Anterior
Primeiro-ministro desvaloriza divergências com Presidente
Seguinte
Notícias Lusa: Reacções à entrevista de José Sócrates
Página Inicial   >  Dossiês  >  Dossies Atualidade  >  Entrevista à RTP primeiro-ministro  >   Ricardo Costa sobre a entrevista a José Sócrates

Ricardo Costa sobre a entrevista a José Sócrates


Opinião


Multimédia

Os assassínios, as execuções, as decapitações são as imagens mais chocantes de uma propaganda cada vez mais sofisticada. É a Jihad, que recruta guerrilheiros no ocidente para matar e morrer na Síria. O Expresso seguiu as pisadas de cinco jiadistas portugueses, mostrando quem são e como foram convertidos e radicalizados. E como lutam, como foram morrer - e como já haverá arrependidos com medo de fugir. Reportagem em Londres, no café onde viam jogos de futebol, na universidade onde estudavam e na mesquita onde rezavam. Autoridades e especialistas em terrorismo estão alerta sobre este pequeno mas perigoso grupo, onde corre sangue português - e de onde escorre sangue por Alá.

Desacelerámos a realidade para observar a euforia da liberdade

Ela, Jacarandá, é algarvia. Ele, Katmandu, é espanhol. São linces e agora experimentam a responsabilidade da liberdade: foram soltos esta terça-feira numa herdade alentejana, próxima de Mértola, eles que saíram de centros de reprodução em cativeiro. Foi inédito: nunca tinha acontecido algo assim em Portugal. Estivemos lá e ensaiámos o slow motion.

Geração Z

Mais rápidos, mais capazes, mais solitários, os Z vivem agarrados aos ecrãs, pensam com a ajuda da internet e estão permanentemente preocupados com a bateria do telemóvel. Que geração é esta que nasceu com a viragem do século?

Desaparecidos para sempre no Mar do Norte

O dia 15 de novembro já foi feriado, há 90 anos. A razão foi o desaparecimento de Sacadura Cabral algures no Mar do Norte. Depois de fazer mais de oito mil quilómetros de Lisboa ao Rio de Janeiro, o aviador pioneiro não conseguiu completar o voo entre a cidade holandesa de Amesterdão e a capital portuguesa. Ainda hoje, não se sabe o que aconteceu ao companheiro de Gago Coutinho e tio-avô de Paulo Portas, a quem o Expresso pediu um sms.

Os muros do mundo

Novembro relembrou-nos os muros que caem, mas também os que permanecem e os que se expandem. Berlim aproximou-se de si própria há 25 anos, mas há muros que continuam a desaproximar. Esta é a história de sete deles - diferentes, imprevisíveis, estranhos.

Tudo o que precisa de saber sobre o ébola. Em dois minutos

Porque é que este está a ser o pior surto da história? Como é que os primeiros sintomas se confundem com os de outras doenças? É possível viajar depois de ter contraído o vírus, sem transmitir a doença? E estamos ou não perto de ter uma vacina? O Expresso procurou as respostas a estas e outras dúvidas sobre o ébola.

A última viagem do navio indesejado

Construído nos Estaleiros de Viana e pensado para fazer a ligação entre ilhas nos Açores, o Atlântida foi recusado pelo Governo Regional por alegadamente não atingir a velocidade pretendida. Contando com os custos associados à dissolução do contrato, o prejuízo ascendeu a 70 milhões de euros. Foi agora comprado a "preço de saldo", para mudar de nome e ser reconvertido num cruzeiro na Amazónia. Fizemos a última viagem do Atlântida e vamos mostrar-lhe os segredos do navio.

O papa-medalhas que veio do espaço

O atleta português mais medalhado de sempre, Francisco Vicente, regressou dos campeonatos europeus de veteranos, na Turquia, com novas lembranças ao pescoço. Três de ouro e duas de prata para juntar à coleção. Tem 81 medalhas, uma por cada ano de vida.

Terror religioso está a aumentar

Relatório sobre a Liberdade Religiosa é divulgado esta terça-feira em todo o mundo. Dos 196 países analisados, só em 80 não há indícios de perseguições motivadas pela fé.

Vai pagar mais ou menos IRS? Veja as simulações

Reforma do imposto protege quem tem dependentes a cargo, mas pode penalizar os restantes contribuintes. Função pública e pensionistas vão ter mais dinheiro disponível. Veja simulações para vários casos.

Tem três minutinhos? Vamos explicar-lhe o que muda no orçamento de 350 mil portugueses (e no de muitas empresas)

O novo salário mínimo entrou em vigor. São mais €20 brutos para cerca de 350 mil portugueses (números do Ministério da Segurança Social, porque os sindicatos falam em 500 mil trabalhadores). Mudou o valor, mas também os descontos que as empresas fazem para a Segurança Social. Porque se trata de uma medida que afeta a vida de muitos portugueses, queremos explicar o que se perde e o que se ganha, o que se altera e o que se mantém.

Music fighter: temos Marco Paulo e Bruno Nogueira numa batalha épica

Está preparado para um dos encontros mais improváveis na história da música portuguesa? O humorista Bruno Nogueira e a cantora Manuela Azevedo, dos Clã, pegaram em várias músicas consideradas "pimba" - daquelas que ninguém admite ouvir mas que, no fundo, todos vão dançar assim que começam a tocar - e deram-lhe novos arranjos, num projeto que chegou aos coliseus de Lisboa e do Porto.  "Ninguém, ninguém", de Marco Paulo, tem possivelmente a introdução mais acelerada e frenética do panorama musical português. Mas, no frente-a-frente, quem é o mais rápido? Vai um tira-teimas à antiga?

Dez verdades assustadoras sobre filmes de terror

Este vídeo é como o monstro de "Frankenstein": ganhou vida graças à colagem de partes de alguns dos filmes mais aterrorizantes de sempre. Com uma ratazana mutante e os organizadores do festival de cinema de terror MotelX pelo meio. O Expresso foi à procura das razões que explicam o fascínio pelo terror, com muito sangue (feito de corante alimentar) à mistura. 

A paixão do vinil

Se para muitos o vinil é apenas uma moda que faz parte da cultura do revivalismo vintage, para outros ver o disco girar nunca deixou de ser algo habitual.

Portugal foi herdado, comprado ou conquistado?

Era agosto em Lisboa e, às portas de Alcântara, milhares de homens lutavam por dois reis, participando numa batalha decisiva para os espanhóis e ainda hoje maldita. Aconteceu em agosto de 1580. Mais de 400 anos depois, o Expresso deu-lhe vida, fazendo uma reconstituição do confronto através do recorte e animação digital de uma gravura anónima da época.

O Maradona dos bancos centrais

Dizer que Mario Draghi está a ser uma espécie de Maradona dos bancos centrais pode parecer estranho. Mas não é exagerado. Os jornalistas João Silvestre e Jorge Nascimento Rodrigues explicaram porquê num conjunto de artigos publicado no Expresso em Novembro de 2013 e que venceu em junho deste ano o prémio de jornalismo económico do Santander e da Universidade Nova. O trabalho observa ainda o desempenho de Ben Bernanke no combate à crise, revisita a situação em Portugal e arrisca um ranking dos 25 principais governadores de bancos centrais. Republicamos os artigos num formato especial desenvolvido para a web.


Comentários 49 Comentar
ordenar por:
mais votados
Isso é que é por o dedo na ferida!
Muito bem!
Sectário
Ricardo Costa é incapaz de fazer uma avaliação objectiva da entrevista e só tenta levar água ao seu moinho, para não entrar em contradição com os seus múltiplos ataques contra Sócrates no passado recente. Assim, o seu veredicto destoa completamente da apreciação de outros comentadores (ver por exemplo o Editorial do DN de hoje). Trata-se de uma lamentável atitude sectária, que prejudica o seu inegável talento jornalístico.
Re: Sectário
Guterres
Re: Guterres
Muita confusão
Re: Muita confusão
Euro = Moeda Única
Re: Euro = Moeda Única
Mérito de Guterres e Sousa Franco
Re: Mérito de Guterres e Sousa Franco
Mérito e falhanço do Guterres
Re: Mérito e falhanço do Guterres
Re: Muita confusão
Re: Muita confusão
UE e Euro
Re: UE e Euro
Ironia
Re: Guterres
Re: Guterres
Re: Guterres
Re: Guterres
Re: Guterres
Re: Sectário
No way, José
Custo
Re: Custo
Instruction
Re: Instruction
Cenários
Re: Cenários
Re: Custo
Teresa de Sousa
Re: Teresa de Sousa
DN e TVI
Re: DN e TVI
Ponto final
Re: Ponto final
Re: Teresa de Sousa
Re: Sectário
A fábula de Charles Smith
Oque é que ele quer?
Toda a gente sabe que Cavaco Silva prefere Manuela Ferreira Leite a Luís Filipe Menezes, ainda que o cargo de maior responsabilidade que lhe atribuiu enquanto foi primeiro-ministro foi a pasta da Educação, uma pasta desvalorizada nos tempos do seu Governo mais empenhado em desbaratar os dinheiros do FSE em falsa formação profissional. Na ocasião da escolha da liderança do PSD foi notícia o envolvimento de assessores de Cavaco Silva na escolha de Manuela Ferreira Leite, a notícia do Expresso foi desmentida mas o jornal reafirmou-a. Aliás, estes assessores, personagens anónimas e quase secretas que detêm desempenhado um Cavaco Silva não oficial, têm tido um papel durante esta presidência que nunca tiveram no passado, em regra para fazerem intriga política.
Foi evidente a mudança de postura de Cavaco Silva em relação ao Governo e com o PSD, com Marques Mendes o Presidente relegava o seu partido para uma posição subalterna levando-o a assinar pactos com Sócrates. Com Manuela Ferreira Leite Cavaco Silva abandonou a estratégia da unanimidade presidencial e começou a fazer das palavras de Manuela Ferreira Leite ou, o que é bem mais grave, a líder do PSD começou a antecipar os discursos oficiais de Cavaco Silva fazendo-os palavras suas.
É evidente a articulação de estratégias políticas entre Cavaco Silva e Manuela Ferreira Leite, quando uma fala o outro repete, quando um fala a outra apoia. Só resta saber o que pretende Cavaco Silva.
Levar Manuela Ferreira Leite só seria possível com a ajuda do caso Freeport, mas nesse caso estaria a envolver a Presidência da Republica num quase golpe de Estado de contornos duvidosos. Que o assunto interessa a Cavaco mostra a ultima reunião que manteve com Pinto Monteiro que ninguém percebeu muito bem, nem sequer se sabe se foi o Presidente a convocá-la ou o Procurador-Geral a solicitá-la. Coincidência, ou talvez não, ocorreu pouco tempo depois de Sócrates responder de forma dura a um discurso de Cavaco Silva.
A estratégia passa mais por impedir uma maioria absoluta de Sócrates, mas a crise económico teve efeitos políticos inversos aos esperados, Sócrates tem resistido ao impacto da crise. Quando se esperava solidariedade do Presidente da República este escolhe um dos momentos mais difíceis que o país já atravessou para condenar as opções de Sócrates e alinhar com o discurso de Manuela Ferreira Leite, numa clara tentativa de desafiar Sócrates.
Cavaco Silva procura a crise política mas não com o objectivo de dar as legislativas a Manuela Ferreira Leite, o que o Presidente parece pretender é manter a crise política a marinar para além das legislativas, no pressuposto de que Sócrates não alcança a maioria absoluta. É evidente que Cavaco já não quer ter boas relações com Sócrates, ainda só não tem a certeza que que ele próprio não será uma das vítimas da sua estratégia. É que Cavaco está longe de ser uma personagem amada neste país, só ganhou as eleições à segunda tentativa e graças à ausência de adversário.
A partir do momento em que tenha Manuela Ferreira Leite à frente do Governo, que muito dificilmente terá a maioria absoluta que agora parece querer negar a Sócrates, o Presidente da República e a sua velha discípula terão contra ambos uma esquerda socialmente maioritária. Neste contexto e acusado de ter lançado uma crise política sem olhar ao momento difícil que o país atravessava Cavaco Silva core um sério risco de voltar a ser derrotado numas presidenciais.
O que quer que seja que Cavaco Silva quer não tem nada que ver com os interesses do país, nem mesmo do PSD pois se assim fosse teria apoiado Marques Mendes, um líder bem mais capaz do que Manuela Ferreira Leite. Cavaco quer governar nem que seja por interposta pessoa, o seu discurso é mais próprio de um candidato a primeiro-ministro do que de um Presidente da República.
ISENÇÃO
Lamentável a ideia que as pessoas têm do jornalistas.
Jornalismo não é atacar, fazer politiquice ou oposição (Embora exista que o faça)
Jornalismo sério é investigar, é estudar para poder fazer as perguntas que o cidadão comum gostaria de poder fazer.
Quando acontece o contrário, estão a servir outros interesses...
A mesma enguia de sempre
O Sócrates mais uma vez mostrou o animal político que é, manipulando, desviando, rabiando, esquivando-se sucessivamente às perguntas e evitando respostas objectivas. Na realidade não passa dum vendedor de "banha da cobra". E quando critica o "bota abaixo", deixa de o ser (hipocrisia pura), e continua a não dar qualquer esperança, nem tem qualquer ideia, refugiando-se de que a oposição é falha de ideas.
vergonha!
Creio que as entrevistas que este senhor já fez ao primeiro-ministro, aliás, trata o mesmo por "[ó] Zé Sócrates", mostram bem o seu carácter e o seu profissionalismo! não entendo..! Tenha ou não razão, as abordagens que tem e faz, são contra-natura os termos do jornalismo!
Raiva...
O que para aí vai de raiva...
Afinal, o "Sr. Engenheiro", nosso Primeiro Ministro, pôde conduzir a entrevista como quis, quase ameaçar a entrevistadora por ousar falar na questão do vídeo e o jornalista Ricardo Costa não pode ter opinião?
Isto é que vai aqui uma democracia!...
Dá pena assistir a tanta raiva...
Re: Raiva...
O Trafulha
O PM, auto intitulado engenheiro, é um trafulha profissional. O seu longo currículo de trafulhices e a maneira esperta como ilude os problemas são evidentes. Evidencia uma retórica própria de um 'banha da cobra' misturada com uma arrogância fruto da reacção à sua consciência de encurralado. Até quando?
Mais do mesmo
O conteúdo das opiniões exprimidas por este Sr. é sempre previsível. Todas as almas informadas sabem o que esperar dele sempre que se pronuncia sobre qualquer cor politica que difira daquela que é obrigado a defender, impreterivelmente.

Em virtude daqueles que lhe pagam o ordenado, a sua postura nunca poderia ser diferente. Aliás, estou convicto de que em Portugal existem determinados quadrantes políticos que estimulam a defesa do combate velado e o menosprezo incondicional de toda e qualquer posição ou ideologia oposta à sua.

As opções adoptadas pelos seus “adversários” nunca são boas. Tudo o que é contrário é negativo e nunca se é capaz de vislumbrar qualquer aspecto positivo em nada, neste contexto. São acérrimos pessimistas no que concerne aos opositores do “seu” sistema e da sua versão da “verdade”.
 
Não me parece credível que o Sr. Costa saiba com exactidão o que é que os Portugueses querem ou não saber neste momento. Eu, por exemplo, estaria mais interessado em conhecer as soluções concretas que a oposição tem para oferecer ao Pais para mitigar a crise, para além das minudências e lugares comuns que todos conhecemos e estamos fartos de ouvir.

Só assim terei escolha de opção nas eleições que se avizinham.

Muitos eleitores, ao contrário do que julgam certas mentes, não possuem partido fixo e votam consoante as melhores propostas apresentadas. Não votam no partido A, apenas porque nasceram na cidade X ou porque a sua família sempre votou nesse partido.
Comentários 49 Comentar

Últimas

Ver mais

Edição Diária 17.Abr.2014

Leia no seu telemóvel, tablet e computador

PUBLICIDADE

Pub