4
Anterior
O cheiro da fertilidade feminina
Seguinte
Guerra dos sexos, parte II
Página Inicial   >  Sociedade  >  Comportamento  >  "Skins": Sexo e drogas para menores de 18

"Skins": Sexo e drogas para menores de 18

A série "Skins" está a criar polémica ao mostrar adolescentes em situações de risco. A ousada versão americana chega à televisão portuguesal em maio e, de olhos nos jovens, coloca em causa a imagem dos pais 
|
Nos EUA, a série teve mais de três milhões de espectadores na estreia. Os pais norte-americanos, contudo, não querem que os filhos assistam a Skins

A mistura não podia ser pior: adição sexual, noitadas, distúrbios alimentares, consumo excessivo de drogas recreativas e de álcool, problemas de relacionamento com os pais, bullying, depressão e isolamento social, aborto, suicídio. E como se não bastasse, tudo acontece com adolescentes. Como seria recebida em Portugal uma série televisiva com este conteúdo e, ainda por cima, intitulada "Mortalhas" ("Skins")?

A partir da terceira semana de maio os portugueses poderão assistir na MTV à versão norte-americana de "Skins". A emissora já transmitiu cá quatro temporadas da série original britânica e, confrontada pelo Expresso, a porta-voz diz que nunca foram apresentadas queixas relativas ao enredo.

A série original foi produzida por Bryan Elsley, que resolveu pedir ajuda do seu filho de 19 anos para aproximar-se o mais possível da realidade dos liceus britânicos. Estreou no Reino Unido em 2007, tendo registado uma audiência média de 1,5 milhões de espectadores, e apenas em janeiro deste ano chegou aos Estados Unidos, sempre envolta em contestação. Dos dois lados do Atlântico a opção foi por atores com pouca ou nenhuma experiência profissional e que são chamados a colaborar na redação do argumento. Aliás, a idade média dos redatores é de 21 anos e mesmo as escolhas musicais da banda sonora de "Skins" serão aconselhadas por adolescentes, de acordo com um artigo da revista americana "Newsweek". Sempre em nome do realismo. E é este justamente um dos problemas: serão os adolescentes tão selvagens quanto as personagens?

Nos Estados Unidos, a série teve mais de três milhões de espectadores na estreia, tendo a média descido para cerca de um milhão nos episódios seguintes. Os pais norte-americanos, contudo, não querem que os filhos assistam a "Skins". Um Comité de Pais para a Televisão até já arrancou com uma campanha para afastar os anunciantes da série e, de acordo com notícias recentes, está a ter sucesso neste objetivo.

Pelo buraco da fechadura


Tudo começou no Reino Unido, onde "Skins" é sinónimo de mortalha, a fina folha de papel em que se enrola o tabaco. A série acompanha o quotidiano de um grupo de adolescentes, aparentemente banais. O tom é de documentário, aproximando-se dos reality shows e estimulando a sensação de que o espectador olha pelo buraco da fechadura da vida daqueles jovens.

Tony é a personagem principal, o arrogante, giro e popular conquistador, um líder nato. Sid na versão britânica ou Stanley na americana é o miúdo que quer apenas perder a virgindade, Cassie ou Cadie é a adolescente que sofre de anorexia devido à reduzida autoestima, Maxxie ou Tea é a personagem homossexual. Mas há mais jovens à volta dos quais o enredo se desenvolve e todos os episódios são vividos no limite, como se a vida acabasse no dia seguinte.

Caracterizada pela busca de naturalidade, irreverência e pela sinceridade com que aborda as experiências das personagens, "Skins" não se afasta do dia a dia real dos jovens britânicos. Pelo menos, na opinião de Nuno Torres, investigador do Instituto Superior de Psicologia Aplicada (ISPA), especializado nesta faixa etária e que viveu mais de sete anos na Inglaterra. "A cultura inglesa é mais permissiva, tem maior tolerância aos excessos sexuais, de consumo de álcool ou comportamentos violentos, sobretudo quando acontecem nos períodos noturnos", afirma. Esta constatação parece também fundamentada no relatório da OCDE (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico) de 2007 sobre bem-estar juvenil, que classifica o Reino Unido e os Estados Unidos na pior posição no que toca aos relacionamentos familiares e comportamentos de risco. Portugal, que também aparece no estudo, revela uma melhor relação dos jovens com as famílias, embora também esteja mal colocado nos comportamentos arriscados.

Questionado sobre programas com este tipo de enredo, o professor catedrático de Psiquiatria e Saúde Mental Daniel Sampaio recomenda que nunca os jovens com menos de 16 anos assistam a séries controversas sem a presença de um adulto: "O impacto é maior se visionarem sozinhos."

Sobretudo, importa não esquecer que, como explica Nuno Torres, "a adolescência é um período caracterizado pela contradição, turbulência e pela experimentação. Não só de comportamentos como de pensamentos de risco. É a fase dos ideais, de colocar em causa a ordem social. Um período interessante mas que tem de ser acompanhado com cuidado". E não deixa de sublinhar que, se uma série deste tipo pode ajudar no debate sobre as causas profundas dos comportamentos juvenis, o especialista também alerta que os comportamentos retratados "são patológicos". Então, a pergunta acaba por permanecer: serão os jovens conscientemente como os vemos retratados em "Skins" ou são crianças grandes sem noção do que fazem?

Publicado na Revista Única a 5 de Março de 2011


Opinião


Multimédia

Edwin. O rapaz que aprendeu a sonhar

O que Edwin sabia sobre a vida era sobreviver. Na cabeça dele não cabiam sonhos e os dias eram passados à procura de comida para ele e para a mãe e para o irmão. A fome espreitava nos cantos da barraca de palha no Quénia e ele escondia-se dela como podia - chupar as pedras era uma forma de a enganar. Mas a sorte dele mudou porque alguém viu nele outra coisa. E tudo começou numa dança. Agora, os mesmos dedos que agarravam as pedras tocam hoje teclas de um piano Bechstein. E os pés dele já não estão nus mas calçados. Com chuteiras. Primeiro no Benfica, agora no Estoril, o miúdo de 15 anos que fala como gente grande descobriu que tinha um sonho: ser futebolista. Como Drogba.

Em três quartos de hora não se esquece só a idade. "Esquece-se o mundo"

Maria do Céu dá três voltas ao lar sempre que pode. Edviges vai a todos os velórios, faz hidroginástica e sopas de letras. António dá um apoio na Igreja e nos escuteiros. Tudo é uma ajuda para passar os dias quando se tornam todos iguais. No Pinhal Interior Sul, a região mais envelhecida da União Europeia, quase um terço da população tem mais de 65 anos. Os mais velhos ficaram, os mais novos partiram.

Profissão: Sniper

O Expresso foi ver como são selecionados, que armas usam, para que missões estão preparados os snipers da Força de Operações Especiais do Exército. São uma elite dentro da elite. Um pelotão restrito. Anónimo. Treinam diariamente com um único objetivo: eliminar um alvo à primeira, mesmo que esteja a centenas de metros. Humano ou material. Sem dramas morais, dizem.

Xarém com conquilhas

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione com esta nova receita.

O que se passa dentro da cabeça dele

O que leva um tipo a quem iam amputando uma perna a regressar ao sítio onde os ossos se desfizeram, uma e outra vez, e testar os limites do seu corpo? Resposta: a busca pelo salto perfeito, que ele diz existir dentro dele e que ele encontrará mais dia menos dia. É a fé e a confiança que o movem e o levam a pular para lá do que é exigido a um campeão olímpico e mundial que não tem mais nada a provar a ninguém - a não ser a ele próprio. Este é um trabalho que publicámos em agosto de 2014, quando o saltador se preparava para os Europeus e falava das metas que tinha traçado para 2015 e 2016: mostrar que não estava acabado. Sete meses depois, provou-o no Europeu de pista coberta em Praga, onde venceu este fim de semana.

Amadeu, que aprendeu o mundo no campo e tinha o coração na ponta dos dedos

Em Portugal, a dedicação à língua mirandesa tem nome próprio: Amadeu Ferreira, o jurista da CMVM que - quando todos diziam que "era uma loucura impossível" - arranjou tempo para traduzir "Os Lusíadas", a "Mensagem", os quatro Evangelhos da Bíblia e ainda duas aventuras do Asterix para uma língua que pertence a um cantinho do nordeste português e é falada por menos de 15 mil pessoas. No final de 2014 deu ao Expresso aquela que viria a ser a sua última entrevista. Morreu no passado domingo e esta quinta-feira foi lançada a sua biografia, "O fio das lembranças", com quase 800 páginas.

Temos 16 imagens que não explicam o mundo, mas que ajudam a compreendê-lo

O júri do World Press Photo queria dar o prémio maior da edição deste ano (e talvez das edição todas) a uma fotografia com "potencial para se tornar icónica". A primeira imagem desta fotogaleria, por ser "esteticamente poderosa" e "revelar humanidade", é o que o júri procurava. A fotografia de um casal homossexual russo, a grande vencedora, é a primeira de 16 imagens de uma seleção onde há Messi desolado, migrantes em condições indignas no Mediterrâneo, a aflição do ébola, mistérios afins e etc - são os contrastes do mundo.

Vamos falar de sexo. Seis portugueses revelam tudo o que lhes dá prazer na cama

Neste primeiro episódio de uma série que vai durar sete semanas, seis entrevistados falam abertamente sobre aquilo que lhes dá mais satisfação na intimidade. Sexo em grupo, sexo na gravidez, prazer sem orgasmo e melhor sexo após a menopausa são alguns dos temas referidos nos testemunhos desta semana. O psiquiatra Francisco Allen Gomes explica ainda a razão de muitas mulheres fingirem o orgasmo. O Expresso e a SIC falaram com 33 portugueses que deram a cara e o testemunho de como são na cama. Ao longo das próximas sete semanas, contamos-lhe tudo.

Elvis. Gostamos ou não gostamos?

Ele não é consensual, mas é incontornável. Dispunha de penteado majestoso e patilha marota, aparentava olhar matador e pose atrevida. E deixou canções: umas fáceis e outras nem tanto, por vezes previsíveis e às vezes inesperadas, ora gentis ora aceleradas. E ele, Elvis, nasceu em janeiro de 1934 - há precisamente 40 anos, ao oitavo dia. Temos quatro textos sobre o artista: Nicolau Santos, Rui Gustavo, Nicolau Pais e João Cândido da Silva explicam o que apreciam, o que toleram e o que não suportam.

A última viagem do navio indesejado

Construído nos Estaleiros de Viana e pensado para fazer a ligação entre ilhas nos Açores, o Atlântida foi recusado pelo Governo Regional por alegadamente não atingir a velocidade pretendida. Contando com os custos associados à dissolução do contrato, o prejuízo ascendeu a 70 milhões de euros. Foi agora comprado a "preço de saldo", para mudar de nome e ser reconvertido num cruzeiro na Amazónia. Fizemos a última viagem do Atlântida e vamos mostrar-lhe os segredos do navio.

Desfile de vedetas

Saiba tudo sobre os modelos concorrentes ao Carro do Ano 2015/Troféu Essilor Volante de Cristal. Conheça o essencial sobre os 20 automóveis participantes nesta iniciativa, da estética, às características técnicas, do preço ao consumo. A apresentação ficará completa no dia 3 de janeiro.

Tudo o que precisa de saber sobre o ébola. Em dois minutos

Porque é que este está a ser o pior surto da história? Como é que os primeiros sintomas se confundem com os de outras doenças? É possível viajar depois de ter contraído o vírus, sem transmitir a doença? E estamos ou não perto de ter uma vacina? O Expresso procurou as respostas a estas e outras dúvidas sobre o ébola.

Desacelerámos a realidade para observar a euforia da liberdade

Ela, Jacarandá, é algarvia. Ele, Katmandu, é espanhol. São linces e agora experimentam a responsabilidade da liberdade: foram soltos esta terça-feira numa herdade alentejana, próxima de Mértola, eles que saíram de centros de reprodução em cativeiro. Foi inédito: nunca tinha acontecido algo assim em Portugal. Estivemos lá e ensaiámos o slow motion.


Comentários 4 Comentar
ordenar por:
mais votados
a série mostra a realidade
e o grande drama no nosso país é, essa mania muito nossa, de esconder sempre tudo... Esta geração está entregue a eles próprios, os pais apenas abrigam e sustentam, jamais educam. Daí o drama.
Para quando uma série
sobre os jovens de famílias tradicionais, educados com valores, que (ainda) são a maioria?

Conheço muitos jovens que estudam e/ou trabalham, têm namoros ou constituiram família, resolvem os problemas com ajuda dos pais e familiares e nunca se drogaram.

Está na altura de deixar de olhar para estes como se fossem aves raras: que raio de exemplo é que queremos que os jovens sigam quando publicitamos o pior que existe como se fosse o normal?

Re: Para quando uma série
Skins
O pior do comportamento dos adolescentes servido em formato televisivo, em nome de uma pertença aproximação à realidade juvenil. E porque não uma série televisiva juvenil com outro paradigma comportamental mais próximo da realidade do dia a dia.
Comentários 4 Comentar

Últimas

Receba a nova Newsletter
Ver Exemplo

Pub