Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Quem é o suspeito da morte de Filipe, o adolescente de 14 anos de Salvaterra de Magos

  • 333

Filipe foi visto pela última vez neste local, na Feira de Magos, na segunda-feira

António Pedro Ferreira

Jovem de 17 anos detido pela PJ tem um historial de furtos e posse de droga, mas não de situações de violência.

O Tribunal de Santarém decretou prisão preventiva para o jovem de 17 anos suspeito de matar Filipe Costa, de 14 anos, em Salvaterra de Magos. O corpo da vítima foi encontrado quinta-feira de manhã e a PJ deteve o suspeito na noite do mesmo dia.

Depois de várias horas de interrogatório, o jovem de 17 anos acabou por confessar o crime à PJ e contou que matou a vítima com uma barra da ferro. Ao que o Expresso apurou, os dois jovens só se conheceram na passada sexta-feira, três dias antes do crime. Ainda assim, mantiveram um contacto regular nesse período.

De acordo com fonte judicial, o crime terá sido cometido por um "motivo fútil" e está descartada, pelo menos para já, a hipótese de haver mais envolvidos no homicídio de Filipe, desaparecido desde segunda-feira e encontrado morto quinta-feira, na arrecadação de um prédio no centro de Salvaterra de Magos. 

Não tinha dado sinais de poder ser violento

A vila é pequena e tranquila e, por isso, sempre que um furto acontecia em Salvaterra de Magos o seu nome vinha à baila. Foram também frequentes as vezes em que foi apanhado pela GNR com posse de droga, estando referenciado pela Comissão de Proteção de Menores. Segundo uma fonte policial, havia um processo em curso com um pedido para o seu internamento numa instituição. Mas nunca Daniel, de 17 anos, tinha dado sinais de poder ser violento. Até agora.

Esta quinta-feira à noite, o jovem foi detido e levado para o estabelecimento prisional anexo à Polícia Judiciária, em Lisboa, por ser considerado o principal suspeito do homicídio de Filipe Costa, um adolescente de 14 anos que se encontrava desaparecido desde a noite de segunda, dia 11, e cujo corpo foi descoberto três dias depois na arrecadação de um prédio no centro da vila.

Estudante do 10º ano no curso de electrónica da escola profissional de Salvaterra de Magos, o suspeito conhecia a vítima há poucos dias, mas manteve um contacto regular com ela até ao seu desaparecimento.

António Pedro Ferreira

Apresentou queixa contra desconhecidos

Na noite do desaparecimento de Filipe Costa, foi o próprio suspeito que se deslocou ao posto de comando da GNR de Salvaterra de Matos para apresentar uma queixa por agressão contra desconhecidos, exibindo na altura vários ferimentos no corpo e afirmando que tinha sido atacado por um grupo de jovens de Samora Correia.

Daniel voltaria várias vezes ao posto, por sua iniciativa, no dia seguinte, e foi alterando alguns factos da versão inicial que apresentara. Foi isso que chamou a atenção das autoridades. Nessa altura, já a mãe de Filipe, Rita Costa, tinha dado o alerta do desaparecimento do filho. Daniel admitiu que estivera com o adolescente na véspera, na Feira de Magos, uma festa popular que acontece todos anos nas imediações da câmara local. E acabou por ser ele a dar os elementos para a localização do telemóvel da vítima, um iPhone, abandonado num descampado nas traseiras do supermercado local da cadeia Lidl.

Ouvido pela Polícia Judiciária logo na terça-feira, a situação do suspeito tornou-se mais grave depois de os inspetores da Unidade Nacional de Contra-Terrorismo terem encontrado o cadáver de Filipe na arrecadação de um sótão num prédio a que Daniel tinha acesso e que costumava frequentar. O suspeito tinha morado num dos apartamentos do último andar do edifício e conservara as chaves da casa, usando-a como local de encontro com amigos. O corpo da vítima apresentava sinais de ter sido violentamente agredido e, segundo uma fonte da PJ, foi assassinado com “um objecto contundente”.