Anterior
Herança poderá ter provocado massacre nos Alpes
Seguinte
PS respeitará compromissos com a troika
Página Inicial   >  Atualidade / Arquivo   >  Revista sueca publica fotografias de Kate Middleton topless

Revista sueca publica fotografias de Kate Middleton topless

Revista sueca também publicou fotografias de Kate Middleton topless, depois de um tribunal ter proibido as imagens em França. Revista dinamarquesa também vai divulgar fotos amanhã.
Revista francesa "Closer" foi a primeira a publicar as fotografias que já correram mundo
Revista francesa "Closer" foi a primeira a publicar as fotografias que já correram mundo / Reuters

A revista sueca "Se & Hor" publicou as polémicas fotografias de Kate Middleton topless durante umas férias no sul de França, num suplemento especial de 16 páginas.

A "Closer", revista francesa, foi a primeira a publicar as imagens, cuja publicação ou cedência foi entretanto proibida por um tribunal do país, após uma providência cautelar entregue pelo casal real. Contudo, as fotografias também já tinham sido divulgadas em Itália e na Irlanda do Norte - para além de estarem disponíveis online -, para despero da família real.

"Não é novo para nós publicar fotografias de celebridades nuas em férias", explicou a editora-chefe da revista sueca que publicou as imagens, citada pelo jornal inglês "Mirror", que acrescentou que Demi Moore e Sharon Stone também já tiveram imagens semelhantes publicadas.

Amanhã será a vez da revista "irmã" da "Se & Hor", a dinamarquesa "Se & Hoer", também ter as fotografias publicadas. O editor-chefe Kim Henningsen adiantou que foram oferecidas à revista 240 fotografias, mas "só" 70 delas foram selecionadas. Henningsen recusou dizer quando pagaram pelas imagens e quem as forneceu.  

A família real britânica já terá tomado conhecimento das novas publicações, mas ainda não agiu.

Queixa-crime por atentado à vida privada


Um tribunal francês já tinha proibido ao editor Mondadori a cedência e qualquer nova difusão das fotografias de Kate Middleton, publicadas pela revista "Closer" na passada sexta-feira. Durante uma audiência na segunda-feira, o advogado do casal real britânico, Aurélien Hamelle, tinha entregue uma providência cautelar para travar a difusão das fotografias, incluindo através da Internet.

Entretanto, a justiça francesa também abriu um inquérito preliminar, na sequência da entrega dos duques de Cambridge de uma queixa-crime em França por atentado à vida privada. O Ministério Público de Nanterre anunciou que o inquérito vai ser aberto pela brigada de repressão da delinquência à pessoa em Paris.

A queixa-crime foi apresentada contra a revista "Closer", propriedade do grupo de "media" italiano Mondadori, do ex-primeiro-ministro italiano Silvio Berlusconi, e contra o/os fotógrafos. "Vai haver uma instrução, que vai procurar determinar quem é que violou a intimidade da vida privada do casal, explicou o advogado Christophe Bigot, especialista em casos de imprensa.

Recordar a princesa Diana


A revista de celebridades italiana "Chi", propriedade do grupo Berlusconi, também publicou na segunda-feira as fotografias numa reportagem de 28 páginas com o título "Kate Middleton -- Escândalo na corte: a rainha está nua".

Na sexta-feira, os serviços dos duques de Cambridge consideraram que a publicação de fotografias da duquesa em topless pela revista francesa constituía um "ataque à vida privada" e recordaram a princesa Diana.

William, segundo na sucessão do trono britânico, e Kate "ficaram profundamente desgostosos de saber que uma revista francesa e um fotógrafo tinham atacado a sua vida privada de umaforma tão grotesca e totalmente injustificável", sublinhou, em comunicado, o Palácio de Saint James.

"Este incidente recorda os piores excessos da imprensa e dos paparazzi durante a vida de Diana (...) o que choca ainda mais o duque e a duquesa", adiantou o Palácio. Várias das fotografias foram tiradas com teleobjetiva.


Opinião


Multimédia

Temos 16 imagens que não explicam o mundo, mas que ajudam a compreendê-lo

O júri do World Press Photo queria dar o prémio maior da edição deste ano (e talvez das edição todas) a uma fotografia com "potencial para se tornar icónica". A primeira imagem desta fotogaleria, por ser "esteticamente poderosa" e "revelar humanidade", é o que o júri procurava. A fotografia de um casal homossexual russo, a grande vencedora, é a primeira de 16 imagens de uma seleção onde há Messi desolado, migrantes em condições indignas no Mediterrâneo, a aflição do ébola, mistérios afins e etc - são os contrastes do mundo.

Os assassínios, as execuções, as decapitações são as imagens mais chocantes de uma propaganda cada vez mais sofisticada. É a Jihad, que recruta guerrilheiros no ocidente para matar e morrer na Síria. O Expresso seguiu as pisadas de cinco jiadistas portugueses, mostrando quem são e como foram convertidos e radicalizados. E como lutam, como foram morrer - e como já haverá arrependidos com medo de fugir. Reportagem em Londres, no café onde viam jogos de futebol, na universidade onde estudavam e na mesquita onde rezavam. Autoridades e especialistas em terrorismo estão alerta sobre este pequeno mas perigoso grupo, onde corre sangue português - e de onde escorre sangue por Alá.

Hoje é dia de cozido serrano... light

O Talasnal é talvez a mais famosa das aldeias de Xisto da Lousã, cheia de carisma e de pormenores que fazem esquecer o tempo a passar. Veja, confecione, desfrute e impressione com esta receita.

Vamos falar de sexo. Seis portugueses revelam tudo o que lhes dá prazer na cama

Neste primeiro episódio de uma série que vai durar sete semanas, seis entrevistados falam abertamente sobre aquilo que lhes dá mais satisfação na intimidade. Sexo em grupo, sexo na gravidez, prazer sem orgasmo e melhor sexo após a menopausa são alguns dos temas referidos nos testemunhos desta semana. O psiquiatra Francisco Allen Gomes explica ainda a razão de muitas mulheres fingirem o orgasmo. O Expresso e a SIC falaram com 33 portugueses que deram a cara e o testemunho de como são na cama. Ao longo das próximas sete semanas, contamos-lhe tudo.

Elvis. Gostamos ou não gostamos?

Ele não é consensual, mas é incontornável. Dispunha de penteado majestoso e patilha marota, aparentava olhar matador e pose atrevida. E deixou canções: umas fáceis e outras nem tanto, por vezes previsíveis e às vezes inesperadas, ora gentis ora aceleradas. E ele, Elvis, nasceu em janeiro de 1934 - há precisamente 40 anos, ao oitavo dia. Temos quatro textos sobre o artista: Nicolau Santos, Rui Gustavo, Nicolau Pais e João Cândido da Silva explicam o que apreciam, o que toleram e o que não suportam.

A última viagem do navio indesejado

Construído nos Estaleiros de Viana e pensado para fazer a ligação entre ilhas nos Açores, o Atlântida foi recusado pelo Governo Regional por alegadamente não atingir a velocidade pretendida. Contando com os custos associados à dissolução do contrato, o prejuízo ascendeu a 70 milhões de euros. Foi agora comprado a "preço de saldo", para mudar de nome e ser reconvertido num cruzeiro na Amazónia. Fizemos a última viagem do Atlântida e vamos mostrar-lhe os segredos do navio.

Desfile de vedetas

Saiba tudo sobre os modelos concorrentes ao Carro do Ano 2015/Troféu Essilor Volante de Cristal. Conheça o essencial sobre os 20 automóveis participantes nesta iniciativa, da estética, às características técnicas, do preço ao consumo. A apresentação ficará completa no dia 3 de janeiro.

Tudo o que precisa de saber sobre o ébola. Em dois minutos

Porque é que este está a ser o pior surto da história? Como é que os primeiros sintomas se confundem com os de outras doenças? É possível viajar depois de ter contraído o vírus, sem transmitir a doença? E estamos ou não perto de ter uma vacina? O Expresso procurou as respostas a estas e outras dúvidas sobre o ébola.

Desacelerámos a realidade para observar a euforia da liberdade

Ela, Jacarandá, é algarvia. Ele, Katmandu, é espanhol. São linces e agora experimentam a responsabilidade da liberdade: foram soltos esta terça-feira numa herdade alentejana, próxima de Mértola, eles que saíram de centros de reprodução em cativeiro. Foi inédito: nunca tinha acontecido algo assim em Portugal. Estivemos lá e ensaiámos o slow motion.

Desaparecidos para sempre no Mar do Norte

O dia 15 de novembro já foi feriado, há 90 anos. A razão foi o desaparecimento de Sacadura Cabral algures no Mar do Norte. Depois de fazer mais de oito mil quilómetros de Lisboa ao Rio de Janeiro, o aviador pioneiro não conseguiu completar o voo entre a cidade holandesa de Amesterdão e a capital portuguesa. Ainda hoje, não se sabe o que aconteceu ao companheiro de Gago Coutinho e tio-avô de Paulo Portas, a quem o Expresso pediu um sms.

Os muros do mundo

Novembro relembrou-nos os muros que caem, mas também os que permanecem e os que se expandem. Berlim aproximou-se de si própria há 25 anos, mas há muros que continuam a desaproximar. Esta é a história de sete deles - diferentes, imprevisíveis, estranhos.

O papa-medalhas que veio do espaço

O atleta português mais medalhado de sempre, Francisco Vicente, regressou dos campeonatos europeus de veteranos, na Turquia, com novas lembranças ao pescoço. Três de ouro e duas de prata para juntar à coleção. Tem 81 medalhas, uma por cada ano de vida.

Terror religioso está a aumentar

Relatório sobre a Liberdade Religiosa é divulgado esta terça-feira em todo o mundo. Dos 196 países analisados, só em 80 não há indícios de perseguições motivadas pela fé.

Vai pagar mais ou menos IRS? Veja as simulações

Reforma do imposto protege quem tem dependentes a cargo, mas pode penalizar os restantes contribuintes. Função pública e pensionistas vão ter mais dinheiro disponível. Veja simulações para vários casos.


Comentários 4 Comentar
ordenar por:
mais votados
Ela que se vista ou que se cale!
Quem anda à chuva, molha-se!
God save the boobs
Quais os limites da liberdade de expressão?
Há três tipos de crime que devemos ter em conta quando analisamos a liberdade de expressão:

Os crimes contra a honra e a reserva da vida privada (capítulos V e VI - arts 180.º e seguintes do Código Penal)

Os crimes contra sentimentos religiosos (arts. 251.º e 252.º do Código Penal)

O ultraje dos símbolos nacionais, regionais e estrangeiros (arts. 323.º e 332.º do Código Penal)

Na minha opinião faz todo o sentido a criminalização do primeiro grupo, porque visa a protecção jurídica de seres humanos (mesmo depois de mortos - art. 185.º do CP). Exceptuo deste grupo somente a injúria, que deveria ser uma foram livre de expressão.

Já não faz qualquer sentido a protecção jurídica a símbolos nacionais e a crenças religiosas.
Caricaturar ou ironizar com o papa, Maomé, o nosso hino, a nossa bandeira ou com o brasão do município de Fornos de Algodres deve ser visto como uma forma livre de expressão.

Portugal tem um sistema proibicionista, muito na linha europeia.
Já nos EUA tanto sou livre de queimar a bandeira americana como de maldizer do papa.
São conceitos diferentes.
Abuso da liberdade de imprensa
Este tipo de imagens nada têm a ver com informação ou jornalismo. O foto jornalista que captou estas imagens é um sacana.
Notícia, no meio disto tudo é a importância que a casa real dá a este assunto. E até acho uma notícia engraçada.
Comentários 4 Comentar

Últimas

Ver mais
Receba a nova Newsletter
Ver Exemplo

Edição Diária 17.Abr.2014

Leia no seu telemóvel, tablet e computador
PUBLICIDADE

Pub