0
Anterior
Ventos fracos na rota Palermo-Monte Carlo
Seguinte
Capotamentos e avarias em São Francisco
Página Inicial   >  Blogues  >  Blogues Desporto  >  Nysse Arruda Sailing  >   Ricardo Diniz a navegar pelo mar português

Ricardo Diniz a navegar pelo mar português

|
A expedição Montepio Mare Nostrum começou hoje no Tejo e percorrerá 5000 milhas na Zona Económica Exclusiva - ZEE
A expedição Montepio Mare Nostrum começou hoje no Tejo e percorrerá 5000 milhas na Zona Económica Exclusiva - ZEE / DR

O velejador solitário Ricardo Diniz partiu hoje do Tejo na inédita expedição 'Montepio Mare Nostrum', uma rota de 5.000 milhas na linha de fronteira da Zona Económica Exclusiva - ZEE - a fim de mostrar que Portugal é também mar, muito mar - uma área 20 vezes maior que o território nacional. A bordo do veleiro Open 60 pés Montepio Mar, Ricardo iniciou a viagem para sul com um leve vento de oeste que o levará até o cabo de S. Vicente, esta noite, e pela costa algarvia até Vila Real de Santo António, primeiro 'way point' da linha de fronteira marítima portuguesa.

Uma leve brisa de oeste, corrente contrária, uma lancha da Marinha portuguesa e alguns veleiros acompanharam hoje a partida de Ricardo Diniz na sua viagem pelo mar português - na linha de fronteira da Zona Económica Exclusiva. "A aventura começou. Agora é rumar para sul pela costa portuguesa até o cabo de S. Vicente e então percorrer a costa algarvia até alcançar o primeiro ponto da fronteira marítima portuguesa, em Vila Real de Santo António.", disse Ricardo Diniz antes de zarpar da doca de Alcântara, em Lisboa.

"Quero com esta viagem revelar aos portugueses a dimensão do mar exclusivo que rodeia o continente, a Madeira e os Açores e sensibilizar os jovens para o património marítimo português e para o potencial que Portugal tem ao investir no mar.", acrescentou ainda o velejador solitário que segue acompanhado por uma gatinha de três semanas que já se sente confortável a bordo.

Depois de mais de quatro meses de trabalhos nos Estaleiros Navais de Peniche, o veleiro que esteve abandonado em La Rochelle, França, ganhou nova vida e novas cores depois de já ter completado duas voltas ao mundo nas mãos de skippers franceses. "O barco foi todo remodelado e reforçado para esta viagem. Tem um novo 'lay-out' de convés e de cabine, criado especialmente pelo designer Nuno Pereira. O trabalho dos técnicos dos Estaleiros Navais de Peniche foi impecável.", lembrou Ricardo que também leva a bordo alimentos desidratados suficientes para 45 dias (cerca de 200 kg) e 300 litros de água potável, além de 48 litros de sumo Compal.

O veleiro também está equipado com seis painéis solares e equipamento eólica que produzirão toda a energia necessária para alimentar os instrumentos de navegação e comunicação.

"É um momento único e histórico. É um projecto apadrinhado pelo Montepio desde o primeiro momento. É um projeto que dignifica Portugal e que permitirá aos portugueses olhar o mar, o património mais rico do país. É um elo para unir passado, presente e futuro e que cimentará a nossa Portugalidade, o que é muito importante para nós no Montepio, para o país e para os portugueses.", declarou Fernando Amaro, director de marketing do Montepio, uma empresa 100% nacional.

"Para compreender melhor o nosso lugar no mundo, é importante olhar para Portugal, todo o Portugal, e perceber de uma vez por todas o nosso potencial, a nossa força, a nossa identidade.", disse ainda Ricardo Diniz adiantando que a viagem deve demorar entre 30 e 45 dias, com a passagem por mais de 30 'way points', inclusive ao largo das ilhas Selvagens, na Madeira, e à volta dos Açores, a parte mais arriscada da rota, com possíveis tempestades tropicais.

Uma vez ultrapassado o arquipélago dos Açores, o navegador marca a rota de regresso à costa portuguesa seguindo para a exata latitude de Viana do Castelo e daí rumando para sul, em direcção a Peniche, cabo Raso e o Tejo novamente.

Leia mais em www.nyssearrudasailing.com


Opinião


Multimédia

Voámos num F-16

Um piloto da Força Aérea voou com uma câmara GoPro do Expresso e temos imagens inéditas e exclusivas para lhe mostrar num trabalho multimédia.

Salada de salmão com sorvete de manga

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Por faróis nunca dantes navegados

São a salvaguarda dos navegantes, a luz que tranquiliza o mar. Há 48 faróis em Portugal continental e nas ilhas. Este é um acontecimento único: todos os faróis e 1830 km de costa disponíveis num mesmo trabalho. Para entendê-los e vê-los, basta navegar neste artigo.

Parecem casulos onde gente hiberna à espera de ver terra

No Porto de Manaus não há barcos, mas autocarros bíblicos que caminham sobre água. Têm vários andares e estão cheios de camas de rede que parecem casulos onde homens, mulheres e crianças aguardam o destino. E há gente a vender o que houver e tiver de ser junto ao Porto. "Como há Copa, tem por aí muito gringo que vem ter com 'nóis'. E então fica mais fácil vender"

O adeus de Lobo Antunes às aulas de medicina

O neurocirurgião deu terça-feira a sua "Última Lição" no auditório do Instituto de Medicina Molecular da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, na véspera de deixar o seu trabalho no serviço nacional de saúde.

Jaguar volta a fabricar desportivo dos anos 60

Até ao verão será fabricado um número limitado de desportivos Jaguar E-Type Lightweight, seguindo todas as especificações originais, incluindo a continuação do número de série das unidades produzidas em 1963.

"Naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas"

Mais do que uma manifestação, o 'primeiro' 1º de Maio é recordado como a grande festa da Revolução dos Cravos, quando o povo saiu às ruas em massa e a união das esquerdas era um sonho possível. "O 1º de Maio seria mais uma primeira coisa, porque naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas." Foi há 40 anos.

Este trabalho não foi visado por qualquer comissão de censura

Aquilo que hoje é uma expressão anacrónica estava em relevo na primeira página do "República", a 25 de Abril de 1974: "Este jornal não foi visado por qualquer comissão de censura". Quarenta anos depois da Revolução, veja os jornais, ouça os sons e compreenda como decorreu o "dia inicial inteiro e limpo", como lhe chamou Sophia. O Expresso falou ainda com cinco gerações de 40 anos e percorreu a "geografia" das Ruas 25 de Abril de todo o país, falando com quem lá mora. Veja a reportagem multimédia.


Comentários 0 Comentar

Últimas

Ver mais

Pub