Anterior
África do Sul/Eleições: Resultados expressivos só deverão surgir a ...
Seguinte
EUA: Professora despedida exige 200 milhões de dólares à Universidade ...
Página Inicial   >  Feeds  >  Última Hora Lusa  >  Actualidade  >   Santana Lopes encabeça coligação autárquica para Lisboa

Santana Lopes encabeça coligação autárquica para Lisboa

PSD, CDS-PP, MPT e PPM anunciaram hoje que chegaram a acordo para constituir uma coligação autárquica liderada por Pedro Santana Lopes, que se candidata pela segunda vez ao cargo de presidente da Câmara Municipal de Lisboa.

Lusa |
Santana Lopes encabeça coligação autárquica para Lisboa
Santana Lopes encabeça coligação autárquica para Lisboa

PSD , CDS-PP , MPT e PPM anunciaram hoje que chegaram a acordo para constituir uma coligação autárquica para Lisboa, liderada por Pedro Santana Lopes , que incluirá também cidadãos independentes.

Em comunicado, os quatro partidos garantem que serão apresentadas "listas comuns a todos os órgãos autárquicos, que serão divulgadas a seu tempo".

"Os partidos e os cidadãos independentes envolvidos na coligação consideram que o Dr. Pedro Santana Lopes reúne todas as condições para retomar a esperança dos Lisboetas e o desenvolvimento da cidade, merecendo total confiança para liderar este movimento", sublinham.

O comunicado é assinado pelo presidente da comissão política distrital de Lisboa do PSD, Carlos Carreiras, pelo líder da distrital lisboeta do

CDS-PP, António Carlos Monteiro, pelo secretário-geral do Movimento Partido da Terra, José Antunes de Faria, e por Gonçalo da Câmara Pereira, vice-presidente do Partido Popular Monárquico.

Na madrugada de quarta-feira, fonte próxima de Pedro Santana Lopes disse à Lusa que PSD e CDS-PP tinham já fechado o acordo de constituição de uma coligação autárquica para Lisboa.

Convergência de opinião numa "cidade sem esperança"


De acordo com o texto hoje divulgado, o acordo assenta, em primeiro lugar, na "convergência de opinião" sobre a análise da actual gestão da capital.

"Lisboa é hoje uma cidade sem esperança em que os problemas sociais se agravam e onde se verifica a incapacidade para fazer face aos principais desafios estratégicos e a muitos problemas do dia-a-dia", consideram os partidos parceiros da coligação.

Sem nunca referir o nome do actual presidente da autarquia, o socialista António Costa, os quatro partidos acusam que "os interesses dos lisboetas são sistematicamente sacrificados em nome das conveniências do Governo, mesmo que estas prejudiquem a cidade".

"A Câmara Municipal de Lisboa é actualmente uma estrutura virada sobre si própria, alheada da difícil realidade dos lisboetas e condicionada por uma estratégia de propaganda que pretende criar apenas ilusões, na tentativa de segurar o poder", criticam, prometendo uma alternativa que "coloque o interesse da cidade à frente de quaisquer outros".

Pedro Santana Lopes foi anunciado em Dezembro do ano passado pela Comissão Política Nacional do PSD como o candidato do partido à presidência da Câmara Municipal de Lisboa.

Formalmente, a coligação autárquica terá de ser proposta pelas estruturas locais do PSD e CDS-PP às respectivas direcções nacionais.

O ex-primeiro-ministro e ex-presidente do PSD Pedro Santana Lopes é candidato pela segunda vez ao cargo de presidente da Câmara Municipal de Lisboa. A apresentação pública da sua candidatura está marcada para o próximo sábado, dia 25 de Abril.

Nas eleições autárquicas de Dezembro de 2001 candidatou-se e venceu as eleições para a presidência Câmara Municipal de Lisboa, ficando no cargo até 2004, quando foi chamado a substituir Durão Barroso na liderança do PSD e do Governo.

Na sequência da queda do seu Governo e da derrota do PSD nas eleições legislativas de Fevereiro de 2005, Santana Lopes regressou à presidência da Câmara Municipal de Lisboa por mais seis meses.

 


Opinião


Multimédia

Voámos num F-16

Um piloto da Força Aérea voou com uma câmara GoPro do Expresso e temos imagens inéditas e exclusivas para lhe mostrar num trabalho multimédia.

Salada de salmão com sorvete de manga

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Por faróis nunca dantes navegados

São a salvaguarda dos navegantes, a luz que tranquiliza o mar. Há 48 faróis em Portugal continental e nas ilhas. Este é um acontecimento único: todos os faróis e 1830 km de costa disponíveis num mesmo trabalho. Para entendê-los e vê-los, basta navegar neste artigo.

Parecem casulos onde gente hiberna à espera de ver terra

No Porto de Manaus não há barcos, mas autocarros bíblicos que caminham sobre água. Têm vários andares e estão cheios de camas de rede que parecem casulos onde homens, mulheres e crianças aguardam o destino. E há gente a vender o que houver e tiver de ser junto ao Porto. "Como há Copa, tem por aí muito gringo que vem ter com 'nóis'. E então fica mais fácil vender"

O adeus de Lobo Antunes às aulas de medicina

O neurocirurgião deu terça-feira a sua "Última Lição" no auditório do Instituto de Medicina Molecular da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, na véspera de deixar o seu trabalho no serviço nacional de saúde.

Jaguar volta a fabricar desportivo dos anos 60

Até ao verão será fabricado um número limitado de desportivos Jaguar E-Type Lightweight, seguindo todas as especificações originais, incluindo a continuação do número de série das unidades produzidas em 1963.

"Naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas"

Mais do que uma manifestação, o 'primeiro' 1º de Maio é recordado como a grande festa da Revolução dos Cravos, quando o povo saiu às ruas em massa e a união das esquerdas era um sonho possível. "O 1º de Maio seria mais uma primeira coisa, porque naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas." Foi há 40 anos.

Este trabalho não foi visado por qualquer comissão de censura

Aquilo que hoje é uma expressão anacrónica estava em relevo na primeira página do "República", a 25 de Abril de 1974: "Este jornal não foi visado por qualquer comissão de censura". Quarenta anos depois da Revolução, veja os jornais, ouça os sons e compreenda como decorreu o "dia inicial inteiro e limpo", como lhe chamou Sophia. O Expresso falou ainda com cinco gerações de 40 anos e percorreu a "geografia" das Ruas 25 de Abril de todo o país, falando com quem lá mora. Veja a reportagem multimédia.


Comentários 0 Comentar

Últimas

Ver mais

Edição Diária 17.Abr.2014

Leia no seu telemóvel, tablet e computador
PUB
 

Pub