Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

O que elas dizem do que Paulo Portas diz delas (e não é bonito)

  • 333

Mário Cruz / Lusa

A defesa da mulher sossegada a tratar dos velhos, acautelar os novos, poupar o dinheiro da família e zelar discretamente pelo bem comum não caiu bem. Mesmo em grupos mais conservadores, a ideia de uma dócil fada do lar lançada domingo por Paulo Portas em Vagos despertou a rejeição de quem luta pela igualdade de direitos de género

A ministra da Agricultura, Assunção Cristas, de partida para o Luxemburgo, não teve tempo para comentar. A secretária de Estado dos Assuntos Parlamentares e da Igualdade, Teresa Morais, também não. Maria de Belém não atendeu o telefone. Mas quem reagiu repudiou as declarações de Paulo Portas sobre o papel da mulher na sociedade. E rejeitou a ideia de uma mulher resguardada no refúgio do lar.

“Recomendo ao senhor ministro que leia com atenção a Constituição da República, que certamente jurou cumprir quando tomou posse do cargo que ocupa.” A reação é de Teresa Pizarro Beleza, professora de Direito da Universidade Nova de Lisboa. A indignação deve-se ao elogio que Paulo Portas deixou cair domingo numa ação de campanha em Vagos: “As mulheres sabem que têm de organizar a casa e pagar as contas a dias certos, pensar nos mais velhos e cuidar dos mais novos“. A afirmação de Portas, feita de improviso numa ação de campanha e em resposta a uma senhora que o interpelou, veio em tom de metáfora para o que diz ter sido feito pelo Governo: “Pôs as contas em dia e arrumou a casa”. Um Executivo desenhado com base no modelo de uma espécie de fada do lar institucional.

Para Isabel Allegro de Magalhães, professora de Literatura da Universidade de Lisboa, “é espantoso como Paulo Portas, homem de uma geração não arcaica, com a responsabilidade política que tem assumido, ainda por cima com uma mãe economista, escritora, que não é exatamente aquilo a que antes se convencionava chamar de ‘dona de casa’ típica, pode ainda hoje pensar, e mais, dizer publicamente, que as tarefas domésticas cabem às mulheres”. Membro do movimento católico Graal, lança mesmo um desafio: “Porque subverter é sempre interessante, porque não pensar que talvez seja por isso mesmo que os sucessivos governos, compostos por homens - apenas com duas ou três mulheres ‘decorativas’, mero sinal simbólico, não pela sua qualidade, mas pelo seu escassíssimo número -, não têm sido capazes de fazer bem e com justiça as contas, de cuidar das gerações mais jovens, de acautelar as necessidades dos mais velhos e dos mais desfavorecidos, de reorganizar o Estado da casa comum? Assim sendo, venham pois as mulheres governar o país, e em maioria.

Unanimidade em todas as gerações

"Não nos podemos admirar com estas declarações. Afinal, correspondem à matriz ideológica da Direita, que defende que a mulher deve cumprir o seu papel biológico. Salazar já dizia que a boa dona de casa tinha sempre muito que fazer. E quanto mais mulheres estiverem em casa, menos dinheiro o Estado terá de gastar em infraestruturas sociais. Paulo Portas quis fazer um elogio às mulheres, mas na prática está a subvalorizá-las. As mulheres devem assumir todos os papéis que os homens assumem e as responsabilidades domésticas devem ser ponderadas”, sublinha Manuela Tavares, doutorada em Estudos sobre as Mulheres e membro da direção da organização feminista UMAR (União de Mulheres Alternativa e Resposta).

Para Anne Cova, historiadora do Instituto de Ciências Sociais, é importante sublinhar que “no século XXI as mulheres continuam a tentar conciliar trabalho fora e dentro de casa com grandes dificuldades”. “Efetuam a dupla jornada de trabalho. Não há uma partilha equitativa entre homens e mulheres das tarefas domésticas e os salários delas são mais baixos cerca de 30%.”

Maria Isabel Gonçalves, presidente da organização Mulher Século XXI, que combate a discriminação feminina, mostrou-se “bastante surpreendida” com as afirmações proferidas em Vagos: “O ministro Paulo Portas parou no tempo. De facto, ainda não se apercebeu do percurso que as mulheres em todo o mundo têm feito a caminho da emancipação. As mulheres não são mais aquelas retratadas nas suas afirmações. Numa altura em que há diretivas internacionais, que Portugal ratificou, para uma maior inclusão das mulheres em altos cargos de administração e de outros órgãos de decisão, só podemos lamentar a irresponsabilidade de tais afirmações e a sua indiferença perante uma luta tão consistente que a sociedade tem vindo a travar pela igualdade de género”.

Também as feministas mais jovens marcaram posição. Sílvia Vermelho, da Rede de Jovens para a Igualdade de Oportunidades entre Homens e Mulheres, diz ao Expresso ter ficado perplexa. “O que me surpreendeu não foi o que ouvi de Paulo Portas, mas sim a quantidade de reações nas redes sociais ao que ele dissera. Essa ideia da mulher como dona de casa, que lhe parece conferir algum poder, na verdade remete a mulher para um papel subserviente, de acatar ordens. Mas este já não é o modelo da sociedade atual, onde as tarefas devem ser partilhadas.”

O candidato da coligação PSD-CDS, no discurso de Vagos, não esqueceu a importância da presença feminina da ministra Assunção Cristas no atual Executivo, lembrando que foi ela “que levou a que os pagamentos à agricultura estivessem em dia”. Confrontado pelo Expresso, o porta-voz da ministra disse ser impossível comentar as afirmações de Portas por razões de agenda: a ministra estava a entrar num avião para uma viagem de trabalho no Luxemburgo.