Anterior
Primeiro-ministro desvaloriza divergências com Presidente
Seguinte
Notícias Lusa: Reacções à entrevista de José Sócrates
Página Inicial   >  Dossiês  >  Dossies Atualidade  >  Entrevista à RTP primeiro-ministro  >   Ricardo Costa sobre a entrevista a José Sócrates

Ricardo Costa sobre a entrevista a José Sócrates


Opinião


Multimédia

Cheesecake com manjericão e doce de tomate

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Voámos num F-16

Um piloto da Força Aérea voou com uma câmara GoPro do Expresso e temos imagens inéditas e exclusivas para lhe mostrar num trabalho multimédia.

Salada de salmão com sorvete de manga

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Por faróis nunca dantes navegados

São a salvaguarda dos navegantes, a luz que tranquiliza o mar. Há 48 faróis em Portugal continental e nas ilhas. Este é um acontecimento único: todos os faróis e 1830 km de costa disponíveis num mesmo trabalho. Para entendê-los e vê-los, basta navegar neste artigo.

Parecem casulos onde gente hiberna à espera de ver terra

No Porto de Manaus não há barcos, mas autocarros bíblicos que caminham sobre água. Têm vários andares e estão cheios de camas de rede que parecem casulos onde homens, mulheres e crianças aguardam o destino. E há gente a vender o que houver e tiver de ser junto ao Porto. "Como há Copa, tem por aí muito gringo que vem ter com 'nóis'. E então fica mais fácil vender"

O adeus de Lobo Antunes às aulas de medicina

O neurocirurgião deu terça-feira a sua "Última Lição" no auditório do Instituto de Medicina Molecular da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, na véspera de deixar o seu trabalho no serviço nacional de saúde.

Jaguar volta a fabricar desportivo dos anos 60

Até ao verão será fabricado um número limitado de desportivos Jaguar E-Type Lightweight, seguindo todas as especificações originais, incluindo a continuação do número de série das unidades produzidas em 1963.

"Naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas"

Mais do que uma manifestação, o 'primeiro' 1º de Maio é recordado como a grande festa da Revolução dos Cravos, quando o povo saiu às ruas em massa e a união das esquerdas era um sonho possível. "O 1º de Maio seria mais uma primeira coisa, porque naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas." Foi há 40 anos.

Este trabalho não foi visado por qualquer comissão de censura

Aquilo que hoje é uma expressão anacrónica estava em relevo na primeira página do "República", a 25 de Abril de 1974: "Este jornal não foi visado por qualquer comissão de censura". Quarenta anos depois da Revolução, veja os jornais, ouça os sons e compreenda como decorreu o "dia inicial inteiro e limpo", como lhe chamou Sophia. O Expresso falou ainda com cinco gerações de 40 anos e percorreu a "geografia" das Ruas 25 de Abril de todo o país, falando com quem lá mora. Veja a reportagem multimédia.


Comentários 49 Comentar
ordenar por:
mais votados
Isso é que é por o dedo na ferida!
Muito bem!
Sectário
Ricardo Costa é incapaz de fazer uma avaliação objectiva da entrevista e só tenta levar água ao seu moinho, para não entrar em contradição com os seus múltiplos ataques contra Sócrates no passado recente. Assim, o seu veredicto destoa completamente da apreciação de outros comentadores (ver por exemplo o Editorial do DN de hoje). Trata-se de uma lamentável atitude sectária, que prejudica o seu inegável talento jornalístico.
Re: Sectário
Guterres
Re: Guterres
Muita confusão
Re: Muita confusão
Euro = Moeda Única
Re: Euro = Moeda Única
Mérito de Guterres e Sousa Franco
Re: Mérito de Guterres e Sousa Franco
Mérito e falhanço do Guterres
Re: Mérito e falhanço do Guterres
Re: Muita confusão
Re: Muita confusão
UE e Euro
Re: UE e Euro
Ironia
Re: Guterres
Re: Guterres
Re: Guterres
Re: Guterres
Re: Guterres
Re: Sectário
No way, José
Custo
Re: Custo
Instruction
Re: Instruction
Cenários
Re: Cenários
Re: Custo
Teresa de Sousa
Re: Teresa de Sousa
DN e TVI
Re: DN e TVI
Ponto final
Re: Ponto final
Re: Teresa de Sousa
Re: Sectário
A fábula de Charles Smith
Oque é que ele quer?
Toda a gente sabe que Cavaco Silva prefere Manuela Ferreira Leite a Luís Filipe Menezes, ainda que o cargo de maior responsabilidade que lhe atribuiu enquanto foi primeiro-ministro foi a pasta da Educação, uma pasta desvalorizada nos tempos do seu Governo mais empenhado em desbaratar os dinheiros do FSE em falsa formação profissional. Na ocasião da escolha da liderança do PSD foi notícia o envolvimento de assessores de Cavaco Silva na escolha de Manuela Ferreira Leite, a notícia do Expresso foi desmentida mas o jornal reafirmou-a. Aliás, estes assessores, personagens anónimas e quase secretas que detêm desempenhado um Cavaco Silva não oficial, têm tido um papel durante esta presidência que nunca tiveram no passado, em regra para fazerem intriga política.
Foi evidente a mudança de postura de Cavaco Silva em relação ao Governo e com o PSD, com Marques Mendes o Presidente relegava o seu partido para uma posição subalterna levando-o a assinar pactos com Sócrates. Com Manuela Ferreira Leite Cavaco Silva abandonou a estratégia da unanimidade presidencial e começou a fazer das palavras de Manuela Ferreira Leite ou, o que é bem mais grave, a líder do PSD começou a antecipar os discursos oficiais de Cavaco Silva fazendo-os palavras suas.
É evidente a articulação de estratégias políticas entre Cavaco Silva e Manuela Ferreira Leite, quando uma fala o outro repete, quando um fala a outra apoia. Só resta saber o que pretende Cavaco Silva.
Levar Manuela Ferreira Leite só seria possível com a ajuda do caso Freeport, mas nesse caso estaria a envolver a Presidência da Republica num quase golpe de Estado de contornos duvidosos. Que o assunto interessa a Cavaco mostra a ultima reunião que manteve com Pinto Monteiro que ninguém percebeu muito bem, nem sequer se sabe se foi o Presidente a convocá-la ou o Procurador-Geral a solicitá-la. Coincidência, ou talvez não, ocorreu pouco tempo depois de Sócrates responder de forma dura a um discurso de Cavaco Silva.
A estratégia passa mais por impedir uma maioria absoluta de Sócrates, mas a crise económico teve efeitos políticos inversos aos esperados, Sócrates tem resistido ao impacto da crise. Quando se esperava solidariedade do Presidente da República este escolhe um dos momentos mais difíceis que o país já atravessou para condenar as opções de Sócrates e alinhar com o discurso de Manuela Ferreira Leite, numa clara tentativa de desafiar Sócrates.
Cavaco Silva procura a crise política mas não com o objectivo de dar as legislativas a Manuela Ferreira Leite, o que o Presidente parece pretender é manter a crise política a marinar para além das legislativas, no pressuposto de que Sócrates não alcança a maioria absoluta. É evidente que Cavaco já não quer ter boas relações com Sócrates, ainda só não tem a certeza que que ele próprio não será uma das vítimas da sua estratégia. É que Cavaco está longe de ser uma personagem amada neste país, só ganhou as eleições à segunda tentativa e graças à ausência de adversário.
A partir do momento em que tenha Manuela Ferreira Leite à frente do Governo, que muito dificilmente terá a maioria absoluta que agora parece querer negar a Sócrates, o Presidente da República e a sua velha discípula terão contra ambos uma esquerda socialmente maioritária. Neste contexto e acusado de ter lançado uma crise política sem olhar ao momento difícil que o país atravessava Cavaco Silva core um sério risco de voltar a ser derrotado numas presidenciais.
O que quer que seja que Cavaco Silva quer não tem nada que ver com os interesses do país, nem mesmo do PSD pois se assim fosse teria apoiado Marques Mendes, um líder bem mais capaz do que Manuela Ferreira Leite. Cavaco quer governar nem que seja por interposta pessoa, o seu discurso é mais próprio de um candidato a primeiro-ministro do que de um Presidente da República.
ISENÇÃO
Lamentável a ideia que as pessoas têm do jornalistas.
Jornalismo não é atacar, fazer politiquice ou oposição (Embora exista que o faça)
Jornalismo sério é investigar, é estudar para poder fazer as perguntas que o cidadão comum gostaria de poder fazer.
Quando acontece o contrário, estão a servir outros interesses...
A mesma enguia de sempre
O Sócrates mais uma vez mostrou o animal político que é, manipulando, desviando, rabiando, esquivando-se sucessivamente às perguntas e evitando respostas objectivas. Na realidade não passa dum vendedor de "banha da cobra". E quando critica o "bota abaixo", deixa de o ser (hipocrisia pura), e continua a não dar qualquer esperança, nem tem qualquer ideia, refugiando-se de que a oposição é falha de ideas.
vergonha!
Creio que as entrevistas que este senhor já fez ao primeiro-ministro, aliás, trata o mesmo por "[ó] Zé Sócrates", mostram bem o seu carácter e o seu profissionalismo! não entendo..! Tenha ou não razão, as abordagens que tem e faz, são contra-natura os termos do jornalismo!
Raiva...
O que para aí vai de raiva...
Afinal, o "Sr. Engenheiro", nosso Primeiro Ministro, pôde conduzir a entrevista como quis, quase ameaçar a entrevistadora por ousar falar na questão do vídeo e o jornalista Ricardo Costa não pode ter opinião?
Isto é que vai aqui uma democracia!...
Dá pena assistir a tanta raiva...
Re: Raiva...
O Trafulha
O PM, auto intitulado engenheiro, é um trafulha profissional. O seu longo currículo de trafulhices e a maneira esperta como ilude os problemas são evidentes. Evidencia uma retórica própria de um 'banha da cobra' misturada com uma arrogância fruto da reacção à sua consciência de encurralado. Até quando?
Mais do mesmo
O conteúdo das opiniões exprimidas por este Sr. é sempre previsível. Todas as almas informadas sabem o que esperar dele sempre que se pronuncia sobre qualquer cor politica que difira daquela que é obrigado a defender, impreterivelmente.

Em virtude daqueles que lhe pagam o ordenado, a sua postura nunca poderia ser diferente. Aliás, estou convicto de que em Portugal existem determinados quadrantes políticos que estimulam a defesa do combate velado e o menosprezo incondicional de toda e qualquer posição ou ideologia oposta à sua.

As opções adoptadas pelos seus “adversários” nunca são boas. Tudo o que é contrário é negativo e nunca se é capaz de vislumbrar qualquer aspecto positivo em nada, neste contexto. São acérrimos pessimistas no que concerne aos opositores do “seu” sistema e da sua versão da “verdade”.
 
Não me parece credível que o Sr. Costa saiba com exactidão o que é que os Portugueses querem ou não saber neste momento. Eu, por exemplo, estaria mais interessado em conhecer as soluções concretas que a oposição tem para oferecer ao Pais para mitigar a crise, para além das minudências e lugares comuns que todos conhecemos e estamos fartos de ouvir.

Só assim terei escolha de opção nas eleições que se avizinham.

Muitos eleitores, ao contrário do que julgam certas mentes, não possuem partido fixo e votam consoante as melhores propostas apresentadas. Não votam no partido A, apenas porque nasceram na cidade X ou porque a sua família sempre votou nesse partido.
Comentários 49 Comentar

Últimas


Edição Diária 17.Abr.2014

Leia no seu telemóvel, tablet e computador
PUBLICIDADE

Pub