Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

O mundo à espera das primeiras imagens da superfície de Plutão

  • 333

Uma foto de Plutão recolhida a cerca de 1,6 milhões de quilómetros de distância pela nave "New Horizons", que esta manhã deverá fazer chegar a Terra imagens mais detalhadas da superfície do planeta

NASA / Reuters

Dez anos depois do seu lançamento, a nave enviada pela NASA chega finalmente à última fronteira não descoberta do Sistema Solar

Uma nave espacial não tripulada vai revelar esta terça-feira, pela primeira vez, detalhes da superfície de Plutão, à medida que acelerar pelo 'planeta anão' após quase uma década de viagem.

A "New Horizons" é descrita como pouco maior do que um piano e como a nave mais rápida alguma vez construída. Atualmente, desloca-se à velocidade de 30.800 milhas (49.570 quilómetros) por hora.

Esta segunda-feira havia algum nervosismo na NASA, agência espacial norte-americana, enquanto a nave de 700 milhões de dólares (635 milhões de euros) avançava na direção da última fronteira não descoberta do Sistema Solar.

Segundo o principal investigador da missão, Alan Stern, existe uma hipótese em 10.000 de a nave espacial ser perdida numa eventual colisão com os detritos que rodeiam Plutão, considerado durante muito tempo o planeta mais longe do sol, até ser reclassificado como 'planeta anão' em 2006.

A abordagem mais próxima da nave ao planeta está prevista para as 7h49 (12h49 em Lisboa) e a cobertura da televisão da NASA começa às 7h30 (12h30 em Lisboa).

Até os cientistas receberem de novo sinal da nave espacial demorará algumas horas, porque a "New Horizons" estará ocupada a tirar fotografias e a recolher dados.

Esta nave é a primeira a visitar um planeta inexplorado desde as missões Voyager da NASA, lançadas na década de 70.

É suposto a nave realizar um "telefonema para casa" às 4h20 (21h20 em Lisboa), mas esse sinal enviado para a Terra irá demorar quase cinco horas a chegar aos cientistas.

Por esse motivo, a NASA não vai fazer qualquer anúncio, quer a nave sobreviva ou não, até quase 13 horas depois do voo sobre o planeta, às 9h02 (2h02 de quarta-feira em Lisboa).