Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Ministério diz que prova para professores é um "incentivo" ao aumento da exigência

  • 333

Ministério da Educação não comenta os resultados obtidos pelos candidatos nas provas específicas de avaliação de conhecimentos, mas acredita que o teste contribuirá para uma "maior exigência" na formação dada nas instituições de ensino superior.

O Ministério da Educação não faz qualquer comentário aos resultados dos candidatos a professores nas componentes específicas da Prova de Avaliação de Conhecimentos e Capacidades (PAAC), destinadas a quem quer dar aulas e tem menos de cinco anos de serviço.

Os resultados foram divulgados esta quinta-feira pelo Instituto de Avaliação Educativa (IAVE) e revelam grandes dificuldades entre os professores que têm formação para dar aulas de Física e Química e de Português aos alunos do 3º ciclo e ensino secundário. 

Apesar de não terem sido realizadas por muitos candidatos, as  taxas de reprovação nestas áreas específicas ultrapassaram os 60%. 

Num comunicado enviado às redações, o Ministério de Nuno Crato limita-se a lembrar a importância da qualidade dos professores para a qualidade do sistema educativo - "não se pode ensinar bem o que não se sabe muito bem" - e a recordar as medidas tomadas para "garantir que sejam os candidatos" mais bem preparados "a ensinar os nossos alunos". Entre elas, integra  a obrigatoriedade de realização de exames de Português e de Matemática para admissão aos cursos de licenciatura de Educação Básica, bem como a regulamentação da PACC, criada antes mas que só foi posta em prática por este Governo.

" É fundamental que, à medida que se renovem os quadros docentes das escolas, o que irá acontecer de forma acelerada na próxima década, se garanta a entrada de uma geração de professores altamente preparada e qualificada. É ambição do Ministério da Educação e Ciência que esta prova seja também um incentivo a uma maior exigência na formação inicial dos candidatos a professores", resume. 

Os professores que chumbaram nas provas feitas no final de março poderão repetir da próxima vez que se realizarem.