Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Santa Casa cria novo jogo nas apostas desportivas

  • 333

Haverá golos entre os 75 minutos e o final do tempo regulamentar? Eis uma pergunta relevante para as novas apostas. Na imagem, Benfica festeja um golo frente ao Estoril, marcado no último quarto de hora

JOSÉ SENA GOULÃO / LUSA

De início apenas para futebol, basquetebol e ténis, e com apostas diferentes das atuais, chega a 9 de setembro

Acabou o tempo em que apostar numa partida do campeonato português se resumia, praticamente, à escolha do “1X2” para o resultado. E acabou também o tempo em que os vaticínios nas apostas desportivas se confinavam a uma única modalidade: o futebol. A partir de 9 de setembro, em todos os mediadores da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa (SCML), os jogadores terão ao dispor um novo desafio: as “apostas desportivas à cota de base territorial”. Isto é: são feitas em “estabelecimentos físicos que exigem a presença do jogador” (ao contrário do jogo online), como é o caso das papelarias, tabacarias, cafés, quiosques e outros pontos onde hoje se registam o Euromilhões ou o Totoloto.

Equipa que marca o primeiro golo ou ponto; previsão do número de golos ou pontos de uma partida; resultado ao intervalo e no final; golos, ou pontos, por período de jogo. Estes são apenas quatro exemplos da nova oferta da Santa Casa (ver texto ao lado “Novo menu” com algumas dessas apostas, de uma lista que tem um mínimo de 28, incluindo as variações de uma mesma aposta).

O apostador prognostica quem está à frente no 
final de cada quarto de tempo, usando o 1X2. 
Na imagem, umas das finais da NBA deste ano, entre os Golden State Warriors e os Cleveland Cavaliers

O apostador prognostica quem está à frente no 
final de cada quarto de tempo, usando o 1X2. 
Na imagem, umas das finais da NBA deste ano, entre os Golden State Warriors e os Cleveland Cavaliers

FOTO REUTERS

Num primeiro momento, os palpites podem ser dados unicamente sobre futebol, basquetebol e ténis. Os eventos desportivos serão de competições nacionais (portuguesas e de outros países) e internacionais. Râguebi, desportos motorizados e voleibol, entre outras modalidades não especificadas, serão também no futuro objeto de apostas, segundo se conclui do regulamento, publicado em “Diário da República”.

A oferta do novo jogo social do Estado — cujo nome a Santa Casa só quer divulgar no próximo mês, quando ocorrer a apresentação pública — “será feita em várias fases”, salienta Fernando Paes Afonso, vice-provedor da SCML, que se recusa, no entanto, a dar mais pormenores.

Para justificar o “gradualismo na disponibilização da oferta” — “tanto no número de modalidades como no tipo de apostas” — Paes Afonso explica: “Precisamos de aprender como se comporta o apostador; trata-se de um jogo completamente novo, que requer um acompanhamento específico.”

É uma “curva de aprendizagem”, como lhe chama o responsável da SCML. E que funciona em dois sentidos: “O apostador também vai perceber o que lhe interessa mais.”

O jogador X vencerá pelo menos um set? É uma 
das apostas possíveis. A búlgara Tsvetana Pironkova 
seria no caso a jogadora X. Defrontou Serena Williams 
(na imagem), a 19 de agosto, em Cincinnati, nos EUA

O jogador X vencerá pelo menos um set? É uma 
das apostas possíveis. A búlgara Tsvetana Pironkova 
seria no caso a jogadora X. Defrontou Serena Williams 
(na imagem), a 19 de agosto, em Cincinnati, nos EUA

TANNEN MAURY / EPA

Agora, a Santa Casa pretende dar novo fôlego às apostas desportivas. As receitas destas caíram a pique, com o declínio inexorável do Totobola e o êxito de outros jogos. Agora dá-se uma mudança de paradigma. Com efeito, o Totobola é um concurso de apostas mútuas desportivas, em que os jogadores apostam entre si. O prémio depende do contributo dos vários apostadores, que não sabem à partida quanto vão ganhar (ou se vão ganhar).

O despertar de especialistas

Já no novo jogo social, o apostador sabe quanto pode ganhar. Basta para isso acertar no resultado ou em outra situação do evento desportivo sujeito a prognóstico. E ganha mais quanto o seu conhecimento especializado de uma modalidade, ou a sua intuição, contrariar a probabilidade atribuída pelo organizador (a Santa Casa) a determinada ocorrência numa prova. No fundo, o apostador não ‘compete’ com o resultado de um desafio — mas com a previsão da Santa Casa relativamente à evolução e desfecho desse jogo.

Fernando Paes Afonso crê que “vão voltar” os jogadores que “gostam de apostas desportivas”. E admite mesmo que se possa “reganhar o interesse pelo Totobola”, à semelhança do que sucedeu noutros países.

dez dias do arranque da aposta — cujo direito de exploração o Estado atribuiu em regime de exclusividade à SCML —, parte significativa do jogo ainda está por mostrar. Por exemplo, as previsões de receita da iniciativa, lançada num ano que sorri à instituição liderada por Pedro Santana: as vendas brutas da Santa Casa no primeiro semestre passaram os mil milhões de euros e o ano (sem contar com a novidade) deverá fechar com receitas acima dos dois mil milhões, um recorde.

Estando o véu por desvendar, apenas se sabe que o layout do boletim será em tudo semelhante aos de outros jogos. Mas com mais colunas e barras, e logo um maior número de campos para colocar cruzinhas. Mais complexo. Pela lógica do jogo, e pelas informações constantes do regulamento, obrigará a um preenchimento mais meticuloso e demorado. Especialmente se a aposta for combinada ou múltipla.

Após a validação da aposta, o terminal emite um recibo, no qual são quantificados os ganhos máximos possíveis. No papelinho que levará no bolso, o jogador terá uma novidade de monta, neste tipo de recibos: o seu NIF. É que sem ele, nenhum palpite poderá ser aceite pelos mediadores da Santa Casa.