4
Anterior
Manifestantes invadem embaixada dos EUA no Iémen
Seguinte
Ordem de despejo acaba em tragédia
Página Inicial   >  Atualidade / Arquivo   >   Sépsis mata rápido e cada vez mais pessoas
Dia Mundial da Sépsis

Sépsis mata rápido e cada vez mais pessoas

Conhecida vulgarmente por ser uma infeção generalizada, a sépsis resulta da resposta do nosso corpo a uma infeção. A forma grave desta patologia mata mais do que os cancros da mama, do pulmão e da próstata juntos.
|
O coordenador da Via Verde para a Sépsis para a zona sul, João Ribeiro
O coordenador da Via Verde para a Sépsis para a zona sul, João Ribeiro / Nuno Botelho

Hoje assinala-se, pela primeira vez, o Dia Mundial da Sépis, uma patologia responsável pela morte de seis milhões de bebés e crianças pequenas, por ano, no chamado mundo desenvolvido.

Aliás, as estatísticas internacionais dão conta de uma realidade avassaladora: entre um terço e metade dos doentes com sépsis acabam por morrer. E qualquer pessoa pode desenvolver uma sépsis, já que este quadro surge a partir de uma infeção comum. Embora existam grupos de risco.

O que é afinal a sépsis: "Antigamente, e durante muito tempo, chamavam-lhe 'envenenamento de sangue'", refere o diretor do serviço de medicina intensiva do Centro Hospitalar Lisboa Norte, Carlos França. Explicando que a sépsis não é uma doença mas sim o resultado de um conjunto de fenómenos causados pela resposta (anormalmente exagerada) do nosso organismo a uma infeção.

Sépsis mais grave mata 60% dos doentes

Existem quatro estádios de evolução da doença: a sépsis, a sépsis grave, o choque sético e, finalmente, a falência multiorgânica. "A primeira traduz uma infeção banal, como uma amigdalite, a grave já compromete o funcionamento de alguns órgãos e o choque sético decorre quando o sistema cardiovascular se encontra comprometido, com o desenvolvimento de hipotensão arterial. Em geral, os doentes que morrem desenvolvem uma falência de múltiplos órgãos", explica Carlos França. A forma grave tem uma taxa de mortalidade que ronda os 30%, sendo que na terceira fase a probabilidade de morte oscila entre os 50% a 60%.

Com o mote "trave a sépsis, salve vidas", este dia mundial está a ser assinalado por mais de mil hospitais e organizações relacionadas com a Saúde. Entre os quais o Hospital de Santa Maria, em Lisboa. Os profissionais da Unidade de Cuidados Intensivos da maior unidade hospitalar portuguesa alertam, com preocupação, para uma realidade que consideram alarmante e focam que é necessário empenho na Via Verde da Sépsis, à semelhança do que já existe para o enfarte do miocárdio e para o acidente vascular cerebral (AVC).

É que o diagnóstico precoce de um quadro de sépsis reduz substancialmente a probabilidade de morte. E o tratamento, essencialmente com a administração de líquidos e de antibióticos, se for célere é extremamente eficaz, refere António Pais de Lacerda, chefe do serviço de medicina intensiva do Hospital de Santa Maria. "A evolução de um quadro simples para uma situação com gravidade é muito rápida. A janela de atuação é de uma hora nos casos de sépsis grave, quando no enfarte temos até quatro horas para atuar e no AVC cerca de três", diz o diretor dos cuidados intensivos Carlos França.

Se uma sépsis grave for diagnosticada prontamente (até uma hora) a probabilidade de sobrevivência é de quase 80%, percentagem que desce para cerca de 40% caso passem cerca de três horas a partir do momento que a patologia começa evoluir para uma forma perigosa. Ao fim de 12 horas apenas 20% dos doentes sobrevivem.

É, por isso, determinante "sensibilizar os políticos e a comunidade médica para a sépsis", frisa Carlos França. A Via Verde da Sépsis só funciona reestruturando serviços de urgência "e definindo uma estratégia de identificação dos casos graves e para passarmos a ter uma mortalidade residual", adianta João Ribeiro, coordenador para região sul da Via Verde da Sépsis.

O também médico do serviço de cuidados intensivos de Santa Maria sublinha ainda que "os sinais são subtis mas perfeitamente identificáveis, através de análises e da medição da tensão arterial, que é mais baixa do que o usual nos casos em que a sépsis está a evoluir para um quadro clínico de risco". Mas é preciso que exista informação e que se passe a palavra, não só entre a população, mas também entre a classe médica para que o diagnóstico seja atempado e o tratamento iniciado precocemente, logo após as análises iniciais, refere o chefe do serviço de medicina intensiva do Hospital de Santa Maria, António Pais de Lacerda.

Os doentes que desenvolvem sépsis são muito diversos e por isso é mais complicado fazer a contabilidade nacional do número de casos, porque nem sempre são tratados nas unidades de cuidados intensivos. Há pneumonias que desenvolvem sépsis grave ou choque sético, bem como doentes submetidos a cirurgias que podem ter um quadro de infeção que desencadeia as respostas do organismo que levam a este desfecho.

O aumento do número de idosos com um grande número de patologias (co-morbilidades) é um dos fatores que justifica o aumento do número de casos, refere Carlos França. Além dos mais velhos e dos doentes cirúrgicos, as crianças, as vítimas de traumas (como acidentes de carro) e os doentes com HIV têm também maior propensão para desenvolver uma sépsis.

Cancros prococam menos mortes

O Serviço de Medicina Intensiva do Centro Hospitalar Lisboa Norte recebe (com onze camas em Santa Maria e outras cinco no Pulido valente) recebe cerca de 700 doentes por ano (este número engloba além das onze camas deste serviço, outras cinco que estão num piso diferente). Deste total, entre 25% a 30% com um quadro de sépsis.

E trata-se de um número que não traduz a realidade, porque muitos outros casos são internados noutros serviços. O coordenador da Via Verde, João Ribeiro, estima que entre 10 mil a 20 mil pessoas recorram às urgências hospitalares em Portugal "com quadros de sépsis potencialmente graves".

Nem se sabe quantas pessoas morrem de facto em Portugal devido a sépsis, já que nas certidões de óbito não é aceite sépsis como causa de morte, já que não é uma doença mas sim um quadro clínico.

O diretor Carlos França indica que "os cancros da mama, pulmão e próstata somados matam menos do que a sépsis" e que, no entanto, o dinheiro alocado a combater estas três patologias supera em muito os fundos disponíveis para a sépsis.

No site http://www.world-sepsis-day.org é referido que, apesar dos avanços na medicina moderna, o número de hospitalizações por sépsis têm vindo a aumentar dramaticamente, mais do que duplicaram em dez anos.


Hospital de Santa Maria assinala dia Mundial da Sépsis




Opinião


Multimédia

Os assassínios, as execuções, as decapitações são as imagens mais chocantes de uma propaganda cada vez mais sofisticada. É a Jihad, que recruta guerrilheiros no ocidente para matar e morrer na Síria. O Expresso seguiu as pisadas de cinco jiadistas portugueses, mostrando quem são e como foram convertidos e radicalizados. E como lutam, como foram morrer - e como já haverá arrependidos com medo de fugir. Reportagem em Londres, no café onde viam jogos de futebol, na universidade onde estudavam e na mesquita onde rezavam. Autoridades e especialistas em terrorismo estão alerta sobre este pequeno mas perigoso grupo, onde corre sangue português - e de onde escorre sangue por Alá.

Desacelerámos a realidade para observar a euforia da liberdade

Ela, Jacarandá, é algarvia. Ele, Katmandu, é espanhol. São linces e agora experimentam a responsabilidade da liberdade: foram soltos esta terça-feira numa herdade alentejana, próxima de Mértola, eles que saíram de centros de reprodução em cativeiro. Foi inédito: nunca tinha acontecido algo assim em Portugal. Estivemos lá e ensaiámos o slow motion.

Geração Z

Mais rápidos, mais capazes, mais solitários, os Z vivem agarrados aos ecrãs, pensam com a ajuda da internet e estão permanentemente preocupados com a bateria do telemóvel. Que geração é esta que nasceu com a viragem do século?

Desaparecidos para sempre no Mar do Norte

O dia 15 de novembro já foi feriado, há 90 anos. A razão foi o desaparecimento de Sacadura Cabral algures no Mar do Norte. Depois de fazer mais de oito mil quilómetros de Lisboa ao Rio de Janeiro, o aviador pioneiro não conseguiu completar o voo entre a cidade holandesa de Amesterdão e a capital portuguesa. Ainda hoje, não se sabe o que aconteceu ao companheiro de Gago Coutinho e tio-avô de Paulo Portas, a quem o Expresso pediu um sms.

Os muros do mundo

Novembro relembrou-nos os muros que caem, mas também os que permanecem e os que se expandem. Berlim aproximou-se de si própria há 25 anos, mas há muros que continuam a desaproximar. Esta é a história de sete deles - diferentes, imprevisíveis, estranhos.

Tudo o que precisa de saber sobre o ébola. Em dois minutos

Porque é que este está a ser o pior surto da história? Como é que os primeiros sintomas se confundem com os de outras doenças? É possível viajar depois de ter contraído o vírus, sem transmitir a doença? E estamos ou não perto de ter uma vacina? O Expresso procurou as respostas a estas e outras dúvidas sobre o ébola.

A última viagem do navio indesejado

Construído nos Estaleiros de Viana e pensado para fazer a ligação entre ilhas nos Açores, o Atlântida foi recusado pelo Governo Regional por alegadamente não atingir a velocidade pretendida. Contando com os custos associados à dissolução do contrato, o prejuízo ascendeu a 70 milhões de euros. Foi agora comprado a "preço de saldo", para mudar de nome e ser reconvertido num cruzeiro na Amazónia. Fizemos a última viagem do Atlântida e vamos mostrar-lhe os segredos do navio.

O papa-medalhas que veio do espaço

O atleta português mais medalhado de sempre, Francisco Vicente, regressou dos campeonatos europeus de veteranos, na Turquia, com novas lembranças ao pescoço. Três de ouro e duas de prata para juntar à coleção. Tem 81 medalhas, uma por cada ano de vida.

Terror religioso está a aumentar

Relatório sobre a Liberdade Religiosa é divulgado esta terça-feira em todo o mundo. Dos 196 países analisados, só em 80 não há indícios de perseguições motivadas pela fé.

Vai pagar mais ou menos IRS? Veja as simulações

Reforma do imposto protege quem tem dependentes a cargo, mas pode penalizar os restantes contribuintes. Função pública e pensionistas vão ter mais dinheiro disponível. Veja simulações para vários casos.

Tem três minutinhos? Vamos explicar-lhe o que muda no orçamento de 350 mil portugueses (e no de muitas empresas)

O novo salário mínimo entrou em vigor. São mais €20 brutos para cerca de 350 mil portugueses (números do Ministério da Segurança Social, porque os sindicatos falam em 500 mil trabalhadores). Mudou o valor, mas também os descontos que as empresas fazem para a Segurança Social. Porque se trata de uma medida que afeta a vida de muitos portugueses, queremos explicar o que se perde e o que se ganha, o que se altera e o que se mantém.

Music fighter: temos Marco Paulo e Bruno Nogueira numa batalha épica

Está preparado para um dos encontros mais improváveis na história da música portuguesa? O humorista Bruno Nogueira e a cantora Manuela Azevedo, dos Clã, pegaram em várias músicas consideradas "pimba" - daquelas que ninguém admite ouvir mas que, no fundo, todos vão dançar assim que começam a tocar - e deram-lhe novos arranjos, num projeto que chegou aos coliseus de Lisboa e do Porto.  "Ninguém, ninguém", de Marco Paulo, tem possivelmente a introdução mais acelerada e frenética do panorama musical português. Mas, no frente-a-frente, quem é o mais rápido? Vai um tira-teimas à antiga?

Dez verdades assustadoras sobre filmes de terror

Este vídeo é como o monstro de "Frankenstein": ganhou vida graças à colagem de partes de alguns dos filmes mais aterrorizantes de sempre. Com uma ratazana mutante e os organizadores do festival de cinema de terror MotelX pelo meio. O Expresso foi à procura das razões que explicam o fascínio pelo terror, com muito sangue (feito de corante alimentar) à mistura. 

A paixão do vinil

Se para muitos o vinil é apenas uma moda que faz parte da cultura do revivalismo vintage, para outros ver o disco girar nunca deixou de ser algo habitual.

Portugal foi herdado, comprado ou conquistado?

Era agosto em Lisboa e, às portas de Alcântara, milhares de homens lutavam por dois reis, participando numa batalha decisiva para os espanhóis e ainda hoje maldita. Aconteceu em agosto de 1580. Mais de 400 anos depois, o Expresso deu-lhe vida, fazendo uma reconstituição do confronto através do recorte e animação digital de uma gravura anónima da época.

O Maradona dos bancos centrais

Dizer que Mario Draghi está a ser uma espécie de Maradona dos bancos centrais pode parecer estranho. Mas não é exagerado. Os jornalistas João Silvestre e Jorge Nascimento Rodrigues explicaram porquê num conjunto de artigos publicado no Expresso em Novembro de 2013 e que venceu em junho deste ano o prémio de jornalismo económico do Santander e da Universidade Nova. O trabalho observa ainda o desempenho de Ben Bernanke no combate à crise, revisita a situação em Portugal e arrisca um ranking dos 25 principais governadores de bancos centrais. Republicamos os artigos num formato especial desenvolvido para a web.


Comentários 4 Comentar
ordenar por:
mais votados
Como não sou um médico ou algo similar,
desconhecia a mortalidade relativa à sépsis. Rio Grande
Sepsis?
"Sepsis" e "sético"??? Modernices?

SEPTICÉMIA e SÉPTICO, caraças!!!
Qual é o espanto?
Isto tem duas possíveis explicações (apesar de não ser médica nem enfermeira nem nada disso, informo-me): as bactérias e agentes patogénicos podem estar a desenvolver resistências até agora impensáveis aos fármacos e demais arsenal químico. No cenário português, a higiene dos hospitais é abaixo de medíocre, acho que nem na Líbia, nem no Iraque é tão má. Deve ser dos cortes impostos pela troika. As empresas pagam mal às empregadas, que na sua maioria (eu sei do que falo porque já vi) não querem é trabalhar, e não é só por causa do baixo salário (2 euros à hora). No São Francisco Xavier, varrem as agulhas, os pensos e as gazes para debaixo dos armários, lavam o chão só com água se for preciso e o resto do tempo estão de rabo sentado, a fumar ou a conversar. Há dois anos fui operada no Egas Moniz, e no quarto onde eu estava estava também um menino para ser operado. Por causa da anestesia, o moço vomitou no chão e só DUAS HORAS DEPOIS uma empregada foi lá limpar - com um resguardo de cama. No Centro de Medicina de Reabilitação de Alcoitão, os corredores estão um nojo, as casas de banho cheiram a esgoto, as mesas dos refeitórios e das enfermarias coleccionam nódoas e as empregadas da limpeza gastam o tempo sobretudo sentadas na conversa. Em crioulo.
Re: Sépsis mata rápido e cada vez mais pessoas
Infelizmente esta doença não brinca.
Perdi um filho de gémeos que tive, com apenas 6 meses de vida com uma septissémia agravada,derivado a uma meningite fulminante!!
Em poucas horas todo o pequeno corpo foi destruído por dentro até chegar ao ponto de morte cerebral e ao fim de 15 dias tivemos de desligar a máquina.
Por isso alerto todos, muita atenção aos sintomas!!
Comentários 4 Comentar

Últimas


Edição Diária 17.Abr.2014

Leia no seu telemóvel, tablet e computador

PUBLICIDADE

Pub