Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Qual é o curso com mais desemprego, mais homens ou onde há notas mais altas?

  • 333

David Clifford

Portal do Ministério da Educação permite fazer rankings das licenciaturas e mestrados integrados com base em diferentes indicadores. Candidaturas ao ensino superior começam na segunda-feira

O portal criado há dois anos pelo Ministério da Educação para dar mais informação aos alunos na hora de escolher o curso de ensino superior a que se querem candidatar, o Infocursos, tem desde este sábado uma nova funcionalidade, quer permite fazer várias ordenações, com base em diferentes indicadores, e comparar assim licenciaturas e mestrados integrados da mesma área, por exemplo.

No ranking do desemprego - registos no Instituto de Emprego e Formação Profissional (IEFP) em dezembro de 2014 face ao número de diplomados nos últimos anos - pode constatar-se que o curso de Criminologia da Universidade Fernando Pessoa é o que apresenta a taxa mais elevada: 42 em 61 diplomados entre 2010 e 2013 estavam inscritos no IEFP, o que equivale a uma taxa de desemprego de 69%.

Não quer dizer que não haja outros cursos com mais alunos desempregados, que não estejam inscritos no IEFP e que, por isso, não contem para estas estatísticas. Mas este é o único dado relativo a saídas profissionais existente neste momento.

No topo desta lista encontram-se ainda vários mestrados integrados em Arquitetura (cinco nos 30 primeiros lugares) de instituições de ensino privadas. Tendencialmente, são estas que apresentam taxas de desemprego à saída do curso mais elevadas. Os dados nacionais, já conhecidos, indicam uma percentagem de desemprego dos licenciados em escolas públicas de 8,6% e de 12,7% de instituições privadas.

Outro indicador revelador das taxas de abandono dos cursos reporta-se à situação dos alunos um ano após terem entrado no ensino superior. Entre as formações que mais jovens mantêm inscritos ao fim de um ano encontram-se sobretudo casos nas áreas da saúde ou das artes. No extremo oposto há situações de percentagens de abandono (não encontrados no ensino) superiores a 50% nas mais diversas áreas.

Os dados para todo o país apontam para um abandono do ensino superior na ordem dos 10%. Mas não é possível especificar as razões dessa saída, se por motivos económicos, emigração ou outras escolhas.

Notas altas no Politécnico de Leiria

Outro indicador não muito conhecido prende-se com a distribuição das classificações finais à saída dos cursos. E o que se conclui é que não há uma correspondência entre as classificações nos exames com que os estudantes entram no ensino superior e as médias com que concluem. Os institutos politécnicos que, regra geral, recebem alunos com notas mais baixas, têm grande representação no ranking dos cursos com médias finais mais altas.

No topo da lista, destaca-se o Instituto Politécnico de Leiria (IPL), com seis cursos nas 10 primeiras posições, graças a médias finais que oscilam entre os 16 valores e 17,5 valores. A título de exemplo, refira-se os mais de 100 diplomados em Enfermagem no IPL nos últimos dois anos e que concluíram a licenciatura com uma média de 16,9 valores.

Por outro lado, é possível também identificar os cursos onde entram mais alunos com melhores desempenhos nos exames nacionais que servem de prova específica. Há o caso das medicinas, que não surpreende, mas há também outras situações dignas de registo. Como os cursos de Engenharia Física Tecnológica e de Engenharia Aeroespacial, ambos do Instituto Superior Técnico, onde os alunos ingressaram com médias nas provas específicas mais altas que 89% dos outros candidatos que realizaram o mesmo conjunto de exames em 2014. O mesmo aconteceu com Direito na Universidade do Porto e Ciências da Comunicação na Universidade Nova de Lisboa.

Mas o recorde vai mesmo para a Faculdade de Medicina do Porto, os candidatos que aí entraram e realizaram um conjunto de provas específicas a terem, em média, notas mais altas que 90% dos colegas que fizeram os mesmos exames e entraram noutros cursos.

Mulheres na Educação, homens nas engenharias

Idades, nacionalidade ou sexo são outras variáveis que podem ser consultadas por curso e que indicam que, apesar de as mulheres estarem em maioria no ensino superior, ainda há cursos tradicionalmente masculinos e femininos.

As licenciaturas em Educação Básica são frequentadas por uma esmagadora maioria de raparigas e, nalguns casos, o domínio é mesmo total. Em 2013/2014, esta licenciatura no Instituto Superior de Ciências Educativas tinha 96 inscritas e nenhum rapaz matriculado. No mesmo curso, mas no Politécnico de Santarém, um homem contrariava o domínio absoluto das 103 alunas.

Já em muitas engenharias, em particular Mecânica e Informática/Computadores, assiste-se ao fenómeno inverso. Dois destes cursos no Instituto Politécnico de Tomar tinham apenas quatro mulheres num total de 187 rapazes matriculados.

As vagas disponíveis no concurso nacional de acesso para 2015/2016 serão disponibilizadas no site do Expresso a partir das 00h01 de domingo. As candidaturas começam na segunda-feira.