Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

A superavó de Aveiro que correu à vassourada quatro homens armados

  • 333

Aconteceu em Aveiro e o julgamento começou esta quarta-feira. “A senhora apareceu com uma vassoura a dar-nos pela cabeça abaixo”, contou em tribunal um dos arguidos

Uma octogenária enfrentou com uma vassoura um grupo de quatro homens armados com uma caçadeira que entraram no seu apartamento, situado no centro da cidade de Aveiro, para cobrar uma suposta dívida do neto, com quem vivia.

O caso, ocorrido em novembro de 2014, começou esta quarta-feira a ser julgado no Tribunal de Aveiro, onde os quatro arguidos, com idades entre os 22 e 26 anos, respondem por crimes de roubo, tráfico de estupefacientes e detenção de arma proibida.

Perante o coletivo de juízes, o arguido mais velho confessou parcialmente os factos, admitindo ter pedido ajuda a três outros amigos para tentar cobrar uma dívida de 600 euros, relativa a droga que teria entregado para vender.

O suspeito, que se encontra em prisão preventiva à ordem de outro processo, assumiu ainda a posse da caçadeira usada no crime, adiantando que a arma "era só para intimidar" o suposto devedor.

O principal arguido negou ainda que tivesse roubado peças decorativas de valor da residência, desconhecendo também se algum dos amigos o fez.

Um outro arguido afirmou que só lhe pediram para ir cobrar uma dívida, mas não pensou que a situação fosse tomar aquelas proporções, com o envolvimento de uma senhora de idade.

"A senhora apareceu com uma vassoura a dar-nos pela cabeça abaixo", contou o arguido, acrescentando que a idosa caiu para cima de si e ainda a agarrou para aparar a queda.

Este arguido também negou que tivessem levado um cordão e um brinco de ouro da idosa e uma jarra em prata, como consta na acusação.

O julgamento começou na ausência de um dos arguidos, que se encontra em parte incerta.

Segundo a acusação do Ministério Público (MP), os quatro jovens entraram na habitação empunhando uma caçadeira, para exigir a entrega de uma quantia de dinheiro, alegadamente devida por "dívida de estupefaciente".

De acordo com a investigação, os arguidos envolveram-se depois em confronto com o suposto devedor e a avó, que veio em socorro do neto, tendo um dos agressores arrancado um cordão e um brinco de ouro que a idosa trazia.

Os jovens acabariam por abandonar a residência, levando os objetos em ouro e uma jarra em prata, tendo sido detidos pela Polícia Judiciária um mês depois dos factos.