0
Anterior
Baixo Guadiana convida a redescobrir as amendoeiras em flor
Seguinte
Porto de Portimão cresce 673% em quatro anos
Página Inicial   >  Blogues  >  Blogues da Rede Expresso  >  Jornal do Algarve  >  Santa Luzia: Capital do Polvo

Santa Luzia: Capital do Polvo

Cada vez há menos barcos, o tempo em que todas as famílias se dedicavam à pesca do polvo acabou há várias décadas, mas Santa Luzia, no concelho de Tavira, continua a ostentar, com orgulho e legitimidade, o estatuto de Capital do Polvo. A atividade começou no início do século XX naquela localidade e, hoje em dia, as embarcações que ainda sobrevivem dedicam-se praticamente em exclusivo à captura do polvo
|
O antigo pescador António Salvé-Rainha junto a uma pilha de covos, utensílios que vieram substituir os alcatruzes
O antigo pescador António Salvé-Rainha junto a uma pilha de covos, utensílios que vieram substituir os alcatruzes  / Domingos Viegas/Jornal do Algarve
 

A história da localidade de Santa Luzia, concelho de Tavira, esteve sempre ligada ao mar e à pesca, desde a sua fundação, em 1577, ano em que pescadores ergueram uma ermida dedicada a Santa Luzia, protetora daqueles que sofrem de problemas de visão.

A localidade acabou por se desenvolver em torno à referida ermida e os seus habitantes dedicavam-se à pesca, através das artes de xávega e do anzol. Mais tarde, a partir de 1842 e durante os meses de verão, muitos dos locais repartiam aquela atividade com a do copejo do atum na armação do Barril.

A partir de 1927 a população começou a trocar a xávega e os anzóis pelos alcatruzes, passando a dedicar-se quase exclusivamente à pesca do polvo desde o final do verão até ao início do verão seguinte. E assim foi ao longo de várias décadas. Ainda hoje, Santa Luzia é conhecida como a Capital do Polvo. Não havia filho de pescador de polvo que não enveredasse por esta atividade, que representava o motor da economia local e o ganha pão de praticamente todas as famílias.

"Estava na escola e já andava ao mar. Saí da escola com 11 anos, depois de completar a quarta classe, e passei a dedicar-me exclusivamente à pesca, com o meu pai. Antigamente até as mulheres andavam ao mar", lembra António Salvé-Rainha, de 76 anos, que só deixou a pesca do polvo há cerca de um ano.

 

Capturas caíram quase 60 por cento

 

Porém, nos últimos anos tem-se assistido a uma grande quebra na quantidade de polvo pescado, a atividade é cada vez menos rentável e a população começou a enveredar por outras formas de garantir o seu sustento. Só este ano a quantidade de capturas foi de quase menos 60 por cento do valor registado em 2010.

"A pesca do polvo está a diminuir. O pessoal vai para a reforma e os mais novos já não querem saber disto. Pode haver dois ou três rapazes mais novos. As pessoas não estão a ver o futuro e está tudo a fugir da pesca", conta José Maria Mestre, 47 anos, um dos pescadores que continuam a resistir, apesar das dificuldades.

Em Santa Luzia, restam cerca de 30 pequenas embarcações que se dedicam à pesca do polvo, cada uma com quatro ou cinco pescadores. Os velhos alcatruzes, feitos de barro, foram dando lugar aos denominados covos, autênticas gaiolas que passaram a capturar quantidades de polvo muito maiores. A sua utilização começou no norte do país, estendeu-se por toda a costa portuguesa e chegou a Santa Luzia há cerca de uma década. A utilização do caranguejo como isco e a inexistência de um período de defeso são outros dos fatores que os pescadores da pequena pesca de Santa Luzia apontam como responsáveis pela diminuição dos stocks.

"Lembro-me que, quando eu era miúdo, havia aqui mais de 70 barcos. Agora há menos embarcações, mas o esforço de pesca triplicou. Antigamente, cada embarcação não utilizava mais de 500 ou 600 covos. Hoje, já há barcos a pescar com 10 mil ou 12 mil covos", explica José Maria Mestre, que não poupa críticas a quem utiliza o que considera um número exagerado de artes.

"Na nossa associação não há pescadores com essa maneira de ver as coisas. Os que pescam com essas quantidades são destruidores. São autênticos vândalos, que só pensam na sua própria algibeira e não pensam no futuro. Estão obcecados. Nem sei que nome dar a essa gente. Se ninguém jogar mão a isto, daqui a alguns anos está tudo destruído", alerta aquele pescador e dirigente da Associação de Armadores e Pescadores de Tavira.

António Salvé-Rainha, por seu turno, considera que é tudo uma questão de consciência: "Antigamente não havia legislação, mas quando os polvos eram demasiado pequenos não os trazia-mos para terra. Agora há legislação, mas apanham tudo. É uma coisa que tem que estar na consciência do pescador".

 

Espanhóis são os principais clientes na lota

 

O facto de o polvo ser cada vez mais escasso tem feito com que o seu valor aumente, uma situação que tem ajudado a que o que resta da pequena pesca ainda não tenha desaparecido completamente naquela comunidade piscatória. Atualmente, cada quilo de polvo é vendido em lota a preços que rondam os sete ou os oito euros. Em Santa Luzia, é adquirido, principalmente, por compradores espanhóis.

"Felizmente, não temos razão de queixa em relação ao preço de venda em lota. A procura tem aumentado e o preço tem subido. Mas se não fossem os espanhóis, certamente acontecia o mesmo que acontece com outras espécies de pescado. Mas eles valorizam muito o polvo e essa tem sido a nossa sorte", conta José Maria Mestre, reafirmando que "se houvesse mais controlo de artes, conseguia-se recuperar os stocks, mas assim cada vez haverá menos polvo".

 

Saudades das grandes pescarias de outros tempos

 

Porém a realidade era muito diferente há algumas décadas atrás. António Salvé-Rainha ainda se lembra das "grandes pescarias" que se faziam noutros tempos, só com alcatruzes e com barcos à vela e a remos. A vida era mais dura, mas não era necessário gastar dinheiro em isco nem em gasóleo. O facto de só os polvos de maiores dimensões se esconderem nos alcatruzes "para descansar" também ajudava a que não fossem capturados os mais pequenos. Hoje entram nos covos para se alimentar com o isco polvos de todos os tamanhos, explicam os pescadores.

"Era muito mais perigoso, havia muitas tragédias. Mas mesmo só com alcatruzes fazia-se umas pescas que era uma maravilha. Quando a pesca não dava, era porque os polvos estavam a fazer criação. Depois, quando carregavam os temporais, apareciam os polvos já grandes", conta aquele pescador, frisando que quando chegavam os meses de verão "ninguém apanhava polvo", pois "trabalhava-se nas armações de atum, ia-se às sacadas [redes que apanhavam carapau e sardinha]... Essa é outra das diferenças em relação ao que acontece atualmente. Agora pesca-se 365 dias por ano".

Há cerca de meia dúzia de anos, ainda chegou a ser criado um período de defeso para o polvo. Porém, o Estado não subsidiava os pescadores durante essa paragem e estes acabaram por pedir a sua anulação. "Ainda por cima acontecia no mês de setembro, o que também já não servia de muito. O polvo começa a ter ovas a partir do mês de maio. E está com ovas durante mais dois ou três meses", explica António Salvé-Rainha.

Além de agora se pescar praticamente todos os dias do ano, outra das diferenças em relação ao que acontecia há várias décadas é o horário, que cada vez está mais alargado, facto que contribuiu também para que o esforço de pesca seja ainda maior.

"Naquela altura saía-mos para o mar por volta das quatro ou cinco da madrugada e regressávamos por volta do meio dia. Agora já vão à meia noite e, alguns, até vão antes. Como têm mais artes, demoram mais tempo...", conta António Salvé-Rainha.

 

Assado, cozido ou guisado...

 

Naquela altura, e devido ao facto de não haver congelação, praticamente todo o polvo que era apanhado em Santa Luzia tinha como destino a seca. Depois de seco era vendido em fardos, principalmente, para o norte do país. Por isso, só nas zonas à beira-mar, onde se pescava, é que aquele produto era consumido em fresco.

O polvo seco era consumido, principalmente, assado. O fresco era, essencialmente, cozido ou guisado com batatas. Outro dos pratos "estrela" é a salada de polvo, uma das receitas mais simples, mas, curiosamente, também uma das mais apreciadas ainda hoje: depois de cozido, o polvo é partido aos bocadinhos e acrescenta-se ovo cozido, tomate, pimento e cebola. Consome-se fria e temperada com azeite e vinagre. "E, claro, a garrafinha de vinho para acompanhar...", sugere António Salvé-Rainha.

Mas a gastronomia ligada ao polvo vai muito mais além daquilo que saía da panela ou tacho com mais frequência há várias décadas atrás. E muitas destas especialidades podem ser apreciadas nos diversos restaurantes da localidade. Afinal trata-se da Capital do Polvo, um estatuto que Santa Luzia adquiriu com todo o mérito e toda a legitimidade.

(mais informação em www.jornaldoalgarve.pt )


Opinião


Multimédia

Edwin. O rapaz que aprendeu a sonhar

O que Edwin sabia sobre a vida era sobreviver. Na cabeça dele não cabiam sonhos e os dias eram passados à procura de comida para ele e para a mãe e para o irmão. A fome espreitava nos cantos da barraca de palha no Quénia e ele escondia-se dela como podia - chupar as pedras era uma forma de a enganar. Mas a sorte dele mudou porque alguém viu nele outra coisa. E tudo começou numa dança. Agora, os mesmos dedos que agarravam as pedras tocam hoje teclas de um piano Bechstein. E os pés dele já não estão nus mas calçados. Com chuteiras. Primeiro no Benfica, agora no Estoril, o miúdo de 15 anos que fala como gente grande descobriu que tinha um sonho: ser futebolista. Como Drogba.

Todas as ilhas têm a sua nuvem

Raul Brandão chamou-lhe 'A Ilha Branca'. Como viajante digo que tem um verde diferente das outras oito que com ela formam o arquipélago dos Açores. É tenra, mansa, repousante e simultaneamente desafiante. Esconde segredos como a lenda da Maria Encantada e um vulcão florestado a meio do século passado que nos transporta para uma dimensão sulfurosa e mágica. Obrigatória para projetos de férias de natureza.

Em três quartos de hora não se esquece só a idade. "Esquece-se o mundo"

Maria do Céu dá três voltas ao lar sempre que pode. Edviges vai a todos os velórios, faz hidroginástica e sopas de letras. António dá um apoio na Igreja e nos escuteiros. Tudo é uma ajuda para passar os dias quando se tornam todos iguais. No Pinhal Interior Sul, a região mais envelhecida da União Europeia, quase um terço da população tem mais de 65 anos. Os mais velhos ficaram, os mais novos partiram.

Profissão: Sniper

O Expresso foi ver como são selecionados, que armas usam, para que missões estão preparados os snipers da Força de Operações Especiais do Exército. São uma elite dentro da elite. Um pelotão restrito. Anónimo. Treinam diariamente com um único objetivo: eliminar um alvo à primeira, mesmo que esteja a centenas de metros. Humano ou material. Sem dramas morais, dizem.

Xarém com conquilhas

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione com esta nova receita.

O que se passa dentro da cabeça dele

O que leva um tipo a quem iam amputando uma perna a regressar ao sítio onde os ossos se desfizeram, uma e outra vez, e testar os limites do seu corpo? Resposta: a busca pelo salto perfeito, que ele diz existir dentro dele e que ele encontrará mais dia menos dia. É a fé e a confiança que o movem e o levam a pular para lá do que é exigido a um campeão olímpico e mundial que não tem mais nada a provar a ninguém - a não ser a ele próprio. Este é um trabalho que publicámos em agosto de 2014, quando o saltador se preparava para os Europeus e falava das metas que tinha traçado para 2015 e 2016: mostrar que não estava acabado. Sete meses depois, provou-o no Europeu de pista coberta em Praga, onde venceu este fim de semana.

Amadeu, que aprendeu o mundo no campo e tinha o coração na ponta dos dedos

Em Portugal, a dedicação à língua mirandesa tem nome próprio: Amadeu Ferreira, o jurista da CMVM que - quando todos diziam que "era uma loucura impossível" - arranjou tempo para traduzir "Os Lusíadas", a "Mensagem", os quatro Evangelhos da Bíblia e ainda duas aventuras do Asterix para uma língua que pertence a um cantinho do nordeste português e é falada por menos de 15 mil pessoas. No final de 2014 deu ao Expresso aquela que viria a ser a sua última entrevista. Morreu no passado domingo e esta quinta-feira foi lançada a sua biografia, "O fio das lembranças", com quase 800 páginas.

Temos 16 imagens que não explicam o mundo, mas que ajudam a compreendê-lo

O júri do World Press Photo queria dar o prémio maior da edição deste ano (e talvez das edição todas) a uma fotografia com "potencial para se tornar icónica". A primeira imagem desta fotogaleria, por ser "esteticamente poderosa" e "revelar humanidade", é o que o júri procurava. A fotografia de um casal homossexual russo, a grande vencedora, é a primeira de 16 imagens de uma seleção onde há Messi desolado, migrantes em condições indignas no Mediterrâneo, a aflição do ébola, mistérios afins e etc - são os contrastes do mundo.

Vamos falar de sexo. Seis portugueses revelam tudo o que lhes dá prazer na cama

Neste primeiro episódio de uma série que vai durar sete semanas, seis entrevistados falam abertamente sobre aquilo que lhes dá mais satisfação na intimidade. Sexo em grupo, sexo na gravidez, prazer sem orgasmo e melhor sexo após a menopausa são alguns dos temas referidos nos testemunhos desta semana. O psiquiatra Francisco Allen Gomes explica ainda a razão de muitas mulheres fingirem o orgasmo. O Expresso e a SIC falaram com 33 portugueses que deram a cara e o testemunho de como são na cama. Ao longo das próximas sete semanas, contamos-lhe tudo.

Elvis. Gostamos ou não gostamos?

Ele não é consensual, mas é incontornável. Dispunha de penteado majestoso e patilha marota, aparentava olhar matador e pose atrevida. E deixou canções: umas fáceis e outras nem tanto, por vezes previsíveis e às vezes inesperadas, ora gentis ora aceleradas. E ele, Elvis, nasceu em janeiro de 1934 - há precisamente 40 anos, ao oitavo dia. Temos quatro textos sobre o artista: Nicolau Santos, Rui Gustavo, Nicolau Pais e João Cândido da Silva explicam o que apreciam, o que toleram e o que não suportam.

A última viagem do navio indesejado

Construído nos Estaleiros de Viana e pensado para fazer a ligação entre ilhas nos Açores, o Atlântida foi recusado pelo Governo Regional por alegadamente não atingir a velocidade pretendida. Contando com os custos associados à dissolução do contrato, o prejuízo ascendeu a 70 milhões de euros. Foi agora comprado a "preço de saldo", para mudar de nome e ser reconvertido num cruzeiro na Amazónia. Fizemos a última viagem do Atlântida e vamos mostrar-lhe os segredos do navio.

Desfile de vedetas

Saiba tudo sobre os modelos concorrentes ao Carro do Ano 2015/Troféu Essilor Volante de Cristal. Conheça o essencial sobre os 20 automóveis participantes nesta iniciativa, da estética, às características técnicas, do preço ao consumo. A apresentação ficará completa no dia 3 de janeiro.

Tudo o que precisa de saber sobre o ébola. Em dois minutos

Porque é que este está a ser o pior surto da história? Como é que os primeiros sintomas se confundem com os de outras doenças? É possível viajar depois de ter contraído o vírus, sem transmitir a doença? E estamos ou não perto de ter uma vacina? O Expresso procurou as respostas a estas e outras dúvidas sobre o ébola.

Desacelerámos a realidade para observar a euforia da liberdade

Ela, Jacarandá, é algarvia. Ele, Katmandu, é espanhol. São linces e agora experimentam a responsabilidade da liberdade: foram soltos esta terça-feira numa herdade alentejana, próxima de Mértola, eles que saíram de centros de reprodução em cativeiro. Foi inédito: nunca tinha acontecido algo assim em Portugal. Estivemos lá e ensaiámos o slow motion.


Comentários 0 Comentar

Últimas

Receba a nova Newsletter
Ver Exemplo

Pub