Anterior
Fernando Henrique Cardoso otimista quanto às negociações da Rio+20
Seguinte
Quercus: documento a aprovar pelos chefes de Estado "é uma desilusão"
Página Inicial   >  Dossiês  >  Dossies Atualidade  >  Conferência Rio+20  >   Rio+20 "abandona o desenvolvimento sustentável"

Conferência Rio+20

Rio+20 "abandona o desenvolvimento sustentável"

A candidata verde às últimas presidenciais do Brasil, Marina Silva, critica a falta de compromisso em relação ao desenvolvimento sustentável. Clique para visitar o dossiê Conferência Rio+20
|
Marina Silva na sua intervenção na Cúpula dos Povos
Marina Silva na sua intervenção na Cúpula dos Povos / Tiago Carvalho

Clique para aceder ao índice do Dossiê Conferência Rio+20
Marina Silva, a candidata ecologista às últimas eleições presidenciais do Brasil, onde obteve 20% dos votos, criticou o documento aprovado terça-feira à tarde no plenário da Conferência Rio+20, no Rio de Janeiro, dizendo que "há uma falta de compromisso dos países da ONU em relação ao desenvolvimento sustentável".

Em declarações a um grupo de jornalistas à entrada para um debate sobre a Carta da Terra, no Teatro Nelson Rodrigues, no centro do Rio de Janeiro, a ex-ministra brasileira do Meio Ambiente salientou que "as lideranças políticas do mundo têm a obrigação de dar uma resposta aos graves problemas que o planeta está a enfrentar e não apenas uma declaração genérica com objetivos genéricos para adiar o futuro".

A Carta de Terra, uma declaração de princípios sobre a vida, a integridade ecológica, a justiça social e económica, a democracia, a não violência e a paz, aprovada pela ONU depois da conferência do Rio de 1992, "é a cobrança desse compromisso e é disso que o mundo precisa", defendeu Marina Silva.

Questionada sobre o papel das ONG e do ativismo social para contornar estas questões e levar à construção de uma agenda mundial mais justa, a senadora afirmou que neste momento "o papel maior é mesmo dos governos, são eles que estão com poder decisão".

Líderes políticos "devem sair da omissão para o compromisso"


A sociedade "já fez a sua parte, agora é preciso que os líderes políticos saiam da omissão para o compromisso e assumam posição em relação à governação mundial do desenvolvimento sustentável, ao financiamento dos investimentos nos países em desenvolvimento", enfim, em relação "a tudo o que precisa de ser feito e não foi feito nestes últimos 20 anos".

O documento acordado na Rio+20 para ser discutido pelos chefes de Estado e de governo até 22 de junho "é fraco porque não trata dos recursos e da criação do fundo para financiar as ações de sustentabilidade nos países em desenvolvimento, e porque não tem um mecanismo de governação no âmbito da ONU para implementar a agenda".

Por outro lado, o documento "finaliza apenas com objetivos genéricos para o desenvolvimento sustentável que serão detalhados somente em 2015, ou seja, é uma demonstração de completo abandono da agenda do desenvolvimento sustentável aprovada na conferência do Rio de 1992".

Documento propõe criação de fórum intergovernamental


O texto aprovado, com base num documento lançado pelo Brasil, tem 49 páginas e propõe a criação de um fórum intergovernamental de alto nível para acompanhar a concretização do desenvolvimento sustentável, que substitua - aparentemente com mais poderes - a atual Comissão de Desenvolvimento Sustentável da ONU.

Por outro lado, é reconhecido que os países em desenvolvimento têm necessidades diferentes dos países desenvolvidos, e que por isso mesmo os primeiros necessitam de mais recursos financeiros para concretizar a agenda da ONU.

No entanto, caiu a ideia da criação de um fundo de quase 30 mil milhões de euros para apoiar as ações de sustentabilidade nos países pobres. O documento reconhece que a erradicação da pobreza é decisiva para o desenvolvimento sustentável, mas a expressão "pobreza extrema" da anterior versão do texto foi retirada.

Finalmente, a proposta de transformar o Programa da ONU para o Ambiente numa agência com poderes reforçados foi abandonada, ficando apenas a declaração de que as Nações Unidas se comprometem a fortalecer este programa.  

 



Opinião


Multimédia

Portugal foi herdado, comprado ou conquistado?

Era agosto em Lisboa e, às portas de Alcântara, milhares de homens lutavam por dois reis, participando numa batalha decisiva para os espanhóis e ainda hoje maldita. Aconteceu em agosto de 1580. Mais de 400 anos depois, o Expresso deu-lhe vida, fazendo uma reconstituição do confronto através do recorte e animação digital de uma gravura anónima da época.

A paixão do vinil

Se para muitos o vinil é apenas uma moda que faz parte da cultura do revivalismo vintage, para outros ver o disco girar nunca deixou de ser algo habitual.

Com Deus na alma e o diabo no corpo

Quem os vê de fora pode pensar que estão possuídos. Eles preferem sublinhar o lado espiritual e terapêutico desta dança - chamam-lhe "krump" e nasceu nos bairros pobres dos Estados Unidos. De Los Angeles para Chelas, em Lisboa, já ajudou a tirar jovens do crime. Ligue o som bem alto e entre com o Expresso no bairro. E faça o teste: veja se consegue ficar quieto.

O Cabo da Roca depois da tragédia que matou casal polaco

Os turistas portugueses e estrangeiros que visitam o Cabo da Roca, em Sintra, continuam a desafiar a vida nas falésias, mesmo depois da tragédia que resultou na morte de um casal polaco, cujos filhos menores estavam também no local. Durante a visita do Expresso, um segurança tentou alertar os turistas para o perigo e refere a morte do casal polaco. O apelo não teve grande efeito. Veja as imagens.

Ó Capitão! meu Capitão! ergue-te e ouve os sinos

Ele foi a nossa ama... desajeitada. Ele foi o professor que nos inspirou no liceu. Ele trouxe alegria, mesmo nas alturas mais difíceis. Ele indicou-nos o caminho na faculdade. Ele ensinou-nos a manter a postura, mas também a quebrar preconceitos. Ele ensinou-nos que a vida é para ser aproveitada a cada instante. Ó capitão, meu capitão, crescemos contigo e vamos ter de envelhecer sem ti. 

Crumble. A sobremesa mais fácil do mundo

Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida, especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Voámos num F-16

Um piloto da Força Aérea voou com uma câmara GoPro do Expresso e temos imagens inéditas e exclusivas para lhe mostrar num trabalho multimédia.

Salada de salmão com sorvete de manga

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Por faróis nunca dantes navegados

São a salvaguarda dos navegantes, a luz que tranquiliza o mar. Há 48 faróis em Portugal continental e nas ilhas. Este é um acontecimento único: todos os faróis e 1830 km de costa disponíveis num mesmo trabalho. Para entendê-los e vê-los, basta navegar neste artigo.

Parecem casulos onde gente hiberna à espera de ver terra

No Porto de Manaus não há barcos, mas autocarros bíblicos que caminham sobre água. Têm vários andares e estão cheios de camas de rede que parecem casulos onde homens, mulheres e crianças aguardam o destino. E há gente a vender o que houver e tiver de ser junto ao Porto. "Como há Copa, tem por aí muito gringo que vem ter com 'nóis'. E então fica mais fácil vender"

O adeus de Lobo Antunes às aulas de medicina

O neurocirurgião deu terça-feira a sua "Última Lição" no auditório do Instituto de Medicina Molecular da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, na véspera de deixar o seu trabalho no serviço nacional de saúde.

Jaguar volta a fabricar desportivo dos anos 60

Até ao verão será fabricado um número limitado de desportivos Jaguar E-Type Lightweight, seguindo todas as especificações originais, incluindo a continuação do número de série das unidades produzidas em 1963.

"Naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas"

Mais do que uma manifestação, o 'primeiro' 1º de Maio é recordado como a grande festa da Revolução dos Cravos, quando o povo saiu às ruas em massa e a união das esquerdas era um sonho possível. "O 1º de Maio seria mais uma primeira coisa, porque naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas." Foi há 40 anos.

Este trabalho não foi visado por qualquer comissão de censura

Aquilo que hoje é uma expressão anacrónica estava em relevo na primeira página do "República", a 25 de Abril de 1974: "Este jornal não foi visado por qualquer comissão de censura". Quarenta anos depois da Revolução, veja os jornais, ouça os sons e compreenda como decorreu o "dia inicial inteiro e limpo", como lhe chamou Sophia. O Expresso falou ainda com cinco gerações de 40 anos e percorreu a "geografia" das Ruas 25 de Abril de todo o país, falando com quem lá mora. Veja a reportagem multimédia.


Comentários 6 Comentar
ordenar por:
mais votados
20 anos depois,a letra morta continua!
Os países esqueceram os compromissos assinadoos há 20 anos: é o que todos dizem hoje no Rio.
Mas já é uma esperança, lá terem voltado,para um novo grito de alerta e uma responsabilidade acrescida para cumprir o prometido e o que falta fazer.
É uma má noticia para a humanidade
Quando a última árvore for cortada, quando o último rio for poluído, quando o último peixe for pescado, aí sim os políticos e burocratas vão ver que dinheiro não se come…

"Proverbio Indígena"
até parece de propósito...
Por coincidência ou talvez não, esta crise económica dá muito jeito a quem sempre se opôs à implementação de políticas de proteção ambiental.
Re: até parece de propósito...
Desenvolvimento sustentável não existe
Por isso, fazem bem em abandonar essas quimeras.
Re: Desenvolvimento sustentável não existe
Comentários 6 Comentar

Últimas

Ver mais

Edição Diária 17.Abr.2014

Leia no seu telemóvel, tablet e computador
PUBLICIDADE

Pub