Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

A casa dos pilotos perturbados

  • 333

corbis

Fica no Algarve, é mantida em segredo e é uma das poucas clínicas no mundo que tratam tripulantes, sobretudo pilotos, com desequilíbrios de saúde mental. Ainda em janeiro, um piloto obrigou um avião da Condor a aterrar de emergência em Faro. Depois, andou nu pelo aeroporto 

Um piloto alemão da companhia germânica Condor teve uma perturbação mental e o comandante viu-se obrigado a aterrar de emergência. Foi em janeiro deste ano, dois meses antes da tragédia da Germanwings nos Alpes. O Airbus A320 saíra de Hamburgo com 143 pessoas e não chegou ao destino, nas Canárias, mas conseguiu aterrar em Faro. O comandante reagiu a tempo. Estava no céu português quando pediu ajuda.  

Passavam oito minutos das oito e meia da manhã, de 18 de janeiro, quando os controladores aéreos portugueses receberam um alerta de “incapacidade do piloto”. O comandante do A320 da Condor em velocidade de cruzeiro rumo a Lanzarote, ‘entrou na frequência’ para informar que o copiloto estava incapaz e tinha de aterrar.  

Por cima de Lisboa recebe indicação para ficar na pista da capital, mas o dia estava cinzento e o comandante não se sentiu seguro para aterrar sozinho. Desceu para Faro. “Durante o desvio, informou a tripulação de cabina, os passageiros e as operações sobre as alterações ao voo, solicitando assistência médica ao copiloto aquando da chegada”, consta da informação publicada pelo Gabinete de Prevenção e Investigação de Acidentes com Aeronaves (GPIAA), encarregado de esclarecer o que se passou.  

Às 9h16, o A320 tocou no chão algarvio, “tendo o piloto sido logo assistido por uma equipa médica”. Mas, “devido a não ser observada nenhuma melhoria do seu estado de saúde, foi transportado para o Hospital de Faro”. E o que se seguiu foi mais inesperado. 

O copiloto, de 25 anos, terá fugido do hospital. Antes das duas da manhã, já do dia 19, entrou num hotel junto ao aeroporto. “Esteve poucas horas no quarto e não tomou pequeno-almoço”, conta ao Expresso um dos empregados. “Não se identificou como piloto e pagou em dinheiro.” Minutos depois estava de volta ao aeroporto para receber a namorada, que  vinha em seu socorro.  

Nu pelo aeroporto
Segundo funcionários aeroportuários, às 8h30 o jovem tentou entrar na zona reservada para esperar “alguém muito especial”. Foi-lhe recusado e despiu-se. Colocou a roupa num contentor de lixo e  deambulou pela área de passageiros. 

A Cruz Vermelha do aeroporto foi chamada, outra vez, e o piloto levado, novamente, para o hospital. Ninguém na unidade hospitalar quis falar sobre o caso, mas o porta-voz da ANA, responsável pelos aeroportos, confirmou o incidente. Sabe-se ainda que o piloto terá permanecido internado em cuidados psiquiátricos até à chegada dos pais, três a quatro dias depois. 

Andrew Vincent dirige no Algarve uma das poucas clínicas 
no mundo para tratar pilotos com problemas do foro mental. A Associação Britânica de Pilotos revela que, em 2011, 
45% dos tripulantes sofriam de fadiga

Andrew Vincent dirige no Algarve uma das poucas clínicas 
no mundo para tratar pilotos com problemas do foro mental. A Associação Britânica de Pilotos revela que, em 2011, 
45% dos tripulantes sofriam de fadiga

tiago miranda

Clínica no Algarve
A perturbação do copiloto alemão está longe de ser única e até podia ter sido evitada, também no Algarve. A curta distância do aeroporto funciona uma das poucas clínicas no mundo que tratam tripulantes, sobretudo pilotos, com desequilíbrios de saúde mental.  

Andrew Vincent instalou-se no Algarve há dez anos, “por ser um lugar calmo, anónimo e fácil de chegar a partir de qualquer parte do mundo”. A clínica, Nova Vida, funciona numa casa que em nada se distingue das que estão à volta. O segredo é para ser guardado.

Lá dentro, surgem os sinais de que a habitação não é uma residência comum. A decoração é espartana e na sala, com vista para a piscina, há uma máquina de café e loiça empilhada para self-service. Há também lápis de cera, para desenhar o contorno do corpo e assinalar onde está a angústia, o medo ou a raiva. 

Por ali já passaram 40 pilotos, 20 dos quais nos últimos dois anos. Vêm de Hong Kong, do Reino Unido ou da Holanda. Nenhum de Portugal. A maioria ronda os 45 anos e é comandante: “Têm mais stresse, porque os copilotos são jovens e arrogantes, acham que já sabem tudo, e precisam de estar alerta mais tempo.”  

Os pilotos chegam com problemas de stresse, ansiedade ou esgotamento e partem após seis consultas ou duas semanas de terapia intensiva, nas situações mais graves, sempre com sessões individuais. “Muito do nosso trabalho é de terapia cognitiva para ajudar a resolver o stresse e a ansiedade, inclui comida saudável, exercício, formas de relaxamento...”, exemplifica Andrew Vincent.   

“Todos trabalhamos melhor sob stresse até certo ponto, mas é preciso saber parar”, alerta. Em parceria com a Associação dos Pilotos Portugueses de Linha Aérea (APPLA), a equipa da Nova Vida vai desenvolver um plano para ajudar tripulantes portugueses que precisem de ‘desligar’. “Queremos também criar uma comissão para perceber se as aferições psicológicas que são feitas aos pilotos são suficientes”, explica o presidente, Miguel Silveira.  

Clínica em Loulé já tratou 40 pilotos. Vieram de Hong Kong, Reino Unido e Holanda


Clínica em Loulé já tratou 40 pilotos. Vieram de Hong Kong, Reino Unido e Holanda


tiago miranda

Boicote alemão
O incidente continua sob investigação do GPIAA e com vários entraves. “Estamos a ter extrema dificuldade em  aceder aos registos médicos, porque a Condor não quer dar o histórico do piloto”, afirma o diretor, Álvaro Neves. O responsável já pediu à congénere alemã para interceder junto da companhia e pedir também o processo clínico pessoal, que pode não ter sido comunicado à Condor.  

Mesmo com muitas restrições, os investigadores portugueses souberam a posteriori que “o copiloto teria tido um ataque de epilepsia e que já teria estado suspenso de voar”. Aliás, “o próprio comandante sentiu medo do comportamento do copiloto, que ainda está suspenso”, disse ao Expresso um elemento das autoridades aeronáuticas portuguesas.   

No relatório preliminar, incluindo o que foi feito pelo comandante, consta apenas “incapacidade do piloto”, como é a norma. “Quando acontece uma ocorrência deste tipo, é sempre ‘catalogada’ como ‘pilot incapacitation’ e nunca sabemos a causa dessa incapacidade. Pode ser doença súbita, stresse, epilepsia, dores de ouvidos”, explica o responsável do GPIAA. 

A investigação dará as respostas. Os 138 passageiros, o comandante e os restantes quatro tripulantes de cabina seguiram viagem na tarde do dia 18, com outro copiloto. 

O presidente do Colégio de Psiquiatria da Ordem dos Médicos, Luís Gamito, explica que a epilepsia tem muitas formas. “A epilepsia do lobo temporal leva a alterações do comportamento e confunde-se com a patologia psiquiátrica, inclusive provocando automatismos como movimentar-se sem ter noção.” O médico admite que a doença pode ‘escapar’ aos exames, mas “é pouco provável”. 

A epilepsia impede ser-se tripulante (ver caixa) e se o piloto já tinha estado suspenso, alguém falhou. “O médico aeronáutico afere os aspetos psicológicos na conversa durante a consulta, mas não sei se essa aferição é ou não suficiente”, confessa o comandante Miguel Silveira.  

A tragédia provocada em março por um copiloto da Germanwings relançou a discussão sobre a avaliação da saúde mental dos tripulantes. Há orientações para reforçar os requisitos mas cada país tem a palavra final. E na Europa falta um sinal da Agência para a Segurança da Aviação. “Espera mais conclusões, por exemplo sobre este caso, para  alterar as regras”, adianta o responsável pela aviação civil portuguesa.  

Os peritos insistem que os incidentes por incapacidade psíquica dos pilotos são raros (ver exemplos fatais), no entanto, só em Portugal há dois registos recentes. O caso da Condor e outro, em outubro de 2013, com a Ryanair. O comandante foi incapaz de se manter aos comandos e o copiloto aterrou de emergência, também em Faro. O Boeing rumava a Tenerife com 167 passageiros e seis tripulantes.

Corbis

CASOS FATAIS

24/03/2015

O copiloto do Airbus A320
da alemã Germanwings tranca-se no cockpit e faz embater o aparelho contra 
os Alpes franceses. 
O comandante tenta até ao fim arrombar a porta de acesso aos comandos, com segurança reforçada na generalidade 
dos aviões desde o ataque terrorista de 11 de setembro 
de 2001, nos EUA. Morrem 
as 150 pessoas a bordo. 
A investigação ainda decorre, mas há provas de que 
o copiloto estava dado como inapto para voar por um médico assistente privado.

29/11/2013

O comandante do Embraer ERJ-190 da moçambicana LAM aproveita a ausência temporária do copiloto 
e despenha o avião no Parque Natural Bwabwata,
na Namíbia. Não sobrevive nenhum dos 33 ocupantes, sete dos quais portugueses. 
A investigação revelou que 
o comandante estava em processo de divórcio e que naquele dia fazia um ano 
que um dos filhos se suicidara.

31/10/1999

O copiloto do Boeing 767 
da egípcia EgyptAir fica sozinho no cockpit e inicia uma descida a pique. O comandante ainda tenta inverter 
a manobra. O Boeing ‘mergulha’ no Atlântico pouco depois de ter descolado 
de Nova Iorque, nos EUA, 
e mata as 217 pessoas a bordo.

19/12/1997

O Boeing 737 da Indonésia SilkAir fica sem comunicações, faz uma descida abruta, parte-se no ar e despenha-se no rio Musi, na Indonésia. 
A descida terá sido uma manobra intencional de um 
ou dos dois pilotos do avião. 
Os 104 ocupantes morrem.

21/08/1994

O piloto do ATR 42 
da marroquina Royal Air Maroc desliga o piloto automático após descolar de Agadir 
e voa em direção ao solo. Despenha-se perto 
de Tizounine, em Marrocos. 
As 44 pessoas a bordo 
não sobrevivem.

09/02/1982

O comandante do McDonnell Douglas DC-8 da nipónica Japan Airlines aproveita 
a manobra de aproximação 
ao aeroporto de Tóquio 
para despenhar o aparelho. 
O copiloto tenta recuperar 
o controlo mas o aparelho cai nas imediações da pista. 
Tira a vida aos 24 ocupantes. 
O comandante tinha regressado de baixa devido 
a uma “perturbação psicossomática”.

26/09/1976

Um piloto rouba um Antonov 2 
da russa Aeroflot e voa contra um bloco de apartamentos 
em Novosibirsk, onde vivia 
a ex-mulher. Morrem o piloto 
e 11 pessoas a circular na rua. 
A ex-mulher do tripulante não é atingida pela colisão.