Anterior
"Os media têm um papel fundamental na democracia" (vídeo)
Seguinte
RTP: PT, ZON e Vodafone dizem não (vídeo)
Página Inicial   >  Dossiês  >  Dossies Economia  >  Media do Futuro  >  "Se a ideia é acabar connosco, arrisca-se a ser eficaz" (vídeo)

"Se a ideia é acabar connosco, arrisca-se a ser eficaz" (vídeo)

Francisco Pinto Balsemão abriu os trabalhos na conferência Media do Futuro, organizada pelo Expresso e pela SIC Notícias, que decorre hoje em Lisboa. O presidente do Grupo Impresa não poupou a críticas ao Governo no que considera ser a "decisão apressada" de privatizar a RTP. Clique para visitar o dossiê Media do Futuro
|
A conferência Media do Futuro é organizada pelo Expresso e pela SIC Notícias e está a decorrer no Hotel Ritz, em Lisboa
A conferência Media do Futuro é organizada pelo Expresso e pela SIC Notícias e está a decorrer no Hotel Ritz, em Lisboa /  Alberto Frias

"O funcionamento da democracia portuguesa está em causa". As palavras são de Francisco Pinto Balsemão, no discurso de abertura dos trabalhos da conferência Media do Futuro, a decorrer hoje no Hotel Ritz em Lisboa.

Clique para aceder
ao índice do dossiê
Media do Futuro


Perante uma plateia com mais de 350 pessoas, o patrão do Grupo Impresa apresentou um discurso rápido que dividiu em quatro pontos claros: a importância do papel dos Media independentes para uma democracia substantiva; os desafios conjunturais que o setor enfrenta com a retração do mercado publicitário; os desafios estruturais com a transferência para o digital e, por último, os efeitos da privatização "apressada" da RTP.

Consequências em cascata


Para Balsemão não restam quaisquer dúvidas: a privatização da RTP provocará um "aumento de 40 por cento do espaço publicitário disponível", o que, combinado com as "quebras de mais de 30 por cento na procura que já se sentiram este ano", resultarão num "efeito devastador", provocando uma "queda potencial de 60% no setor". Esta quebra terá "consequências em cascata", "atingindo não só a televisão, mas também as rádios, a imprensa e a Internet".

Na conclusão, o fundador do Expresso deixou duas dúvidas, às quais deu também a resposta: "Se a ideia não é acabar connosco, parece", "se a ideia é acabar connosco, arrisca-se a ser eficaz".

Numa altura em que os órgãos de comunicação tradicionais se encontram numa situação crítica de redefinição devido à crise à transferência para o digital, hoje, mais do que nunca, urge discutir e perceber o papel da comunicação social no mundo que nos rodeia e a sua integração nas novas realidades.

É neste âmbito que vai avançar ao longo de todo o dia a conferência Media do Futuro, organizada em conjunto pelo Expresso e pela SIC Notícias.

Veja o discurso de Francisco Pinto Balsemão na abertura da conferência Media do Futuro


Leia o discurso de Francisco Pinto Balsemão na íntegra

4 rápidas observações introdutórias:

1. Nunca é demais sublinhar o papel fundamental que os media profissionais, independentes,desempenham numa democracia que se quer substantiva e num momento em que é fundamental fomentar a coesão social e unir o país em torno de desígnios comuns e partilhados.

2. São tremendos os desafios conjunturais que o setor dos media enfrenta, hoje, em Portugal, (e que decorrem da retração de um mercado publicitário que reage sempre de forma muito elástica às variações do PIB).

3. Não são menos relevantes os desafios estruturais que os media travam, genericamente ligados à transição para o digital, e que requerem capacidade de investimento e de inovação para que se possam constituir em verdadeiras oportunidades (exemplos: OTT, Tabletes, etc..).

4. Deve ficar bem claro que o setor não reclama ajudas de qualquer tipo, tem financiado a sua própria mudança, está preparado para ajudar o país a ganhar competitividade, estará à altura das suas responsabilidades sociais, mas não pode aceitar que seja o próprio Governo a introduzir mais elementos de disrupção que ponham em causa todos os objetivos económicos e sociais, sem benefícios evidentes para ninguém. Falo em particular de um processo apressado de privatização da RTP que, não maximizando os benefícios potenciais para o Estado, lançará o setor - todo o setor, não apenas a televisão - para uma crise que será impeditiva da indispensável transformação em curso.

Vale a pena, para que não se pense que exagero, que se tenha a consciência da magnitude do que estamos a falar:

- A procura de publicidade em televisão diminuiu cerca de 30% entre 2007 e 2011.

- Em 2012 cairá mais 5%? Mais 10%? Ninguém pode saber ao certo.

- Com a privatização, nos moldes anunciados esta semana - manutenção dos 6 minutos por hora no canal de serviço público, mais 12 minutos no canal privatizado - estaremos a falar de um aumento de 40% da oferta de espaço publicitário.

- Oo efeito combinado destes dois fatores provocará uma queda potencial de receita em torno dos 60% para os operadores privados existentes, com dramáticos efeitos em cascata sobre a Imprensa, a Rádio, a Internet. Se a ideia não é acabar connosco, com os operadores privados, com os produtores independentes, com os jornais e com as rádios privadas, parece. Se é, arrisca-se a ser eficaz.

E aí, voltamos à minha primeira observação: nem os mais empedernidos monetaristas aceitarão que se trata apenas de uma questão de mortos e vivos, de uns que saem e de outros que entram, portugueses ou estrangeiros, quando é o funcionamento da democracia portuguesa que está em causa.

Acabar com o que ainda existe de jornalismo livre e independente em Portugal, ou mesmo limitar as condições do seu exercício é altamente perigoso nos tempos que hoje vivemos.

Conferência Media do Futuro

Organizada pelo Expresso e pela SIC Notícias, a Conferência Media do Futuro está a debater os desafios que se opõem às estruturas mediáticas tendo em conta o panorama atual, tanto no que toca à digitalização dos mass media, à crise e à concorrência.

A Conferência vai decorrer até ao final da tarde de hoje no Hotel Ritz, em Lisboa.


Opinião


Multimédia

Quase ninguém ficou em casa

Foi num 25 de Abril como o deste sábado, mas há 40 anos e numa liberdade então recentemente tomada: a 25 de Abril de 1975, Portugal testemunhou as primeiras eleições livres e universais após quase meio século de ditadura. Estas são as histórias, os retratos, os apelos e as memórias de um tempo que mudou o rosto do país.

Edwin. O rapaz que aprendeu a sonhar

O que Edwin sabia sobre a vida era sobreviver. Na cabeça dele não cabiam sonhos e os dias eram passados à procura de comida para ele e para a mãe e para o irmão. A fome espreitava nos cantos da barraca de palha no Quénia e ele escondia-se dela como podia - chupar as pedras era uma forma de a enganar. Mas a sorte dele mudou porque alguém viu nele outra coisa. E tudo começou numa dança. Agora, os mesmos dedos que agarravam as pedras tocam hoje teclas de um piano Bechstein. E os pés dele já não estão nus mas calçados. Com chuteiras. Primeiro no Benfica, agora no Estoril, o miúdo de 15 anos que fala como gente grande descobriu que tinha um sonho: ser futebolista. Como Drogba.

26 mil esferográficas, 14 mil urnas e 760 quilos de lacre. Os números de uma eleição histórica

Mais de mil caixas de lacre foram usadas pelas secções de voto que por todo o país, no dia 25 de abril de 1975, recolheram os boletins de milhões de eleitores. O Expresso percorreu os quatro mapas de despesas das eleições para a Assembleia Constituinte, elaborados pelo STAP, para saber quanto dinheiro esteve envolvido, onde e como foi gasto. Cada valor em escudos foi convertido para euros a preços correntes, tendo em conta a inflação. 

Todas as ilhas têm a sua nuvem

Raul Brandão chamou-lhe 'A Ilha Branca'. Como viajante digo que tem um verde diferente das outras oito que com ela formam o arquipélago dos Açores. É tenra, mansa, repousante e simultaneamente desafiante. Esconde segredos como a lenda da Maria Encantada e um vulcão florestado a meio do século passado que nos transporta para uma dimensão sulfurosa e mágica. Obrigatória para projetos de férias de natureza.

Em três quartos de hora não se esquece só a idade. "Esquece-se o mundo"

Maria do Céu dá três voltas ao lar sempre que pode. Edviges vai a todos os velórios, faz hidroginástica e sopas de letras. António dá um apoio na Igreja e nos escuteiros. Tudo é uma ajuda para passar os dias quando se tornam todos iguais. No Pinhal Interior Sul, a região mais envelhecida da União Europeia, quase um terço da população tem mais de 65 anos. Os mais velhos ficaram, os mais novos partiram.

Profissão: Sniper

O Expresso foi ver como são selecionados, que armas usam, para que missões estão preparados os snipers da Força de Operações Especiais do Exército. São uma elite dentro da elite. Um pelotão restrito. Anónimo. Treinam diariamente com um único objetivo: eliminar um alvo à primeira, mesmo que esteja a centenas de metros. Humano ou material. Sem dramas morais, dizem.

Xarém com conquilhas

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione com esta nova receita.

O que se passa dentro da cabeça dele

O que leva um tipo a quem iam amputando uma perna a regressar ao sítio onde os ossos se desfizeram, uma e outra vez, e testar os limites do seu corpo? Resposta: a busca pelo salto perfeito, que ele diz existir dentro dele e que ele encontrará mais dia menos dia. É a fé e a confiança que o movem e o levam a pular para lá do que é exigido a um campeão olímpico e mundial que não tem mais nada a provar a ninguém - a não ser a ele próprio. Este é um trabalho que publicámos em agosto de 2014, quando o saltador se preparava para os Europeus e falava das metas que tinha traçado para 2015 e 2016: mostrar que não estava acabado. Sete meses depois, provou-o no Europeu de pista coberta em Praga, onde venceu este fim de semana.

Amadeu, que aprendeu o mundo no campo e tinha o coração na ponta dos dedos

Em Portugal, a dedicação à língua mirandesa tem nome próprio: Amadeu Ferreira, o jurista da CMVM que - quando todos diziam que "era uma loucura impossível" - arranjou tempo para traduzir "Os Lusíadas", a "Mensagem", os quatro Evangelhos da Bíblia e ainda duas aventuras do Asterix para uma língua que pertence a um cantinho do nordeste português e é falada por menos de 15 mil pessoas. No final de 2014 deu ao Expresso aquela que viria a ser a sua última entrevista. Morreu no passado domingo e esta quinta-feira foi lançada a sua biografia, "O fio das lembranças", com quase 800 páginas.

Temos 16 imagens que não explicam o mundo, mas que ajudam a compreendê-lo

O júri do World Press Photo queria dar o prémio maior da edição deste ano (e talvez das edição todas) a uma fotografia com "potencial para se tornar icónica". A primeira imagem desta fotogaleria, por ser "esteticamente poderosa" e "revelar humanidade", é o que o júri procurava. A fotografia de um casal homossexual russo, a grande vencedora, é a primeira de 16 imagens de uma seleção onde há Messi desolado, migrantes em condições indignas no Mediterrâneo, a aflição do ébola, mistérios afins e etc - são os contrastes do mundo.

Vamos falar de sexo. Seis portugueses revelam tudo o que lhes dá prazer na cama

Neste primeiro episódio de uma série que vai durar sete semanas, seis entrevistados falam abertamente sobre aquilo que lhes dá mais satisfação na intimidade. Sexo em grupo, sexo na gravidez, prazer sem orgasmo e melhor sexo após a menopausa são alguns dos temas referidos nos testemunhos desta semana. O psiquiatra Francisco Allen Gomes explica ainda a razão de muitas mulheres fingirem o orgasmo. O Expresso e a SIC falaram com 33 portugueses que deram a cara e o testemunho de como são na cama. Ao longo das próximas sete semanas, contamos-lhe tudo.

Elvis. Gostamos ou não gostamos?

Ele não é consensual, mas é incontornável. Dispunha de penteado majestoso e patilha marota, aparentava olhar matador e pose atrevida. E deixou canções: umas fáceis e outras nem tanto, por vezes previsíveis e às vezes inesperadas, ora gentis ora aceleradas. E ele, Elvis, nasceu em janeiro de 1934 - há precisamente 40 anos, ao oitavo dia. Temos quatro textos sobre o artista: Nicolau Santos, Rui Gustavo, Nicolau Pais e João Cândido da Silva explicam o que apreciam, o que toleram e o que não suportam.

A última viagem do navio indesejado

Construído nos Estaleiros de Viana e pensado para fazer a ligação entre ilhas nos Açores, o Atlântida foi recusado pelo Governo Regional por alegadamente não atingir a velocidade pretendida. Contando com os custos associados à dissolução do contrato, o prejuízo ascendeu a 70 milhões de euros. Foi agora comprado a "preço de saldo", para mudar de nome e ser reconvertido num cruzeiro na Amazónia. Fizemos a última viagem do Atlântida e vamos mostrar-lhe os segredos do navio.

Desfile de vedetas

Saiba tudo sobre os modelos concorrentes ao Carro do Ano 2015/Troféu Essilor Volante de Cristal. Conheça o essencial sobre os 20 automóveis participantes nesta iniciativa, da estética, às características técnicas, do preço ao consumo. A apresentação ficará completa no dia 3 de janeiro.


Comentários 24 Comentar
ordenar por:
mais votados
Será que Relvas é sócio de Nuno Vasconcelos?
Se Miguel Relvas é ou foi sócio de Nuno Vasconcelos, convém não levar para o Governo esses seus interesses,porque pode dar mau resultado.E se o objectivo secreto é atacar Balsemão e o Grupo Impresa que lidera, nem sabe a guerra que está a comprar.
Há um velho ditado que diz: não jogues as pêras com o teu Senhor porque ele come as maduras e dá-te as verdes.
E quem nos avisa,nosso amigo é.
Re: Será que Relvas é sócio de Nuno Vasconcelos?
Re: Será que Relvas é sócio de Nuno Vasconcelos?
Re: Será que Relvas é sócio de Nuno Vasconcelos?
A receita é simples: nivele por cima!
Sobressaia do tele-lixo em que está transformado o espaço televisivo
Angarie anunciantes que paguem por 30 segundos de publicidade o equivalente aos detergentes e pensos higiénicos à hora do jantar.

Olhe, faça serviço público de televisão. Quantas vezes está a acabar um prazo de qualquer coisinha, e a RTP népia? Ou há uma mudança numa lei fundamental, e a televisão do estado nem diz ao incauto para ir consultar?

Livre-se de concursos imbecis - há muito disso - e devolva cinema e noites de teatro (nenhum o faz), documentários tipo National Geografic.

Faça da televisão um prazer em assistir, em vez de um gosto em mudar de canal.
Neste momento no espaço português, não é difícil...
Parece que o tiro saiu pela culatra...

Parece que o tiro saiu pela culatra... O Expresso e a SIC fizeram tudo que foi possível para derrubar o Sócrates...Foi um combate árduo... O Sócrates ficou sob um fogo cerrado e intenso... E teve que largar o osso...

Só que o Passos, embora seja da mesma cor política, não está a ir em conversas... Quer privatizar a RTP.

Sim... O Passos arrisca-se... O poder da mídia é imenso... Move montanhas... principalmente as que parem ratos como a Presidência da República...

Não é por acaso que o Cavaco está tendo tanta exposição mediática.. Como ponta de lança, em princípio, é uma boa arma. Os ataques que o Cavaco faz a política econômica do Passos, certamente, não é coisa de acaso ou uma excelsa competência de Sua Excelência.
O liberalismo em Portugal virá socialismo !!!!

O liberalismo em Portugal virá socialismo !!!!

Coisa muita estranha... A iniciativa privada em Portugal não quer a liberdade de mercado... Querem os panos quentes do governo... Eles querem entrar com os dentes e o governo que entre com a *****!!!

Eis como funcionam as ideologias em Portugal... Não passam de coisas de ocasião... Vendem-se por qualquer preço de mercado
Se é acabar connosco arrisca-se a ser eficaz
Depois de Marques Mendes, Ferreira Leite, Pacheco Pereira, Graça Moura, Cavaco, vem agora o pai deles todos dizer que o Rei vai nu. Já são vozes de mais para estarem errados, mas desta vez não me engano e não tenho duvidas que estão mesmo certos. Tenho de reconhecer que fizeram o possível para que não tivesse alcançado o poder, mas tal como as pessoas, também há Países com azar. Disse-o mais que uma vez que no caso de Passos ganhar as eleições seria o coveiro do PSD. Já não resta duvidas que além do partido também o vai ser do País. Nunca um Primeiro Ministro mentiu tanto em tão pouco tempo. É a maior fraude eleitoral a que já assistimos depois de 74.

http://www.youtube.com/wa...

http://www.youtube.com/wa...
o abraçinho nao serviu de nada afinal...
pois é,Dr.Balsemão, afinal o abraço ao PPC nao serviu de muito...olhe, junte-se à banda e siga a festa!
ou então, faça como o Nicolau, seu colaborador...cerre os dentes!
Vá lá Doutor

Não seja tão amargo. Vivemos tempos difíceis e em tempos difíceis onde comem 2 comem 3.
Ou como dizem os brasileiros bota-se mais água no feijão!
Re: Vá lá Doutor
Re: Vá lá Doutor
Re: Vá lá Doutor
Re: Vá lá Doutor
Re: Vá lá Doutor
Então sente os calos apertados!?
Está apenas com medo que o governo corte os 30 milhões anuais à SIC (e TVI) pelo chamado "serviço público"... Afinal "eles comem todos" erecebem salários milionários à conta do povo imbecil que vota sempre em eunucos, que apenas sabem defender os interesses dos seus amos europeus, a Banca Alemã...

Balsemão o aprendiz de feiticeiro.
Pois é a vida tem destas coisas.
Ainda há poucos meses Balsemão & friends (leia-se Cavaco, Ferreira Leite , Marcelo, etc) fizeram tudo, mas mesmo tudo, para correrem com o Sócrates mesmo que isso quizesse dizer que abririam a porta do poder a um grupo de autênticos talibans de direita, de tão fundamentalistas pelo mercado que eles são.
Enquanto eram apenas ataques a trabalhadores e reformados as coisas estavam bem.
Mas agora destruir a classe média e e o pouco tecido empresarial é que já não pode ser!
Só me faz lembrar o poema do Brecht " a indiferença" que é assim:
Primeiro levaram os comunistas,
Mas eu não me importei
Porque não era nada comigo.

Em seguida levaram alguns operários,
Mas a mim não me afectou
Porque eu não sou operário.

Depois prenderam os sindicalistas,
Mas eu não me incomodei
Porque nunca fui sindicalista.

Logo a seguir chegou a vez
De alguns padres, mas como
Nunca fui religioso, também não liguei.

Agora levaram-me a mim
E quando percebi,
Já era tarde.
Aconselho todos a ler o artigo do nicolau Santos de 17/10 a proposito do OE para 2012 e cujo titulo já é apelativo "Uma raiva a nascer-me nos dentes"
Por tudo isto e muito mais é melhor agir antes que seja tarde!

Re: Balsemão o aprendiz de feiticeiro.
Re: Balsemão o aprendiz de feiticeiro.
Re: Balsemão o aprendiz de feiticeiro.
Re: Balsemão o aprendiz de feiticeiro.
Re: Balsemão o aprendiz de feiticeiro.
Re: Balsemão o aprendiz de feiticeiro.
Re: Balsemão o aprendiz de feiticeiro.
Comentários 24 Comentar

Últimas

Receba a nova Newsletter
Ver Exemplo

Pub