24
Anterior
Os Miguéis Relvas desta vida: o "cancro " da nossa democracia!
Seguinte
A Academia está pronta: Nuno Crato quer ser "fundido"?
Página Inicial   >  Blogues  >  Politicoesfera  >   Sim, Passos, nós temos um sonho!

Sim, Passos, nós temos um sonho!

|

1. A semana passada foi um autêntico desastre para o Governo Passos Coelho: o envolvimento de Miguel Relvas num episódio que envergonha o Estado de Direito; o Ministro da Economia cometeu um deslize; os vários membros do Governo perderam a noção da dimensão do desemprego em Portugal. E nem sequer se dignam em apurar as verdadeiras consequências sociais desse flagelo: os portugueses empobrecem a cada dia que passa. Brutalmente. O problema do desemprego é particularmente pungente para os jovens: nós investimos numa licenciatura, pretendemos arranjar o primeiro emprego para lançar as bases da nossa vida autónoma mas...não conseguimos. Os próprios empregadores vivem com o receio constante de contratar: todos desconhecemos as repercussões da crise e da falta de rumo do Governo Passos Coelho. A juventude portuguesa vive, pois, num dilema entre a vontade e o compromisso de não desistir de Portugal (a Pátria que tanto amamos) e a falta absoluta de oportunidades do nosso país. Como resolver este dilema?

2. Bom, nós jovens - não obstante todas as vicissitudes - temos uma capacidade única para sonhar, para traçar novos horizontes, delinear novos projectos de vida. Nós, jovens, somos idealistas: não nos resignamos, não limitamos a nossa criatividade, a nossa vontade de querer mais apenas porque nos dizem para emigrar, para sair do País, para nos habituarmos à austeridade. Não, nós não nos habituamos à austeridade: a austeridade não é - não pode ser! - uma forma de vida. É apenas uma fase transitória, uma "tempestade" pela qual teremos de passar nos próximos tempos para chegar a "bom porto", ou seja, a uma vida melhor. O problema, Senhor Passos Coelho, é que você não nos diz como chegaremos ao "bom porto". Resta-nos, então, manter vivos os nossos sonhos e resistentes as nossas esperanças.

3. Sim, Senhor Passos Coelho, nós temos um sonho: que o mérito, o talento e o Sentido de Estado voltem a ser reconhecidos em Portugal. Nós sonhamos com um País que valorize o trabalho honesto, o trabalho árduo, o estudo e a investigação como forma de criar riqueza e dignificar os indivíduos e a Nação. Nós sonhamos com um País onde os empresários não são instrumentalizados pelo poder político, não servem os interesses dos partidos e não se encostam ao ombro protector e redutor do Estado (leia-se dos Governos) - ao invés, os empresários portugueses investem, assumem o risco dos seus investimentos (e não apenas os lucros), apostam na inovação, criam uma ligação mais efectiva com as Universidades. Numa altura em que o discurso político adoptou como "moda nacional" a hostilização dos trabalhadores e a crítica ao Código do Trabalho que se considera favorecer os trabalhadores, na nossa opinião, deveria ser efectuada uma reforma geral do empresariado português. O patronato português deveria ter um curso de formação profissional rigoroso e eficaz - não, não uma reprodução das Novas Oportunidades.

4.Sim, Senhor Passos Coelho, nós temos o sonho de ser governados por alguém que não siga os interesses do seu partido, mas apenas e só o interesse nacional. O interesse de Portugal. Sim, nós temos o sonho de ter um Primeiro-Ministro que não ceda face aos interesses privados, que não proteja os seus amiguinhos políticos que se envolvem em histórias e historietas de dar cobertura a gente que trata os serviços de informação secreta como se fosse uma sua coutada particular. A política é essencialmente (ou melhor, exclusivamente) uma tarefa de dedicação e defesa intransigente do interesse público. Do interesse de todos contra todos os interesses privados conflituantes, com os limites decorrentes da Constituição e da lei.

5. Não, Senhor Passos, o desemprego não é uma oportunidade. Talvez um dia para si, quando os portugueses o "despedirem" da função de Primeiro-Ministro vá ter a oportunidade de reflectir sobre o seu trabalho. Para nós, o desemprego significa sacrifícios, dificuldades, pobreza. Apenas e só. Não insulte os portugueses, caro Passos Coelho!

Email:politicoesfera@gmail.com


Opinião


Multimédia

Portugal foi herdado, comprado ou conquistado?

Era agosto em Lisboa e, às portas de Alcântara, milhares de homens lutavam por dois reis, participando numa batalha decisiva para os espanhóis e ainda hoje maldita. Aconteceu em agosto de 1580. Mais de 400 anos depois, o Expresso deu-lhe vida, fazendo uma reconstituição do confronto através do recorte e animação digital de uma gravura anónima da época.

A paixão do vinil

Se para muitos o vinil é apenas uma moda que faz parte da cultura do revivalismo vintage, para outros ver o disco girar nunca deixou de ser algo habitual.

Com Deus na alma e o diabo no corpo

Quem os vê de fora pode pensar que estão possuídos. Eles preferem sublinhar o lado espiritual e terapêutico desta dança - chamam-lhe "krump" e nasceu nos bairros pobres dos Estados Unidos. De Los Angeles para Chelas, em Lisboa, já ajudou a tirar jovens do crime. Ligue o som bem alto e entre com o Expresso no bairro. E faça o teste: veja se consegue ficar quieto.

O Cabo da Roca depois da tragédia que matou casal polaco

Os turistas portugueses e estrangeiros que visitam o Cabo da Roca, em Sintra, continuam a desafiar a vida nas falésias, mesmo depois da tragédia que resultou na morte de um casal polaco, cujos filhos menores estavam também no local. Durante a visita do Expresso, um segurança tentou alertar os turistas para o perigo e refere a morte do casal polaco. O apelo não teve grande efeito. Veja as imagens.

Ó Capitão! meu Capitão! ergue-te e ouve os sinos

Ele foi a nossa ama... desajeitada. Ele foi o professor que nos inspirou no liceu. Ele trouxe alegria, mesmo nas alturas mais difíceis. Ele indicou-nos o caminho na faculdade. Ele ensinou-nos a manter a postura, mas também a quebrar preconceitos. Ele ensinou-nos que a vida é para ser aproveitada a cada instante. Ó capitão, meu capitão, crescemos contigo e vamos ter de envelhecer sem ti. 

Crumble. A sobremesa mais fácil do mundo

Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida, especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Voámos num F-16

Um piloto da Força Aérea voou com uma câmara GoPro do Expresso e temos imagens inéditas e exclusivas para lhe mostrar num trabalho multimédia.

Salada de salmão com sorvete de manga

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Por faróis nunca dantes navegados

São a salvaguarda dos navegantes, a luz que tranquiliza o mar. Há 48 faróis em Portugal continental e nas ilhas. Este é um acontecimento único: todos os faróis e 1830 km de costa disponíveis num mesmo trabalho. Para entendê-los e vê-los, basta navegar neste artigo.

Parecem casulos onde gente hiberna à espera de ver terra

No Porto de Manaus não há barcos, mas autocarros bíblicos que caminham sobre água. Têm vários andares e estão cheios de camas de rede que parecem casulos onde homens, mulheres e crianças aguardam o destino. E há gente a vender o que houver e tiver de ser junto ao Porto. "Como há Copa, tem por aí muito gringo que vem ter com 'nóis'. E então fica mais fácil vender"

O adeus de Lobo Antunes às aulas de medicina

O neurocirurgião deu terça-feira a sua "Última Lição" no auditório do Instituto de Medicina Molecular da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, na véspera de deixar o seu trabalho no serviço nacional de saúde.

Jaguar volta a fabricar desportivo dos anos 60

Até ao verão será fabricado um número limitado de desportivos Jaguar E-Type Lightweight, seguindo todas as especificações originais, incluindo a continuação do número de série das unidades produzidas em 1963.

"Naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas"

Mais do que uma manifestação, o 'primeiro' 1º de Maio é recordado como a grande festa da Revolução dos Cravos, quando o povo saiu às ruas em massa e a união das esquerdas era um sonho possível. "O 1º de Maio seria mais uma primeira coisa, porque naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas." Foi há 40 anos.

Este trabalho não foi visado por qualquer comissão de censura

Aquilo que hoje é uma expressão anacrónica estava em relevo na primeira página do "República", a 25 de Abril de 1974: "Este jornal não foi visado por qualquer comissão de censura". Quarenta anos depois da Revolução, veja os jornais, ouça os sons e compreenda como decorreu o "dia inicial inteiro e limpo", como lhe chamou Sophia. O Expresso falou ainda com cinco gerações de 40 anos e percorreu a "geografia" das Ruas 25 de Abril de todo o país, falando com quem lá mora. Veja a reportagem multimédia.


Comentários 24 Comentar
ordenar por:
mais votados
Delírios
Tem estado um calor anormal para a época e talvez o autor tenha apanhado muito sol na cabeça.
Esquece-se que aquilo a que chama austeridade é o ideal de vida para 80% da humanidade que luta para o conseguir: Comida a horas certas, roupa, abrigo, torneiras com água,chuveiro,sabonete,etc.
No seu ódio "passístico" atribui a Passos Coelho todos os males do país, esquecendo a situação anterior, as limitações e obrigações com o empréstimo, resultante de erros alheios, e insiste na ideia, muito divulgada, de que os governos são agências de emprego.
Pois, amigo Esteves, nem este governo, nem outro qualquer, vai resolver a questão de empregar quase um milhão de pessoas.Pela razão simples de que não há que fazer, é preciso inventar serviço e para inventar serviço é preciso dinheiro. Só com a imaginação diversificada de milhares, podem começar a aparecer projectos que activem esta economia anémica. Desde gente a regressar à província e cultivar os campos, até restauro dos centros históricos de vilas e cidades, todos a cair aos bocados,esse tipo de actividades que exigiriam materiais de outras pequenas empresas, podiam ser um começo.
Emprego de qualidade e com direitos, no ar condicionado, cadeira e secretária, esqueçam...................
Re: Delírios
Re: Delírios
A carta é para quem?
Pai Natal?
Deus Nosso Senhor?
Algum santo milagreiro tipo Roque Santeiro?
É que isso é tudo o que desejamos. Mais, provavelmente é o que deseja 99% da população mundial.
PPC é um totó, mas é um político. Não consegue encontrar o que deseja num político...
Lemos Esteves tem que ir às "urgências"
E depressa: engoliu uma cassete e vem sempre com as requentadas crónicas do costume.mesmo que nada tenham a ver com o que de facto,se passa.
Relvas esteve no Parlamento,respondeu ao que lhe foi perguntado e nenhum mal veio ao mundo.
Passos falou do desemprego,num encontro com empresários e defendeu sempre a oportunidade para quem está nessa infeliz condição.
O Governo governa,às claras e para os Portugueses.
O que Lemos não diz-e honestamente devia referi-lo,é que a troika,quem a trouxe foi Sócrates.
Como foi Sócrates que levou Portugal à beira da bancarrota!
Como também foi Sócrates que no palanque e descaradamente mentia sobre a situação dos cofres portugueses até ao último dia.

Lemos,mude o estilo,a escrita e seja mais factual e verdadeiro o que escreve.
É que é uma pena o caminho que está a levar e fatalmente será a posta restante dos seus artigos.
Re: Lemos Esteves tem que ir às
Re: Ainda não percebi...
Re: Lemos Esteves tem que ir às
Não sou Jovem...
mas partilho da sua opinião, porque também eu...
ainda sonho!
E quanto aos dois primeiros comentários, creio que são de gente que também sonha...
com o poder um dia pisar os outros.
Talvez pensem que já não é sonho pelos Passos deste governo que vai fazendo desse seu sonho uma realidade...
Mas acredito que muitos JLE existem em Portugal, para manter vivo o meu sonho...
Um Portugal para todos.

Re: Não sou Jovem...
'Sim, Passos, nós temos um sonho!
"5. Não, Senhor Passos, o desemprego não é uma oportunidade. Talvez um dia para si, quando os portugueses o "despedirem" da função de Primeiro-Ministro vá ter a oportunidade de reflectir sobre o seu trabalho"

Acho que não vamos ter sorte na pedagogia que espera desse episódio. Passos Coelho e seus governantes tem um trabalho onde ser despedido, dá mesmo azo a oportunidades.

Ainda hoje lia a reacção da Endesa acerca dos cortes da garantia de potência: "este Estado não tem palavra?", "Vamos considerar se devemos mesmo investir 500 milhões em duas novas barragens no Mondego". Tem alguma razão e direito, claro, mas não é por isso que cito o caso aqui. Quem dizia isto mais ou menos, era um antigo secretário de estado de Cavaco Silva, agora à frente da Endesa Portugal.

Um mundo de oportunidades...
Re: 'Sim, Passos, nós temos um sonho!
Re: 'Sim, Passos, nós temos um sonho!
JLE
Tal como na Idade Média os demónios eram usados pela Igreja para assustar os inocentes, este rapazola a quem calhou uma coluna de opiniao, atribuio Governo todo o mal que existe. Dizendo: assim está mail, queremos melhor! Mas está sempre mal e o melhor nunca chega... Senhor, Senhor... nao entendo. juro que nao entendo.
Re: JLE
Sonhos e dinheiro
Mas para isso, para realizar esse sonho, é preciso uma coisa que nós não temos: dinheiro. E não vai ser o Passos Coelho que de um dia para o outro vai fazer chover dinheiro. Temos de continuar de mão estendida e mostrar juizo e pagar o que devemos.
Finalmente Percebi! Será?
O Estado não tem dinheiro!?
- Ah, finalmente percebi! Por isso veio a Troika.
Mas porque é que o Estado não tem dinheiro!?
- Ah, finalmente percebi! Tem que injectar $ na banca e pagar as Parceiras Público Privadas, etc etc. !!!
Porque é que os portugueses ficaram sem subsídios de férias e de natal independentemente do que diz a lei portuguesa?
“Art. 17.º Os subsídios de Natal e de férias são inalienáveis e impenhoráveis.”
- Ah, finalmente percebi! É um caso de EMERGÊNCIA NACIONAL e é preciso pagar à troika e a troika por sua vez paga as PPP e a Banca.
Mas afinal porque é que estamos tão mal?
Será por causa da troika ou por causa dos encargos assumidos pelos últimos 6 a 8 anos:
- as PPP (auto-estradas, pontes, tuneis etc)
- pelos buracos ocorridos na banca
- pelo favorecimento e enriquecimento ilícito de pessoas, bens e serviços
- Ah ! finalmente percebi… o problema não é a Troika mas as PPP, a Banca e a conivente máquina do estado que promove o enriquecimento desigual, explorador e ilícito de uns sobre os outros.
- NÃO É HORA DE TAMBÉM DECLARAR EMERGÊNCIA NACIONAL PARA ESTAS SITUAÇÕES?.
Á semelhança com o que aconteceu com os subsídios de férias e natal dos portugueses, talvez exista na lei portuguesa, um “ARTIGOZITO” que fale pela soberania e interesse nacional.
Afinal a lei portuguesa serve “TANTOS INTERESSES” PORQUE NÃO OS DE TODOS OS PORTUGUESES E NÃO SÓ DE …
DEMITA-SE PPC! ( CONTINUA )
DEMITA-SE PPC! ( CONTINUADO)
DEMITA-SE PPC! ( CONTINUADO)
Re: DEMITA-SE PPC! ( CONTINUADO)
Re: Finalmente Percebi! Será?
Re: Finalmente Percebi! Será?
comentario
Caro João, tenho que dizer que a primeira vez que o ouvi no curto circuito (ja a algum tempo atras) eu ate gostei do seu comentario. Embora por vezes um pouco forte, parecia de certa forma equilibrado e isento....

no entanto tenho-lhe a dizer que as suas ultimas cronicas mostram tudo menos isenção... desde dar como facto o envolvimento do Relvas naquela trapalhada (não digo que não seja possivel, mas dai a acusalo vai um grande passo) a neste caso dizer que o Passos é o demónio. Opassos não é o Demónio como o Sócrates não o era... são apenas incompetentes (ou rodeados de incompetentes).

eu compreendo que isto são artigos de opinião e que esta é por ventura a sua. No entanto tente ser mais construtivo

Quando diz que tem um sonho e que é inovador, etc.... tente usar o seu "trabalho honesto, o trabalho árduo, o estudo e a investigação como forma de criar riqueza e dignificar os indivíduos e a Nação" e dar exemplos de medidas que poderiam ser tomadas para facilitar o empreendedorismo, reduzir o desemprego, etc sem que para isso o estado tenha que pagar ou subsidiar.

Comentários 24 Comentar

Últimas

Ver mais

Edição Diária 17.Abr.2014

Leia no seu telemóvel, tablet e computador
PUBLICIDADE

Pub