Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Felisbela Lopes. "Os jornalistas parecem estar resignados às versões dos instalados no poder"

  • 333

As principais censuras têm hoje uma dimensão económica, defende a investigadora da Universidade do Minho, que acaba de publicar o livro "Jornalista, profissão ameaçada".

D.R.

Os jornalistas estão sob pressão, a democracia já viveu melhores dias nas redações e assiste-se no dia a dia ao pisar de incontáveis linhas vermelhas por diversos atores. O resultado é um permanente pôr em causa da liberdade de imprensa, com a profissão cada vez mais ameaçada. 

As conclusões são de Felisbela Lopes, investigadora na área dos media da Universidade do Minho, e surgem como resultado natural da leitura do livro "Jornalista, profissão ameaçada", que é apresentado esta quarta-feira na Livraria Alêtheia, na Rua do Século, 13, em Lisboa, pelas 18h30.

Logo a abrir o livro, Felisbela, ela própria ex-jornalista, faz uma espécie de rápido retrato do estado da arte quando, num só parágrafo, elenca grande parte dos dilemas, dos desafios, dos constrangimentos com que se debatem os jornalistas sob pressão em estado de permanência.  

É a "pressão para ser rentável. Pressão para fazer a cobertura de determinado acontecimento. Pressão para ouvir este ou aquele interlocutor. Pressão para não afrontar os acionistas ou financiadores da sua empresa. Pressão para cumprir leis que não deixam margem para noticiar factos com relevância noticiosa. Pressão para trabalhar depressa. Pressão para ser o primeiro a anunciar a última coisa que acontece. Pressão para multiplicar conteúdos em diversas plataformas. Pressão para atender àquilo que os cidadãos dizem nas redes sociais".  

 Como não é fácil trabalhar com tantas condicionantes, a investigadora sugere que "atualmente ser jornalista é aceitar exercer uma profissão que está sob ameaças de vária ordem. E isso deveria suscitar um amplo debate público". 

Até porque há uma panóplia de novas censuras a serem exercidas. A mais importante, a mais eficaz, a mais paralisante será a que resulta das condicionantes económicas. Como diz Felisbela Lopes, "estão aí as principais censuras, transpostas na diminuição de meios, na redução das equipas, na limitação dos trabalhos". Com a liberdade de imprensa em risco "face a empresas jornalísticas demasiado concentradas no lucro", diz a investigadora, "a dependência dos anunciantes é colossal. O medo dos administradores é real". 

O pânico de perder o emprego

Com a permanente alegação de que "não há dinheiro", o dia a dia das redações está transformado numa espécie de caldeirão mágico de onde sai uma poção cujos efeitos ainda ninguém conhece por inteiro, em que "é preciso fazer mais com menos. É preciso fazer. E no meio de tudo isto, ressalta o pânico de perder o emprego", num meio em que, como assinala no livro uma jornalista sénior, "as direções foram sequestradas pelas administrações que, por sua vez, foram sequestradas pelos anunciantes".  

O livro nasce a partir da vontade de questionar os constrangimentos enfrentados na atualidade pela profissão de jornalista. Para concretizar o projeto, Felisbela resolveu dirigir algumas perguntas a 100 jornalistas, a quem pedia respostas muito curtas. A grande surpresa, diz a investigadora ao Expresso, "é que foi muito fácil fazer o livro com esta parceria em que os jornalistas foram muito prontos a responder". 

As respostas são múltiplas e variadas, abrangem temáticas diversas e contêm algumas tiradas paradigmáticas, como quando alguém diz que "o cartão de crédito se converteu no novo lápis azul", ou quando um jornalista, face à tendência generalizada das empresas para assumirem compromissos noutras circunstâncias inaceitáveis, mas agora justificados com a necessidade de rentabilidade, defende que "outro galo cantaria se se percebesse que a independência dá dinheiro".  

Em "Jornalista, profissão ameaçada" levantam-se vários problemas de grande atualidade, como a crescente concentração dos grupos mediáticos, muitas vezes sem ser claro quem detém a propriedade daquelas estruturas. No caso concreto de Portugal, a existência de um reduzido número de grupos de media comporta riscos, que Felisbela elenca.  
Com as empresas a assumirem como prioridade "racionalizar custos e maximizar lucros", num ambiente de profunda retração do mercado publicitário, "os media tentam fazer a quadratura do círculo: fazer mais (conteúdos) com menos (dinheiro e profissionais)". A consequência é visível "numa redução drástica da qualidade daquilo que se faz". 

Depois há o problema da uniformização dos conteúdos mediáticos, em que a multiplicação de meios de comunicação social não resulta numa diversidade de conteúdos, nem tão pouco, acrescenta Felisbela Lopes, "num acréscimo de qualidade daquilo que é produzido". 

Se somarmos a tudo isto "jornalistas precários e com medo" consegue-se porventura perceber melhor o caldo em que se movimenta uma classe que vê a liberdade de imprensa em risco face à hegemonia das fontes do poder dominante. A investigadora assume que "a revolução já não se faz nos media", mas acrescenta que "os jornalistas parecem estar resignados às versões daqueles que se instalaram no poder".  

Nesse sentido, conclui, torna-se imperioso "agitar redações que se anestesiaram em relação àquilo que se passa nas bordas da sociedade e que, de repente, pode aproximar-se perigosamente do centro".