Anterior
Herança poderá ter provocado massacre nos Alpes
Seguinte
PS respeitará compromissos com a troika
Página Inicial   >  Atualidade / Arquivo   >   Revista sueca publica fotografias de Kate Middleton topless

Revista sueca publica fotografias de Kate Middleton topless

Revista sueca também publicou fotografias de Kate Middleton topless, depois de um tribunal ter proibido as imagens em França. Revista dinamarquesa também vai divulgar fotos amanhã.
Revista francesa "Closer" foi a primeira a publicar as fotografias que já correram mundo
Revista francesa "Closer" foi a primeira a publicar as fotografias que já correram mundo / Reuters

A revista sueca "Se & Hor" publicou as polémicas fotografias de Kate Middleton topless durante umas férias no sul de França, num suplemento especial de 16 páginas.

A "Closer", revista francesa, foi a primeira a publicar as imagens, cuja publicação ou cedência foi entretanto proibida por um tribunal do país, após uma providência cautelar entregue pelo casal real. Contudo, as fotografias também já tinham sido divulgadas em Itália e na Irlanda do Norte - para além de estarem disponíveis online -, para despero da família real.

"Não é novo para nós publicar fotografias de celebridades nuas em férias", explicou a editora-chefe da revista sueca que publicou as imagens, citada pelo jornal inglês "Mirror", que acrescentou que Demi Moore e Sharon Stone também já tiveram imagens semelhantes publicadas.

Amanhã será a vez da revista "irmã" da "Se & Hor", a dinamarquesa "Se & Hoer", também ter as fotografias publicadas. O editor-chefe Kim Henningsen adiantou que foram oferecidas à revista 240 fotografias, mas "só" 70 delas foram selecionadas. Henningsen recusou dizer quando pagaram pelas imagens e quem as forneceu.  

A família real britânica já terá tomado conhecimento das novas publicações, mas ainda não agiu.

Queixa-crime por atentado à vida privada


Um tribunal francês já tinha proibido ao editor Mondadori a cedência e qualquer nova difusão das fotografias de Kate Middleton, publicadas pela revista "Closer" na passada sexta-feira. Durante uma audiência na segunda-feira, o advogado do casal real britânico, Aurélien Hamelle, tinha entregue uma providência cautelar para travar a difusão das fotografias, incluindo através da Internet.

Entretanto, a justiça francesa também abriu um inquérito preliminar, na sequência da entrega dos duques de Cambridge de uma queixa-crime em França por atentado à vida privada. O Ministério Público de Nanterre anunciou que o inquérito vai ser aberto pela brigada de repressão da delinquência à pessoa em Paris.

A queixa-crime foi apresentada contra a revista "Closer", propriedade do grupo de "media" italiano Mondadori, do ex-primeiro-ministro italiano Silvio Berlusconi, e contra o/os fotógrafos. "Vai haver uma instrução, que vai procurar determinar quem é que violou a intimidade da vida privada do casal, explicou o advogado Christophe Bigot, especialista em casos de imprensa.

Recordar a princesa Diana


A revista de celebridades italiana "Chi", propriedade do grupo Berlusconi, também publicou na segunda-feira as fotografias numa reportagem de 28 páginas com o título "Kate Middleton -- Escândalo na corte: a rainha está nua".

Na sexta-feira, os serviços dos duques de Cambridge consideraram que a publicação de fotografias da duquesa em topless pela revista francesa constituía um "ataque à vida privada" e recordaram a princesa Diana.

William, segundo na sucessão do trono britânico, e Kate "ficaram profundamente desgostosos de saber que uma revista francesa e um fotógrafo tinham atacado a sua vida privada de umaforma tão grotesca e totalmente injustificável", sublinhou, em comunicado, o Palácio de Saint James.

"Este incidente recorda os piores excessos da imprensa e dos paparazzi durante a vida de Diana (...) o que choca ainda mais o duque e a duquesa", adiantou o Palácio. Várias das fotografias foram tiradas com teleobjetiva.


Opinião


Multimédia

O Cabo da Roca depois da tragédia que matou casal polaco

Os turistas portugueses e estrangeiros que visitam o Cabo da Roca, em Sintra, continuam a desafiar a vida nas falésias, mesmo depois da tragédia que resultou na morte de um casal polaco, cujos filhos menores estavam também no local. Durante a visita do Expresso, um segurança tentou alertar os turistas para o perigo e refere a morte do casal polaco. O apelo não teve grande efeito. Veja as imagens.

Ó Capitão! meu Capitão! ergue-te e ouve os sinos

Ele foi a nossa ama... desajeitada. Ele foi o professor que nos inspirou no liceu. Ele trouxe alegria, mesmo nas alturas mais difíceis. Ele indicou-nos o caminho na faculdade. Ele ensinou-nos a manter a postura, mas também a quebrar preconceitos. Ele ensinou-nos que a vida é para ser aproveitada a cada instante. Ó capitão, meu capitão, crescemos contigo e vamos ter de envelhecer sem ti. 

Crumble. A sobremesa mais fácil do mundo

Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida, especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Voámos num F-16

Um piloto da Força Aérea voou com uma câmara GoPro do Expresso e temos imagens inéditas e exclusivas para lhe mostrar num trabalho multimédia.

Salada de salmão com sorvete de manga

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Por faróis nunca dantes navegados

São a salvaguarda dos navegantes, a luz que tranquiliza o mar. Há 48 faróis em Portugal continental e nas ilhas. Este é um acontecimento único: todos os faróis e 1830 km de costa disponíveis num mesmo trabalho. Para entendê-los e vê-los, basta navegar neste artigo.

Parecem casulos onde gente hiberna à espera de ver terra

No Porto de Manaus não há barcos, mas autocarros bíblicos que caminham sobre água. Têm vários andares e estão cheios de camas de rede que parecem casulos onde homens, mulheres e crianças aguardam o destino. E há gente a vender o que houver e tiver de ser junto ao Porto. "Como há Copa, tem por aí muito gringo que vem ter com 'nóis'. E então fica mais fácil vender"

O adeus de Lobo Antunes às aulas de medicina

O neurocirurgião deu terça-feira a sua "Última Lição" no auditório do Instituto de Medicina Molecular da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, na véspera de deixar o seu trabalho no serviço nacional de saúde.

Jaguar volta a fabricar desportivo dos anos 60

Até ao verão será fabricado um número limitado de desportivos Jaguar E-Type Lightweight, seguindo todas as especificações originais, incluindo a continuação do número de série das unidades produzidas em 1963.

"Naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas"

Mais do que uma manifestação, o 'primeiro' 1º de Maio é recordado como a grande festa da Revolução dos Cravos, quando o povo saiu às ruas em massa e a união das esquerdas era um sonho possível. "O 1º de Maio seria mais uma primeira coisa, porque naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas." Foi há 40 anos.

Este trabalho não foi visado por qualquer comissão de censura

Aquilo que hoje é uma expressão anacrónica estava em relevo na primeira página do "República", a 25 de Abril de 1974: "Este jornal não foi visado por qualquer comissão de censura". Quarenta anos depois da Revolução, veja os jornais, ouça os sons e compreenda como decorreu o "dia inicial inteiro e limpo", como lhe chamou Sophia. O Expresso falou ainda com cinco gerações de 40 anos e percorreu a "geografia" das Ruas 25 de Abril de todo o país, falando com quem lá mora. Veja a reportagem multimédia.


Comentários 4 Comentar
ordenar por:
mais votados
Ela que se vista ou que se cale!
Quem anda à chuva, molha-se!
God save the boobs
Quais os limites da liberdade de expressão?
Há três tipos de crime que devemos ter em conta quando analisamos a liberdade de expressão:

Os crimes contra a honra e a reserva da vida privada (capítulos V e VI - arts 180.º e seguintes do Código Penal)

Os crimes contra sentimentos religiosos (arts. 251.º e 252.º do Código Penal)

O ultraje dos símbolos nacionais, regionais e estrangeiros (arts. 323.º e 332.º do Código Penal)

Na minha opinião faz todo o sentido a criminalização do primeiro grupo, porque visa a protecção jurídica de seres humanos (mesmo depois de mortos - art. 185.º do CP). Exceptuo deste grupo somente a injúria, que deveria ser uma foram livre de expressão.

Já não faz qualquer sentido a protecção jurídica a símbolos nacionais e a crenças religiosas.
Caricaturar ou ironizar com o papa, Maomé, o nosso hino, a nossa bandeira ou com o brasão do município de Fornos de Algodres deve ser visto como uma forma livre de expressão.

Portugal tem um sistema proibicionista, muito na linha europeia.
Já nos EUA tanto sou livre de queimar a bandeira americana como de maldizer do papa.
São conceitos diferentes.
Abuso da liberdade de imprensa
Este tipo de imagens nada têm a ver com informação ou jornalismo. O foto jornalista que captou estas imagens é um sacana.
Notícia, no meio disto tudo é a importância que a casa real dá a este assunto. E até acho uma notícia engraçada.
Comentários 4 Comentar

Últimas

Ver mais

Edição Diária 17.Abr.2014

Leia no seu telemóvel, tablet e computador
PUBLICIDADE

Pub