Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Comissão de Proteção de Crianças já contactou mãe que abandonou gémeos no hospital

  • 333

Risco de abandono levou à abertura de processo de proteção dos menores. Por agora, ainda não se sabe qual o futuro dos dois bebés que nasceram sábado no Hospital de São Pedro, em Vila Real

A Comissão de Proteção de Crianças e Jovens (CPCJ) de Chaves informou, esta quarta-feira, que já contactou a mãe que deixou os gémeos no hospital e abriu um processo de promoção e proteção dos menores devido ao risco de abandono.

Uma mulher de Chaves deixou no domingo dois meninos na unidade de Vila Real do Centro Hospitalar de Trás-os-Montes e Alto Douro (CHTMAD), um dia depois do nascimento das crianças.

Segundo fonte da comissão, esta mulher, que possui mais uma filha, já estava sinalizada pela CPCJ devido a problemas de toxicodependência.

Após ter sido informada pelo CHTMAD do abandono das crianças, a CPCJ tentou entrar em contacto com a mãe, que esteve esta manhã nas instalações da comissão.

Fonte da PSP disse à Lusa que, a pedido da Comissão de Proteção de Crianças e Jovens, notificou a mulher para se apresentar naquela organização.

A CPCJ disse que foi aberto um processo de promoção e proteção dos menores por haver risco de abandono mas informou que ainda nada está decidido quanto ao futuro dos menores.

Os gémeos estão internados na Unidade de Neonatologia do Hospital de São Pedro, em Vila Real.

O CHTMAD disse que os dois meninos nasceram no sábado e que a mãe das crianças se ausentou do serviço de obstetrícia no dia a seguir, no domingo, "sem dar qualquer informação sobre o motivo da saída ou intenção de procedimento futuro".

O centro hospitalar referiu que as crianças "estão desde o nascimento entregues ao cuidado do CHTMAD, clinicamente estáveis, e a receber os cuidados médicos adequados à respetiva situação clínica".

Contactada pela agência Lusa, fonte da Procuradoria-Geral da República disse que o Ministério Público já tem conhecimento do caso e iniciou na terça-feira as "diligências adequadas à proteção dos menores e à obtenção dos elementos necessários à instauração dos competentes processos no âmbito do Tribunal de Família e Menores e, eventualmente, no âmbito criminal".