Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Luz verde à comercialização do “Viagra feminino”

  • 333

Getty Images

A Agência norte-americana para a Alimentação e Medicamentos aprovou esta terça-feira a entrada no mercado do Flibanserin, um fármaco para aumentar o desejo sexual das mulheres

À terceira foi de vez. Depois de em duas ocasiões ter rejeitado a comercialização do Flibanserin - mais conhecido por “Viagra feminino” - a Agência norte-americana para a Alimentação e Medicamentos (FDA) aprovou esta terça-feira a sua entrada no mercado.

Destinado a mulheres que não estejam na menopausa, o fármaco é um agente não hormonal. Visa tratar a falta de desejo sexual, mas pode ter efeitos secundários significativos, que incluem náuseas, tonturas, sonolência e até desmaios.

Submetido à apreciação da FDA em 2010 e 2013, o Flibanserin só agora recebeu luz verde, depois de um comité consultivo de peritos ter recomendado, em junho, a sua comercialização, ainda que exclusivamente sob prescrição médica e com medidas adicionais para minimizar os riscos.

Dados sobre um teste clínico disponibilizados no site da FDA revelam que as mulheres que tomaram o “Viagra feminino” disseram ter tido, em média, 4,4 experiências sexuais satisfatórias no intervalo de um mês, contra 3,7 no grupo onde foi dado um placebo e 2,7 antes de iniciado o estudo.

  • O dia decisivo para o “Viagra das mulheres”

    Falta de libido é a principal disfunção sexual das mulheres. Primeiro fármaco deverá ser aprovado esta terça-feira nos Estados Unidos. Na imprensa o Flibanserin tem sido referido como o “Viagra feminino”, mas nada liga os dois fármacos