Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Duas ilhas dos Açores em situação meteorológica de risco extremo

Foram ainda emitidos alertas para outras cinco ilhas, mas com menor gravidade na escala do Instituto Português Mar e da Atmosfera.

As ilhas de São Miguel e de Santa Maria, nos Açores, estão esta segunda-feira sob aviso vermelho, o mais grave de uma escala de quatro, devido à previsão de chuva forte.

Segundo a informação publicada no site do Instituto Português Mar e da Atmosfera (IPMA), as ilhas de São Miguel e de Santa Maria, do grupo oriental dos Açores, estão sob aviso vermelho devido à previsão de chuva forte e trovoada. Inicialmente o aviso era laranja, mas foi agravado para vermelho.

O aviso vermelho entrou em vigor às 7h e irá terminar às 15h, hora em que as ilhas do grupo oriental dos Açores vão ficar sob aviso laranja devido às condições meteorológicas, nomeadamente chuva e aguaceiros.

O aviso vermelho do IPMA prevê uma situação meteorológica de risco extremo, com o organismo a recomendar que a população se mantenha regularmente ao corrente da evolução das condições meteorológicas e seguir as orientações da Autoridade Nacional da Proteção Civil.

Também as ilhas do Faial, Pico, Terceira, Graciosa e São Jorge, do grupo central dos Açores, estão sob aviso amarelo entre as 9h de hoje e as 2h59 desta terça-feira.

O IPMA prevê para esta segunda-feira no grupo ocidental (ilhas das Flores e Corvo) céu pouco nublado, aumentando de nebulosidade ao longo da tarde e vento norte bonançoso a moderado.

Nos grupos oriental e central prevê-se céu muito nublado, tornando-se encoberto, períodos de chuva e aguaceiros por vezes fortes, condições favoráveis à ocorrência de trovoadas e vento nordeste bonançoso a moderado, tornando-se muito fresco a forte com rajadas até 90 quilómetros por hora.

Face a estas previsões meteorológicas, o Serviço Regional de Proteção Civil e Bombeiros dos Açores emitiu um alerta a recordar que o "eventual impacto destes efeitos pode ser minimizado, sobretudo através da adoção de comportamentos adequados, pelo que, e em particular nas zonas mais vulneráveis", recomenda "a observação e divulgação das principais medidas de autoproteção para estas situações".