Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Miguel Albuquerque reconhece dívidas à Segurança Social e Eletricidade da Madeira

  • 333

As duas sociedades da Quinta do Arco, a propriedade onde está o famoso roseiral do presidente do Governo da Madeira e que inclui uma unidade hoteleira, foram alvo de uma reestruturação e definido um plano de pagamento das dívidas

OCTÁVIO PASSOS

As dívidas são das duas sociedades da Quinta do Arco, a propriedade onde está o famoso roseiral do presidente do Governo Regional da Madeira

Marta Caires

Jornalista

Os valores das dívidas das sociedades da Quinta do Arco foram anunciados por José Manuel Coelho durante o debate do orçamento rectificativo que decorre esta terça-feira na Assembleia Legislativa da Madeira.

O deputado do PTP falou em 117 mil euros por pagar à Segurança Social e em 45 mil euros em dívida à Empresa da Eletricidade. Confrontado com esta denúncia, Miguel Albuquerque admitiu as dívidas e garantiu que está em curso um plano de pagamento.

As duas sociedades da Quinta do Arco, a propriedade onde está o famoso roseiral do presidente do Governo e que inclui uma unidade hoteleira, foram alvo de uma reestruturação e definido um plano de pagamento das dívidas. "As dívidas estão a ser regularizadas", garantiu Miguel Albuquerque em declarações à margem do debate do orçamento. O que se passou na Quinta do Arco, sublinhou o novo líder madeirense, foi semelhante a muitas outras empresas da Madeira nos últimos anos. As duas empresas entraram dificuldades, tiveram necessidade de reestruturação. "Foi o que aconteceu", disse.

O presidente do Governo Regional salientou ainda que o plano de reestruturação, o pagamento das dívidas e os valores das dívidas são públicas. Portanto, é possível que os números apresentados por José Manuel Coelho sejam de facto correctos. Na intervenção que fez durante do debate do orçamento rectificativo, o deputado do Partido Trabalhista Português referiu que as sociedades da Quinta do Arco deviam 117 mil euros à Segurança Social e 45 mil euros à Empresa de Eletricidade. As duas sociedades devem ainda 215 mil euros ao Fundo de Turismo.