Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Sócrates volta a ser interrogado na próxima semana

  • 333

Alberto Frias

O ex-primeiro-ministro vai ter de voltar ao Departamento Central de Investigação e Ação Penal (DCIAP) depois de ter sido ouvido pelo procurador Rosário Teixeira esta quarta-feira.

Aparentemente, as quatro horas de interrogatório a que José Sócrates foi sujeito na última quarta-feira não chegaram para esclarecer o que havia a esclarecer. De acordo com João Araújo, advogado do ex-primeiro-ministro, está previsto para a próxima semana uma nova sessão no DCIAP, para que o arguido principal da Operação Marquês continue a ser ouvido pelo Ministério Público.

O novo interrogatório – o terceiro desde que o antigo líder foi detido em novembro no aeroporto de Lisboa – só acontecerá depois de o Ministério Público fizer chegar à sua defesa um conjunto de documentos, para que o arguido tenha condições para responder às dúvidas do procurador Rosário Teixeira, que coordena a investigação da Operação Marquês. 

Segundo o jornal “Público”, a documentação em causa tem a ver com transferências bancárias detectadas na Suíça e realizadas por outros arguidos do caso – o empresário da construção civil Carlos Santos Silva e um dos donos do Grupo Lena, Joaquim Barroca Rodrigues. Ao Expresso, contudo, o advogado João Araújo não confirma isso. “Fizemos um pedido genérico de documentação, na sequência de pedidos anteriores no mesmo sentido”. 

João Araújo admite que o seu cliente foi confrontado com factos novos esta semana, mas desvaloriza a relevância desses elementos. “Há umas coisas novas, mas não têm nada a ver com a Suíça, diz. 

A iniciativa de Rosário Teixeira em ouvir o ex-primeiro-ministro acontece numa semana em que o juiz de instrução criminal Carlos Alexandre alterou a medida de coação de Carlos Santos Silva, indiciado por corrupção, fraude qualificada e branqueamento de capitais – os mesmos crimes que são apontados a Sócrates – e enviou o empresário para casa com uma pulseira electrónica.

Sócrates é neste momento o único arguido no caso a manter-se na cadeia, sendo que os pressupostos que justificam a sua prisão preventiva terão de ser obrigatoriamente reavaliados pelo Tribunal Central de Instrução Criminal até ao dia 9 de junho. 

ESTE SÁBADO, A REVISTA E CONTA-LHE TUDO SOBRE A VIDA DE SÓCRATES NA PRISÃO, NUM TRABALHO DOS JORNALISTAS  BERNARDO FERRÃO  E  RUI GUSTAVO