Anterior
Fernando Henrique Cardoso otimista quanto às negociações da Rio+20
Seguinte
Quercus: documento a aprovar pelos chefes de Estado "é uma desilusão"
Página Inicial   >  Dossiês  >  Dossies Atualidade  >  Conferência Rio+20  >   Rio+20 "abandona o desenvolvimento sustentável"

Conferência Rio+20

Rio+20 "abandona o desenvolvimento sustentável"

A candidata verde às últimas presidenciais do Brasil, Marina Silva, critica a falta de compromisso em relação ao desenvolvimento sustentável. Clique para visitar o dossiê Conferência Rio+20
|
Marina Silva na sua intervenção na Cúpula dos Povos
Marina Silva na sua intervenção na Cúpula dos Povos / Tiago Carvalho

Clique para aceder ao índice do Dossiê Conferência Rio+20
Marina Silva, a candidata ecologista às últimas eleições presidenciais do Brasil, onde obteve 20% dos votos, criticou o documento aprovado terça-feira à tarde no plenário da Conferência Rio+20, no Rio de Janeiro, dizendo que "há uma falta de compromisso dos países da ONU em relação ao desenvolvimento sustentável".

Em declarações a um grupo de jornalistas à entrada para um debate sobre a Carta da Terra, no Teatro Nelson Rodrigues, no centro do Rio de Janeiro, a ex-ministra brasileira do Meio Ambiente salientou que "as lideranças políticas do mundo têm a obrigação de dar uma resposta aos graves problemas que o planeta está a enfrentar e não apenas uma declaração genérica com objetivos genéricos para adiar o futuro".

A Carta de Terra, uma declaração de princípios sobre a vida, a integridade ecológica, a justiça social e económica, a democracia, a não violência e a paz, aprovada pela ONU depois da conferência do Rio de 1992, "é a cobrança desse compromisso e é disso que o mundo precisa", defendeu Marina Silva.

Questionada sobre o papel das ONG e do ativismo social para contornar estas questões e levar à construção de uma agenda mundial mais justa, a senadora afirmou que neste momento "o papel maior é mesmo dos governos, são eles que estão com poder decisão".

Líderes políticos "devem sair da omissão para o compromisso"


A sociedade "já fez a sua parte, agora é preciso que os líderes políticos saiam da omissão para o compromisso e assumam posição em relação à governação mundial do desenvolvimento sustentável, ao financiamento dos investimentos nos países em desenvolvimento", enfim, em relação "a tudo o que precisa de ser feito e não foi feito nestes últimos 20 anos".

O documento acordado na Rio+20 para ser discutido pelos chefes de Estado e de governo até 22 de junho "é fraco porque não trata dos recursos e da criação do fundo para financiar as ações de sustentabilidade nos países em desenvolvimento, e porque não tem um mecanismo de governação no âmbito da ONU para implementar a agenda".

Por outro lado, o documento "finaliza apenas com objetivos genéricos para o desenvolvimento sustentável que serão detalhados somente em 2015, ou seja, é uma demonstração de completo abandono da agenda do desenvolvimento sustentável aprovada na conferência do Rio de 1992".

Documento propõe criação de fórum intergovernamental


O texto aprovado, com base num documento lançado pelo Brasil, tem 49 páginas e propõe a criação de um fórum intergovernamental de alto nível para acompanhar a concretização do desenvolvimento sustentável, que substitua - aparentemente com mais poderes - a atual Comissão de Desenvolvimento Sustentável da ONU.

Por outro lado, é reconhecido que os países em desenvolvimento têm necessidades diferentes dos países desenvolvidos, e que por isso mesmo os primeiros necessitam de mais recursos financeiros para concretizar a agenda da ONU.

No entanto, caiu a ideia da criação de um fundo de quase 30 mil milhões de euros para apoiar as ações de sustentabilidade nos países pobres. O documento reconhece que a erradicação da pobreza é decisiva para o desenvolvimento sustentável, mas a expressão "pobreza extrema" da anterior versão do texto foi retirada.

Finalmente, a proposta de transformar o Programa da ONU para o Ambiente numa agência com poderes reforçados foi abandonada, ficando apenas a declaração de que as Nações Unidas se comprometem a fortalecer este programa.  

 



Opinião


Multimédia

E que tal uma canjinha de pato?

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione com esta nova receita.

Os assassínios, as execuções, as decapitações são as imagens mais chocantes de uma propaganda cada vez mais sofisticada. É a Jihad, que recruta guerrilheiros no ocidente para matar e morrer na Síria. O Expresso seguiu as pisadas de cinco jiadistas portugueses, mostrando quem são e como foram convertidos e radicalizados. E como lutam, como foram morrer - e como já haverá arrependidos com medo de fugir. Reportagem em Londres, no café onde viam jogos de futebol, na universidade onde estudavam e na mesquita onde rezavam. Autoridades e especialistas em terrorismo estão alerta sobre este pequeno mas perigoso grupo, onde corre sangue português - e de onde escorre sangue por Alá.

Desfile de vedetas

Saiba tudo sobre os modelos concorrentes ao Carro do Ano 2015/Troféu Essilor Volante de Cristal. Conheça o essencial sobre os 20 automóveis participantes nesta iniciativa, da estética, às características técnicas, do preço ao consumo. A apresentação ficará completa no dia 3 de janeiro.

Elvis. Gostamos ou não gostamos?

Ele não é consensual, mas é incontornável. Dispunha de penteado majestoso e patilha marota, aparentava olhar matador e pose atrevida. E deixou canções: umas fáceis e outras nem tanto, por vezes previsíveis e às vezes inesperadas, ora gentis ora aceleradas. E ele, Elvis, nasceu em janeiro de 1934 - há precisamente 40 anos, ao oitavo dia. Temos quatro textos sobre o artista: Nicolau Santos, Rui Gustavo, Nicolau Pais e João Cândido da Silva explicam o que apreciam, o que toleram e o que não suportam.

Tudo o que precisa de saber sobre o ébola. Em dois minutos

Porque é que este está a ser o pior surto da história? Como é que os primeiros sintomas se confundem com os de outras doenças? É possível viajar depois de ter contraído o vírus, sem transmitir a doença? E estamos ou não perto de ter uma vacina? O Expresso procurou as respostas a estas e outras dúvidas sobre o ébola.

Piza de manga com estragão e canela

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Desacelerámos a realidade para observar a euforia da liberdade

Ela, Jacarandá, é algarvia. Ele, Katmandu, é espanhol. São linces e agora experimentam a responsabilidade da liberdade: foram soltos esta terça-feira numa herdade alentejana, próxima de Mértola, eles que saíram de centros de reprodução em cativeiro. Foi inédito: nunca tinha acontecido algo assim em Portugal. Estivemos lá e ensaiámos o slow motion.

Desaparecidos para sempre no Mar do Norte

O dia 15 de novembro já foi feriado, há 90 anos. A razão foi o desaparecimento de Sacadura Cabral algures no Mar do Norte. Depois de fazer mais de oito mil quilómetros de Lisboa ao Rio de Janeiro, o aviador pioneiro não conseguiu completar o voo entre a cidade holandesa de Amesterdão e a capital portuguesa. Ainda hoje, não se sabe o que aconteceu ao companheiro de Gago Coutinho e tio-avô de Paulo Portas, a quem o Expresso pediu um sms.

Os muros do mundo

Novembro relembrou-nos os muros que caem, mas também os que permanecem e os que se expandem. Berlim aproximou-se de si própria há 25 anos, mas há muros que continuam a desaproximar. Esta é a história de sete deles - diferentes, imprevisíveis, estranhos.

A última viagem do navio indesejado

Construído nos Estaleiros de Viana e pensado para fazer a ligação entre ilhas nos Açores, o Atlântida foi recusado pelo Governo Regional por alegadamente não atingir a velocidade pretendida. Contando com os custos associados à dissolução do contrato, o prejuízo ascendeu a 70 milhões de euros. Foi agora comprado a "preço de saldo", para mudar de nome e ser reconvertido num cruzeiro na Amazónia. Fizemos a última viagem do Atlântida e vamos mostrar-lhe os segredos do navio.

O papa-medalhas que veio do espaço

O atleta português mais medalhado de sempre, Francisco Vicente, regressou dos campeonatos europeus de veteranos, na Turquia, com novas lembranças ao pescoço. Três de ouro e duas de prata para juntar à coleção. Tem 81 medalhas, uma por cada ano de vida.

Terror religioso está a aumentar

Relatório sobre a Liberdade Religiosa é divulgado esta terça-feira em todo o mundo. Dos 196 países analisados, só em 80 não há indícios de perseguições motivadas pela fé.

Vai pagar mais ou menos IRS? Veja as simulações

Reforma do imposto protege quem tem dependentes a cargo, mas pode penalizar os restantes contribuintes. Função pública e pensionistas vão ter mais dinheiro disponível. Veja simulações para vários casos.

Tem três minutinhos? Vamos explicar-lhe o que muda no orçamento de 350 mil portugueses (e no de muitas empresas)

O novo salário mínimo entrou em vigor. São mais €20 brutos para cerca de 350 mil portugueses (números do Ministério da Segurança Social, porque os sindicatos falam em 500 mil trabalhadores). Mudou o valor, mas também os descontos que as empresas fazem para a Segurança Social. Porque se trata de uma medida que afeta a vida de muitos portugueses, queremos explicar o que se perde e o que se ganha, o que se altera e o que se mantém.

Music fighter: temos Marco Paulo e Bruno Nogueira numa batalha épica

Está preparado para um dos encontros mais improváveis na história da música portuguesa? O humorista Bruno Nogueira e a cantora Manuela Azevedo, dos Clã, pegaram em várias músicas consideradas "pimba" - daquelas que ninguém admite ouvir mas que, no fundo, todos vão dançar assim que começam a tocar - e deram-lhe novos arranjos, num projeto que chegou aos coliseus de Lisboa e do Porto.  "Ninguém, ninguém", de Marco Paulo, tem possivelmente a introdução mais acelerada e frenética do panorama musical português. Mas, no frente-a-frente, quem é o mais rápido? Vai um tira-teimas à antiga?


Comentários 6 Comentar
ordenar por:
mais votados
20 anos depois,a letra morta continua!
Os países esqueceram os compromissos assinadoos há 20 anos: é o que todos dizem hoje no Rio.
Mas já é uma esperança, lá terem voltado,para um novo grito de alerta e uma responsabilidade acrescida para cumprir o prometido e o que falta fazer.
É uma má noticia para a humanidade
Quando a última árvore for cortada, quando o último rio for poluído, quando o último peixe for pescado, aí sim os políticos e burocratas vão ver que dinheiro não se come…

"Proverbio Indígena"
até parece de propósito...
Por coincidência ou talvez não, esta crise económica dá muito jeito a quem sempre se opôs à implementação de políticas de proteção ambiental.
Re: até parece de propósito...
Desenvolvimento sustentável não existe
Por isso, fazem bem em abandonar essas quimeras.
Re: Desenvolvimento sustentável não existe
Comentários 6 Comentar

Últimas

Receba a nova Newsletter
Ver Exemplo

Pub