30
Anterior
A Angola mimada pelo dr. Relvas (e pela RTP e RDP)
Seguinte
A defesa de Ana Drago
Página Inicial   >  Blogues  >  A Tempo e a Desmodo  >   Sebald ainda simboliza a Alemanha?

Sebald ainda simboliza a Alemanha?

|
A Tempo e a Desmodo - Sebald ainda simboliza a Alemanha?

W. G. Sebald morreu há 10 anos e quase ninguém deu por isso. Não é justo. Sebald não é o génio da moda sebaldista de há uns anos, mas também não é um escritor que mereça um esquecimento prematuro. Até porque nos diz muito sobre esse assunto menor chamado "no início são 11 contra 11, e no fim ganha a Alemanha".

Nunca entrei na moda sebaldista da primeira metade dos anos 2000. Nessa altura, qualquer candidato a literato tinha de dizer que "sim senhor, li o Sebald todo, e em alemão". Como ficcionista (como narrador, se quiserem), Sebald é um chato faraónico. Está demasiado preso ao cliché da morte da narrativa e do romance, e, por isso, as suas histórias são seres híbridos e chatinhos, algures entre o diário, o ensaio e o romance. No final do dia, aquilo é uma pasta disforme e obscura. Mas, como sempre, muitos críticos e literatos confundiram aquela ilegibilidade com sofisticação (não há nada mais previsível do que o literato pós-moderno). Porém, no meio da ilegibilidade, um romance de Sebald merece muita atenção: Austerlitz.

Austerliz começa com o encontro entre o narrador e Austerlitz (Antuérpia, anos 60). Os encontros repetem-se em Londres e em vários locais da Bélgica. Após longa separação, voltam a encontrar-se (anos 90). Ao início, Austerlitz é relutante em falar do seu passado; vive apenas no presente, numa espécie de concepção circular de tempo. Mas, numa segunda fase destes reencontros, Austerlitz já se confessa preocupado com a memória. Acabamos por descobrir que Austerlitz é de origem judia: nasceu em Praga, e, ainda em criança, foi deportado para Inglaterra nos Kindertransporte, enquanto os seus pais ficaram na máquina de extermínio nazi. Ora, no final do livro, Sebald garante a Austerlitz uma saída minimamente redentora: a personagem parte em busca da memória do pai (em Paris), depois de ter desenterrado o passado da mãe. E o narrador? Não tem a mesma sorte. O narrador, sendo alemão, não encontra a redenção, não tem um momento de expiação, não encontra uma saída para o seu labirinto. Este contraste entre a linearidade redentora de Austerlitz e a espiral labiríntica do narrador é essencial para compreendermos o simbolismo do livro: este narrador é a personificação da Alemanha pós-guerra, a Alemanha enterrada numa culpa que a impede de sair para uma redenção colectiva.

Até ao advento desta crise europeia, eu dizia que este livro representava o ethos da Alemanha contemporânea, da Alemanha pós-guerra. Contudo, tendo em conta os últimos anos, parece-me que Sebald já não é o profeta da psique alemã. Porque esta Alemanha de 2012 já não é a Alemanha do pós-guerra, já é uma Alemanha que pensa a sua relação com os outros sem o fantasma de Hitler. E sabem uma coisa? Ainda bem.

Opinião


Multimédia

Os assassínios, as execuções, as decapitações são as imagens mais chocantes de uma propaganda cada vez mais sofisticada. É a Jihad, que recruta guerrilheiros no ocidente para matar e morrer na Síria. O Expresso seguiu as pisadas de cinco jiadistas portugueses, mostrando quem são e como foram convertidos e radicalizados. E como lutam, como foram morrer - e como já haverá arrependidos com medo de fugir. Reportagem em Londres, no café onde viam jogos de futebol, na universidade onde estudavam e na mesquita onde rezavam. Autoridades e especialistas em terrorismo estão alerta sobre este pequeno mas perigoso grupo, onde corre sangue português - e de onde escorre sangue por Alá.

Desacelerámos a realidade para observar a euforia da liberdade

Ela, Jacarandá, é algarvia. Ele, Katmandu, é espanhol. São linces e agora experimentam a responsabilidade da liberdade: foram soltos esta terça-feira numa herdade alentejana, próxima de Mértola, eles que saíram de centros de reprodução em cativeiro. Foi inédito: nunca tinha acontecido algo assim em Portugal. Estivemos lá e ensaiámos o slow motion.

Geração Z

Mais rápidos, mais capazes, mais solitários, os Z vivem agarrados aos ecrãs, pensam com a ajuda da internet e estão permanentemente preocupados com a bateria do telemóvel. Que geração é esta que nasceu com a viragem do século?

Desaparecidos para sempre no Mar do Norte

O dia 15 de novembro já foi feriado, há 90 anos. A razão foi o desaparecimento de Sacadura Cabral algures no Mar do Norte. Depois de fazer mais de oito mil quilómetros de Lisboa ao Rio de Janeiro, o aviador pioneiro não conseguiu completar o voo entre a cidade holandesa de Amesterdão e a capital portuguesa. Ainda hoje, não se sabe o que aconteceu ao companheiro de Gago Coutinho e tio-avô de Paulo Portas, a quem o Expresso pediu um sms.

Os muros do mundo

Novembro relembrou-nos os muros que caem, mas também os que permanecem e os que se expandem. Berlim aproximou-se de si própria há 25 anos, mas há muros que continuam a desaproximar. Esta é a história de sete deles - diferentes, imprevisíveis, estranhos.

Tudo o que precisa de saber sobre o ébola. Em dois minutos

Porque é que este está a ser o pior surto da história? Como é que os primeiros sintomas se confundem com os de outras doenças? É possível viajar depois de ter contraído o vírus, sem transmitir a doença? E estamos ou não perto de ter uma vacina? O Expresso procurou as respostas a estas e outras dúvidas sobre o ébola.

A última viagem do navio indesejado

Construído nos Estaleiros de Viana e pensado para fazer a ligação entre ilhas nos Açores, o Atlântida foi recusado pelo Governo Regional por alegadamente não atingir a velocidade pretendida. Contando com os custos associados à dissolução do contrato, o prejuízo ascendeu a 70 milhões de euros. Foi agora comprado a "preço de saldo", para mudar de nome e ser reconvertido num cruzeiro na Amazónia. Fizemos a última viagem do Atlântida e vamos mostrar-lhe os segredos do navio.

O papa-medalhas que veio do espaço

O atleta português mais medalhado de sempre, Francisco Vicente, regressou dos campeonatos europeus de veteranos, na Turquia, com novas lembranças ao pescoço. Três de ouro e duas de prata para juntar à coleção. Tem 81 medalhas, uma por cada ano de vida.

Terror religioso está a aumentar

Relatório sobre a Liberdade Religiosa é divulgado esta terça-feira em todo o mundo. Dos 196 países analisados, só em 80 não há indícios de perseguições motivadas pela fé.

Vai pagar mais ou menos IRS? Veja as simulações

Reforma do imposto protege quem tem dependentes a cargo, mas pode penalizar os restantes contribuintes. Função pública e pensionistas vão ter mais dinheiro disponível. Veja simulações para vários casos.

Tem três minutinhos? Vamos explicar-lhe o que muda no orçamento de 350 mil portugueses (e no de muitas empresas)

O novo salário mínimo entrou em vigor. São mais €20 brutos para cerca de 350 mil portugueses (números do Ministério da Segurança Social, porque os sindicatos falam em 500 mil trabalhadores). Mudou o valor, mas também os descontos que as empresas fazem para a Segurança Social. Porque se trata de uma medida que afeta a vida de muitos portugueses, queremos explicar o que se perde e o que se ganha, o que se altera e o que se mantém.

Music fighter: temos Marco Paulo e Bruno Nogueira numa batalha épica

Está preparado para um dos encontros mais improváveis na história da música portuguesa? O humorista Bruno Nogueira e a cantora Manuela Azevedo, dos Clã, pegaram em várias músicas consideradas "pimba" - daquelas que ninguém admite ouvir mas que, no fundo, todos vão dançar assim que começam a tocar - e deram-lhe novos arranjos, num projeto que chegou aos coliseus de Lisboa e do Porto.  "Ninguém, ninguém", de Marco Paulo, tem possivelmente a introdução mais acelerada e frenética do panorama musical português. Mas, no frente-a-frente, quem é o mais rápido? Vai um tira-teimas à antiga?

Dez verdades assustadoras sobre filmes de terror

Este vídeo é como o monstro de "Frankenstein": ganhou vida graças à colagem de partes de alguns dos filmes mais aterrorizantes de sempre. Com uma ratazana mutante e os organizadores do festival de cinema de terror MotelX pelo meio. O Expresso foi à procura das razões que explicam o fascínio pelo terror, com muito sangue (feito de corante alimentar) à mistura. 

A paixão do vinil

Se para muitos o vinil é apenas uma moda que faz parte da cultura do revivalismo vintage, para outros ver o disco girar nunca deixou de ser algo habitual.

Portugal foi herdado, comprado ou conquistado?

Era agosto em Lisboa e, às portas de Alcântara, milhares de homens lutavam por dois reis, participando numa batalha decisiva para os espanhóis e ainda hoje maldita. Aconteceu em agosto de 1580. Mais de 400 anos depois, o Expresso deu-lhe vida, fazendo uma reconstituição do confronto através do recorte e animação digital de uma gravura anónima da época.

O Maradona dos bancos centrais

Dizer que Mario Draghi está a ser uma espécie de Maradona dos bancos centrais pode parecer estranho. Mas não é exagerado. Os jornalistas João Silvestre e Jorge Nascimento Rodrigues explicaram porquê num conjunto de artigos publicado no Expresso em Novembro de 2013 e que venceu em junho deste ano o prémio de jornalismo económico do Santander e da Universidade Nova. O trabalho observa ainda o desempenho de Ben Bernanke no combate à crise, revisita a situação em Portugal e arrisca um ranking dos 25 principais governadores de bancos centrais. Republicamos os artigos num formato especial desenvolvido para a web.


Comentários 30 Comentar
ordenar por:
mais votados
Hitler,nunca mais!
Hitler está enterrado,mas convém sempre que ninguém se esqueça da sua criminosa politica enquanto esteve no poder.
Essa consciência e esse sentimento de alerta tem a generalidade do Povo Alemão e é assumido em permanência pela Sra Merkel.
A Europa e os seus Povos estão unidos nos princípios da LIberdade,da Democracia e da Fraternidade.
Que ninguém tenha dúvidas disso.
Re: Hitler,nunca mais!
Eles zandam ai!
Re: Hitler,nunca mais!
Sebald ainda simboliza a Alemanha
Juros portugueses em máximos tocam quase os 21%
Taxas continuam imparáveis e renovam recordes em dia de cimeira europeia
A semana ainda mal começou e os juros da dívida pública portuguesa despertaram logo frenéticos, a acompanhar a escalada verificada na semana passada. Manhã de segunda-feira, dia de cimeira europeia - novos máximos a registar.

Nas principais maturidades há valores nunca antes vistos desde a entrada de Portugal no euro.

As Obrigações do Tesouro a dez anos subiram para um recorde de 15,66%.

Mas o caso mais grave é mesmo o verificado nos juros a cinco anos, que se aproximam perigosamente dos 21%. Chegaram já hoje aos 20,91%.

Os mercados estão cada vez mais desconfiados em relação à capacidade de Portugal fazer face aos seus compromissos e, por isso, exigem cada vez mais para investirem na nossa dívida.
Nota: Artigo A. Financeira.

De assustar é que acontece precisamente com uma Cimeira a decorrer. Ou já não acreditam ou estão a gozar connosco. Afinal mudar de governo não trouxe nenhum benefício, antes pelo contrário. As culpas que antes só eram de Sócrates, começam agora a ser da Alemanha, porque para alguns nunca serão deste governo.

http://www.jornaldenegoci...

http://www.youtube.com/wa...
A face oculta de Sócrates
Re: Sebald ainda simboliza a Alemanha
Re: Sebald ainda simboliza a Alemanha
Ó Henrique!
Quer um conselho? Venda o livro e compre uns óculos novos: parece-me que com esses vê muito mal (e assim já não aparece de olhinho fechado nas fotos)...
'Sebald ainda simboliza a Alemanha?
Confesso que há coisas que me perturbam na sua narrativa típica, Henrique... mesmo quando começam bem, acabam mal. Talvez eu seja demasiado ingénuo.

Mas antes... o livro parece interessante. Descobri agora mesmo que não sou literato, uma vez que nunca tinha ouvido falar de Sebald. Mas eu gosto de livros, e é bom saber onde os há bons.

Mas depois chega-se ao último parágrafo. A Alemanha tem sido uma das colunas inegáveis da Europa, e muito tem feito por ela. Àqueles que gostam de dizer que a Alemanha está farta de abrir o bolso e dando-lhe razão por isso, eu retruco, mas olhem como ela está mais rica do que nunca! Não há aqui um argumento de inveja tipo "os ricos que paguem a crise", não, a ideia é outra: A Europa é uma boa ideia, onde países como a Alemanha só podem prosperar! É por isso que nunca me fez sentido afirmar-se que a Alemanha fosse Europeísta devido ao fantasma de Hitler. Era-o porque isso fazia sentido, e consequentemente, a Europa era forte, e a Alemanha grande com ela.

Face a essa Alemanha, a atual é ambígua, hesitante no Europeísmo, e frequentemente acusada de egoísta e egocêntrica. Henrique diz que é por ela pensar sem o fantasma de Hitler e que isso é bom. Bom?... A Europa está em estilhaços com uma recessão que não se previa por causa disso, e isso é bom???

Há um equívoco aqui. Não era o fantasma de Hitler que ensombrava a Alemanha ou a Europa, era o da 2ª guerra mundial... e esquecê-lo, não é bom, é MAU!
Crónicas
Com alguma regularidade, HR tem assomos de pequeno intelectual, trazendo à baila temas que, calacula, podem atemorizar os comentadores de largo espectro.

Desconhecia que este romacista tivesse sido considerado "da moda" pois o tema a que recorre tem sido escalpelizado em centenas de escritos.

O sentimento de culpa e até de espanto, que muitos alemães transportam, perguntando-se como foi possível tal disparate, vão atenuando com o tempo. Nada de novo e de especial relevo.
O mesmo sentimento ou parecido atravessa a sociedade japonesa, com a renúncia total às armas, com um exército desarmado, ate há muito pouco tempo. Começam agora a libertar-se dos fantasmas. São fenómenos irrepetíveis, caldos de cultivo de humilhações e complexos, que convém analisar e remeter para as academias, onde devem ser dissecados por investigadores.....
Alemanha pos fantasma de Hitler
Caro Henrique Raposo

Não li Sebald por isso não estou em condições de analisar o texto que faz, mas achei particularmente interessante a conclusão da sua crónica:

"(...) uma Alemanha que pensa a sua relação com os outros sem o fantasma de Hitler"

Aqui não sei se concordo. É um facto que a Alemanha teve um progresso formidável nos últimos 70 anos a todos os níveis: económico, social, humanista, cultural, etc mas ainda se sente o fantasma de Hitler.

Encontrava-me em Israel há uns anos quando li num dos seus jornais (Haretz ou Jerusalem Post, não me recordo bem) uma estatística sobre os sentimentos do israelitas judeus sobre a forma como os vários países do mundo defendiam israel. Aquele que colocavam no topo era a Alemanha e só depois os USA. Na altura fiquei curioso porque ninguém tem dúvidas que os cheques em branco que sustentam este país têm a sua origem no estado americano e nos lobbies judeus americanos.

Passei a estar atento, e notei como mesmo nos mais sinistros dos actos do governo israelita, mesmo quanto até Bush perdia a paciência, a Alemanha mantinha um silêncio profundo. Por outro lado, tinham um gatilho rápido quando se tratava de qualquer crime cometido pelos palestinianos.

(continua)

http://oreivaivestido.blo...
Re: Alemanha pos fantasma de Hitler
Re: Alemanha pos fantasma de Hitler
Re: Alemanha pos fantasma de Hitler
Re: Alemanha pos fantasma de Hitler
Re: Alemanha pos fantasma de Hitler
Re: Alemanha pos fantasma de Hitler
não sei...
... se ainda bem, se ainda mal... o fantasmazinho de Hitler a pairar sobre aquele povo é capaz de não ser mau... digo eu..

http://barbarraridades.bl...
Re: Sebald ainda simboliza a Alemanha?

Em Itália é necessário irmos aos votos.
Basta dum governo técnico.

A Palavra deve ser restituída ao Povo Soberano.

      ἄѵϑος

Είστε ένα&
Re: Είστε έν
È vero!
Re: =»
Re: =»
lol
O conceito de Mittelstand é que caracteriza a Alemanha de hoje e de amanha, e é este que tem sido feito durante décadas. Resultado; crescimento e estabilidade económica. Cá brincou-se aos subsidios, para os jipes, obras públicas com pouco impacto na economia etc etc etc.. Engloba todos os governos pós 25 de Abril (PS/PSD e CDS). Uma cambada de burros!!!
Não dances sobre bunkers...
Re: Não dances sobre bunkers...
Sieg Heil!
O fabtasma de Hitler está bem presente em Angela Merkel. A Alemanha de 2012 é, tal como a Alemanha de 1933, um instrumento de opressão que ameaça toda a europa. Graças à Alemanha de 2012 temos hoje, em plena europa democrática, dois governos não eleitos e mais uns quantos governos fantoche que nem orçamento podem ter sem o aval reichfürerin: a mesma que faz caretas sempre quelhe falam em «eleições».
Comentários 30 Comentar

Últimas


Edição Diária 17.Abr.2014

Leia no seu telemóvel, tablet e computador

PUBLICIDADE

Pub