Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Taxistas envolvem-se em confrontos durante manifestação contra a Uber

  • 333

João Porfírio / Lusa

Em dia de manifestação contra a Uber, os poucos taxistas que estão a trabalhar em Lisboa são vítimas de insultos, ameaças e agressões por parte dos colegas que pararam a capital em protesto. Um repórter fotográfico da Lusa foi agredido

Os ânimos exaltaram-se esta terça-feira de manhã na manifestação de taxistas contra o serviço de transporte alternativo gerido pela plataforma eletrónica Uber, com alguns condutores a lançarem ovos contra os poucos carros de praça que não aderiram ao protesto.

Em Entrecampos, junto ao Instituto da Mobilidade e Transportes, um dos pontos de paragem da manifestação, um fotógrafo da Lusa foi agredido com dois socos quando captava imagens de taxistas a lançarem ovos e agredirem um colega que estava a trabalhar.

João Porfírio / Lusa

A polícia foi obrigada a intervir em algumas situações para acalmar os ânimos, mas não revelou ainda quantas ocorrências registou ou quantos taxistas foram identificados.

A manifestação teve início por volta das 8h30 no Parque das Nações e seguiu pelas ruas da capital, em marcha lenta e com muitas buzinadelas, rumo à Praça do Comércio, passando antes pelos ministérios da Justiça e da Economia. Os taxistas acusam a Uber de concorrência desleal.

João Porfírio / Lusa

“Não vamos parar”

Em declarações ao Expresso esta segunda-feira, na véspera do protesto, o presidente da Associação Nacional dos Transportadores Rodoviários em Automóveis Ligeiros (ANTRAL) afirmou que “o objetivo [da manif] é exigir que as autoridades do país façam cumprir a lei e as decisões dos tribunais portugueses”. “Vivemos num Estado de Direito e as leis são para cumprir”, diz Florêncio Almeida.

O líder da ANTRAL referia-se à decisão do Tribunal Central de Lisboa, que no passado dia 28 de abril aceitou uma providência cautelar interposta contra a Uber, considerando a empresa “ilegal, publicitada de forma enganosa”, constituindo “um risco para quem a utiliza”. Mais recentemente, em junho, o tribunal voltou a confirmar a decisão.

João Porfírio / Lusa

A Uber contestou a decisão judicial, alegando que oferece apenas um “serviço de tecnologia - e não um serviço de táxis” - que efetua a ligação entre os clientes e o transporte.

Florêncio Almeida promete que a sua luta ia continuar: "Não vamos deixar cair a Uber no esquecimento. A seguir a este protesto haverá novas ações espontâneas. Se isto não for resolvido, não vamos parar. Até na campanha eleitoral vão levar connosco, com toda a certeza.”

Um taxista atira um ovo a um colega que se encontra a trabalhar durante a manifestação de convocada pela ANTRAL

Um taxista atira um ovo a um colega que se encontra a trabalhar durante a manifestação de convocada pela ANTRAL

Mário Cruz / Lusa