Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Doze casos de legionella a Norte - mas a situação não é comparável ao surto de Vila Franca

  • 333

Direção-Geral da Saúde disse à Lusa que estão internadas duas pessoas e que a situação não é comparável ao surto de 2014 em Vila Franca de Xira

Das 12 pessoas residentes na região Norte que têm a Doença dos Legionários, duas estão internadas, não há mortes a registar e a situação não é comparável ao surto de 2014 em Vila Franca de Xira, informou fonte oficial.

A Direção-Geral da Saúde (DGS), em comunicado enviado à Lusa, informa que neste momento estão internadas duas pessoas e não se registou a ocorrência de "nenhum óbito".

A DGS informa também que a situação notificada "não é comparável ao surto que ocorreu em novembro de 2014 em Vila Franca de Xira, quer pela magnitude e gravidade, quer ainda pela expressão rápida que caracterizou a curva epidemiológica".

No último mês e meio registaram-se 12 casos da Doença dos Legionários em pessoas residentes na região Norte de Portugal, ou seja, mais cinco pessoas do que no período homólogo de 2014.

"Desde a última semana de julho foram diagnosticados 12 casos (...). Em período homólogo do ano anterior verificaram-se sete casos ocorridos na mesma região", lê-se no mesmo comunicado de imprensa.

A DGS acrescenta que foi notificada pela delegada de Saúde Regional do Norte de que a "informação epidemiológica disponível indica que dois daqueles casos estiveram fora de Portugal durante o período provável de ocorrência da infeção, podendo, assim, estar associados a viagens".

Os restantes dez casos ocorreram em pessoas residentes no Grande Porto.

A investigação epidemiológica está a ser conduzida, incluindo a georreferenciação, de forma a caracterizar com detalhe os locais e os percursos que os doentes fizeram durante os 14 dias antes do início da sintomatologia a fim de identificar a fonte de infeção.

Em novembro de 2014, um surto de legionella em Vila Franca de Xira causou 12 mortes e infetou 375 pessoas com esta bactéria.

De acordo com o balanço feito na altura, as vítimas mortais tinham entre 43 e 89 anos e eram nove homens e três mulheres. A taxa de letalidade do surto foi de 3,2%.

O surto teve início a 7 de novembro e foi controlado em duas semanas.