Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Apenas 30 cursos em Portugal não têm diplomados inscritos no Centro de Emprego

  • 333

Criminologia (Universidade Fernando Pessoa) e Arquitetura (Universidade Lusíada de Vila Nova de Famalicão) são os cursos que mais licenciados enviam para os Centros de Emprego, segundo os dados mais recentes do Ministério da Educação

Apenas 30 cursos superiores, em mais de 1300, se podiam orgulhar de não ter diplomados inscritos no Centro de Emprego, no final do ano passado, segundo os últimos dados do Ministério da Educação.

Dos 1.323 cursos que estavam a funcionar nas universidades e politécnicos, no ano letivo de 2013/2014, pouco mais de dois por cento (2,3%) não tinham nenhum diplomado à procura de trabalho através do Centro de Emprego: Medicina, Enfermagem, Teologia ou Línguas e Culturas Orientais são alguns dos exemplos, segundo os dados agora disponibilizados pela Direção-Geral de Estatística da Educação e Ciência (DGEEC).

Com apenas um aluno inscrito num centro, mas também com uma taxa de desemprego de zero por cento, o curso de Medicina da Universidade de Lisboa pode juntar-se à lista.
Assim, entre 2009 e 2013, 5.591 alunos concluíram estes 31 cursos com taxa de desemprego zero, sendo que a grande maioria (4.375) se formaram em Medicina, a área que continua a garantir mais emprego, mas também a ser o curso mais difícil de entrar.

Entre os cursos que enviaram mais licenciados para o Centro de Emprego surge o de Criminologia, da Universidade Fernando Pessoa, com 68,9% dos diplomados ali inscritos, segundo os dados que analisam apenas os alunos que terminaram os cursos entre 2009 e 2013.

Os primeiros nove cursos com maiores taxas de desemprego são precisamente de instituições privadas: depois de Criminologia surge Arquitetura, da Universidade Lusíada de Vila Nova de Famalicão, com mais de metade dos diplomados inscritos no centro de emprego, no final do ano passado.

Na segunda-feira, os alunos podem candidatar-se ao ensino superior e a taxa de desemprego pode ser um dos critérios para ajudar a escolher, mas existem muitos outros dados que agora estão disponíveis no site http://infocursos.mec.pt/.

No ano letivo de 2013/2014 estavam inscritos no ensino superior 251.404 alunos e a maioria eram raparigas (52,5%).

Ali percebe-se que os alunos dos institutos politécnicos terminam os cursos com notas mais altas do que os colegas das universidades: entre os primeiros cinco cursos, quatro são do Politécnico de Leiria e, entre as 20 formações com melhores notas, apenas cinco são universidades.

A satisfação pelo curso escolhido ou a existência de problemas durante o primeiro ano são outros dos itens que podem ser percecionados através dos dados que mostram quantos alunos acabaram por abandonar o ensino superior, pouco depois de terem entrado, em 2012/2013.

Do universo de quase 1.300 cursos, com pelo menos uma nova turma para caloiros, em apenas 53 nenhum aluno abandonou o ensino superior um ano após ter entrado.

O abandono não é um problema exclusivo de universidades ou de politécnicos, nem das instituições privadas ou públicas, segundo os números dos 73 cursos onde pelo menos 30 por cento dos caloiros terão desistido de estudar: 30 cursos em institutos politécnicos (4,6% do total) contra 43 universidades (5,7%) e 38 instituições privadas, contra 35 públicas.

Por outro lado, existem 53 cursos em que a taxa de alunos não encontrados no ensino superior português, um ano após a primeira inscrição no curso, foi zero, ou seja, em que ninguém abandonou ou desistiu de estudar, com Biologia Geológica do Instituto Superior Técnico em primeiro lugar.

A maioria dos alunos que se candidatou, em 2012 e 2013, não conseguiu entrar no curso da universidade que gostaria, já que, em apenas 23 cursos, as turmas foram constituidas maioritariamente (mais de 80%) por alunos que escolheram aquele curso em primeira opção.