Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Inspeção deteta irregularidades na atuação do presidente do INEM

  • 333

Em causa está a transferência de helicóptero de uma doente que Paulo Campos visitou, em janeiro, e que foi levada para o hospital de Abrantes sem que a unidade onde estava internada o tivesse solicitado

A Inspecção-Geral das Atividades em Saúde (IGAS) encontrou irregularidades praticadas pelo presidente do INEM, Paulo Campos, no âmbito do caso que envolveu a transferência de helicóptero de uma doente, do hospital de Cascais para o de Abrantes.

A notícia é avançada pelo “Jornal de Notícias” desta sexta-feira, adiantando que o ministro da Saúde está a aguardar novas informações para decidir sobre o futuro do médico e major Paulo Campos à frente do instituto que dirige desde março de 2014.

O caso - que não foi o único onde a atuação do presidente do INEM foi posta em causa - aconteceu a 25 de janeiro deste ano, depois de Paulo Campos ter visitado no hospital de Cascais uma doente oncológica, como amigo da família, tendo posteriormente autorizado a sua transferência para a unidade hospitalar de Abrantes, sem que Cascais o tivesse solicitado.

O relatório da IGAS, concluído no final de Julho, refere que a doente não tinha indicações para ser helitransportada, mas o presidente do INEM chamou a si a condução do processo, apresentando-se como médico assistente.

Dada a situação clínica da doente, a decisão contraria as normas do INEM e do manual de transporte do doente crítico, que estabelecem como absoluta contra-indicação o transporte de helicóptero de um paciente terminal. A mulher que Paulo Campos visitou sofria de cancro do pulmão e viria a morrer poucos dias depois, no hospital de Abrantes.

A necessidade de recolher mais informações sobre este caso, justifica o IGAS. não permite ainda dar a investigação por concluída, ao contrário do que aconteceu com uma outra, que visou esclarecer o alegado desvio de uma ambulância para que a mulher de Paulo Campos chegasse a horas ao hospital onde trabalha.

Sobre esta matéria, concluiu o IGAS, não foram encontradas provas ou quaisquer indícios suscetíveis de ser sancionados com infracções disciplinares.