11
Anterior
Um dia perdido
Seguinte
Domingo
Página Inicial   >  Blogues  >  O modo do tempo  >   Sábado

Sábado

|

Hoje é sábado. É Sábado de manhã. Sábado não começou de dia. O relógio diz que começou há muitas horas. Sexta vazou e o Sábado começou a encher. Mas Sábado já tinha sido antecipado como o dia D, do mês M, do ano A, como quando se vê na agenda os Sábados de um mês, a meses luz desse tempo. Como quando assentamos em Dezembro um Sábado para Abril. E mesmo sem o termos marcado na agenda, o Sábado está entalado na agenda com todos os outros dias de Abril e todos os outros dias do ano, entre uma Sexta-feira e um Domingo.

 

Tal como a página na agenda do ano, no tempo da vida este Sábado de Hoje, dia 20 de Abril de 2013, era um dia possível. Agora que "é" Sábado, quando Ontem era amanhã e amanhã será Ontem, desenrola-se como um tapete pela ponta do fim, quando vazar para regressar Domingo, que não é um qualquer, mas é Domingo, 21 de Abril de 2013.

 

O Sábado pode ter sido uma data distante, mas apontada na agenda. O Sábado de Hoje pode ter sido apenas suposto sem nele pensarmos, como os dias em que calham os Sábados todos deste ano, ao fazer um calendário de actividades ou menos ao pensar neles em bloco. Mas o Sábado de hoje começa a formar-se bem no princípio da semana, quando à Segunda-feira está bem longe, mas ao largo.

 

À Segunda-feira o Sábado está atrás de todos os dias até descer até nós. Teremos de fazer a travessia de Segunda, Terça, Quarta, Quinta, Sexta feiras para chegarmos a Sábado. E hoje, Sábado a Segunda-feira está já a descer lá ao fundo, levando troços percorridos já esquecidos, mantendo à tona ainda destroços do que foi. Sábado tem ainda viva a Sexta e Quinta, quando começou. Porque à Quinta, Sábado é já depois de amanhã. Hoje, tem ainda atrás de si, Quarta-feira e Terça-feira. O Sábado está a desenrolar-se entre a semana toda que passou e o Domingo que aí vem com Segunda da próxima semana já a espreitar-nos e depois a Terça, a Quarta, a Quinta, a Sexta e o Sábado da próxima semana.

 

Estamos esticados entre esquinas que dobram as semanas, passadas e próximas, boiamos estendidos entre a semana passada e a anterior, há duas ou três semanas ou há um ano e a próxima semana, ou a que se lhe segue, o mês que vem ou o ano que vem.

 

Mas hoje é Sábado é dia de fazer o que se faz ao Sábado. Por ser Sábado não se faz o que se faz nos outros dias. Nem sequer ao Domingo se faz o que se faz ao Sábado. E mesmo que façamos exactamente o mesmo que fazemos aos dias de semana, por ser Sábado, nada é feito da mesma maneira, porque todos os minutos de um Sábado só podem ser minutos com conteúdos de vida ao Sábado. Mesmo que seja um dia de trabalho é Sábado. Diz-se que se trabalha ao Sábado de um modo diferente de como se diz que se trabalha a qualquer dia de semana, como se não fosse suposto ou se estivesse a fazer o que não se devia.

 

O Sábado é dia compras, de desporto, de ir ver o rio, de ir ver o mar, de ir ao campo, de ir almoçar com alguém. Na infância era dia de tardes inteiras de televisão. Outrora, era o dia depois de Sexta e era todo ele vivido à espera da noite.

 

A noite de Sábado é diferente de todas as noites. É Sábado à noite. Sábado à noite era dia de saídas à noite, de distracção de si e de diversão dispersa pelas horas que passavam tão rápidas que se não nos precavermos acordamos de repente ao Domingo. Sábado à noite pode ser o Sábado para os outros que saem, para as possibilidade todas que estão a acontecer e o nada que fazer que é o conteúdo das nossas vidas. A impossibilidade é mais triste quando nos acenam com possibilidades e possibilidades e possibilidades.

 

E agora que é Sábado de madrugada, de manhã, de tarde, de noite, quando quer que seja que for lida esta crónica que será, é e terá sido feito dele? Que é de mim, será e foi ao Sábado. Qual é o seu tom? Qual é o seu modo? Como me metamorfoseia? Que clima produz? Que atmosfera cria?

 

Há uma fragrância suave a desocupação do tempo que me leva a perguntar que faço da vida ao ocupar-me de tudo menos dela.

O sábado pode saber a melancolia. O Sábado pode ser euforia.

 

Mas este Sábado pode ser anónimo e ser como todos os dias que são todos iguais e que têm de ser todos atravessados, embora uns sejam mais baços do que outros, como a explosão de imagens simétricas a diminuir com a distância que provocamos ao pôr dois espelhos à frente um do outro.  

 

 

 

 

 


Opinião


Multimédia

O papa-medalhas que veio do espaço

O atleta português mais medalhado de sempre, Francisco Vicente, regressou dos campeonatos europeus de veteranos, na Turquia, com novas lembranças ao pescoço. Três de ouro e duas de prata para juntar à coleção. Tem 81 medalhas, uma por cada ano de vida.

Tudo o que precisa de saber sobre o ébola, em dois minutos

Porque é que este está a ser o pior surto da história? Como é que os primeiros sintomas se confundem com os de outras doenças? É possível viajar depois de ter contraído o vírus, sem transmitir a doença? E estamos ou não perto de ter uma vacina? O Expresso procurou as respostas a estas e outras dúvidas sobre o ébola.

United Colors of Gnocchi

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Vai pagar mais ou menos IRS? Veja as simulações

Reforma do imposto protege quem tem dependentes a cargo, mas pode penalizar os restantes contribuintes. Função pública e pensionistas vão ter mais dinheiro disponível. Veja simulações para vários casos.

A última viagem do navio indesejado

Construído nos Estaleiros de Viana e pensado para fazer a ligação entre ilhas nos Açores, o Atlântida foi recusado pelo Governo Regional por alegadamente não atingir a velocidade pretendida. Contando com os custos associados à dissolução do contrato, o prejuízo ascendeu a 70 milhões de euros. Foi agora comprado a "preço de saldo", para mudar de nome e ser reconvertido num cruzeiro na Amazónia. Fizemos a última viagem do Atlântida e vamos mostrar-lhe os segredos do navio.

Strogonoff de peixe espada preto

Faz agora cinco anos que o Chefe Tiger, especialista em pratos de confeção acessível e com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, começou esta aventura gastronómica. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Caril de banana

Faz agora cinco anos que o Chefe Tiger, especialista em pratos de confeção acessível e com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, começou esta aventura gastronómica. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Tem três minutinhos? Vamos explicar-lhe o que muda no orçamento de 350 mil portugueses (e no de muitas empresas)

O novo salário mínimo entrou em vigor. São mais €20 brutos para cerca de 350 mil portugueses (números do Ministério da Segurança Social, porque os sindicatos falam em 500 mil trabalhadores). Mudou o valor, mas também os descontos que as empresas fazem para a Segurança Social. Porque se trata de uma medida que afeta a vida de muitos portugueses, queremos explicar o que se perde e o que se ganha, o que se altera e o que se mantém.

Cantaril com risotto de espargos

Faz agora cinco anos que o Chefe Tiger, especialista em pratos de confeção acessível e com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, começou esta aventura gastronómica. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Music fighter: temos Marco Paulo e Bruno Nogueira numa batalha épica

Está preparado para um dos encontros mais improváveis na história da música portuguesa? O humorista Bruno Nogueira e a cantora Manuela Azevedo, dos Clã, pegaram em várias músicas consideradas "pimba" - daquelas que ninguém admite ouvir mas que, no fundo, todos vão dançar assim que começam a tocar - e deram-lhe novos arranjos, num projeto que chegou aos coliseus de Lisboa e do Porto.  "Ninguém, ninguém", de Marco Paulo, tem possivelmente a introdução mais acelerada e frenética do panorama musical português. Mas, no frente-a-frente, quem é o mais rápido? Vai um tira-teimas à antiga?

Dez verdades assustadoras sobre filmes de terror

Este vídeo é como o monstro de "Frankenstein": ganhou vida graças à colagem de partes de alguns dos filmes mais aterrorizantes de sempre. Com uma ratazana mutante e os organizadores do festival de cinema de terror MotelX pelo meio. O Expresso foi à procura das razões que explicam o fascínio pelo terror, com muito sangue (feito de corante alimentar) à mistura. 

A paixão do vinil

Se para muitos o vinil é apenas uma moda que faz parte da cultura do revivalismo vintage, para outros ver o disco girar nunca deixou de ser algo habitual.

Portugal foi herdado, comprado ou conquistado?

Era agosto em Lisboa e, às portas de Alcântara, milhares de homens lutavam por dois reis, participando numa batalha decisiva para os espanhóis e ainda hoje maldita. Aconteceu em agosto de 1580. Mais de 400 anos depois, o Expresso deu-lhe vida, fazendo uma reconstituição do confronto através do recorte e animação digital de uma gravura anónima da época.

O Maradona dos bancos centrais

Dizer que Mario Draghi está a ser uma espécie de Maradona dos bancos centrais pode parecer estranho. Mas não é exagerado. Os jornalistas João Silvestre e Jorge Nascimento Rodrigues explicaram porquê num conjunto de artigos publicado no Expresso em Novembro de 2013 e que venceu em junho deste ano o prémio de jornalismo económico do Santander e da Universidade Nova. O trabalho observa ainda o desempenho de Ben Bernanke no combate à crise, revisita a situação em Portugal e arrisca um ranking dos 25 principais governadores de bancos centrais. Republicamos os artigos num formato especial desenvolvido para a web.

Com Deus na alma e o diabo no corpo

Quem os vê de fora pode pensar que estão possuídos. Eles preferem sublinhar o lado espiritual e terapêutico desta dança - chamam-lhe "krump" e nasceu nos bairros pobres dos Estados Unidos. De Los Angeles para Chelas, em Lisboa, já ajudou a tirar jovens do crime. Ligue o som bem alto e entre com o Expresso no bairro. E faça o teste: veja se consegue ficar quieto.


Comentários 11 Comentar
ordenar por:
mais votados
'Sábado :-)
Caro António Caeiro, fala-lhe aqui o João Pedro do Sábado. Quando nos diz que "Teremos de fazer a travessia de Segunda, Terça, Quarta, Quinta, Sexta feiras para chegarmos a Sábado", nada de mais errado. Nós fazemos coisas diferentes ao Sábado porque somos diferentes ao Sábado. Não atravessamos a semana, saltamos sobre ela. O João Pedro existente ao Sábado é diferente do João Pedro dos dias de semana, e diferente do João Pedro ao Domingo. O primeiro é relaxado e descontraído, o segundo é tenso e preocupado com o trabalho, o terceiro é formal, parcial aos rituais do Domingo, de família e outros, e um bocadinho ansioso pelo dia a seguir.
Enquanto o JP dos dias de semana subordina-se ao contrato que tem com a sobrevivência, o do Sábado está livre para explorar o seu âmago. Ele aparece e desaparece, perseguindo as suas ambições pessoais, e toda a fiada dos seus sábados. É que o ontem e o amanhã de cada sábado, é também um sábado.
Tenho que deixá-lo por agora. Este JP gosta de ver o Midsumer Murders, e depois disso, dá lugar ao JP de Domingo. Vemos-nos outra vez no próximo Sábado.
PS.: O Expresso está a fazer outra vez a gracinha de não lhe publicitar esta sua última crónica. Talvez precise de verificar se falta uma data ou flag, na edição do Blog. Até lá, o seu texto que aparece na primeira página do Expresso Online é, muito apropriadamente, "Um dia perdido".
Qual? O "Sábado", claro! :-D
Espero que não o encontre só no "Domingo".
Obrigado
contraditório
re: Contraditório (1/3)
repetitio
re: repetitio
re: Contraditório (2/3)
Cont.
II.
re: Contraditório (3/3)
re: Contraditório (Expresso)
Comentários 11 Comentar

Últimas


Pub