18 de abril de 2014 às 9:03
Página Inicial  ⁄  Dossiês  ⁄  Dossies Atualidade  ⁄  Conferência Rio+20  ⁄  Rio+20 "abandona o desenvolvimento sustentável"

Conferência Rio+20

Rio+20 "abandona o desenvolvimento sustentável"

A candidata verde às últimas presidenciais do Brasil, Marina Silva, critica a falta de compromisso em relação ao desenvolvimento sustentável. Clique para visitar o dossiê Conferência Rio+20
Virgílio Azevedo, enviado ao Rio de Janeiro (www.expresso.pt)
Marina Silva na sua intervenção na Cúpula dos Povos Tiago Carvalho Marina Silva na sua intervenção na Cúpula dos Povos

Clique para aceder ao índice do Dossiê Conferência Rio+20
Marina Silva, a candidata ecologista às últimas eleições presidenciais do Brasil, onde obteve 20% dos votos, criticou o documento aprovado terça-feira à tarde no plenário da Conferência Rio+20, no Rio de Janeiro, dizendo que "há uma falta de compromisso dos países da ONU em relação ao desenvolvimento sustentável".

Em declarações a um grupo de jornalistas à entrada para um debate sobre a Carta da Terra, no Teatro Nelson Rodrigues, no centro do Rio de Janeiro, a ex-ministra brasileira do Meio Ambiente salientou que "as lideranças políticas do mundo têm a obrigação de dar uma resposta aos graves problemas que o planeta está a enfrentar e não apenas uma declaração genérica com objetivos genéricos para adiar o futuro".

A Carta de Terra, uma declaração de princípios sobre a vida, a integridade ecológica, a justiça social e económica, a democracia, a não violência e a paz, aprovada pela ONU depois da conferência do Rio de 1992, "é a cobrança desse compromisso e é disso que o mundo precisa", defendeu Marina Silva.

Questionada sobre o papel das ONG e do ativismo social para contornar estas questões e levar à construção de uma agenda mundial mais justa, a senadora afirmou que neste momento "o papel maior é mesmo dos governos, são eles que estão com poder decisão".

Líderes políticos "devem sair da omissão para o compromisso"


A sociedade "já fez a sua parte, agora é preciso que os líderes políticos saiam da omissão para o compromisso e assumam posição em relação à governação mundial do desenvolvimento sustentável, ao financiamento dos investimentos nos países em desenvolvimento", enfim, em relação "a tudo o que precisa de ser feito e não foi feito nestes últimos 20 anos".

O documento acordado na Rio+20 para ser discutido pelos chefes de Estado e de governo até 22 de junho "é fraco porque não trata dos recursos e da criação do fundo para financiar as ações de sustentabilidade nos países em desenvolvimento, e porque não tem um mecanismo de governação no âmbito da ONU para implementar a agenda".

Por outro lado, o documento "finaliza apenas com objetivos genéricos para o desenvolvimento sustentável que serão detalhados somente em 2015, ou seja, é uma demonstração de completo abandono da agenda do desenvolvimento sustentável aprovada na conferência do Rio de 1992".

Documento propõe criação de fórum intergovernamental


O texto aprovado, com base num documento lançado pelo Brasil, tem 49 páginas e propõe a criação de um fórum intergovernamental de alto nível para acompanhar a concretização do desenvolvimento sustentável, que substitua - aparentemente com mais poderes - a atual Comissão de Desenvolvimento Sustentável da ONU.

Por outro lado, é reconhecido que os países em desenvolvimento têm necessidades diferentes dos países desenvolvidos, e que por isso mesmo os primeiros necessitam de mais recursos financeiros para concretizar a agenda da ONU.

No entanto, caiu a ideia da criação de um fundo de quase 30 mil milhões de euros para apoiar as ações de sustentabilidade nos países pobres. O documento reconhece que a erradicação da pobreza é decisiva para o desenvolvimento sustentável, mas a expressão "pobreza extrema" da anterior versão do texto foi retirada.

Finalmente, a proposta de transformar o Programa da ONU para o Ambiente numa agência com poderes reforçados foi abandonada, ficando apenas a declaração de que as Nações Unidas se comprometem a fortalecer este programa.  

 


Comentários 6 Comentar
ordenar por:
mais votados ▼
20 anos depois,a letra morta continua!
Os países esqueceram os compromissos assinadoos há 20 anos: é o que todos dizem hoje no Rio.
Mas já é uma esperança, lá terem voltado,para um novo grito de alerta e uma responsabilidade acrescida para cumprir o prometido e o que falta fazer.
É uma má noticia para a humanidade
Quando a última árvore for cortada, quando o último rio for poluído, quando o último peixe for pescado, aí sim os políticos e burocratas vão ver que dinheiro não se come…

"Proverbio Indígena"
até parece de propósito...
Por coincidência ou talvez não, esta crise económica dá muito jeito a quem sempre se opôs à implementação de políticas de proteção ambiental.
Re: até parece de propósito... Ver comentário
Desenvolvimento sustentável não existe
Por isso, fazem bem em abandonar essas quimeras.
Re: Desenvolvimento sustentável não existe Ver comentário
PUBLICIDADE
Expresso nas Redes
Pub