Anterior
Americano jovem, solteiro, doa esperma a quem lho pedir -- e já tem 14 ...
Seguinte
Andar armado, guiar bêbado, assassinar outros motoristas? É um direito ...
Página Inicial   >  Blogues  >  Do outro mundo  >   Saiu do bar, foi roubar um banco e voltou para acabar a cerveja

Saiu do bar, foi roubar um banco e voltou para acabar a cerveja

|
Um ladrão imperturbável. Ou não

John Robin Whittle tem várias qualidades estimáveis. É metódico. Consegue lidar separadamente com os vários aspectos ou facetas da sua vida, não deixando uns afectarem os outros. E é calmo.

Calmo demais, talvez. Há uns dias, entrou num bar em Tampa, Flórida, e pediu uma cerveja. Ao fim de uns minutos, saiu, dizendo que ia buscar dinheiro.

Esteve ausente cerca de meia-hora. Quando regressou, acabou a cerveja (já devia estar um pouco morna, coitada) e foi à sua vida.

Ou melhor, queria ir. Porque entretanto chegou a polícia.

Detesta desperdício 


No intervalo entre o início e o fim da cerveja, John tinha ido roubar um banco próximo. Trabalho limpo, sem mortos nem feridos.

Não se sabe o que o fez regressar ao bar para terminar a bebida. Ele só explicou que detesta desperdício. A polícia diz que o prendeu uns escassos dez minutos após ele roubar o banco. 

Agora vai ter uns anos para reflectir sobre o seu sentido das prioridades. Ainda não tem advogado. Nem pressa, pelos vistos.

 


Opinião


Multimédia

Cheesecake com manjericão e doce de tomate

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Voámos num F-16

Um piloto da Força Aérea voou com uma câmara GoPro do Expresso e temos imagens inéditas e exclusivas para lhe mostrar num trabalho multimédia.

Salada de salmão com sorvete de manga

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Por faróis nunca dantes navegados

São a salvaguarda dos navegantes, a luz que tranquiliza o mar. Há 48 faróis em Portugal continental e nas ilhas. Este é um acontecimento único: todos os faróis e 1830 km de costa disponíveis num mesmo trabalho. Para entendê-los e vê-los, basta navegar neste artigo.

Parecem casulos onde gente hiberna à espera de ver terra

No Porto de Manaus não há barcos, mas autocarros bíblicos que caminham sobre água. Têm vários andares e estão cheios de camas de rede que parecem casulos onde homens, mulheres e crianças aguardam o destino. E há gente a vender o que houver e tiver de ser junto ao Porto. "Como há Copa, tem por aí muito gringo que vem ter com 'nóis'. E então fica mais fácil vender"

O adeus de Lobo Antunes às aulas de medicina

O neurocirurgião deu terça-feira a sua "Última Lição" no auditório do Instituto de Medicina Molecular da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, na véspera de deixar o seu trabalho no serviço nacional de saúde.

Jaguar volta a fabricar desportivo dos anos 60

Até ao verão será fabricado um número limitado de desportivos Jaguar E-Type Lightweight, seguindo todas as especificações originais, incluindo a continuação do número de série das unidades produzidas em 1963.

"Naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas"

Mais do que uma manifestação, o 'primeiro' 1º de Maio é recordado como a grande festa da Revolução dos Cravos, quando o povo saiu às ruas em massa e a união das esquerdas era um sonho possível. "O 1º de Maio seria mais uma primeira coisa, porque naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas." Foi há 40 anos.

Este trabalho não foi visado por qualquer comissão de censura

Aquilo que hoje é uma expressão anacrónica estava em relevo na primeira página do "República", a 25 de Abril de 1974: "Este jornal não foi visado por qualquer comissão de censura". Quarenta anos depois da Revolução, veja os jornais, ouça os sons e compreenda como decorreu o "dia inicial inteiro e limpo", como lhe chamou Sophia. O Expresso falou ainda com cinco gerações de 40 anos e percorreu a "geografia" das Ruas 25 de Abril de todo o país, falando com quem lá mora. Veja a reportagem multimédia.


Comentários 8 Comentar
ordenar por:
mais votados
!
Este gajo devia pensar que estava em Portugal. Mas se fosse cá assaltava o banco à bomba, que é assim que se faz nos países livres. Se fosse cá também acabava a cerveja normalmente e ia à vida ou ia roubar outro, porque polícia é coisa que não se vê.
Ladrão Poupadinho
Então o homenzinho já tinha pago a cerveja, não tinha jeito ficar por beber, pelo menos prova que é poupadinho.

Quanto ao banco, mais roubo, menos roubo, até porque ladrão que rouba a ladrão tem cem anos de perdão.
Visão
Se tivermos em conta a situação que se vive nos EUA,que não melhor do que a portuguesa,e se for desempregado ou sem qualquer prespéctiva de futuro,nada melhor do que estar numa prisão.Poruque é muito mais seguro,com cama,comida e roupa lavada.Chama-se a isto ter visão.
Re: Visão
Re: Visão
Re: Visão
Re: Visão
salió de un bar y fue a robar...
Hoy en día robar bancos y beber demás, están de moda . La codicia, la falta de ética y de los valores morales están en auge, es mundial.
Lo preocupante es que el sistema educativo ya no puede hacer casi nada, urge que se revean mudanzas antes que sea demasiado tarde.
Comentários 8 Comentar

Últimas

BES contamina Bolsa

Investidores assustados com antecipação de prejuízos do Banco Espírito ...

Ver mais

Edição Diária 17.Abr.2014

Leia no seu telemóvel, tablet e computador
PUBLICIDADE

Pub