Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Mais de 80% dos taxistas em protesto antiUber no Porto

  • 333

ESTELA SILVA / Lusa

Fora a Uber é a palavra de ordem dos mais de 600 taxistas que circulam esta terça-feira nas ruas do Porto desde as 8h30. Fim do protesto contra o alegado transporte opaco e ilegal de passageiros está previsto para as 12h30 na praça do Castelo do Queijo

Isabel Paulo

Isabel Paulo

Jornalista

Um “comboio” de 600 táxis circula esta manhã pelas ruas do Porto numa mega manifestação contra o transporte de passageiros em viaturas contratadas “ilegalmente” através da app Uber, com sede em Amesterdão. A marcha lenta e ruidosa de 80% dos taxistas licenciados no Grande Porto obrigou a desvia o trânsito em algumas artérias da Invicta e está a dividir a opinião dos utentes dos autocarros da STCP.

“Não trabalham nem deixam trabalhar os outros”, comentava pelas 10 horas Carlos Luís no autocarro 502 que descia a Avenida da Boavista rumo a Matosinhos, gerando um coro de animosidade da maioria dos restantes passageiros, simpatizantes da causa dos taxistas “legais e que pagam impostos ao contrário dos outros que ninguém sabe para quem são”.

Alice Almeida, utente habitual do 502, entende que os motoristas com licença fazem bem em lutar pelos seus postos de trabalho, distribuindo no autocarro os folhetos informativos lançados pelos taxistas, em andamento, junto das paragens dos STCP. “Se um dia forem roubados num desses carros que ninguém conhece vão queixar-se a quem? E se tiverem um acidente, quem se responsabiliza? A internet?”, perguntam os favoráveis condutores que “cumprem a lei”.

ESTELA SILVA / Lusa

Na mensagem distribuída aos portuenses, os taxistas da ANTRAL questionam “se todos os barcos, aviões e até transportes de mercadorias estão identificados, por que é a Uber invisível?'. “Os ilegais, clandestinos organizados tecnologicamente pela app Uber andam na rua escondidos e jamais se identificam. Não vemos o seu lado físico, o público não conhece nenhuma cara, isto acontece, não porque eles queiram passar incógnitos ao público, obviamente, mas sim porque querem esconder-se das autoridades que não lhes reconhecem legalidade para operar”, lê-se nos boletins informativos.

Os taxistas defendem ainda que face à concorrência da Uber, o princípio da igualdade está ferido, sendo inaceitável que empresas estrangeiras “explorem parceiros de negócio nacionais mal informados, expondo-os a crimes consecutivos e deixando para essas empresas estrangeiras o puro lucro”.

Os motoristas afetos à ANTRAL reivindicam que as decisões dos tribunais devam ser cumpridas e que o Estado tem o dever de fazer parar a injustiça por prejudicar a economia nacional. Por último, o setor alerta para a prática de risco dos utentes da Uber, “cujo patrão é uma app”.

ESTELA SILVA / Lusa