4
Anterior
O cheiro da fertilidade feminina
Seguinte
Guerra dos sexos, parte II
Página Inicial   >  Sociedade  >  Comportamento  >   "Skins": Sexo e drogas para menores de 18

"Skins": Sexo e drogas para menores de 18

A série "Skins" está a criar polémica ao mostrar adolescentes em situações de risco. A ousada versão americana chega à televisão portuguesal em maio e, de olhos nos jovens, coloca em causa a imagem dos pais 
|
Nos EUA, a série teve mais de três milhões de espectadores na estreia. Os pais norte-americanos, contudo, não querem que os filhos assistam a Skins

A mistura não podia ser pior: adição sexual, noitadas, distúrbios alimentares, consumo excessivo de drogas recreativas e de álcool, problemas de relacionamento com os pais, bullying, depressão e isolamento social, aborto, suicídio. E como se não bastasse, tudo acontece com adolescentes. Como seria recebida em Portugal uma série televisiva com este conteúdo e, ainda por cima, intitulada "Mortalhas" ("Skins")?

A partir da terceira semana de maio os portugueses poderão assistir na MTV à versão norte-americana de "Skins". A emissora já transmitiu cá quatro temporadas da série original britânica e, confrontada pelo Expresso, a porta-voz diz que nunca foram apresentadas queixas relativas ao enredo.

A série original foi produzida por Bryan Elsley, que resolveu pedir ajuda do seu filho de 19 anos para aproximar-se o mais possível da realidade dos liceus britânicos. Estreou no Reino Unido em 2007, tendo registado uma audiência média de 1,5 milhões de espectadores, e apenas em janeiro deste ano chegou aos Estados Unidos, sempre envolta em contestação. Dos dois lados do Atlântico a opção foi por atores com pouca ou nenhuma experiência profissional e que são chamados a colaborar na redação do argumento. Aliás, a idade média dos redatores é de 21 anos e mesmo as escolhas musicais da banda sonora de "Skins" serão aconselhadas por adolescentes, de acordo com um artigo da revista americana "Newsweek". Sempre em nome do realismo. E é este justamente um dos problemas: serão os adolescentes tão selvagens quanto as personagens?

Nos Estados Unidos, a série teve mais de três milhões de espectadores na estreia, tendo a média descido para cerca de um milhão nos episódios seguintes. Os pais norte-americanos, contudo, não querem que os filhos assistam a "Skins". Um Comité de Pais para a Televisão até já arrancou com uma campanha para afastar os anunciantes da série e, de acordo com notícias recentes, está a ter sucesso neste objetivo.

Pelo buraco da fechadura


Tudo começou no Reino Unido, onde "Skins" é sinónimo de mortalha, a fina folha de papel em que se enrola o tabaco. A série acompanha o quotidiano de um grupo de adolescentes, aparentemente banais. O tom é de documentário, aproximando-se dos reality shows e estimulando a sensação de que o espectador olha pelo buraco da fechadura da vida daqueles jovens.

Tony é a personagem principal, o arrogante, giro e popular conquistador, um líder nato. Sid na versão britânica ou Stanley na americana é o miúdo que quer apenas perder a virgindade, Cassie ou Cadie é a adolescente que sofre de anorexia devido à reduzida autoestima, Maxxie ou Tea é a personagem homossexual. Mas há mais jovens à volta dos quais o enredo se desenvolve e todos os episódios são vividos no limite, como se a vida acabasse no dia seguinte.

Caracterizada pela busca de naturalidade, irreverência e pela sinceridade com que aborda as experiências das personagens, "Skins" não se afasta do dia a dia real dos jovens britânicos. Pelo menos, na opinião de Nuno Torres, investigador do Instituto Superior de Psicologia Aplicada (ISPA), especializado nesta faixa etária e que viveu mais de sete anos na Inglaterra. "A cultura inglesa é mais permissiva, tem maior tolerância aos excessos sexuais, de consumo de álcool ou comportamentos violentos, sobretudo quando acontecem nos períodos noturnos", afirma. Esta constatação parece também fundamentada no relatório da OCDE (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico) de 2007 sobre bem-estar juvenil, que classifica o Reino Unido e os Estados Unidos na pior posição no que toca aos relacionamentos familiares e comportamentos de risco. Portugal, que também aparece no estudo, revela uma melhor relação dos jovens com as famílias, embora também esteja mal colocado nos comportamentos arriscados.

Questionado sobre programas com este tipo de enredo, o professor catedrático de Psiquiatria e Saúde Mental Daniel Sampaio recomenda que nunca os jovens com menos de 16 anos assistam a séries controversas sem a presença de um adulto: "O impacto é maior se visionarem sozinhos."

Sobretudo, importa não esquecer que, como explica Nuno Torres, "a adolescência é um período caracterizado pela contradição, turbulência e pela experimentação. Não só de comportamentos como de pensamentos de risco. É a fase dos ideais, de colocar em causa a ordem social. Um período interessante mas que tem de ser acompanhado com cuidado". E não deixa de sublinhar que, se uma série deste tipo pode ajudar no debate sobre as causas profundas dos comportamentos juvenis, o especialista também alerta que os comportamentos retratados "são patológicos". Então, a pergunta acaba por permanecer: serão os jovens conscientemente como os vemos retratados em "Skins" ou são crianças grandes sem noção do que fazem?

Publicado na Revista Única a 5 de Março de 2011


Opinião


Multimédia

Tudo o que precisa de saber sobre o ébola, em dois minutos

Porque é que este está a ser o pior surto da história? Como é que os primeiros sintomas se confundem com os de outras doenças? É possível viajar depois de ter contraído o vírus, sem transmitir a doença? E estamos ou não perto de ter uma vacina? O Expresso procurou as respostas a estas e outras dúvidas sobre o ébola.

Vai pagar mais ou menos IRS? Veja as simulações

Reforma do imposto protege quem tem dependentes a cargo, mas pode penalizar os restantes contribuintes. Função pública e pensionistas vão ter mais dinheiro disponível. Veja simulações para vários casos.

Costeletas de borrego com migas de castanhas

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

A última viagem do navio indesejado

Construído nos Estaleiros de Viana e pensado para fazer a ligação entre ilhas nos Açores, o Atlântida foi recusado pelo Governo Regional por alegadamente não atingir a velocidade pretendida. Contando com os custos associados à dissolução do contrato, o prejuízo ascendeu a 70 milhões de euros. Foi agora comprado a "preço de saldo", para mudar de nome e ser reconvertido num cruzeiro na Amazónia. Fizemos a última viagem do Atlântida e vamos mostrar-lhe os segredos do navio.

Strogonoff de peixe espada preto

Faz agora cinco anos que o Chefe Tiger, especialista em pratos de confeção acessível e com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, começou esta aventura gastronómica. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Caril de banana

Faz agora cinco anos que o Chefe Tiger, especialista em pratos de confeção acessível e com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, começou esta aventura gastronómica. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Tem três minutinhos? Vamos explicar-lhe o que muda no orçamento de 350 mil portugueses (e no de muitas empresas)

O novo salário mínimo entrou em vigor. São mais €20 brutos para cerca de 350 mil portugueses (números do Ministério da Segurança Social, porque os sindicatos falam em 500 mil trabalhadores). Mudou o valor, mas também os descontos que as empresas fazem para a Segurança Social. Porque se trata de uma medida que afeta a vida de muitos portugueses, queremos explicar o que se perde e o que se ganha, o que se altera e o que se mantém.

Cantaril com risotto de espargos

Faz agora cinco anos que o Chefe Tiger, especialista em pratos de confeção acessível e com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, começou esta aventura gastronómica. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Music fighter: temos Marco Paulo e Bruno Nogueira numa batalha épica

Está preparado para um dos encontros mais improváveis na história da música portuguesa? O humorista Bruno Nogueira e a cantora Manuela Azevedo, dos Clã, pegaram em várias músicas consideradas "pimba" - daquelas que ninguém admite ouvir mas que, no fundo, todos vão dançar assim que começam a tocar - e deram-lhe novos arranjos, num projeto que chegou aos coliseus de Lisboa e do Porto.  "Ninguém, ninguém", de Marco Paulo, tem possivelmente a introdução mais acelerada e frenética do panorama musical português. Mas, no frente-a-frente, quem é o mais rápido? Vai um tira-teimas à antiga?

Dez verdades assustadoras sobre filmes de terror

Este vídeo é como o monstro de "Frankenstein": ganhou vida graças à colagem de partes de alguns dos filmes mais aterrorizantes de sempre. Com uma ratazana mutante e os organizadores do festival de cinema de terror MotelX pelo meio. O Expresso foi à procura das razões que explicam o fascínio pelo terror, com muito sangue (feito de corante alimentar) à mistura. 

A paixão do vinil

Se para muitos o vinil é apenas uma moda que faz parte da cultura do revivalismo vintage, para outros ver o disco girar nunca deixou de ser algo habitual.

Portugal foi herdado, comprado ou conquistado?

Era agosto em Lisboa e, às portas de Alcântara, milhares de homens lutavam por dois reis, participando numa batalha decisiva para os espanhóis e ainda hoje maldita. Aconteceu em agosto de 1580. Mais de 400 anos depois, o Expresso deu-lhe vida, fazendo uma reconstituição do confronto através do recorte e animação digital de uma gravura anónima da época.

O Maradona dos bancos centrais

Dizer que Mario Draghi está a ser uma espécie de Maradona dos bancos centrais pode parecer estranho. Mas não é exagerado. Os jornalistas João Silvestre e Jorge Nascimento Rodrigues explicaram porquê num conjunto de artigos publicado no Expresso em Novembro de 2013 e que venceu em junho deste ano o prémio de jornalismo económico do Santander e da Universidade Nova. O trabalho observa ainda o desempenho de Ben Bernanke no combate à crise, revisita a situação em Portugal e arrisca um ranking dos 25 principais governadores de bancos centrais. Republicamos os artigos num formato especial desenvolvido para a web.

Com Deus na alma e o diabo no corpo

Quem os vê de fora pode pensar que estão possuídos. Eles preferem sublinhar o lado espiritual e terapêutico desta dança - chamam-lhe "krump" e nasceu nos bairros pobres dos Estados Unidos. De Los Angeles para Chelas, em Lisboa, já ajudou a tirar jovens do crime. Ligue o som bem alto e entre com o Expresso no bairro. E faça o teste: veja se consegue ficar quieto.

O Cabo da Roca depois da tragédia que matou casal polaco

Os turistas portugueses e estrangeiros que visitam o Cabo da Roca, em Sintra, continuam a desafiar a vida nas falésias, mesmo depois da tragédia que resultou na morte de um casal polaco, cujos filhos menores estavam também no local. Durante a visita do Expresso, um segurança tentou alertar os turistas para o perigo e refere a morte do casal polaco. O apelo não teve grande efeito. Veja as imagens.


Comentários 4 Comentar
ordenar por:
mais votados
a série mostra a realidade
e o grande drama no nosso país é, essa mania muito nossa, de esconder sempre tudo... Esta geração está entregue a eles próprios, os pais apenas abrigam e sustentam, jamais educam. Daí o drama.
Para quando uma série
sobre os jovens de famílias tradicionais, educados com valores, que (ainda) são a maioria?

Conheço muitos jovens que estudam e/ou trabalham, têm namoros ou constituiram família, resolvem os problemas com ajuda dos pais e familiares e nunca se drogaram.

Está na altura de deixar de olhar para estes como se fossem aves raras: que raio de exemplo é que queremos que os jovens sigam quando publicitamos o pior que existe como se fosse o normal?

Re: Para quando uma série
Skins
O pior do comportamento dos adolescentes servido em formato televisivo, em nome de uma pertença aproximação à realidade juvenil. E porque não uma série televisiva juvenil com outro paradigma comportamental mais próximo da realidade do dia a dia.
Comentários 4 Comentar

Últimas


Edição Diária 17.Abr.2014

Leia no seu telemóvel, tablet e computador
PUBLICIDADE

Pub