Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Quase 24 mil pessoas no Facebook à procura de surfista desaparecido no Porto

  • 333

Foto divulgada no Facebook

A notícia invadiu a rede social com a criação de uma página para localizar Pedro Lemos, surfista e ex-repórter de imagem, de 41 anos. Não é visto desde sexta-feira

O desaparecimento de um homem de 41 anos, surfista e repórter de imagem, residente no Porto, levou a que em cerca de 18 horas se juntassem quase 24 mil membros num grupo criado no Facebook para tentar localizá-lo. A página do grupo - cujo link era inicialmente ESTE - ficou entretanto indisponível.

De acordo com a informação publicada na página, criada terça-feira e desativada esta quarta a pedido da família, Pedro Lemos desapareceu há cinco dias, na sexta-feira, dia 14, da casa onde reside, na Urbanização da Prelada, no Porto, desconhecendo-se até agora a sua localização.

Face a isto, foi criada uma página naquela rede social que já mobilizou 23.741 pessoas. A PSP do Porto confirmou à Lusa ter um "pedido de paradeiro" de Pedro Lemos, apresentado às 0h50 de domingo, por uma mulher que indicou ser sua "companheira", e relatou que o homem "saiu de casa no dia anterior [na sexta-feira] e não apareceu".

A mesma fonte do Comando Metropolitano da PSP do Porto esclareceu que, de acordo com o relato da companheira, "era habitual ele sair num dia e voltar noutro", mas naquela ocasião isso não aconteceu e o facto de o homem "andar stressado" deixou a mulher "preocupada".

A PSP disse ainda não ter as indicações que constam da página "Pedro Lemos Desapareceu - Ajudem-nos a encontrá-lo!" relativas ao facto de o homem ter saído de casa sem levar telemóvel, prancha de surf ou cartão de cidadão. "Essa informação não consta do pedido de paradeiro", indicou fonte da PSP do Porto.

De acordo com a página "Pedro Lemos Desapareceu - Ajudem-nos a encontrá-lo!", o homem de 41 anos, 1,85 metros de altura, olhos verdes e cabelo castanho saiu de casa na sexta-feira, com barba, no seu carro, um Peugeot 406, cinzento-escuro.

Os organizadores da página referem que "a polícia e hospitais estão informados" e pedem que qualquer informação sobre o desaparecido seja fornecida à Polícia Judiciária, à GNR, à PSP ou no grupo do Facebook.