4
Anterior
Equestre: o 'Rubi' está bem ensinado e na final
Seguinte
O irmão mais novo é que paga a fatura
Página Inicial   >  Dossiês  >  Dossies Desporto  >  Jogos Olímpicos 2012  >   Sete atletas dos Camarões desaparecidos

Sete atletas dos Camarões desaparecidos

O ministro do Desporto e da Educação Física confessou não saber onde estão cinco pugilistas, um nadador e uma futebolista: "O que começou como um rumor acabou por tornar-se realidade."
|
Thomas Essomba (à esquerda) é um dos atletas desaparecidos

Há sete atletas da comitiva dos Camarões que se encontram desaparecidos: cinco pugilistas, um nadador e uma futebolista. O Ministro do Desporto e da Educação Física do país suspeita das razões de sempre em casos de deserção: dinheiro.

Drusille Ngako, guarda-redes suplente dos Camarões, foi a primeira a desaparecer. Paul Ekane Edingue (natação), Thomas Essomba, Christian Donfack Adjoufack, Abdon Mewoli, Blaise Yepmou Mendouo e Serge Ambomo (boxe) são os outros atletas dos quais se se desconhece o paradeiro.

"O que começou como um rumor acabou por tornar-se realidade", disse David Ojong, ministro do Desporto e da Educação Física. 

Hoje, o Comité Olímpico Internacional disse não saber de nada. 

Um filme já visto


O desaparecimento de atletas durante competições desportivas não é de hoje, nem de ontem. Por exemplo, no Mundial-2010, disputado na África do Sul, quatro futebolistas norte-coreanos deixaram o campus da respetiva seleção e pediram asilo. Nos Jogos da Commonwealth de 2006, na Austrália, 14 jogadores de futebol sub-21 da Serra Leoa desapareceram sem deixar rasto, ficando as autoridades australianos em palpos de aranha à procura deles. 

Por norma, estes 'desaparecidos' são originários de países assolados por guerras ou graves crises políticas e sociais que 'aproveitam' a ocasião para debandar em procura de algo melhor. 


Opinião


Multimédia

Voámos num F-16

Um piloto da Força Aérea voou com uma câmara GoPro do Expresso e temos imagens inéditas e exclusivas para lhe mostrar num trabalho multimédia.

Salada de salmão com sorvete de manga

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Por faróis nunca dantes navegados

São a salvaguarda dos navegantes, a luz que tranquiliza o mar. Há 48 faróis em Portugal continental e nas ilhas. Este é um acontecimento único: todos os faróis e 1830 km de costa disponíveis num mesmo trabalho. Para entendê-los e vê-los, basta navegar neste artigo.

Parecem casulos onde gente hiberna à espera de ver terra

No Porto de Manaus não há barcos, mas autocarros bíblicos que caminham sobre água. Têm vários andares e estão cheios de camas de rede que parecem casulos onde homens, mulheres e crianças aguardam o destino. E há gente a vender o que houver e tiver de ser junto ao Porto. "Como há Copa, tem por aí muito gringo que vem ter com 'nóis'. E então fica mais fácil vender"

O adeus de Lobo Antunes às aulas de medicina

O neurocirurgião deu terça-feira a sua "Última Lição" no auditório do Instituto de Medicina Molecular da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, na véspera de deixar o seu trabalho no serviço nacional de saúde.

Jaguar volta a fabricar desportivo dos anos 60

Até ao verão será fabricado um número limitado de desportivos Jaguar E-Type Lightweight, seguindo todas as especificações originais, incluindo a continuação do número de série das unidades produzidas em 1963.

"Naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas"

Mais do que uma manifestação, o 'primeiro' 1º de Maio é recordado como a grande festa da Revolução dos Cravos, quando o povo saiu às ruas em massa e a união das esquerdas era um sonho possível. "O 1º de Maio seria mais uma primeira coisa, porque naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas." Foi há 40 anos.

Este trabalho não foi visado por qualquer comissão de censura

Aquilo que hoje é uma expressão anacrónica estava em relevo na primeira página do "República", a 25 de Abril de 1974: "Este jornal não foi visado por qualquer comissão de censura". Quarenta anos depois da Revolução, veja os jornais, ouça os sons e compreenda como decorreu o "dia inicial inteiro e limpo", como lhe chamou Sophia. O Expresso falou ainda com cinco gerações de 40 anos e percorreu a "geografia" das Ruas 25 de Abril de todo o país, falando com quem lá mora. Veja a reportagem multimédia.


Comentários 4 Comentar
ordenar por:
mais votados
Perguntem ao Bolt
Já perguntaram ao Bolt por onde andam as suas amigas suecas?
Talvez seja uma boa pista para encontrarem os camarões perdidos.
Com distracções dessas qualquer um se perde na aldeia olímpica.
Perguntem ao Bolt.
!
Na segunda metade do século XX também houve muitos casos destes. Mas esses fugitivos sabia-se logo para onde iam. Normalmente fugiam para o paraíso de leste ou para Cuba onde pediam asilo ao kamarada fidel.
perguntem ....
...ao Vale e Azevedo. Foi ele que os vendeu de certeza.
Perguntem ao Bandarra
que ele deve saber aonde param os camaronenses, por ventura, sequestrados pelos malvados dos iluminados, em mais um embuste para distrair as massas!!
Comentários 4 Comentar

Últimas


Edição Diária 17.Abr.2014

Leia no seu telemóvel, tablet e computador
PUBLICIDADE

Pub