18 de abril de 2014 às 22:01
Página Inicial  ⁄  Economia  ⁄  Seguro: "Foi para isto que pediram tantos sacrifícios?"
com vídeo

Seguro: "Foi para isto que pediram tantos sacrifícios?"

Perante o agravamento do défice, o líder do PS defende que a "receita de austeridade somada a mais austeridade" foi um "disparate".
Lusa
Líder do PS criticou o Governo André Kosters/Lusa Líder do PS criticou o Governo

O secretário-geral do PS, António José Seguro, afirmou hoje que o Governo "fracassou", por pedir "sacrifícios exageradíssimos" aos portugueses e nem assim conseguir concretizar o objetivo da redução do défice.

"Para que serve esta receita que o Governo está a impingir aos portugueses?" - questionou o líder socialista, aludindo aos mais recentes números da execução orçamental, que apontam para uma "derrapagem" de cerca de três mil milhões de euros.

Falando durante o Congresso Distrital do PS de Braga, António José Seguro considerou que a "receita de austeridade somada a mais austeridade" é "um crime" e um "disparate", que "só aumenta o desemprego, atira as empresas para a falência, provoca mais empobrecimento e mais destruição da classe média", sem conseguir equilibrar as contas públicas.

O dirigente partidário recordou que os funcionários públicos perderam "dois salários", foi cortado metade do subsídio de natal em 2011, aumentaram "para o dobro" as taxas moderadoras, aumentaram "para o máximo" as taxas de IVA sobre o gás e eletricidade e foram "cortados" os transportes para acesso aos serviços de saúde.

"Há outro caminho" 


"Cada português pergunta-se: foi para isto que me pediram tantos sacrifícios?" - afirmou, sublinhando que "o Governo não tem o direito de fazer isto aos portugueses".

O líder socialista disse que o Governo "fracassou" e deixou o aviso ao Primeiro-Ministro: "com o PS, não haverá mais austeridade nem mais sacrifícios para os portugueses".

Até porque "há outro caminho" que passa por uma "dose adequada" de austeridade aplicada a um "ritmo" menos intenso, com "pelo menos mais um ano para consolidar as contas públicas" e ainda pela prioridade ao emprego e ao crescimento económico.

Defendeu ainda que o Governo deveria "lutar" para que o Banco Central Europeu (BCE) pudesse financiar diretamente os Estados, de forma a conseguir juros mais baixos.

"Não quero dinheiro fácil, não quero que o BCE financie o nosso défice. O que eu quero é que parte do financiamento possa ser feita taxa de juro mais baixa, e para isso não é necessário alterar qualquer tratado europeu", referiu.

Seguro disse que Portugal precisa de um Governo "à altura", para defender na Europa os interesses nacionais, e criticou o "seguidismo" do Primeiro-Ministro em relação "à senhora Merkel".

O líder do PS pediu ainda uma resposta "mais robusta, mais coerente e mais eficaz" a nível da Europa para combater a crise, sublinhando que a "receita de austeridade a todo o custo imposta pela senhora Merkel" só conduz "a mais desemprego e a mais dificuldades".

 

Veja vídeo SIC:
Comentários 87 Comentar
ordenar por:
mais votados ▼
NEM DE VISTA
««« Foi para isto que nos pediram tantos sacrifícios?»»»

António José Seguro, Secretário-Geral do PS e um berreiro à procura de uma ideia, reafirmando que a bancarrota, o memorando de entendimento e a troika são figuras de ficção que o seu partido nunca conheceu nem de vista.
Re: NEM DE VISTA Ver comentário
Re: NEM DE VISTA Ver comentário
Re: NEM DE VISTA Ver comentário
Re: NEM DE VISTA Ver comentário
Re: NEM DE VISTA Ver comentário
Re: NEM DE VISTA Ver comentário
Re: NEM DE VISTA Ver comentário
Oh sr tiago_1979 ! Ver comentário
Re: Oh sr tiago_1979 ! Ver comentário
Re: Oh sr tiago_1979 ! Ver comentário
Re: Oh sr tiago_1979 ! Ver comentário
seguro sera o secretario geral geral...... Ver comentário
defice-seguro-acusa-governo-de-fracassar
Se nos lembrarmos de tudo o que foi dito antes das eleições e das promessas feitas e ainda pela paciência que o povo tem tido, há muitas razões para os portugueses estarem zangados e o governo envergonhado. Um ano depois já é tempo bastante para verificar que este governo não passa de uma fraude, mas também o mais incompetente que já existiu depois de 74. Não vale a pena andar a fazer cortinas de fumo, a deitar areia para os olhos e a tapar o Sol com a peneira. Sócrates não pode servir de desculpa eternamente e para tudo. Assumam os fracassos, mas também os enganos e os desenganos. Assumam que a vossa política falhou como foi previsto por muitos. Assumam que estão a levar o País ao fundo e o povo à miséria e que todos estes sacrifícios não servem para nada, mas em vez de resolver só agravam o problema. Sócrates deixou um défice de 80% e um ano depois já vai em 118%. O desemprego é sempre a aumentar e as falências não param e os portugueses perdem regalias e bem estar a cada dia que passa.

viriatoapedrada.blogspot.pt/2012/04/citigroup-pib-portugues-devera-recuar.html

viriatoapedrada.blogspot.pt/2012/06/familias-falham-pagamentos-de-800.html

viriatoapedrada.blogspot.pt/2012/06/desemprego-em-2000-39-2012-149.html

viriatoapedrada.blogspot.pt/2012/06/krugman-e-layard-contra-austeridade.html
Re: ÉS O VERDADEIRO VENDEDOR DA BANHA SOCIALISTA Ver comentário
Re: ÉS O VERDADEIRO VENDEDOR DA BANHA SOCIALISTA Ver comentário
Re: defice-seguro-acusa-governo-de-fracassar Ver comentário
Re: defice-seguro-acusa-governo-de-fracassar Ver comentário
AS PROMESSAS ELEITORAIS NUNCA SERÃO CUMPRIDAS. Ver comentário
Austeridade? Sacrifícios??? Sim, para os que...
... não são filhos nem filhas, primos nem primas, compadres ou amigos...

- «Dois dos condenados pelo Banco de Portugal por prestação de informação falsa e falsificação de contas no caso BPN, trabalham como diretores para um fundo do Estado».

- «Miguel Pais do Amaral, Alexandre Relvas e Filipe de Botton, que lideram a Logoplaste e são sócios não-executivos da Norfin, também ajudaram Carlos Moedas a criar a Crimson Investment Management, em 2008, que hoje tem uma atividade diferente e é 100% detida pela mulher do governante, Céline Abecassis-Moedas.»

- «Jorge de Almeida, assessor da PSA de Sines diz que este operador de Singapura pretende entender claramente o alcance da reorganização dos portos. "Sem essa clarificação não haverá condições para avançar com os investimentos da terceira fase do Terminal XXI, que aumentaria o respetivo cais dos atuais 730 metros para os 940 metros", refere Jorge de Almeida.
No entanto, o Governo diz que ainda não tomou qualquer decisão política, deixando em aberto a possibilidade de ser criada apenas uma sociedade gestora dos portos portugueses ou, serem criadas duas sociedades, uma para gerir os portos do noete e outra para gerir os do sul, onde se incluem os portos de Sines, Setúbal e Lisboa.»

Mais uma ou duas empresas ou mais "empregos" para um partido cujo líder disse: "Não quero ser eleito para arranjar empregos para o PSD"

Estas notícias estão publicadas no Expresso online

se isto é verdade estamos entregues às "feras" Ver comentário
Re: se isto é verdade estamos entregues às Ver comentário
AUSTERIDIDADE PARA TODOS!
Que familia é esta aonde uns comem e vestem bem e outros passam fome e andam rotos!
É este o governo de todos os portugueses?
Como governo imposto ainda o admitia, eleito tenho muita dificuldade em aceitar!
Se o povo votou nesta m...a, bem pode assumir as culpas pelo que fez, e limpar as mãos à parede!
Este governo não passa de um passaporte para trafulhas, vigaros e capitalistas roubarem o que ainda há para roubar em Portugal!
PASSAPORTE PARA TRAFULHAS Ver comentário
Re: PASSAPORTE PARA TRAFULHAS Ver comentário
Re: PASSAPORTE PARA TRAFULHAS Ver comentário
Re: PASSAPORTE PARA TRAFULHAS Ver comentário
O PS neo liberal não é alternativa........
A taxa de desemprego juvenil ultrapassa os 30%. Para muitos jovens o futuro tem passado por regressar a casa dos pais. É uma geração que foi enganada. Todos sofrem com a derrocada do sistema, com a derrota, os crentes no capitalismo com este espanto a que começaram por chamar "crise financeira" mas que depois rapidamente derivou numa contra-reforma do modelo social europeu, esse pacto celebrado em nome de um capitalismo de rosto humano. Voltamos ao século XIX: a Europa abandona o debate sobre as 35 horas de trabalho para discutir jornadas de 65 horas semanais. A Europa pretende ser a China, mas, sem "crescimento" (do capital) quanto mais trabalha quem já trabalhava, menos acesso têm os novos para aceder ao mercado de trabalho. A "ameaça comunista" desapareceu. Já ninguém promete o paraíso do outro lado da cortina de ferro e o pensamento único impõe finalmente as suas normas de "progresso" (para os ricos) a uma sociedade paralisada, incapaz de reagir perante o abismo - porque assustada pelo medo de cair ainda mais para baixo. Todos sofremos esta perversa desconexão, entre as causas da crise e as suas consequências, não apenas os jovens. Porém, esta nova depressão tem afectado a fractura generacional que expulsa do sistema, até à miséria, essa juventude a que pomposamente chamaram "a geração mais bem preparada da história", mas que hoje vive de salários precários de 500 euros ou da caridade familiar.
O DILEMA DO PS! Ver comentário
Re: O PS neo liberal não é alternativa........ Ver comentário
Venham lá as doses de miseria pura
Primeiro era inevitavel a austeridade para corrigir os vicíos do povo que tinha gasto o que não devia , nomeadamente com o ír mais alem da troika que se reflectiu logo no disparar de falências de empresas e no disparar galopante do desemprego.

Agora como a miseria já é uma realidade fruto desse austeritarismo e do ír mais alem que a troika , há que haver uma involução mental dos portugueses e levá-los a aceitar a miseria como uma realidade , ou seja com o miserabilismo a tomar o lugar da austeridade.

Venha de lá essa miseria , mais miseria , até porque a austeridade já não surte o mesmo efeito , o que é necessário é miseria pura , doses de miseria pura em substituição de austeridade , que o povo português aceita tudo de bom grado como bom patriota para vencer esta crise , afinal o povo português esfomeado e esfarrapado , é cá que terá de viver , ao contrário de outros que ao encherem-se com as privatizações vão depois curtir o el-dorado colombiano caraíbenho arranjado já para o efeito pelo Paulo Portas.

Difícil é arranjar trabalho para os miseraveis dos tugas , agora um el-dorado para os apoiantes e integrantes deste governo sempre é mais facil de arranjar ,afinal há que garantir o futuro , quando o barco aqui for ao fundo e levar com ele todos os miseraveis tugas.

Trapalhões
Os nossos governantes de agora, tal como os de antigamente, são uns trapalhões quando se trata de cuidar do interesse público, de defender os cidadãos que os carregam para o poder e devido a isso tudo fazem para sacar o mais possível a quem não tem capacidade de reação, a quem não se organiza para os correr da governação. Toda a austeridade, o empobrecimento da população não serviu de nada, porque os homens da economia e finanças não sabem o que fazem, atiram com umas medidas e esperam que corram bem, porque caso corram mal, corrigem o tiro e acertam nos mesmos. Seguro pelo menos tem razão numa coisa se aquilo que nos roubaram não serviu de nada, então devolvam-no a quem o tiraram.
Re: Trapalhões Ver comentário
Re: Trapalhões Ver comentário
Re: Trapalhões Ver comentário
Precisamos de ação

  Precisamos de ação .. De muita ação!!!

“António José Seguro, afirmou hoje que o Governo "fracassou", por pedir "sacrifícios exageradíssimos" aos portugueses e nem assim conseguir concretizar o objetivo da redução do défice.”

Por favor !! Isso é para esquecer... Quem está a mandar é a Troica com o aval do PS, nesse aspecto, nada há a fazer... É só obedecer.

Há coisas mais importantes, no momento, o Seguro precisa pedir explicações ao Gaspar por causa do imbróglio do BPN na AR... Será que o Seguro não leu o Expresso?

Senhor Seguro veja que absurdo:

“ARMANDO PINTO E JORGE RODRIGUES FORAM INIBIDOS
DE TRABALHAR EM INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS POR
CINCO ANOS. MAS GEREM ATIVOS DA NACIONALIZAÇÃO
DO BPN AO SERVIÇO DO MINISTÉRIO DAS FINANÇAS.”

É preciso fazer coisa, chamar o Ministro das Finanças à AR e exijir explicações e demissões.

Re: Precisamos de ação Ver comentário
PROFISSÃO DE FÉ
Eu que não sou religioso e que sempre votei no PSD venho aqui perante vós comentadores assíduos neste forum do expresso declarar o seguinte:
A enorme vergonha de ter votado PSD nas últimas eleições legislativas,de ter acreditado que a nova geração de políticos tinha algo a oferecer ao país e de poder hoje dizer sem faltar há verdade que fui enganado que mentiram com o maior despudor usando ( na minha opinião ) este pobre diabo que é hoje primeiro ministro para satisfazer a frustação de gente menos boa como ângelo Correia homem perigoso e déspota sem poder e o merceeiro de serviço Miguel relvas.
Este não é e nunca será o PSD em que voto deste que há democracia em Portugal.
Mais digo que o PS não é Sócrates , não sou fã do PS nem nunca fui mas é e espero eu sempre será uma alternância democrática ao PSD em que me revejo pois o actual até já ultrapassou pela direita o CDS , algo nunca imaginavel.
Estou velho e doente tenho felizmente os meus descendentes a viver num país estrangeiro e quando os visito não tenho palavras sem faltar há verdade como dizer que em Portugal tudo vai bem.
Re: PROFISSÃO DE FÉ Ver comentário
Re: PROFISSÃO DE FÉ Ver comentário
Re: PROFISSÃO DE FÉ Ver comentário
Re: PROFISSÃO DE FÉ Ver comentário
Re: PROFISSÃO DE FÉ Ver comentário
POLÍTICO HONESTO ... NEM O GOOGLE ENCONTRA ...
Vai aparecer assim ...

    HTTP Error 404 - Político honesto não encontrado.
Internet Information Services (IIS)
reconhecimento das inevitabilidades
É inevitável reconhecer:
- que Sócrates levou o país ao descalabro;
- que por alturas do PEC IV o PSD pôs os interesses partidários à frente dos interesses do país;
- que o atual governo está condicionado pelo memorando;
- que o governo quis aproveitar o legado de Sócrates e o memorando para impor uma agenda que visa o empobrecimento do país e o regresso do corporativismo;
- que o governo quis ir além do memorando e deu um passo maior que as pernas;
- que o governo foi repetidamente avisado da espiral de recessão que se avizinhava;
- que o governo mostrou tiques de autismo e autoritarismo;
- que PPC e os restantes ministros são incompetentes;
- que o governo está desorientado;
- que o país está pior do que estava;
- que Seguro tem razão.
Re: reconhecimento das inevitabilidades Ver comentário
Re: reconhecimento das inevitabilidades Ver comentário
Re: reconhecimento das inevitabilidades Ver comentário
Re: reconhecimento das inevitabilidades Ver comentário
Re: reconhecimento das inevitabilidades Ver comentário
Re: reconhecimento das inevitabilidades Ver comentário
Em que é que ficamos?
Seguro: "Foi para isto que pediram tantos sacrifícios?"

Esta frase foi dita pelo Seguro...

Mas o PPC já vinha dizendo isso do governo Sócrates....

Os nossos navegadores metiam-se nas empreitadas e chegavam lá, mas estes são coisa de aviário!

Críticas de largo espectro
O que se espera do chefe da oposição é que exerça a sua função, denunciando falhas governamentais.

Mas há que fugir ao facilitismo das generalidades, procurar o concreto e atacar. Falar de crescimento e emprego é fácil, mas não é barato nem dá milhões.
Aliás, o que faltam são os milhões necessários para injectar nas empresas, no estado e nas câmaras para pagarem as suas dívidas, tentando pôr a funcionar a máquina da produção/consumo.
Todos sabemos isso, Passos também, só falta o dinheiro. E aí é que a porca torce o rabo.
Também Seguro não deve esquecer que o contrato de empréstimo foi celebrado pelo seu partido, e só se podem modificar prazos e juros com o acordo do credor.

Gostava de ver a oposição a marcar pontos mais concretos, nomeadamente na distribuição dos sacrifícios por toda a população, tendo em conta as capacidades de cada um e não pôr reformados e funcionários a arrotar com o prejuízo.
Muita dessa dívida foi originada por negociatas com empresas que pagam barbaridades a administradores, que agora estão dispensados de impostos........
Re: Críticas de largo espectro Ver comentário
ACUSAR É FACIL. DIFICIL É FAZER
Os socialistas usam e abusam do mais mínimo RIGOR intelectual. Infelizmente p eles é ao PS e só a eles q podem ser assacadas responsabilidades substantivas sobre o passado recente, presente e futuro imediato d Portugal. Sócrates conduziu o país á quase bancarrota e, caso assim não fosse então q alguém explique porque razões negociou um resgate internacional assente em 3 memorandos q definem o q pode ser chamado pacificamente como um programa d governo até 2015. O actual governo não só foi chamado a subscreve-lo através dos partidos q o compõem como também oS teve e tem q seguir e consequentemente implementar e, porquê? Porque se assim NÃO FÔR NÃO HÁ DINHEIRO P O ESTADO FAZER FRENTE ÁS SUAS RESPOSNABILIDADES MINIMAS. Os portugueses na generalidade sabem q o país esta em estado d falência e q só cumprindo os tais memorandos é que o Estado vai recebendo dinheiro. O país tem dado sinais d um patriotismo exemplar. O esforço q tem sido feito é a todos os níveis d enaltecer e, agora vem o mesmo partido politico q conduziu Portugal a um estado d necessidade quase extrema acusar o actual governo d ter falhado. QUE FALTA DE VERGONHA! QUE DESCARAMENTO! É PRECISO SER MUITO ESTUPIDO OU ENTÃO TER MUITA LATA o q me parece ser o caso! Q digam o q teriam feito diferente pois NUNCA saíram das generalidades e das soluções magicas. NINGUEM CONHECE NENHUMA SUGESTÃO SOCIALISTA Q PERMITISSE CUMPRIR OS MEMORANDOS E AJUDAR A REDUZIR OS DEFICIT PUBLICO. A ter sido seguida alguma das ideias deste ...
Re: ACUSAR É FACIL. DIFICIL É FAZER 2 Ver comentário
O Memorando é uma obra do PS!
Seguro desapontou-me. O discurso que ele está a fazer agora é aquele que devia fazer, mas atendendo à sua moderação até aqui, ele agora soa a demagogia. A impressão que dá é que esperou até que as coisas estivessem mesmo mal para mostrar os dentes... ao contrário da restante oposição que sempre teve convicções ou mesmo de parte da sua bancada parlamentar, mais aguerrida que ele. E isto sugere um cata-vento em vez de alguém que "sabe" como as coisas funcionam, e que logo devia estar a agitar os braços há muito mais tempo... em vez de esperar para ver se Portugal se estatela no chão, ou não.

Eu até compreendo a sua estratégia: Ela foi a de Obama, querendo mostrar-se moderado e conciliador. Eu percebo porque a está a mudar: para que a estratégia funcionasse era preciso que a maioria prestasse relevância em tempo útil a esse papel, o que não fizeram. Eu compreendo-a mas achei-a errada: A reconciliação é um processo que exige a vontade de dois, como as agruras de Obama já tinham mostrado. Volto a escrever o que já escrevi aqui: era preferível desde o principio que Seguro tivesse feito uma marcação cerrada com base no memorando. Assim que o governo se afastou (indo além) dele, Seguro devia ter caído logo em cima deles. Logo!

Isto teria provavelmente exigido uma maior proximidade aos que conheciam melhor o memorando, os ex-governantes de Sócrates, logo ao Socratismo... e talvez por isso não o tenha feito. Só que agora, soa mal...
PUBLICIDADE
Expresso nas Redes
Pub