Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Carris em greve de 24 horas com 11 carreiras em serviços mínimos

  • 333

Greve pretende lutar "contra o processo de privatização da Carris" e as destruição do "serviço público que esta empresa presta hoje à população". Trabalhadores saem à rua em marcha de protesto.

A greve de 24 horas dos trabalhadores da rodoviária de Lisboa Carris contra a subconcessão da transportadora está a perturbar o serviço desde as 3h desta quinta-feira, apesar de os serviços mínimos obrigarem à circulação de 50% de 11 carreiras.

O tribunal arbitral do Conselho Económico e Social decretou como serviços mínimos para esta greve o funcionamento de 50% de 11 carreiras, tendo em conta linhas que desempenham "um papel essencial no acesso das pessoas à rede hospitalar pública e, consequentemente, a necessidade de proteção do direito à saúde, constitucionalmente consagrado".

Em funcionamento estarão as carreiras 703 (Charneca do Lumiar - Bairro de Santa Cruz), a 708 (Parque das Nações - Martim Moniz), a 735 (Cais do Sodré - Hospital de Santa Maria), a 736 (Cais do Sodré - Odivelas) e a 738 (Quinta Barros - Alto de Sto. Amaro).

Também é considerado como serviço mínimo o funcionamento de 50% das carreiras 742 (Casalinho da Ajuda -- Bairro da Madre de Deus), 751 (Linda-a-Velha - Estação de Campolide), 755 (Poço do Bispo - Sete Rios), 758 (Cais do Sodré - Portas de Benfica), 760 (Cemitério da Ajuda - Gomes Freire) e 767 (Mártires da Pátria - Estação da Damaia).

Em total funcionamento estará o serviço de transporte exclusivo de pessoas com mobilidade reduzida.

De acordo com Manuel Leal, da Federação dos Sindicatos de Transportes e Comunicações (FECTRANS), a greve pretende lutar "contra o processo de privatização da Carris, que constituirá a tentativa da constituição de mais uma parceria público-privada, penalizando quer trabalhadores quer utentes, destruindo o serviço público que esta empresa presta hoje à população".

Além da greve, os trabalhadores realizam uma marcha de protesto, a partir das 7h30, entre a Estação de Santo Amaro, em Alcântara, e a Assembleia da República.

A Comissão de Trabalhadores (CT) da Carris e algumas das estruturas sindicais marcaram também um debate no cinema São Jorge, às 10h, para analisar o caderno de encargos e o impacto da subconcessão para a empresa e os trabalhadores, com a participação de investigadores.

A greve foi inicialmente marcada por ser esta quinta-feira, 14 de maio, o prazo previsto para o fim dos concursos públicos de subconcessão da Carris e do Metro. Mas os concursos foram prolongados para data indeterminada devido ao número de questões colocadas pelos interessados, disse fonte da Transportes de Lisboa.