Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Morreu Oscar Mascarenhas

  • 333

número f – núcleo de fotografia da Escola Superior de Comunicação Social

Antigo presidente do Conselho Deontológico dos Sindicato dos Jornalistas era professor na Escola Superior de Comunicação Social, em Lisboa. Tinha 65 anos.

O jornalista Oscar Mascarenhas, que trabalhou muitos anos no "Diário de Notícias" e na agência Lusa, morreu esta quarta-feira, aos 65 anos, em Lisboa, vítima de ataque cardíaco, informou fonte ligada à família.

De acordo com a mesma fonte, Oscar Mascarenhas sentiu-se mal pela manhã e ainda foi assistido por uma equipa do INEM- Instituto Nacional de Emergência Médica.

Estava no segundo ano de Direito, na Universidade de Lisboa, quando, em janeiro de 1975, pela mão de dois grandes amigos, Carlos Cáceres Monteiro e Luís Almeida Martins, começou a trabalhar no vespertino "A Capital".

Durante a sua longa carreira trabalhou ainda no "Página Um", "Diário de Notícias" (1982-2002 e 2012-2014 como provedor do leitor) e "Jornal do Fundão".

Integrou os quadros da Lusa - Agência de Notícias de Portugal, SA, em 2003 como assessor da administração então presidida pelo jornalista Luís Delgado, ficando com o pelouro, entre outras funções, do relacionamento com as agências noticiosa e organismos internacionais com que a Lusa tinha cooperação.

Mais tarde, em setembro de 2005, passou para a redação da Lusa como editor e integrou depois, em 2007, o turno da madrugada, função que desempenhou até passar à pré-reforma, em 2009.

Oscar Mascarenhas colaborou ainda com diversos organismos como por exemplo o extinto Conselho de Imprensa (constituído em 1975 para salvaguardar a liberdade de imprensa), a Comissão da Carteira Profissional, a direção do Sindicato dos Jornalistas, tendo presidido durante oito anos ao seu Conselho Deontológico.

Como jornalista, relatou momentos históricos, como a cerimónia da independência da Cabo Verde, em 1975, os Jogos Olímpicos de Los Angeles, em 1984, ou ainda as primeiras eleições livres na RDA, em 1990, após a queda do Muro de Berlim.

Em 1985, o Clube Português de Imprensa distinguiu-o com o Prémio Reportagem, e, um ano depois, o Prémio de Viagem.

  • A presidente do Sindicato dos Jornalistas lembrou o estilo provocador de Oscar Mascarenhas, sublinhando que tal característica "tornava-o numa personalidade que vai fazer falta".