Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Nove detidos após buscas a empresas e residências por suspeita de crimes fiscais no setor têxtil

  • 333

Operação "Fazenda Branca" fez cerca 30 de buscas na área do Grande Porto, Braga, Coimbra e Lisboa. Foram apreendidos "milhares de euros em dinheiro e documentação relevante", "veículos automóveis", "diversas obras de arte e outros bens móveis".


Nove pessoas foram detidas em dezenas de buscas levadas a cabo esta quarta-feira pela Polícia Judiciária no âmbito de uma investigação relacionada com crimes fiscais no setor têxtil.

O "Jornal de Notícias" que avançou a notícia em primeira mão, dando conta de buscas a empresas e residências particulares inciadas na manhã desta quarta-feira, adianta que entre os detidos está o proprietário da cadeia Feira dos Tecidos e que  ação "está centralizada na investigação a este importante grupo têxtil com vários estabelecimentos a nível nacional". Pelas 15h25 a operação ainda estava a decorrer, disse fonte da Judiciária à agência Lusa.

A Polícia Judiciária (PJ) já veio confirmar a operação. Em comunicado de imprensa, a PJ explica que durante a operação denominada de "Fazenda Branca" executou "cerca de três dezenas de buscas", na área do Grande Porto e nas cidades de Lisboa, Coimbra e Braga, deteve "nove pessoas com idades compreendidas entre os 38 e os 63 anos" e apreendeu "milhares de euros em dinheiro e documentação relevante", "veículos automóveis", "diversas obras de arte e outros bens móveis".

A operação de combate à fraude fiscal no setor dos têxteis decorreu no âmbito de um inquérito dirigido pelo Ministério Público -- Departamento de Investigação e Ação Penal do Porto -, em articulação com a Autoridade Tributária e Aduaneira, e teve o objetivo de "cessar a atividade de um grupo de pessoas fortemente indiciado pela prática continuada de crimes de associação criminosa, fraude fiscal e branqueamento de capitais".

"As investigações permitiram indiciar a existência de um grupo organizado no setor da compra e venda de têxteis que, atuando de forma concertada e permanente, vinha efetuando transações comerciais sem proceder à respetiva declaração fiscal ou fazendo-o com falsidade, lesava a Fazenda Nacional em dezenas de milhões de euros em sede de IRC e IVA".

Os detidos vão ser presentes a primeiro interrogatório judicial para aplicação das medidas de coação.

[notícia atualizada às 16h53]