Anterior
PSD promete mudar carreira e avaliação dos professores
Seguinte
Ambiente: Declaração de Gaia já tem mais de 17 mil subscritores
Página Inicial   >  Sociedade  >   Sete invenções com que sonhamos para um futuro melhor

Sete invenções com que sonhamos para um futuro melhor

Órgãos humanos produzidos em laboratório. Carros voadores. Colónias em Marte. Cyborgs capazes de comunicar por telepatia. Este futuro já não é só ficção científica. A realidade pode estar aqui à porta.
|
Criar veículos capazes de circular tanto em terra como no ar é uma ambição quase tão antiga quanto a aviação
Criar veículos capazes de circular tanto em terra como no ar é uma ambição quase tão antiga quanto a aviação / Jayme Thornton/Fetty Images
Carros voadores

Criar veículos capazes de circular tanto em terra como no ar é uma ambição quase tão antiga quanto a aviação. O primeiro carro voador foi projectado por Glenn Curtis em 1917, apenas 14 anos depois do primeiro voo dos irmãos Wright, mas o veículo - de alumínio, com três asas e uma hélice na traseira - não foi capaz de dar mais que uns pequenos saltos. Após quase um século de promessas adiadas, a realidade parece estar cada vez mais próxima. Entre as várias propostas em desenvolvimento está o Transition, um pequeno avião capaz de circular em qualquer estrada depois de dobrar as suas asas.

"Não é bem um carro voador ao estilo dos Jetsons, mas mais um avião que também pode ser conduzido em terra", explicou ao Expresso Anna Mracek Dietrich, directora da Terrafugia, a empresa que pretende comercializar a invenção a partir de 2011. Apesar dos avanços tecnológicos, Dietrich considera que uma sociedade semelhante à idealizada na série "Os Jetsons", com o céu congestionado de carros voadores, é ainda uma utopia. "Em primeiro lugar, seria necessário instalar uma espécie de heliporto em cada casa, o que não é um investimento prático e não protegeria as janelas do vizinho das pedras que poderiam ser projectadas. Depois, operar um veículo voador implica muito treino e a maioria das pessoas não estão interessadas ou não têm os recursos para o ter."

Viver em Marte

"A Terra é o berço da Humanidade, mas ninguém pode viver eternamente no berço." A ambição de Konstantin Tsiolkovsky, o pai da astronáutica russa, assumida há quase um século, continua hoje mais actual do que nunca. A conquista de novos mundos saiu há muito dos guiões de Hollywood para as agendas estratégicas das principais agências espaciais. A NASA, por exemplo, quer regressar à Lua em 2018, para começar a instalar uma base que abrirá caminho à colonização lunar. Será um passo intermédio para um objectivo bem mais ambicioso: pisar pela primeira vez a superfície de Marte, o que deverá acontecer lá mais para 2037. Seguir-se-ão missões a cada 26 meses, durante duas décadas, para preparar a possível colonização do Planeta Vermelho.

Apesar da superfície de Marte não ser muito diferente de alguns desertos terrestres e de as temperaturas serem, em todo o Sistema Solar, as mais próximas das que conhecemos (entre os 22º C, de dia, e os -70º C, à noite nas suas regiões equatoriais), subsistem ainda obstáculos importantes à concretização do projecto. A existência de água no subsolo do planeta é uma incógnita e o ar (composto em 95 por cento por dióxido de carbono) é irrespirável, pelo que um dos principais desafios passa pela criação de espaços que permitam modificar a atmosfera do planeta.

Viajar no tempo

"Se, a princípio, a ideia não é absurda, então não há esperança para ela." A frase, de Albert Einstein, pode até incentivar a ousadia científica, mas poucos físicos se atreverão hoje a admitir a possibilidade de se viajar no tempo. Apesar de improvável, a ideia não é impossível à luz das leis da física, tendo como ponto de partida a teoria da relatividade de Einstein. Para que se torne uma realidade, é preciso, por exemplo, conseguir viajar mais depressa que a velocidade da luz. Alguns físicos admitem que isso seria possível através do desenvolvimento de "buracos de verme", atalhos cósmicos que funcionam como ligações entre regiões do universo.

A intensa gravidade destes túneis seria suficiente para desintegrar a estrutura do espaço-tempo, funcionando assim como janelas para viajar no tempo. Mais do que a tecnologia, os maiores obstáculos estão relacionados com determinados paradoxos de casualidade. O que aconteceria, por exemplo, se alguém viajasse no tempo para matar o próprio avô ou impedisse, de outra forma, os pais de se juntarem? Como poderia então estar ali?

Fábricas de órgãos

E se, um dia, o corpo humano pudesse ser tratado como uma máquina? Se as peças de origem, depois de gastas ou danificadas, pudessem ser substituídas por outras semelhantes, fabricadas "à medida"? A promessa deixou há muito de pertencer ao domínio da utopia. Num futuro não muito distante, tecidos e órgãos desenvolvidos em laboratório, muitas vezes usando células do próprio paciente, serão usados para tratar desde lesões traumáticas a doenças hoje incuráveis, como Parkinson, Alzheimer ou diabetes.

Existem já experiências de sucesso na regeneração de ossos, cartilagens e pele, no tratamento de pacientes com problemas na córnea e até no transplante de bexigas e, mais recentemente, de uma traqueia, produzidas a partir de células estaminais. O Frankenstein do futuro não será um monstro, mas sim um homem com a capacidade de regeneração de uma salamandra.

Tom Merton/Getty Images Apesar de controversa, a clonagem de humanos pode ser uma possibilidade tecnicamente viável dentro de alguns anos

Clones humanos

Apesar de controversa, a clonagem de humanos pode ser uma possibilidade tecnicamente viável dentro de alguns anos, admitem muitos cientistas. Os avanços que se estão a produzir na clonagem terapêutica - que, espera-se, irão permitir a substituição de tecidos danificados, órgãos em falência e até membros perdidos com recurso a células estaminais obtidas a partir do ADN de um paciente - poderão, em teoria, ser usados para clonar uma pessoa.

Ainda que a comunidade científica desconfie do feito anunciado por Severino Antinori, um especialista italiano em fertilidade que admitiu recentemente ter criado três clones, hoje com nove anos, muitos admitem que esta realidade será inevitável, independentemente das muitas questões éticas que levanta. O procedimento é considerado ilegal em alguns países, mas não foi ainda alcançado um consenso global para a sua proibição, como era intenção dos EUA.

Cyborgs

É outra das fantasias clássicas da ficção científica, popularizada em filmes como "Exterminador Implacável" ou "Robocop". A ideia de uma sociedade dominada por homens-máquina pode parecer do domínio da utopia, mas a realidade está a poucas décadas de distância. Essa é, pelo menos, a convicção de Kevin Warwick, considerado o primeiro cyborg da Humanidade, depois de ter implantado um chip no braço esquerdo que realizava automaticamente algumas tarefas, como abrir e fechar portas ou acender e desligar luzes.

Warwick, professor e investigador em Cibernética na Universidade de Reading, no Reino Unido, acredita que, já a partir da segunda metade deste século, o mundo será dominado por cyborgs, munidos de implantes cerebrais que lhes permitirão comunicar telepaticamente. "Os humanos serão uma espécie de subespécie, que comunicará de uma forma extremamente primitiva e limitada", afirmou ao Expresso. O desafio, no próximo meio século, será, por isso, definir o que é humano.

Invisibilidade

Tema comum nas narrativas da ficção científica, a invisibilidade tem sido transportada progressivamente para o domínio da ciência real. De tal forma que existem vários grupos a trabalhar para que seja uma realidade dentro de alguns anos. A opção mais promissora está longe do "Homem Invisível", de H.G. Wells - nascido de uma série de experiências químicas que terão, presumivelmente, alterado as suas moléculas de modo a que estas não fossem absorvidas pela luz -, mas é familiar aos fãs de Harry Potter: passa pela criação de uma espécie de capa de invisibilidade capaz de desviar a luz dos objectos, tornando-os invisíveis.

A solução pode estar num novo tipo de substâncias, conhecidas como metamateriais, com propriedades electromagnéticas muito diferentes dos materiais comuns. Enquanto estes têm um índice de refracção positivo, os metamateriais apresentam um índice negativo, permitindo camuflar o objecto. A invisibilidade funcionaria assim como uma espécie de dispositivo de camuflagem, nem sempre perfeito (a absorção total da luz é um desafio extremamente complexo, aumentando em dificuldade à medida que aumenta o tamanho do objecto), mas bastante convincente e eficaz para os olhares menos atentos.

Texto publicado na edição do Expresso de 27 de Junho de 2009


Opinião


Multimédia

Os assassínios, as execuções, as decapitações são as imagens mais chocantes de uma propaganda cada vez mais sofisticada. É a Jihad, que recruta guerrilheiros no ocidente para matar e morrer na Síria. O Expresso seguiu as pisadas de cinco jiadistas portugueses, mostrando quem são e como foram convertidos e radicalizados. E como lutam, como foram morrer - e como já haverá arrependidos com medo de fugir. Reportagem em Londres, no café onde viam jogos de futebol, na universidade onde estudavam e na mesquita onde rezavam. Autoridades e especialistas em terrorismo estão alerta sobre este pequeno mas perigoso grupo, onde corre sangue português - e de onde escorre sangue por Alá.

Desacelerámos a realidade para observar a euforia da liberdade

Ela, Jacarandá, é algarvia. Ele, Katmandu, é espanhol. São linces e agora experimentam a responsabilidade da liberdade: foram soltos esta terça-feira numa herdade alentejana, próxima de Mértola, eles que saíram de centros de reprodução em cativeiro. Foi inédito: nunca tinha acontecido algo assim em Portugal. Estivemos lá e ensaiámos o slow motion.

Geração Z

Mais rápidos, mais capazes, mais solitários, os Z vivem agarrados aos ecrãs, pensam com a ajuda da internet e estão permanentemente preocupados com a bateria do telemóvel. Que geração é esta que nasceu com a viragem do século?

Desaparecidos para sempre no Mar do Norte

O dia 15 de novembro já foi feriado, há 90 anos. A razão foi o desaparecimento de Sacadura Cabral algures no Mar do Norte. Depois de fazer mais de oito mil quilómetros de Lisboa ao Rio de Janeiro, o aviador pioneiro não conseguiu completar o voo entre a cidade holandesa de Amesterdão e a capital portuguesa. Ainda hoje, não se sabe o que aconteceu ao companheiro de Gago Coutinho e tio-avô de Paulo Portas, a quem o Expresso pediu um sms.

Os muros do mundo

Novembro relembrou-nos os muros que caem, mas também os que permanecem e os que se expandem. Berlim aproximou-se de si própria há 25 anos, mas há muros que continuam a desaproximar. Esta é a história de sete deles - diferentes, imprevisíveis, estranhos.

Tudo o que precisa de saber sobre o ébola. Em dois minutos

Porque é que este está a ser o pior surto da história? Como é que os primeiros sintomas se confundem com os de outras doenças? É possível viajar depois de ter contraído o vírus, sem transmitir a doença? E estamos ou não perto de ter uma vacina? O Expresso procurou as respostas a estas e outras dúvidas sobre o ébola.

A última viagem do navio indesejado

Construído nos Estaleiros de Viana e pensado para fazer a ligação entre ilhas nos Açores, o Atlântida foi recusado pelo Governo Regional por alegadamente não atingir a velocidade pretendida. Contando com os custos associados à dissolução do contrato, o prejuízo ascendeu a 70 milhões de euros. Foi agora comprado a "preço de saldo", para mudar de nome e ser reconvertido num cruzeiro na Amazónia. Fizemos a última viagem do Atlântida e vamos mostrar-lhe os segredos do navio.

O papa-medalhas que veio do espaço

O atleta português mais medalhado de sempre, Francisco Vicente, regressou dos campeonatos europeus de veteranos, na Turquia, com novas lembranças ao pescoço. Três de ouro e duas de prata para juntar à coleção. Tem 81 medalhas, uma por cada ano de vida.

Terror religioso está a aumentar

Relatório sobre a Liberdade Religiosa é divulgado esta terça-feira em todo o mundo. Dos 196 países analisados, só em 80 não há indícios de perseguições motivadas pela fé.

Vai pagar mais ou menos IRS? Veja as simulações

Reforma do imposto protege quem tem dependentes a cargo, mas pode penalizar os restantes contribuintes. Função pública e pensionistas vão ter mais dinheiro disponível. Veja simulações para vários casos.

Tem três minutinhos? Vamos explicar-lhe o que muda no orçamento de 350 mil portugueses (e no de muitas empresas)

O novo salário mínimo entrou em vigor. São mais €20 brutos para cerca de 350 mil portugueses (números do Ministério da Segurança Social, porque os sindicatos falam em 500 mil trabalhadores). Mudou o valor, mas também os descontos que as empresas fazem para a Segurança Social. Porque se trata de uma medida que afeta a vida de muitos portugueses, queremos explicar o que se perde e o que se ganha, o que se altera e o que se mantém.

Music fighter: temos Marco Paulo e Bruno Nogueira numa batalha épica

Está preparado para um dos encontros mais improváveis na história da música portuguesa? O humorista Bruno Nogueira e a cantora Manuela Azevedo, dos Clã, pegaram em várias músicas consideradas "pimba" - daquelas que ninguém admite ouvir mas que, no fundo, todos vão dançar assim que começam a tocar - e deram-lhe novos arranjos, num projeto que chegou aos coliseus de Lisboa e do Porto.  "Ninguém, ninguém", de Marco Paulo, tem possivelmente a introdução mais acelerada e frenética do panorama musical português. Mas, no frente-a-frente, quem é o mais rápido? Vai um tira-teimas à antiga?

Dez verdades assustadoras sobre filmes de terror

Este vídeo é como o monstro de "Frankenstein": ganhou vida graças à colagem de partes de alguns dos filmes mais aterrorizantes de sempre. Com uma ratazana mutante e os organizadores do festival de cinema de terror MotelX pelo meio. O Expresso foi à procura das razões que explicam o fascínio pelo terror, com muito sangue (feito de corante alimentar) à mistura. 

A paixão do vinil

Se para muitos o vinil é apenas uma moda que faz parte da cultura do revivalismo vintage, para outros ver o disco girar nunca deixou de ser algo habitual.

Portugal foi herdado, comprado ou conquistado?

Era agosto em Lisboa e, às portas de Alcântara, milhares de homens lutavam por dois reis, participando numa batalha decisiva para os espanhóis e ainda hoje maldita. Aconteceu em agosto de 1580. Mais de 400 anos depois, o Expresso deu-lhe vida, fazendo uma reconstituição do confronto através do recorte e animação digital de uma gravura anónima da época.

O Maradona dos bancos centrais

Dizer que Mario Draghi está a ser uma espécie de Maradona dos bancos centrais pode parecer estranho. Mas não é exagerado. Os jornalistas João Silvestre e Jorge Nascimento Rodrigues explicaram porquê num conjunto de artigos publicado no Expresso em Novembro de 2013 e que venceu em junho deste ano o prémio de jornalismo económico do Santander e da Universidade Nova. O trabalho observa ainda o desempenho de Ben Bernanke no combate à crise, revisita a situação em Portugal e arrisca um ranking dos 25 principais governadores de bancos centrais. Republicamos os artigos num formato especial desenvolvido para a web.


Comentários 10 Comentar
ordenar por:
mais votados
Pois...é!
Bolas antes de mais nada. Penso eu que o progresso faz-se pelo estar do presente, então que não se perca de vista estas por enquanto utopias, fortalecendo o presente dando às comunidades melhores condições de vida. Já o disse em temos..."Tolos são aqueles que querem voar sem o chão saberem pisar...Saudações do Kimbo!
O que seria bom...
... seria que alguém inventasse um aparelhinho, ligado à rede, que, quando um jornal online censurasse um comentário de um leitor, de forma injustificada e por mera politiquice (o comentador responsável, não ser um facho, por exemplo...), accionasse um malho controlado remotamente, que largasse uma forte martelada na cabeça do censor político de serviço...

Mas essas invenções são impossíveis, não é?
Re: O que seria bom...
O outro lado da questão...
Quem é que sonha com estas "sete invenções"? O povo? Será?
  E do lado eticamente perverso que estas "sete invenções" arrastam? Porque é que o artigo aponta, apenas, para o lado luminoso, e não aborda o lado perverso que estas "sete invenções" podem arrastar.
  Os senhores jornalistas que tantas perguntas gostam de fazer, e disso fazem questão que se saiba, porque é que não abordaram o outro lado da questão? Seria pertinente que o fizessem! Seria justo que o fizessem! Agora que tanto se fala e gosta de falar de e sobre a justiça.
Sonhos de um futuro adiado
O engraçado é que daqui a 50 ou 100 anos leríamos este artigo com um sorriso de ternura no canto dos lábios, tal como hoje fazemos quando lemos as bizarras expectativas do futuro nas revistas e almanaques dos princípios do século XX. Digo "leríamos" porque daqui a 50 ou 100 anos este texto será apenas parte do vasto ruído de fundo na imensa mole de informação constante (e preponderantemente oca) que é produzida hoje - algo que me faz ter pena não tanto dos ingénuos visionários da infância do séc. XX, mas dos futuros historiadores do séc. XXI.
E a àrvore das patacas??
.
Murchou...
Máquinas
E se pensase-mos em primeiro arranjar uma qualidade de vida melhor para este mundo, pois ainda á tanta miséria por resolver.
O (-1)
Alguém me sabe dizer, porque não saio nos pontos do (-1).
A Imortalidade
Se por mais invenções que fisermos acabarmos sempre no cemitério, então podemos estar certos que não desejámos aquilo que devíamos ter desejado!
Comentários 10 Comentar

Últimas


Edição Diária 17.Abr.2014

Leia no seu telemóvel, tablet e computador

PUBLICIDADE

Pub