Anterior
"Até no futebol eles nos atropelam"
Seguinte
Cinco jogadores aos tiros em Opalenica
Página Inicial   >  Dossiês  >  Dossies Desporto  >  Euro 2012  >   Ricardo Costa: "Já não há adjetivos para classificar o homem..."

Euro 2012

Ricardo Costa: "Já não há adjetivos para classificar o homem..."

Defesa falou de tudo: da pega entre Lopes e Quaresma, dos elogios a Ronaldo, do sonho de chegar à final, da preferência pela Espanha nas meias-finais - e da tensãozinha natural de quem não está a jogar. Clique para visitar o dossiê Euro 2012
|
Ricardo Costa: 'Já não há adjetivos para classificar o homem...'

Clique para aceder ao índice do Dossiê Euro 2012
O treino aberto ao público foi ligeiro como se impunha. Jogou-se à rabia, mostravam-se os últimos recursos técnicos do menu, brincava-se muito. Só que na peladinha Miguel Lopes e Ricardo Quaresma trocaram uns mimos após dois lances mais quentinhos entre ambos: Lopes entrou duro e Quaresma, ao cair à segunda, mostra-lhe as chuteiras nas pernas. Houve sururu mas a coisa sanou com a intervenção de outros colegas. "É normal, faz parte da intensidade que nós aplicamos em cada disputa de bola. Pequenos casos que ficam solucionados", disse Ricardo Costa, o defesa-central, na conferência de imprensa.

Costa, que tem zero minutos nas pernas neste Europeu, não está preocupado. Como é lógico, gostava de jogar e está à espreita "da oportunidade" que pode ou não chegar. Se jogar, melhor. Se não jogar, amigos como dantes. "A motivação é estar aqui a defender Portugal. Estamos aqui, fomos os escolhidos. Estou pronto para jogar."

Getty Ricardo Costa ainda não jogou no Euro-2012

O capitão nacional e a final


Quem joga sempre - a não ser que o seu mundo dele acabe amanhã - é Cristiano Ronaldo. Ricardo Costa diz que a seleção não é Ronaldo-dependente, porque isso não fica bem, mas reforça a ideia de que todos estão com o capitão nacional. "Ele é o melhor jogador do mundo, não pode existir a mínima dúvida sobre o Cristiano, que está no auge da sua carreira", confessa o central-lateral. E acrescenta: "O Cristiano é um superjogador que trabalha dentro e fora de campo. Marcar dois golos, para ele, é fácil. Já não há adjetivos para classificar o homem." O homem, lá está.

E é nesse homem que poderá estar a chave portuguesa para abrir a porta da final. "Temos esse sonho, logicamente. E não falemos de gerações de ouro ou de prata. As grandes selecções são aquelas que põem o seu nome na UEFA ou FIFA; são as que ganharam alguma coisa", argumenta Ricardo Costa.

Espanha entrega-se à pressão alta


Bom, mas antes da final, há uma meia-final e uma dúvida: Espanha ou França? Lendo nas entrelinhas do discurso de Costa, Portugal (ou pelo menos, ele) prefere enfrentar os espanhóis. "Estão a jogar de uma forma diferente. Tocam a bola muitas vezes mas estão sem muita profundidade. Podemos pressionar alto e sair em contra-ataque. Já a França tem uma transição rápida, um jogo vertical que nos pode criar muitos mais problemas." Não esquecer que Portugal perdeu três meias-finais frente aos gauleses (1984, 2000, em Europeus; 2000, no Mundial). A história pesa?

O treinador que os percebe


Façamos contas: Bento foi colega, rival e treinador de uma mão-cheia de jogadores que estão na seleção. Ronaldo, Quaresma, Patrício, Miguel Veloso, Moutinho, Varela ou João Pereira, por exemplo. Este conhecimento, quando bem aproveitado, é uma vantagem. Os jogadores veem em Bento um tipo sério, honesto e, sobretudo, que os entende como jogadores. "Temos uma grande cumplicidade. É um ex-jogador que conhece os jogadores e que sabe como nós pensamos. Sabe lidar com os futebolistas porque já foi nosso companheiro".

A loucura de Rami?


Ricardo Costa conhece dois jogadores dos possíveis adversários: Jordi Alba, da Espanha, e Adil Rami, da França. Garante que já falou com o primeiro, que já lhe desejou sorte, mas que não tem trocado mensagens com o Rami. "É um bocadinho louco." Como assim, louco? Fomos pesquisar e há uma reportagem de um jornal francês que escreve mais ou menos isto: "Rami, o triunfo da indiferença." 


Opinião


Multimédia

Dez verdades assustadoras sobre filmes de terror

Este vídeo é como o monstro de "Frankenstein": ganhou vida graças à colagem de partes de alguns dos filmes mais aterrorizantes de sempre. Com uma ratazana mutante e os organizadores do festival de cinema de terror MotelX pelo meio. O Expresso foi à procura das razões que explicam o fascínio pelo terror, com muito sangue (feito de corante alimentar) à mistura. 

A paixão do vinil

Se para muitos o vinil é apenas uma moda que faz parte da cultura do revivalismo vintage, para outros ver o disco girar nunca deixou de ser algo habitual.

Portugal foi herdado, comprado ou conquistado?

Era agosto em Lisboa e, às portas de Alcântara, milhares de homens lutavam por dois reis, participando numa batalha decisiva para os espanhóis e ainda hoje maldita. Aconteceu em agosto de 1580. Mais de 400 anos depois, o Expresso deu-lhe vida, fazendo uma reconstituição do confronto através do recorte e animação digital de uma gravura anónima da época.

O Maradona dos bancos centrais

Dizer que Mario Draghi está a ser uma espécie de Maradona dos bancos centrais pode parecer estranho. Mas não é exagerado. Os jornalistas João Silvestre e Jorge Nascimento Rodrigues explicaram porquê num conjunto de artigos publicado no Expresso em Novembro de 2013 e que venceu em junho deste ano o prémio de jornalismo económico do Santander e da Universidade Nova. O trabalho observa ainda o desempenho de Ben Bernanke no combate à crise, revisita a situação em Portugal e arrisca um ranking dos 25 principais governadores de bancos centrais. Republicamos os artigos num formato especial desenvolvido para a web.

Com Deus na alma e o diabo no corpo

Quem os vê de fora pode pensar que estão possuídos. Eles preferem sublinhar o lado espiritual e terapêutico desta dança - chamam-lhe "krump" e nasceu nos bairros pobres dos Estados Unidos. De Los Angeles para Chelas, em Lisboa, já ajudou a tirar jovens do crime. Ligue o som bem alto e entre com o Expresso no bairro. E faça o teste: veja se consegue ficar quieto.

O Cabo da Roca depois da tragédia que matou casal polaco

Os turistas portugueses e estrangeiros que visitam o Cabo da Roca, em Sintra, continuam a desafiar a vida nas falésias, mesmo depois da tragédia que resultou na morte de um casal polaco, cujos filhos menores estavam também no local. Durante a visita do Expresso, um segurança tentou alertar os turistas para o perigo e refere a morte do casal polaco. O apelo não teve grande efeito. Veja as imagens.

Ó Capitão! meu Capitão! ergue-te e ouve os sinos

Ele foi a nossa ama... desajeitada. Ele foi o professor que nos inspirou no liceu. Ele trouxe alegria, mesmo nas alturas mais difíceis. Ele indicou-nos o caminho na faculdade. Ele ensinou-nos a manter a postura, mas também a quebrar preconceitos. Ele ensinou-nos que a vida é para ser aproveitada a cada instante. Ó capitão, meu capitão, crescemos contigo e vamos ter de envelhecer sem ti. 

Crumble. A sobremesa mais fácil do mundo

Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida, especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Voámos num F-16

Um piloto da Força Aérea voou com uma câmara GoPro do Expresso e temos imagens inéditas e exclusivas para lhe mostrar num trabalho multimédia.

Salada de salmão com sorvete de manga

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Por faróis nunca dantes navegados

São a salvaguarda dos navegantes, a luz que tranquiliza o mar. Há 48 faróis em Portugal continental e nas ilhas. Este é um acontecimento único: todos os faróis e 1830 km de costa disponíveis num mesmo trabalho. Para entendê-los e vê-los, basta navegar neste artigo.

Parecem casulos onde gente hiberna à espera de ver terra

No Porto de Manaus não há barcos, mas autocarros bíblicos que caminham sobre água. Têm vários andares e estão cheios de camas de rede que parecem casulos onde homens, mulheres e crianças aguardam o destino. E há gente a vender o que houver e tiver de ser junto ao Porto. "Como há Copa, tem por aí muito gringo que vem ter com 'nóis'. E então fica mais fácil vender"

O adeus de Lobo Antunes às aulas de medicina

O neurocirurgião deu terça-feira a sua "Última Lição" no auditório do Instituto de Medicina Molecular da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, na véspera de deixar o seu trabalho no serviço nacional de saúde.

Jaguar volta a fabricar desportivo dos anos 60

Até ao verão será fabricado um número limitado de desportivos Jaguar E-Type Lightweight, seguindo todas as especificações originais, incluindo a continuação do número de série das unidades produzidas em 1963.


Comentários 2 Comentar
ordenar por:
mais votados
Re: Ricardo Costa: "Já não há adjectivos para clas
Quaresma a dar o contributo habitual às equipas por onde vai passando, quando não é colocado num pedestal.

Queirós falava da iniciativa publicitária de escolher o 23º jogador. Se deixassem ao povo a escolha de retirar um, este revoltado estava tramado..
S. João no Porto
Querido João, Santo Milagreiro,
Vê se dás sinal de vida.
Senão, um destes dias,
O Ronaldo vira Nosso Padroeiro!
Comentários 2 Comentar

Últimas

Ver mais

Edição Diária 17.Abr.2014

Leia no seu telemóvel, tablet e computador
PUBLICIDADE

Pub