Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

TAP realizou 70% dos voos até às 17h30

  • 333

Tiago Miranda

Do total de 254 voos previstos para este sábado, até às 17h30, 175 foram concretizados e 79 cancelados. O sindicato reconhece estes números, mas diz que a TAP está a tentar "contornar" os efeitos da greve, usando os pilotos que não aderiram a ela para substituir os que aderiram.

No último balanço do dia de sábado, a porta-voz da empresa Lúcia Cavaleiro declarou que a realização de voos pela companhia aérea portuguesa tem registado valores semelhantes aos do dia anterior.  

"Até às 17h30 de hoje a TAP tinha previsto 254 voos, dos quais 175 foram efetuados e 79 cancelados", afirmou porta-voz da companhia aérea aos jornalistas. O que, sublinha, "em termos percentuais, significa que 70% dos voos estão em funcionamento", percentagem que inclui os voos que teriam obrigatoriamente que se realizar, ao abrigo dos serviços mínimos decretados pelo tribunal arbitral, em sede do Conselho Económico e Social. 

A mesma fonte realçou ainda que o número de voos "é muito semelhante" ao registado no dia anterior e, apesar de existirem "sempre algumas oscilações, esta é uma tendência a manter-se até ao final do dia". A adesão dos pilotos à greve voltou a ser maior na operação feita pela Portugália. 

Números contraditórios

Já o Sindicato dos Pilotos da Aviação Civil (SPAC) apresenta números diferentes, destacando que a adesão à greve (e não a realização de voos) estará entre 70% e 80%.

Ainda assim, e em declarações à SIC, o dirigente do SPAC Hélder Santinhos admite que a percentagem divulgada pela TAP corresponde à realidade, uma vez que a empresa portuguesa está a utilizar os mesmos comandantes e copilotos para assegurar voos que estariam atribuídos a outros que aderiram à greve. "Apenas 20% dos voos estão a sair com o planeamento inicialmente previsto", sublinha. 

Segundo explica o sindicato, a companhia aérea portuguesa está a tentar "contornar o efeito da greve". "No entanto, esse efeito não á sustentável no tempo. Porquê?", explica o dirigente do sindicato. "Porque existe regulamentação internacional que limita os tempos de voo dos pilotos e obriga a tempos de descanso. Dentro de um dia ou dois, esses limites serão atingidos e os pilotos que não aderiram à greve terão que descansar e aí os efeitos serão mais visíveis".