconcelos e o marido tiveram um bebé no final do ano passado e decidiram, pela primeira vez, que fazia sentido comprar casa. “Claro que vamos ficar a pagar a prestação para o resto da vida, mas também pagaríamos uma renda.” Compraram um T4 com cinco assoalhadas por 75 mil euros. Este é o décimo artigo da série “30 Retratos” que o Expresso está a publicar diariamente. São 30 temas, 30 números e 30 histórias que ilustram o que Portugal é hoje em vésperas de eleições

  • “Estou aqui com uma ideia: devíamos fazer uma academia para ensinar desempregados a programar”

    Por um lado há vagas para programadores que ficam por preencher, por outro há jovens qualificados sem emprego. A Academia de Código é uma empresa criada em 2013 para juntar as duas coisas e já estendeu as aulas de código às escolas primárias. Desde o início deste ano, a criação de empresas já está 8,4% acima de 2014. Este é o 11º artigo da série “30 Retratos” que o Expresso está a publicar diariamente. São 30 temas, 30 números e 30 histórias que ilustram o que Portugal é hoje em vésperas de eleições

  • A dignidade de saber ler e escrever. E de compreender

    Aos 54 anos, Edna decidiu voltar a estudar. Começou a trabalhar aos nove e, por isso, as palavras que poderia ler e escrever ficaram pelo caminho – aprendeu-as na 1ª e 2ª classe mas acabou por esquecê-las, guardando na memória apenas o nome e algumas letras, soltas, desordenadas. Hoje, após dois anos de aulas, já não contribui para as estatísticas oficiais de analfabetos (eram 5,2% em 2011), mas tem pela frente a barreira da iliteracia - tal como muitos portugueses (eram 48% em 2005) que não conseguem compreender totalmente o que leem. Este é o 12º artigo da série “30 Retratos” que o Expresso está a publicar diariamente. São 30 temas, 30 números e 30 histórias que ilustram o que Portugal é hoje em vésperas de eleições

  • O que sobra a um é o que falta a outro

    Estima-se que um milhão de toneladas de alimentos seja desperdiçado por ano em Portugal. Para fazer a ponte entre o que sobra a um e falta a outro, há associações como a Refood, que já distribui cerca de 35 mil refeições por mês. Este é o 13.º artigo da série “30 Retratos” que o Expresso está a publicar diariamente: são 30 temas, 30 números e 30 histórias que ilustram o que Portugal é hoje em vésperas de eleições