Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Dirigente da FIFA detido defende-se em público com notícia de jornal satírico

  • 333

Jack Warner atribui a sua detenção, no âmbito do escândalo de corrupção que afeta a FIFA, a um ressentimento por parte dos Estados Unidos e justifica a sua argumentação exibindo uma manchete de um jornal satírico, que aparentemente tomou por verídica

“Se a FIFA é assim tão má, por que motivo os Estados Unidos da América querem receber o Mundial de futebol?”, questiona Jack Warner num vídeo colocado na internet, no qual o antigo vice-presidente da organização que tutela o futebol mundial exibe a primeira página do jornal satírico “The Onion”. O ex-dirigente denuncia nas imagens o que considera serem os verdadeiros motivos por detrás da investigação federal norte-americana, no âmbito da qual Warner foi detido e indiciado na semana passada por atos de corrupção, antes de ser libertado sob caução.

“FIFA anuncia euforicamente o Mundial de futebol de verão 2015 nos Estados Unidos”, referia a manchete da publicação satírica (que aparentemente o ex-dirigente da FIFA tomou por real). A notícia dava conta de uma nova edição do torneio, que iria ter início nesse mesmo dia, e que os membros da federação internacional procuravam desse modo amenizar os ânimos das autoridades norte-americanas.

Warner, líder do Partido Independente e Liberal de Trinidad, desenvolvia a sua argumentação sobre as reais motivações norte-americanas: “Os Estados Unidos candidataram-se e, 2011 para receberem o Mundial de 2022 e perderam a disputa para o Qatar – um pequeno país, um país árabe, um país muçulmano (…). Tudo isto surge de uma disputa perdida pelos EUA para receberem o Mundial de futebol”.

O ex-vice-presidente da FIFA colocou o vídeo este domingo, no seu site e nas suas páginas nas redes sociais, mas viria a retirá-lo após terem surgido diversos comentários gozando com o seu erro. Voltaria a republicar o vídeo duas horas mais tarde, mas já sem a parte em que exibia o jornal satírico. Apesar disso, a versão original do vídeo continua contudo disponível no YouTube.

Indiciado no âmbito da investigação de corrupção que envolve altos dirigentes da FIFA, os Estados Unidos já solicitaram a sua extradição para ser julgado.