Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Álvaro Siza constrói em Nova Iorque

  • 333

Lucília Monteiro

Arquiteto faz ainda doação de 40 projetos a Serralves, num processo de distribuição do seu espólio que engloba a Fundação Gulbenkian e o Centro Canadiano de Arquitetura

Cada vez mais aclamado na Ásia, com obras como o "Edifício na Água" (China), o Mimesis Art Museum (Coreia do Sul) ou o Taifong Golf Club (Taiwan), Álvaro Siza tem agora em construção o seu primeiro projeto em Nova Iorque, no bairro de Hell's Kitchen, cujo principal cartão de visita é a grande concentração de bares e restaurantes. 

Trata-se uma torre de pequena escala para os padrões arquitetónicos nova-iorquinos, embora chegue aos 35 andares, todos destinados a habitação e com várias tipologias. Situada na esquina da rua 56 com a 11ª Avenida, a obra está a avançar a bom ritmo, com Siza surpreendido e agradado pela escassa burocracia envolvente. "Isso faz toda a diferença, sobretudo quando se compara com a hipótese de, em Portugal, a aprovação integral de um projeto poder demorar três anos", disse o arquiteto ao Expresso. 

A trabalhar com uma equipa de arquitetos local, cuja intervenção se fará sentir sobretudo nos interiores, Siza deslocou-se uma vez a Nova Iorque para definir pormenores essenciais do projeto e, por obrigação contratual, não teria de voltar a fazer a viagem intercontinental. O arquiteto admite, porém, voltar uma ou outra vez em fases mais adiantadas da obra. 

Entretanto, esta semana, Álvaro Siza estabeleceu um protocolo com a Fundação de Serralves através do qual doa àquela instituição uma parte dos seus arquivos, que serão ainda repartidos pela Fundação Calouste Gulbenkian, em Lisboa, e pelo Centro Canadiano de Arquitetura, porventura a mais importante estrutura mundial de recolha, arquivo e tratamento dos projetos dos principais arquitetos mundiais. 

Serralves receberá, para já, esboços, plantas, desenhos e maquetas de 40 projetos. Estão ali alguns dos primeiros trabalhos de Siza, como as três casas de Matosinhos, a propósito das quais, recordou o próprio Siza, as trabalhadoras das fábricas de conservas criaram uma espécie de coro em que se dizia serem "as casas mais feias de Matosinhos". Siza também as acha "feiosas", embora sublinhe que, "feiosas ou não, têm um lugar de destaque, até pela aprendizagem que proporcionaram". 

Consulta em rede

Na assinatura do protocolo, Luís Braga da Cruz, presidente do Conselho de Administração da Fundação de Serralves, e ele próprio um antigo colaborador de Siza na sua qualidade de engenheiro civil, chamou a atenção para o número significativo de projetos contemplado por esta doação. 

Entre os mais relevantes estão o Museu de Serralves, a Faculdade de Arquitetura do Porto ou trabalhos do início de carreira, como a piscina da Quinta da Conceição, em Matosinhos, ou o edifício onde decorria a cerimónia, construído para albergar diversos ateliês de arquitetura, como os de Fernando Távora ou Eduardo Souto de Moura. 

As três instituições envolvidas nesta doação de projetos criaram protocolos para garantir que cada uma delas não se transforma num depósito estanque da obra de Siza. Todos os materiais serão digitalizados e catalogados, de modo a que todo o arquivo possa ser consultado ou estudado a partir de qualquer uma das instituições. 

A maioria dos projetos internacionais vai para o Canadá, enquanto as obras mais representativas do Porto e de Lisboa ficam nas respetivas cidade. É o caso do Pavilhão de Portugal, que ficará na Gulbenkian. Trata-se de um critério, explicou Álvaro Siza, só aplicável aos projetos centrais, "para não se cair nessa coisa limitada de os projetos do Porto ficarem no Porto e os de Lisboa em Lisboa". O objetivo é antes que cada uma das instituições disponha de exemplos diferentes da obra e do percurso de Álvaro Siza que, de resto, tem já também projetos seus expostos no Museu Pompidou, em Paris, e no MoMA de Nova Iorque.