Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

PJ já está a investigar português suspeito de enganar 1,8 milhões de pessoas em 26 países

  • 333

YouTube

A partir de uma empresa unipessoal de vão de escada, criou uma marca de serviços que prometia lucros de até 350% ao ano. O rombo afetou tanta gente que em Espanha existe, inclusive, um movimento de lesados

A Polícia Judiciária está a investigar a LibertaGia, uma empresa que opera um alegado esquema fraudulento em pirâmide e cujo presidente, Rui Pires Salvador, está já sob a mira das autoridades espanholas.

"Deu entrada recentemente um processo que se encontra em investigação e sobre o qual não é possível prestar esclarecimentos", disse esta terça-feira a Polícia Judiciária em resposta à Agência Lusa.

Também a associação de defesa de consumidores Deco adiantou à Lusa ter recebido dezenas de queixas de pessoas que se sentiram lesadas pela empresa, que promete um serviço remunerado a 350% por ano.

Em Espanha foi já criada a Plataforma de Afectados de LibertàGià (www.afectadoslibertagia.com), que reúne um conjunto de afiliados da empresa com o objetivo de recuperar o seu dinheiro. A adesão à plataforma implica o pagamento de 51 euros para cobrir os gastos da representação legal, a cargo do escritório Lemat Abogados.

Em declarações à Lusa, o responsável jurídico do escritório, José García Cabrera, adiantou que representa, até ao momento, cerca de 500 pessoas em Espanha, estimando que existam entre 1,8 e 3 milhões de pessoas afetadas em todo o mundo, das quais cerca de 250 mil são espanholas.

A notícia de que a justiça espanhola está a investigar o português Rui Pires Salvador por burla foi divulgada no fim de semana pelo jornal “El País”. O Expresso Diário já desenvolveu a história na sua edição de segunda-feira.

Rui Salvador é descrito pelo “El País” como um antigo empregado de mesa e ex-motorista de autocarros com um talento de “apresentador evangélico”. Depois de ter convidado uma centena de pessoas, a maioria deles cidadãos estrangeiros, para uma apresentação da LibertaGia no Parque das Nações, em Lisboa, em outubro de 2013, o esquema cresceu rapidamente. Salvador explicava nas sessões de recrutamento de novos investidores que era possível a quem investisse conseguir um retorno anualmente de até 350%.

O modelo inventado pelo português tinha como base para gerar receitas a visualização de anúncios na internet. Segundo as apresentações que Rui Salvador fazia, era possível ganhar 70 euros por dia apenas com a visualização de publicidade, sendo que haveria anunciantes que pagavam teoricamente por essas campanhas online à LibertaGia. Havia depois um sistema com cartões bancários atribuídos aos investidores que deveriam servir para receberem os lucros obtidos.

Em causa está um esquema piramidal que ascende a mais de mil milhões de euros.