Anterior
Festival Internacional do Caracol regressa a Castro Marim
Seguinte
Primeiro crematório do Algarve vai nascer no cemitério de Faro
Página Inicial   >  Blogues  >  Blogues da Rede Expresso  >  Jornal do Algarve  >   Só a requalificação e a diversificação podem salvar o comércio de fronteira

Vila Real de Santo António

Só a requalificação e a diversificação podem salvar o comércio de fronteira

 

A ideia foi defendida este sábado durante o seminário onde foi debatido o futuro da atividade comercial da cidade pombalina. Falta de condições para investir continua a atrasar a modernização dos estabelecimentos

|
Rua Teófilo Braga, em Vila Real de Santo António
Rua Teófilo Braga, em Vila Real de Santo António / Domingos Viegas / Jornal do Algarve
 

A requalificação dos estabelecimentos comerciais, tornando-os mais atrativos, bem como a diversificação da oferta, tornando-a cada vez mais exclusiva, foram as soluções apontadas para salvar o chamado comércio de fronteira de Vila Real de Santo António (VRSA), durante o seminário que decorreu ns última semana para debater o futuro da atividade na cidade pombalina.

O comércio de têxtil lar tem uma grande tradição em VRSA, embora já esteja muito longe do fulgor de outros tempos. Os espanhóis, principais clientes durante várias décadas, começaram a afastar-se, os artigos deixaram de ser procurados e a atividade agoniza de dia para dia. Apesar de o número de lojas de têxteis já ser muito inferior àquilo que foi nas últimas década, ainda representa a maior fatia do comércio do centro da cidade, com 43 estabelecimentos, continuando à frente do ramo do pronto-a-vestir, dos restaurantes e dos cafés.

A crise neste setor foi o ponto de partida para o debate que decorreu no Centro Cultural António Aleixo e que contou com a presença de comerciantes, autarcas, bem como representantes de associações empresariais e da Confederação do Comércio Português. Além de admitirem as dificuldades, os participantes também foram unânimes em considerar que os produtos têxteis comercializados na cidade pombalina têm cada vez mais qualidade.

 

Falta de diversificação deixou de atrair espanhóis

Um dos presentes foi o jornalista espanhol Angel Rebollo, de Huelva, convidado para explicar o ponto de vista do cliente do país vizinho e que acabou mesmo por colocar o dedo na ferida: "O comércio de Vila Real de Santo António tem um defeito: desde uma ponta até à outra, encontramos sempre os mesmos artigos. E é preciso diversificar, pois o cliente quer, cada vez mais, comprar produtos exclusivos".

Angel Rebollo, que visita a cidade pombalina frequentemente há mais de 30 anos, deixou ainda um alerta: "Por um lado, o cliente quer cada vez mais independência para comprar e gosta cada vez menos de ter que se dirigir a um balcão. Por outro lado, e uma vez que já não há fronteira como antigamente, ninguém vem a Vila Real de Santo António se não houver qualquer coisa atrativa para comprar".

No mesmo sentido, o responsável local da ACRAL, Joaquim Guedes, admitiu que em VRSA "ainda há comerciantes muito enraizados ao passado". No entanto, o dirigente associativo também apontou outras razões para a quebra do comércio de têxtil lar, entre as quais a concorrência das grandes superfícies e dos produtos com origem na China, o encarecimento do preço do algodão, a diminuição das margens de lucro e a perda de poder de compra do cliente espanhol.

 

"Nem todos os comerciantes têm dinheiro para investir"

E foi precisamente a questão das grandes superfícies comerciais a marcar a intervenção do presidente da autarquia vila-realense, que recordou o facto de o seu executivo não ter autorizado a implementação de qualquer nova estrutura deste género. "Sempre recusámos, porque achamos que o pequeno comércio é o oxigénio da economia local e um verdadeiro gerador de emprego", defendeu Luís Gomes, sublinhando que as grandes superfícies "acenam sempre com muitos postos de trabalho, mas depois a realidade é muito diferente." O autarca também alertou para a importância da modernização do comércio de têxteis.

No entanto, a modernização implica investimento, o que, para muitos comerciantes, continua a ser um obstáculo. "Para diferenciar é preciso apostar forte e para apostar forte é preciso investir, mas nem todos têm dinheiro para o fazer", recordou um dos comerciantes presentes na plateia.

Esta intervenção acabou por ir ao encontro da ideia defendida por João Vieira Lopes, presidente da Confederação do Comércio e Serviços de Portugal (CCP). Este dirigente associativo considerou que, ao contrário do que os políticos preconizam, o corte nas despesas e a exportação de bens transacionáveis não é suficiente para que o país possa sair da crise.

"Só a exportação não chega. As grandes empresas exportadoras são poucas e, mesmo que aumentem as suas exportações, não vão gerar muitos mais postos de trabalho. Mas sem o mercado interno estamos tramados, por isso é muito importante apoiar e criar medidas para ajudar as micro, pequenas e médias empresas", defendeu Vieira Lopes.

(mais informação em www.jornaldoalgarve.pt )


Opinião


Multimédia

Tudo o que precisa de saber sobre o ébola, em dois minutos

Porque é que este está a ser o pior surto da história? Como é que os primeiros sintomas se confundem com os de outras doenças? É possível viajar depois de ter contraído o vírus, sem transmitir a doença? E estamos ou não perto de ter uma vacina? O Expresso procurou as respostas a estas e outras dúvidas sobre o ébola.

Vai pagar mais ou menos IRS? Veja as simulações

Reforma do imposto protege quem tem dependentes a cargo, mas pode penalizar os restantes contribuintes. Função pública e pensionistas vão ter mais dinheiro disponível. Veja simulações para vários casos.

Costeletas de borrego com migas de castanhas

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

A última viagem do navio indesejado

Construído nos Estaleiros de Viana e pensado para fazer a ligação entre ilhas nos Açores, o Atlântida foi recusado pelo Governo Regional por alegadamente não atingir a velocidade pretendida. Contando com os custos associados à dissolução do contrato, o prejuízo ascendeu a 70 milhões de euros. Foi agora comprado a "preço de saldo", para mudar de nome e ser reconvertido num cruzeiro na Amazónia. Fizemos a última viagem do Atlântida e vamos mostrar-lhe os segredos do navio.

Strogonoff de peixe espada preto

Faz agora cinco anos que o Chefe Tiger, especialista em pratos de confeção acessível e com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, começou esta aventura gastronómica. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Caril de banana

Faz agora cinco anos que o Chefe Tiger, especialista em pratos de confeção acessível e com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, começou esta aventura gastronómica. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Tem três minutinhos? Vamos explicar-lhe o que muda no orçamento de 350 mil portugueses (e no de muitas empresas)

O novo salário mínimo entrou em vigor. São mais €20 brutos para cerca de 350 mil portugueses (números do Ministério da Segurança Social, porque os sindicatos falam em 500 mil trabalhadores). Mudou o valor, mas também os descontos que as empresas fazem para a Segurança Social. Porque se trata de uma medida que afeta a vida de muitos portugueses, queremos explicar o que se perde e o que se ganha, o que se altera e o que se mantém.

Cantaril com risotto de espargos

Faz agora cinco anos que o Chefe Tiger, especialista em pratos de confeção acessível e com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, começou esta aventura gastronómica. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Music fighter: temos Marco Paulo e Bruno Nogueira numa batalha épica

Está preparado para um dos encontros mais improváveis na história da música portuguesa? O humorista Bruno Nogueira e a cantora Manuela Azevedo, dos Clã, pegaram em várias músicas consideradas "pimba" - daquelas que ninguém admite ouvir mas que, no fundo, todos vão dançar assim que começam a tocar - e deram-lhe novos arranjos, num projeto que chegou aos coliseus de Lisboa e do Porto.  "Ninguém, ninguém", de Marco Paulo, tem possivelmente a introdução mais acelerada e frenética do panorama musical português. Mas, no frente-a-frente, quem é o mais rápido? Vai um tira-teimas à antiga?

Dez verdades assustadoras sobre filmes de terror

Este vídeo é como o monstro de "Frankenstein": ganhou vida graças à colagem de partes de alguns dos filmes mais aterrorizantes de sempre. Com uma ratazana mutante e os organizadores do festival de cinema de terror MotelX pelo meio. O Expresso foi à procura das razões que explicam o fascínio pelo terror, com muito sangue (feito de corante alimentar) à mistura. 

A paixão do vinil

Se para muitos o vinil é apenas uma moda que faz parte da cultura do revivalismo vintage, para outros ver o disco girar nunca deixou de ser algo habitual.

Portugal foi herdado, comprado ou conquistado?

Era agosto em Lisboa e, às portas de Alcântara, milhares de homens lutavam por dois reis, participando numa batalha decisiva para os espanhóis e ainda hoje maldita. Aconteceu em agosto de 1580. Mais de 400 anos depois, o Expresso deu-lhe vida, fazendo uma reconstituição do confronto através do recorte e animação digital de uma gravura anónima da época.

O Maradona dos bancos centrais

Dizer que Mario Draghi está a ser uma espécie de Maradona dos bancos centrais pode parecer estranho. Mas não é exagerado. Os jornalistas João Silvestre e Jorge Nascimento Rodrigues explicaram porquê num conjunto de artigos publicado no Expresso em Novembro de 2013 e que venceu em junho deste ano o prémio de jornalismo económico do Santander e da Universidade Nova. O trabalho observa ainda o desempenho de Ben Bernanke no combate à crise, revisita a situação em Portugal e arrisca um ranking dos 25 principais governadores de bancos centrais. Republicamos os artigos num formato especial desenvolvido para a web.

Com Deus na alma e o diabo no corpo

Quem os vê de fora pode pensar que estão possuídos. Eles preferem sublinhar o lado espiritual e terapêutico desta dança - chamam-lhe "krump" e nasceu nos bairros pobres dos Estados Unidos. De Los Angeles para Chelas, em Lisboa, já ajudou a tirar jovens do crime. Ligue o som bem alto e entre com o Expresso no bairro. E faça o teste: veja se consegue ficar quieto.

O Cabo da Roca depois da tragédia que matou casal polaco

Os turistas portugueses e estrangeiros que visitam o Cabo da Roca, em Sintra, continuam a desafiar a vida nas falésias, mesmo depois da tragédia que resultou na morte de um casal polaco, cujos filhos menores estavam também no local. Durante a visita do Expresso, um segurança tentou alertar os turistas para o perigo e refere a morte do casal polaco. O apelo não teve grande efeito. Veja as imagens.


Comentários 0 Comentar

Últimas

Ver mais

Edição Diária 17.Abr.2014

Leia no seu telemóvel, tablet e computador
PUBLICIDADE

Pub