Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Aos 250 anos, Bocage anda de Metro

  • 333

Esta terça-feira, dia em que se comemora os 250 anos do nascimento do poeta satírico que não temia o calão, Bocage vai andar no Metro da Invicta ressuscitado pelas vozes dos vereadores da cultura do Grande Porto

Isabel Paulo

Isabel Paulo

Jornalista

O irreverente José Maria Barbosa du Bocage, preso pela inquisição por “desordem nos costumes”, vai andar de Metro entre as estações da Trindade, Lapa, Carolina Michaelis, Casa da Música e regressará depois à Trindade, sempre relembrado pelas vozes dos vereadores Paulo Cunha e Silva (Porto), Fernando Rocha (Matosinhos), Delfim Sousa (Gaia), Luís Araújo (Gondomar), Mário Sousa Neves (Maia) e de Elisa Ferraz, líder da Câmara de Vila do Conde.

A viagem de transporte público evocativa do livre-pensador sadino que não tinha medo das palavras e abusava do baixo calão nos seus poemas eróticos ou de crítica social é a primeira iniciativa do programa de homenagem do Museu Nacional de Imprensa a Barbosa du Bocage, nascido em 1765 e que terá morrido de aneurisma em Lisboa, em 1791, após uma vida tumultuosa e envolta em mistério.

O ator Alexandre Falcão irá encarnar Bocage, enquanto os autarcas locais e outros dizedores farão a leitura de diversos poemas lado a lado com os utentes do Metro. Uma cópia do poema “Liberdade onde estás? Quem te demora” do redator que traçou um pouco abonatório autorretrato - magro, de olhos azuis, carão moreno, bem servido de pés, meão de altura, triste de facha, o mesmo de figura, nariz alto no meio e não pequeno... - será distribuído durante o tributo, denominado “Bocage Anda de Metro”.