Anterior
"Os media têm um papel fundamental na democracia" (vídeo)
Seguinte
RTP: PT, ZON e Vodafone dizem não (vídeo)
Página Inicial   >  Dossiês  >  Dossies Economia  >  Media do Futuro  >   "Se a ideia é acabar connosco, arrisca-se a ser eficaz" (vídeo)

"Se a ideia é acabar connosco, arrisca-se a ser eficaz" (vídeo)

Francisco Pinto Balsemão abriu os trabalhos na conferência Media do Futuro, organizada pelo Expresso e pela SIC Notícias, que decorre hoje em Lisboa. O presidente do Grupo Impresa não poupou a críticas ao Governo no que considera ser a "decisão apressada" de privatizar a RTP. Clique para visitar o dossiê Media do Futuro
|
A conferência Media do Futuro é organizada pelo Expresso e pela SIC Notícias e está a decorrer no Hotel Ritz, em Lisboa
A conferência Media do Futuro é organizada pelo Expresso e pela SIC Notícias e está a decorrer no Hotel Ritz, em Lisboa /  Alberto Frias

"O funcionamento da democracia portuguesa está em causa". As palavras são de Francisco Pinto Balsemão, no discurso de abertura dos trabalhos da conferência Media do Futuro, a decorrer hoje no Hotel Ritz em Lisboa.

Clique para aceder
ao índice do dossiê
Media do Futuro


Perante uma plateia com mais de 350 pessoas, o patrão do Grupo Impresa apresentou um discurso rápido que dividiu em quatro pontos claros: a importância do papel dos Media independentes para uma democracia substantiva; os desafios conjunturais que o setor enfrenta com a retração do mercado publicitário; os desafios estruturais com a transferência para o digital e, por último, os efeitos da privatização "apressada" da RTP.

Consequências em cascata


Para Balsemão não restam quaisquer dúvidas: a privatização da RTP provocará um "aumento de 40 por cento do espaço publicitário disponível", o que, combinado com as "quebras de mais de 30 por cento na procura que já se sentiram este ano", resultarão num "efeito devastador", provocando uma "queda potencial de 60% no setor". Esta quebra terá "consequências em cascata", "atingindo não só a televisão, mas também as rádios, a imprensa e a Internet".

Na conclusão, o fundador do Expresso deixou duas dúvidas, às quais deu também a resposta: "Se a ideia não é acabar connosco, parece", "se a ideia é acabar connosco, arrisca-se a ser eficaz".

Numa altura em que os órgãos de comunicação tradicionais se encontram numa situação crítica de redefinição devido à crise à transferência para o digital, hoje, mais do que nunca, urge discutir e perceber o papel da comunicação social no mundo que nos rodeia e a sua integração nas novas realidades.

É neste âmbito que vai avançar ao longo de todo o dia a conferência Media do Futuro, organizada em conjunto pelo Expresso e pela SIC Notícias.

Veja o discurso de Francisco Pinto Balsemão na abertura da conferência Media do Futuro


Leia o discurso de Francisco Pinto Balsemão na íntegra

4 rápidas observações introdutórias:

1. Nunca é demais sublinhar o papel fundamental que os media profissionais, independentes,desempenham numa democracia que se quer substantiva e num momento em que é fundamental fomentar a coesão social e unir o país em torno de desígnios comuns e partilhados.

2. São tremendos os desafios conjunturais que o setor dos media enfrenta, hoje, em Portugal, (e que decorrem da retração de um mercado publicitário que reage sempre de forma muito elástica às variações do PIB).

3. Não são menos relevantes os desafios estruturais que os media travam, genericamente ligados à transição para o digital, e que requerem capacidade de investimento e de inovação para que se possam constituir em verdadeiras oportunidades (exemplos: OTT, Tabletes, etc..).

4. Deve ficar bem claro que o setor não reclama ajudas de qualquer tipo, tem financiado a sua própria mudança, está preparado para ajudar o país a ganhar competitividade, estará à altura das suas responsabilidades sociais, mas não pode aceitar que seja o próprio Governo a introduzir mais elementos de disrupção que ponham em causa todos os objetivos económicos e sociais, sem benefícios evidentes para ninguém. Falo em particular de um processo apressado de privatização da RTP que, não maximizando os benefícios potenciais para o Estado, lançará o setor - todo o setor, não apenas a televisão - para uma crise que será impeditiva da indispensável transformação em curso.

Vale a pena, para que não se pense que exagero, que se tenha a consciência da magnitude do que estamos a falar:

- A procura de publicidade em televisão diminuiu cerca de 30% entre 2007 e 2011.

- Em 2012 cairá mais 5%? Mais 10%? Ninguém pode saber ao certo.

- Com a privatização, nos moldes anunciados esta semana - manutenção dos 6 minutos por hora no canal de serviço público, mais 12 minutos no canal privatizado - estaremos a falar de um aumento de 40% da oferta de espaço publicitário.

- Oo efeito combinado destes dois fatores provocará uma queda potencial de receita em torno dos 60% para os operadores privados existentes, com dramáticos efeitos em cascata sobre a Imprensa, a Rádio, a Internet. Se a ideia não é acabar connosco, com os operadores privados, com os produtores independentes, com os jornais e com as rádios privadas, parece. Se é, arrisca-se a ser eficaz.

E aí, voltamos à minha primeira observação: nem os mais empedernidos monetaristas aceitarão que se trata apenas de uma questão de mortos e vivos, de uns que saem e de outros que entram, portugueses ou estrangeiros, quando é o funcionamento da democracia portuguesa que está em causa.

Acabar com o que ainda existe de jornalismo livre e independente em Portugal, ou mesmo limitar as condições do seu exercício é altamente perigoso nos tempos que hoje vivemos.

Conferência Media do Futuro

Organizada pelo Expresso e pela SIC Notícias, a Conferência Media do Futuro está a debater os desafios que se opõem às estruturas mediáticas tendo em conta o panorama atual, tanto no que toca à digitalização dos mass media, à crise e à concorrência.

A Conferência vai decorrer até ao final da tarde de hoje no Hotel Ritz, em Lisboa.


Opinião


Multimédia

O papa-medalhas que veio do espaço

O atleta português mais medalhado de sempre, Francisco Vicente, regressou dos campeonatos europeus de veteranos, na Turquia, com novas lembranças ao pescoço. Três de ouro e duas de prata para juntar à coleção. Tem 81 medalhas, uma por cada ano de vida.

Tudo o que precisa de saber sobre o ébola, em dois minutos

Porque é que este está a ser o pior surto da história? Como é que os primeiros sintomas se confundem com os de outras doenças? É possível viajar depois de ter contraído o vírus, sem transmitir a doença? E estamos ou não perto de ter uma vacina? O Expresso procurou as respostas a estas e outras dúvidas sobre o ébola.

United Colors of Gnocchi

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Vai pagar mais ou menos IRS? Veja as simulações

Reforma do imposto protege quem tem dependentes a cargo, mas pode penalizar os restantes contribuintes. Função pública e pensionistas vão ter mais dinheiro disponível. Veja simulações para vários casos.

A última viagem do navio indesejado

Construído nos Estaleiros de Viana e pensado para fazer a ligação entre ilhas nos Açores, o Atlântida foi recusado pelo Governo Regional por alegadamente não atingir a velocidade pretendida. Contando com os custos associados à dissolução do contrato, o prejuízo ascendeu a 70 milhões de euros. Foi agora comprado a "preço de saldo", para mudar de nome e ser reconvertido num cruzeiro na Amazónia. Fizemos a última viagem do Atlântida e vamos mostrar-lhe os segredos do navio.

Strogonoff de peixe espada preto

Faz agora cinco anos que o Chefe Tiger, especialista em pratos de confeção acessível e com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, começou esta aventura gastronómica. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Caril de banana

Faz agora cinco anos que o Chefe Tiger, especialista em pratos de confeção acessível e com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, começou esta aventura gastronómica. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Tem três minutinhos? Vamos explicar-lhe o que muda no orçamento de 350 mil portugueses (e no de muitas empresas)

O novo salário mínimo entrou em vigor. São mais €20 brutos para cerca de 350 mil portugueses (números do Ministério da Segurança Social, porque os sindicatos falam em 500 mil trabalhadores). Mudou o valor, mas também os descontos que as empresas fazem para a Segurança Social. Porque se trata de uma medida que afeta a vida de muitos portugueses, queremos explicar o que se perde e o que se ganha, o que se altera e o que se mantém.

Cantaril com risotto de espargos

Faz agora cinco anos que o Chefe Tiger, especialista em pratos de confeção acessível e com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, começou esta aventura gastronómica. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Music fighter: temos Marco Paulo e Bruno Nogueira numa batalha épica

Está preparado para um dos encontros mais improváveis na história da música portuguesa? O humorista Bruno Nogueira e a cantora Manuela Azevedo, dos Clã, pegaram em várias músicas consideradas "pimba" - daquelas que ninguém admite ouvir mas que, no fundo, todos vão dançar assim que começam a tocar - e deram-lhe novos arranjos, num projeto que chegou aos coliseus de Lisboa e do Porto.  "Ninguém, ninguém", de Marco Paulo, tem possivelmente a introdução mais acelerada e frenética do panorama musical português. Mas, no frente-a-frente, quem é o mais rápido? Vai um tira-teimas à antiga?

Dez verdades assustadoras sobre filmes de terror

Este vídeo é como o monstro de "Frankenstein": ganhou vida graças à colagem de partes de alguns dos filmes mais aterrorizantes de sempre. Com uma ratazana mutante e os organizadores do festival de cinema de terror MotelX pelo meio. O Expresso foi à procura das razões que explicam o fascínio pelo terror, com muito sangue (feito de corante alimentar) à mistura. 

A paixão do vinil

Se para muitos o vinil é apenas uma moda que faz parte da cultura do revivalismo vintage, para outros ver o disco girar nunca deixou de ser algo habitual.

Portugal foi herdado, comprado ou conquistado?

Era agosto em Lisboa e, às portas de Alcântara, milhares de homens lutavam por dois reis, participando numa batalha decisiva para os espanhóis e ainda hoje maldita. Aconteceu em agosto de 1580. Mais de 400 anos depois, o Expresso deu-lhe vida, fazendo uma reconstituição do confronto através do recorte e animação digital de uma gravura anónima da época.

O Maradona dos bancos centrais

Dizer que Mario Draghi está a ser uma espécie de Maradona dos bancos centrais pode parecer estranho. Mas não é exagerado. Os jornalistas João Silvestre e Jorge Nascimento Rodrigues explicaram porquê num conjunto de artigos publicado no Expresso em Novembro de 2013 e que venceu em junho deste ano o prémio de jornalismo económico do Santander e da Universidade Nova. O trabalho observa ainda o desempenho de Ben Bernanke no combate à crise, revisita a situação em Portugal e arrisca um ranking dos 25 principais governadores de bancos centrais. Republicamos os artigos num formato especial desenvolvido para a web.

Com Deus na alma e o diabo no corpo

Quem os vê de fora pode pensar que estão possuídos. Eles preferem sublinhar o lado espiritual e terapêutico desta dança - chamam-lhe "krump" e nasceu nos bairros pobres dos Estados Unidos. De Los Angeles para Chelas, em Lisboa, já ajudou a tirar jovens do crime. Ligue o som bem alto e entre com o Expresso no bairro. E faça o teste: veja se consegue ficar quieto.


Comentários 24 Comentar
ordenar por:
mais votados
Será que Relvas é sócio de Nuno Vasconcelos?
Se Miguel Relvas é ou foi sócio de Nuno Vasconcelos, convém não levar para o Governo esses seus interesses,porque pode dar mau resultado.E se o objectivo secreto é atacar Balsemão e o Grupo Impresa que lidera, nem sabe a guerra que está a comprar.
Há um velho ditado que diz: não jogues as pêras com o teu Senhor porque ele come as maduras e dá-te as verdes.
E quem nos avisa,nosso amigo é.
Re: Será que Relvas é sócio de Nuno Vasconcelos?
Re: Será que Relvas é sócio de Nuno Vasconcelos?
Re: Será que Relvas é sócio de Nuno Vasconcelos?
A receita é simples: nivele por cima!
Sobressaia do tele-lixo em que está transformado o espaço televisivo
Angarie anunciantes que paguem por 30 segundos de publicidade o equivalente aos detergentes e pensos higiénicos à hora do jantar.

Olhe, faça serviço público de televisão. Quantas vezes está a acabar um prazo de qualquer coisinha, e a RTP népia? Ou há uma mudança numa lei fundamental, e a televisão do estado nem diz ao incauto para ir consultar?

Livre-se de concursos imbecis - há muito disso - e devolva cinema e noites de teatro (nenhum o faz), documentários tipo National Geografic.

Faça da televisão um prazer em assistir, em vez de um gosto em mudar de canal.
Neste momento no espaço português, não é difícil...
Parece que o tiro saiu pela culatra...

Parece que o tiro saiu pela culatra... O Expresso e a SIC fizeram tudo que foi possível para derrubar o Sócrates...Foi um combate árduo... O Sócrates ficou sob um fogo cerrado e intenso... E teve que largar o osso...

Só que o Passos, embora seja da mesma cor política, não está a ir em conversas... Quer privatizar a RTP.

Sim... O Passos arrisca-se... O poder da mídia é imenso... Move montanhas... principalmente as que parem ratos como a Presidência da República...

Não é por acaso que o Cavaco está tendo tanta exposição mediática.. Como ponta de lança, em princípio, é uma boa arma. Os ataques que o Cavaco faz a política econômica do Passos, certamente, não é coisa de acaso ou uma excelsa competência de Sua Excelência.
O liberalismo em Portugal virá socialismo !!!!

O liberalismo em Portugal virá socialismo !!!!

Coisa muita estranha... A iniciativa privada em Portugal não quer a liberdade de mercado... Querem os panos quentes do governo... Eles querem entrar com os dentes e o governo que entre com a *****!!!

Eis como funcionam as ideologias em Portugal... Não passam de coisas de ocasião... Vendem-se por qualquer preço de mercado
Se é acabar connosco arrisca-se a ser eficaz
Depois de Marques Mendes, Ferreira Leite, Pacheco Pereira, Graça Moura, Cavaco, vem agora o pai deles todos dizer que o Rei vai nu. Já são vozes de mais para estarem errados, mas desta vez não me engano e não tenho duvidas que estão mesmo certos. Tenho de reconhecer que fizeram o possível para que não tivesse alcançado o poder, mas tal como as pessoas, também há Países com azar. Disse-o mais que uma vez que no caso de Passos ganhar as eleições seria o coveiro do PSD. Já não resta duvidas que além do partido também o vai ser do País. Nunca um Primeiro Ministro mentiu tanto em tão pouco tempo. É a maior fraude eleitoral a que já assistimos depois de 74.

http://www.youtube.com/wa...

http://www.youtube.com/wa...
o abraçinho nao serviu de nada afinal...
pois é,Dr.Balsemão, afinal o abraço ao PPC nao serviu de muito...olhe, junte-se à banda e siga a festa!
ou então, faça como o Nicolau, seu colaborador...cerre os dentes!
Vá lá Doutor

Não seja tão amargo. Vivemos tempos difíceis e em tempos difíceis onde comem 2 comem 3.
Ou como dizem os brasileiros bota-se mais água no feijão!
Re: Vá lá Doutor
Re: Vá lá Doutor
Re: Vá lá Doutor
Re: Vá lá Doutor
Re: Vá lá Doutor
Então sente os calos apertados!?
Está apenas com medo que o governo corte os 30 milhões anuais à SIC (e TVI) pelo chamado "serviço público"... Afinal "eles comem todos" erecebem salários milionários à conta do povo imbecil que vota sempre em eunucos, que apenas sabem defender os interesses dos seus amos europeus, a Banca Alemã...

Balsemão o aprendiz de feiticeiro.
Pois é a vida tem destas coisas.
Ainda há poucos meses Balsemão & friends (leia-se Cavaco, Ferreira Leite , Marcelo, etc) fizeram tudo, mas mesmo tudo, para correrem com o Sócrates mesmo que isso quizesse dizer que abririam a porta do poder a um grupo de autênticos talibans de direita, de tão fundamentalistas pelo mercado que eles são.
Enquanto eram apenas ataques a trabalhadores e reformados as coisas estavam bem.
Mas agora destruir a classe média e e o pouco tecido empresarial é que já não pode ser!
Só me faz lembrar o poema do Brecht " a indiferença" que é assim:
Primeiro levaram os comunistas,
Mas eu não me importei
Porque não era nada comigo.

Em seguida levaram alguns operários,
Mas a mim não me afectou
Porque eu não sou operário.

Depois prenderam os sindicalistas,
Mas eu não me incomodei
Porque nunca fui sindicalista.

Logo a seguir chegou a vez
De alguns padres, mas como
Nunca fui religioso, também não liguei.

Agora levaram-me a mim
E quando percebi,
Já era tarde.
Aconselho todos a ler o artigo do nicolau Santos de 17/10 a proposito do OE para 2012 e cujo titulo já é apelativo "Uma raiva a nascer-me nos dentes"
Por tudo isto e muito mais é melhor agir antes que seja tarde!

Re: Balsemão o aprendiz de feiticeiro.
Re: Balsemão o aprendiz de feiticeiro.
Re: Balsemão o aprendiz de feiticeiro.
Re: Balsemão o aprendiz de feiticeiro.
Re: Balsemão o aprendiz de feiticeiro.
Re: Balsemão o aprendiz de feiticeiro.
Re: Balsemão o aprendiz de feiticeiro.
Comentários 24 Comentar

Últimas


Edição Diária 17.Abr.2014

Leia no seu telemóvel, tablet e computador
PUBLICIDADE

Pub